Locus  

Efeito do armazenamento sobre a digestibilidade e qualidade protéica de cultivares de feijão (Phaseolus vulgaris L.)

Mostrar registro simples

dc.contributor Moreira, Maurílio Alves
dc.contributor Costa, Neuza Maria Brunoro
dc.contributor Lâmego, Márcia Rogéria de Almeida
dc.contributor.advisor Oliveira, Maria Goreti de Almeida
dc.creator Cruz, Geralda Aldina Dias Rodrigues
dc.date.accessioned 2016-10-05T14:04:21Z
dc.date.available 2016-10-05T14:04:21Z
dc.date.issued 2003-10-16
dc.identifier.citation CRUZ, Geralda Aldina Dias Rodrigues. Efeito do armazenamento sobre a digestibilidade e qualidade protéica de cultivares de feijão (Phaseolus vulgaris L.). 2003. 87 f. Tese (Doutorado em Bioquímica Agrícola) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2003. pt-BR
dc.identifier.uri http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/8775
dc.description.abstract No Brasil, o feijão é considerado um dos cultivos de maior importância na produção de alimentos básicos para a população. Como o país tem grandes áreas que podem ser aproveitadas para o plantio dessa cultura, pesquisas tornam-se necessárias a fim de preservar a qualidade do grão após a colheita. A qualidade do feijão está relacionada com produção por unidade de área, características de aceitabilidade pelo consumidor e valor nutritivo. Dessa forma, a melhoria da qualidade do feijão será obtida pela interação entre melhoramento agronômico, ciência e tecnologia de alimentos e nutrição. Assim, com o objetivo de avaliar a qualidade da proteína dos cultivares Aporé, Aruã, A774, Carioca, Diamante Negro, Ouro Branco, Ouro Negro, Pérola, RAO 33, Rudá e Vermelho Coimbra, armazenados por 30 dias e fornecidos pela EMBRAPA – Arroz e Feijão, localizada em Goiânia, GO, procedeu-se à avaliação biológica em ratos machos recém-desmamados e determinou-se a digestibilidade verdadeira e aparente, Protein Efficciency Ratio (PER), Net Protein Ratio (NPR) e Net Protein Utilization (NPU). Foram também analisados quatro métodos para ensaio de digestibilidade in vitro, utilizando-se um sistema multienzimático com as enzimas tripsina, quimotripsina e pancreatina. A equação de regressão obtida dos valores in vivo e in vitro foi usada para correlacionar os estudos in vitro com os ensaios in vivo e, dessa forma, predizer a digestibilidade. Utilizaram-se as digestibilidades verdadeira e aparente de todos os feijões de todos os grupos e separadamente do grupo Carioca, obtidos recém-colhidos e armazenados durante 30 dias, para estabelecer-se o melhor coeficiente de correlação das metodologias analisadas. Os resultados obtidos indicaram que as digestibilidades verdadeira e aparente variaram de 77,58 e 76,77% para a variedade Pérola a 87,46 e 86,65% para a variedade Ouro Branco, respectivamente, as quais, como todas as outras variedades, diferiram significativamente do padrão (caseína). Na análise de PER, a variedade Ouro Branco foi a que obteve melhor desempenho nutricional, apresentando valores de PER e RPER significativamente maiores (2,40 e 61,24%), enquanto a variedade Vermelho Coimbra foi a que exibiu menor valor (1,67 e 42,60%), diferindo significativamente das outras variedades analisadas e do valor obtido para caseína. Os valores de NPR e RNPR foram significativamente menores que os encontrados na caseína e situaram-se entre 2,54 e 57,33% na variedade Vermelho Coimbra e entre 3,55 e 80,13% na ‘Ouro Branco’. Os resultados de NPU e RNPU ficaram entre 38,36 e 52,47 e 56,64 e 77,69%. Os valores encontrados nas variedades de feijões armazenadas foram, na sua totalidade, superiores aos da literatura, o que demonstra que, apesar do tempo de armazenamento, essas variedades tiveram aproveitamento nutricional melhor que outras. O método de avaliação da digestibilidade in vitro que obteve maior R 2 e coeficiente de correlação com os ensaios in vivo, utilizando a combinação dos valores das digestibilidades aparente e verdadeira de todas as variedades armazenadas de feijões recém-colhidos, foi o desenvolvido neste trabalho, que apresentou valores que variaram de 0,75 a 0,83 para o R 2 e de 0,87 a 0,91 para o coeficiente de correlação. A diferença entre os valores de digestibilidade in vivo e in vitro, calculados a partir desse método, foi menor nos feijões recém-colhidos e variou de –2,95 a +3,98 e de –2,97 a +2,61, com relação às digestibilidades verdadeira e aparente, respectivamente. Nos feijões armazenados, a diferença foi maior, variando de –9,65 a +1,09 para a digestibilidade verdadeira e de –7,75 a +3,12 para a aparente. Para a combinação dos valores de digestibilidades verdadeira e aparente das variedades do grupo Carioca, o melhor método também foi o desenvolvido neste trabalho para os feijões recém-colhidos. Os valores de R 2 e coeficiente de correlação apresentados foram de 0,90 e 0,95, tanto para a digestibilidade verdadeira quanto para a aparente. Nos caso dos feijões armazenados, os melhores foram os métodos descritos por HSU et al. (1977) para a digestibilidade verdadeira e por SATERLEE et al. (1979) para a digestibilidade aparente. Os valores de R 2 e o coeficiente de correlação apresentados foram 0,90 e 0,95 para a digestibilidade verdadeira e 0,83 e 0,91 para a aparente, respectivamente. As diferenças entre os valores de digestibilidade in vivo e in vitro, calculados a partir desses métodos, para o grupo Carioca, também foram menores nos feijões recém-colhidos e variaram de –2,77 a +4,15 e de –2,78 a +1,83 para as digestibilidades verdadeira e aparente, respectivamente. Nos feijões armazenados, a diferença foi maior, variando de – 6,68 a +2,59 para a digestibilidade verdadeira e de –6,30 a +3,10 para a aparente. Esses resultados evidenciam que o tempo de armazenamento interfere de forma negativa, aumentando a diferença entre os valores absolutos de digestibilidade in vivo e in vitro e diminuindo a correlação entre os estudos. pt-BR
dc.description.abstract In Brazil, the bean is considered one of the cultivations of larger importance in the production of basic foods for the population. As Brazil has great areas that can be taken advantage of for the planting of that culture, researches become necessary in order to preserve the quality of the grain after the harvest. The quality of the bean is related with production for unit of area; acceptability characteristics for the consumer and nutritional value. In that way, the improvement of the quality of the bean will be obtained by the interaction of the agronomic improvement, science and technology of food and nutrition. This way, with the objective of evaluating the quality of the protein of the cultivate Aporé, Aruã, A774, Carioca, Diamante Negro, Ouro Branco, Ouro Negro, Pérola, RAO 33, Rudá and Vermelho Coimbra, stored by 30 days and supplied by EMBRAPA – Arroz e Feijão, located in Goiânia-GO. They were sent to be biologicaly evaluated in recently-weaned male mice determined was the true and apparent digestibility, Protein Efficciency Ratio (PER), Net Protein Ratio (NPR) and Net Protein Utilization (NPU). Also analyzed were four methods of digestibility in vitro; being used a multienzymatic system with the enzymes trypsin, chymotrypsin and pancreatin. The obtained equation of regression of the values in vivo and in vitro were used to correlate the studies in vitro with the rehearsals in vivo, and in that way predict the digestibility. The true and apparent digestibility of all the beans from the groups but separated from the group Carioca were used. Beans that were recently harvested and stored for 30 days were obtained to establish the best correlation coefficient of the analyzed methodologies. The obtained results showed that the true and apparent digestibility varied from 77.58% and 76.77% to the variety Pérola to 87.46% and 86.65% for the variety Ouro Branco, respectively, that as all the other varieties, it differed significantly of the pattern (casein). In the analysis of PER, the variety Ouro Branco was the one that obtained better nutritional action, presenting values of PER and RPER significantly larger (2.40% and 61.24%), and the variety Vermelho Coimbra was the one that obtained smaller value (1,67 and 42,60%), differing significantly from the other analyzed varieties and from the value obtained for casein. The NPR and the RNPR were significantly smaller than that found for the casein and they located between 2.54% and 57.33% for the variety Vermelho Coimbra to 3,55 and 80,13% for the variety Ouro Branco. The results of NPU and RNPU, ranged between 38.36% to 52.47% and 56.64% to 77.69%. The values found for the varieties of beans stored, were completely superior to those found in the literature, which demonstrates that in spite of the time of storage, those varieties have a nutritional use better than others. The method of evaluation of the digestibility " in vitro " that obtained larger R 2 and correlation coefficient with the trials in vivo, using the combination of the values for the apparent and true digestibility of all the varieties of recently-harvested and stored beans, was the method developed in this work, and it presented values that varied from 0.75 to 0.83 to R 2 and from 0.87 to 0.91 for the correlation coefficient. The difference between the values of digestibility in vivo and the in vitro, calculated for this method, was smaller for the recently-harvested beans, and it varied from –2.95 to +3.98 and from –2.97 to +2.61, for the true and apparent digestibility, respectively. For the stored beans the difference was larger, varying from –9.65 to +1.09 for the true digestibility and from –7.75 to +3.12 for the apparent. For the combination of the values of true and apparent digestibility of the varieties of the group Carioca, the best method was also the one developed in this work for the recently-picked beans. The values of R 2 and correlation coefficient presented, 0.90 and 0.95 were true for both digestibility and the apparent. For the stored beans, the best were the methods described by HSU et al. (1977), for the true digestibility and SATERLEE et al. (1979), for the apparent digestibility. The values of R 2 and correlation coefficient presented were from 0.90 and 0.95 for the true digestibility and 0.83 and 0.91 for the apparent. The differences between the values of digestibility in vivo and in vitro, calculated from those methods, for the group Carioca, were also smaller for the recently-harvested beans, and it varied from –2.77 to +4.15 and from –2.78 to +1.83, for the true and apparent digestibility, respectively. For the stored beans the difference was larger, varying from –6.68 to +2.59 for the true digestibility and from –6.30 to +3.10 for the apparent. These results show that storage interferes in a negative way increasing the difference between the absolute values of digestibility in vivo and in vitro and reduce the correlation among the studies. en
dc.description.sponsorship Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior pt-BR
dc.language.iso por pt-BR
dc.publisher Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.rights Acesso Aberto pt-BR
dc.subject Digestibilidade in vivo e in vitro pt-BR
dc.subject Proteína pt-BR
dc.subject Phaseolus vulgaris pt-BR
dc.subject Armazenamento pt-BR
dc.title Efeito do armazenamento sobre a digestibilidade e qualidade protéica de cultivares de feijão (Phaseolus vulgaris L.) pt-BR
dc.title Effect of the storage on the digestibility and quality of the protein of bean cultivate (Phaseoulus vulgaris L) en
dc.type Tese pt-BR
dc.subject.cnpq Ciências da Saúde pt-BR
dc.creator.lattes http://lattes.cnpq.br/2804290069100939 pt-BR
dc.degree.grantor Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.degree.department Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular pt-BR
dc.degree.program Doutor em Bioquímica Agrícola pt-BR
dc.degree.local Viçosa - MG pt-BR
dc.degree.date 2003-10-16
dc.degree.level Doutorado pt-BR


Arquivos deste item

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

  • Bioquímica Agrícola [208]
    Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Agrícola

Mostrar registro simples

Buscar no Repositório


Navegar

Minha conta