Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/10376
Tipo: Tese
Título: Solos e interações pedogeomorfológicas nas Montanhas Ellsworth, Antártica Continental
Soils and soil­geomorphology interactions of Ellsworth Mountains, Continental Antarctic
Autor(es): Souza, Caroline Delpupo
Abstract: As paisagens de deserto polar podem ser consideradas únicas no planeta. Os processos desenvolvidos sob condições climáticas extremas, como frio intenso e severa aridez induzem a formação de feições pedológicas e geomorfológicas singulares. Em um ambiente onde o agente biológico assume papel secundário é possível analisar a formação do solo a partir de uma ótica minimalista, onde os processos comuns a outras regiões do planeta transcorrem muito lentamente; e processos endêmicos agregam valiosas informações à Ciência do Solo. Neste contexto se insere as Montanhas Ellsworth. Esta área representa uma das grandes lacunas em estudos de caráter pedológico na Antártica, principalmente no que diz respeito à formação de solo em escala detalhada. Faltam também estudos de cronossequência de solos para avaliar comparativamente os estágios de intemperismo e as taxas de formação de solos em superfícies recentemente deglaciadas. Carece ainda de estudos cujo foco de análise seja as interações pedogeomorfológicas sob condições climáticas extremas. Por fim, há ainda muito a avançar nos estudos da dinâmica térmico e hídrica em permafrost seco. Assim, esse trabalho de tese se desenvolveu a partir de tais lacunas. A expedição ao continente gelado da equipe do Laboratório Terrantar se deu em duas etapas: uma primeira no verão de 2012/2013 e outra no verão de 2013/2014; momentos nos quais foram coletados 28 perfis de solo e foram tomadas fotografias da superfície do solo e das unidades de relevo. Os solos da porção sul das Montanhas Ellsworth possuem características típicas de solos de deserto polar e se assemelham grandemente com solos de outras regiões desérticas da Antártica. São, de forma geral, esqueléticos/psamíticos, pouco profundos, com desenvolvimento incipiente de estrutura e com valores de cromas pequenos. Todos os solos acumulam sal em maior ou menor grau, a depender das condições de drenagem locais e exposição de suas superfícies; possuem pavimento pedregoso e apresentam discretas, porém típicas feições de crioturbação. Sua mineralogia demostra a grande relação genética entre os solos e os materiais de origem vii subjacente. Entretanto, a assembleia mineralógica dos solos analisados não apresentou grande variação entre os diferentes materiais parentais, já que o clima extremamente frio e severamente árido determina baixos níveis de intemperismo químico e pedogênese. O intemperismo e a pedogênese estão altamente condicionados ao clima e a natureza recente das superfícies de alteração locais. A cronossequência de solos revelou que os solos se enquadram nos estágios 2, 3 e 3,5 de intemperismo, condizente com a região climática na qual Ellsworth se encontra. Os solos mais desenvolvidos estão localizados em cotas altimétricas mais elevados por se tratarem de superfícies mais antigas que estão expostas há mais tempo pela retração da geleira local. A geomorfologia da área do vale glacial dos Montes Edson pode ser entendida a partir de três conjuntos de unidades de relevo distintas: (i) feições paraglaciais como glaciar rochoso e feições associadas; (ii) feições supraglaciais como o sistema deposicional morâinico; e (iii) feições periglaciais como solos com padrões. Todas essas feições estão relacionadas às variações do manto de gelo da Antártica Ocidental. O regime térmico dos solos de Mount Dolence é característico de solos de deserto polar afetados por permafrost seco. Embora a temperatura do ar não atinja elevados valores positivos, as variações na temperatura do solo são mais intensas durante o verão, o que mostra a resposta do solo à radiação solar. A superfície côncava (mais protegida) apresenta temperaturas mais extremas que a superfície convexa (mais exposta). A camada ativa é submetida a forte sublimação da água, de modo que o conteúdo de umidade do subsolo e sua redistribuição são insignificantes. Por fim, que feições periglaciais ativas ainda sobrevivem nesta paisagem cujas isotermas são extremamente baixas. Isso se dá graças a pulsos ocasionais de aquecimento que esta região sofre desde o Ultimo Máximo Glacial. Assim, observar a paisagem das Montanhas Ellsworth é vislumbrar uma paisagem essencialmente fóssil.
The polar desert landscapes can be considered unique in the world. The processes developed under extreme cold and dry conditions induce the formation of singular soil and geomorphological features. In an environment where the biological agent takes a secondary role it can analyze soil formation from a minimalist perspective, where common processes to other parts of the world elapse very slowly; and endemic processes add valuable information to the Soil Science. In this context falls the Ellsworth Mountains. This area is one of the major gaps in pedological character studies in Antarctica, especially with regard to the soil formation in local scale. Also lack soil chronosequence studies to benchmark the stages of weathering and soil formation rates in newly deglaciadas surfaces. There are not studies focused in soil and geomorphologically interactions under extreme climate conditions. Finally, much remains to be further study of thermal and water dynamics in dry permafrost. Thus, this thesis developed from such gaps. The expedition to the antarctic continent of Terrantar Laboratory staff took place in two stages: a first in the summer of 2012/2013 and another in the summer of 2013/2014; moments in which 28 soil profiles were collected, and photographs were taken from the soil surface and relief units. The soils of the southern portion of the Ellsworth Mountains have typical characteristics of cold desert soils and look like soil from other desert regions of Antarctica. They are, generally, skeletal/ psammitic, shallow, with incipient development of structure and color. All soil accumulates salt depending of local drainage and exposure conditions of their surfaces; they have desert pavement and discrete but typical features of cryoturbation. Their mineralogy demonstrates the great genetic relationship between soils and the underlying source materials. However, the mineralogical assembly of the soils analyzed did not show great variation between the different parental materials, since the extremely cold and arid climate determines severely low levels of chemical weathering and pedogenesis. The weathering and pedogenesis are highly conditioned to the climate and the recent ix nature of the surfaces of local change. The soil chronosequence revealed that soils fall in 2, 3 and 3.5 weathering stages, consistent with the climate region where Ellsworth Mountains are. The more developed soils are located at higher altitudes because they are older surfaces that are exposed for a longer time by the retraction of the local glacier. The geomorphology of the area from glacial valley of the Edson Hills can be understood from three sets of distinct relief units: (i) paraglacial features as rocky glacier and associated features; (ii) supraglacial features as the depositional moraine system; and (iii) periglacial features such as pattern ground. All these features are related to changes of West Antarctica ice sheet. The thermal regime of Mount Dolence soils is characteristic of cold desert soils affected by dry permafrost. Although the air temperature does not reach high positive values, variations in the soil temperature is more intense during the summer, which shows the response of the soil to solar radiation. The concave surface (more protected) has more extreme temperatures that the convex surface (more exposed). The active layer is subjected to strong sublimation of water, so that the moisture content of the subsoil and its redistribution are insignificant. Fnally, the active periglacial features still survive in this landscape whose isotherms are extremely low. This is achieved due to occasional pulses of heat that this region suffers from the Last Glacial Maximum. So, watch the scenery of the Ellsworth Mountains is essentially see a fossil landscape.
Palavras-chave: Solo - Antártica Continental
Geomorfologia - Antártica Continental
Química do solo
CNPq: Ciência do Solo
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: SOUZA, Caroline Delpupo. Solos e interações pedogeomorfológicas nas Montanhas Ellsworth, Antártica Continental. 2015. 118 f. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2015.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/10376
Data do documento: 6-Nov-2015
Aparece nas coleções:Solos e Nutrição de Plantas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo4,64 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.