Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1093
Tipo: Tese
Título: Alterações anatômicas, físicas e fisiológicas induzidas por estresses mecânicos em melão Gália
Título(s) alternativo(s): Anatomical, physical and physiological changes induced by mechanical stress in Galia melon
Autor(es): Rocha, Railene Hérica Carlos
Primeiro Orientador: Salomão, Luiz Carlos Chamhum
Primeiro coorientador: Siqueira, Dalmo Lopes de
Segundo coorientador: Silva, Ebenézer de Oliveira
Primeiro avaliador: Ventrella, Marília Contin
Segundo avaliador: Bruckner, Claudio Horst
Abstract: Este trabalho teve por objetivos caracterizar a estrutura morfoanatômica, com ênfase no epicarpo e mesocarpo do melão Gália, híbrido Solar King , no ponto de colheita; e avaliar o efeito das injúrias mecânicas, provocadas por impacto, compressão e corte, sobre as características estruturais, físicas, químicas e fisiológicas ao longo do armazenamento dos frutos. Os melões foram obtidos em uma propriedade comercial do Município de Mossoró, RN, estabelecendo-se o ponto de colheita com base nos sólidos solúveis ao redor de 10%. No ponto de colheita, os frutos foram caracterizados morfológica (massa, espessura da polpa, comprimento longitudinal e transversal, relação de formato e índice de rendilhamento) e anatomicamente, por meio de microscopias de luz e eletrônica de varredura e de tomografias de ressonância magnética nuclear. Para avaliar o efeito das injúrias mecânicas decorrentes do manuseio pós- colheita, os frutos foram submetidos aos seguintes tratamentos: T1, testemunha; T2, compressão de 12 kg por 5 min, nos sentidos dos eixos pedúnculo ápice e perpendicular ao mesmo; T3, frutos submetidos a impacto, determinado por uma única queda com ponto de impacto na região equatorial, de uma altura de 50 cm, sobre uma manta de borracha com 2,7 mm de espessura; T4, dois cortes paralelos, executados seqüencialmente por lâmina com 6,5 cm de comprimento e 1 mm de espessura; e T5, melões submetidos aos danos dos tratamentos T2 no sentido apical, T3 e T4. Nas análises estruturais, consideraram-se os tratamentos T1, T2, T3 e T4. Nas análises anatômicas, os melões foram mantidos sob condições ambientais a 24 ± 2 °C e 72 ± 5% UR, analisados logo após as injúrias e aos três, seis e oito dias de armazenamento, ou foram refrigerados por 21 dias a 8 ± 2 °C e 85 ± 5% UR e analisados aos 21 dias de refrigeração e aos três, seis e oito dias após a transferência dos frutos refrigerados para as condições ambientais (24 ± 2 °C e 72 ± 5% UR). As análises por tomografia de ressonância magnética nuclear aconteceram aproximadamente 48 h após as injúrias e aos três, seis e oito dias após a transferência dos frutos refrigerados para as condições ambientais. As avaliações físicas e químicas foram feitas por ocasião da colheita aos 21 dias de refrigeração (8 ± 2 °C e 85 ± 5% UR) e aos 3, 6, 9 e 12 dias da transferência dos frutos refrigerados para as condições ambientais (24 ± 2 °C e 72 ± 5% UR), considerando-se as aparências externa e interna do fruto, o ângulo Hue da casca e da polpa, a diferença total de cor (DE) da casca e da polpa, a perda de matéria fresca do fruto, a firmeza da casca e da polpa, o teor de sólidos solúveis, os açúcares solúveis totais, a acidez total titulável, o pH e a relação SS/ATT da polpa. As análises da atividade respiratória e da produção de etileno foram feitas diariamente durante o armazenamento dos frutos a 18 ± 2 °C e 90 ± 5% UR. O melão Gália foi classificado como uma baga de formato esférico, com casca rendilhada, de coloração amarela e polpa branco-esverdeada. Aproximadamente 48 h após a colheita, em imagens de tomografia de ressonância magnética nuclear, o fruto apresentou-se estruturalmente íntegro. O epicarpo foi constituído por células de paredes espessadas e lignificadas, rendilhamentos, ceras epicuticulares, estômatos e tricomas. O mesocarpo mais próximo ao exocarpo foi constituído por células menores e mais adensadas, as células mais internas foram mais volumosas, com espaços intercelulares maiores. Entre os estresses por compressão, impacto e corte, o corte foi o mais o grave, provocando injúria mecânica claramente perceptível logo após a incisão, intensa dessecação do pericarpo, colapso e morte dos tecidos do mesocarpo lateral à lesão, com o avanço dos períodos de armazenamento. Os melões apresentam grande resistência às alterações anatômicas relacionadas aos estresses mecânicos por impacto e compressão e ao longo período de armazenamento. As áreas rendilhadas, juntamente com as ceras epicuticulares e a estrutura adensada das primeiras camadas parenquimáticas, contribuíram para o controle da perda de umidade do fruto e para o amortecimento das injúrias. Ocorreram maior atividade respiratória e produção de etileno nos frutos com injúria mecânica, em comparação com os frutos não injuriados. A produção de etileno foi maior nas frutas com injúrias mecânicas, entre o terceiro e o quinto dia de armazenamento (18 ± 2 °C e 90 ± 5% UR). No aspecto geral, todos os frutos mantiveram boa qualidade até aproximadamente seis dias após a sua remoção da câmara fria (21 dias a 8 ± 2 °C e 85 ± 5% UR), quando se registrou nota igual ou superior a 3 para as aparências externa e interna, teor de sólidos solúveis em torno de 8,5 e firmeza da polpa cerca de 4,0 N, independentemente da presença ou não de injúria mecânica.
The objectives of this work was to characterize the morphoanatomical structure of Galia melon, hybrid Solar King, at harvest time and evaluate the effect of mechanical stress by impact, compression and cutting on structural, physical, chemical and physiological characteristics over fruit storage. Melons were purchased from a commercial farm in the Municipality of Mossoró, RN, establishing the harvest time on the basis of percent soluble solids, around 10%. At harvest time, fruits were characterized morphologically (mass, pulp thickness, longitudinal and cross length, shape index and reticulation index) and anatomically, using light and electron scanning microscopies and nuclear magnetic resonance tomography. To evaluate the effect of mechanical injuries during postharvest handling, fruits were submitted to the following treatments: T1, control; T2, 5 min of 12 kg compression force from peduncle to apex and perpendicular to the same line; T3, fruits submitted to impact, a single fall with impact point on the equatorial plane, from a height of 50 cm, over a 2.7-mm thick rubber blanket; T4, two parallel cuts were done sequentially using a blade 6.5 cm long and 1 mm thick; and T5, melons submitted to damages of treatments T2 towards apex, T3 and T4. The structural analyses considered treatments T1, T2, T3 and T4, whereas or anatomical analyses, fruits were kept at 24 ± 2 °C and 72 ± 5% UR and analyzed soon after injuries and at three, six and eight days of storage, or chilled for 21 days at 8 ± 2 °C and 85 ± 5% UR and analyzed after 21 days of refrigeration and at three, six and eight days after moving the fruits to ambient conditions (24 ± 2 °C and 72 ± 5% UR). Nuclear magnetic resonance tomographies were performed approximately 48 h after injuries and at three, six and eight days after moving the fruits to ambient conditions. Physical and chemical evaluations were carried out at harvest, after 21 days of refrigeration (8 ± 2 °C and 85 ± 5% UR) and at 3, 6, 9 and 12 days after moving the fruits to ambient conditions (24 ± 2 °C and 72 ± 5% UR), considering the external and internal appearance of fruits, Hue angle of peel and pulp, total color difference of peel and pulp, loss of fruit fresh matter, skin and of pulp firmness, soluble solids content, total soluble sugars, total titrable acidity, pH and SS/TA ratio for pulp. Respiratory activity and ethylene production were analyzed daily during fruit storage at 18 ± 2 °C and 90 ± 5% UR. The Galia melon was described as a berry of round shape, with reticulated yellow skin and pale-green pulp. Fruits were shown structurally complete in images of nuclear magnetic resonance tomography, approximately 48 h after harvest. The epicarp consisted of thick and lignified wall cells, reticulated surface, epicuticular waxes, stomata and trichomes. The mesocarp closest to the exocarp consisted of smaller and denser cells, and the most inner cells were more voluminous, with larger intercellular spaces. Comparing stresses by compression, impact and cutting, cutting was the most severe, causing clearly perceptible mechanical injury just after the incision and intense desiccation of pericarp, collapse and death of mesocarp tissues lateral to the lesion, with elapsing of storage period. Fruits showed great resistance to anatomical changes related to mechanical stresses by impact and compression and the long storage period. The reticulated parts, together with epicuticular waxes and denser structure of the first parenchymatic layers, contributed to control moisture loss and reduce injuries. Higher respiratory activity and ethylene production occurred in fruits with mechanical injury compared with non-injured ones. Ethylene production was higher in fruits with mechanical injuries, between the third and the fifth day of storage (18 ± 2 °C and 90 ± 5% UR). Overall, all fruits maintained good quality until approximately six days after removing them from the cold chamber (21 days at 8 ± 2 °C and 85 ± 5% UR), when the recorded scores were equal or above 3 for the external and internal appearance, soluble solids content around 8.5 and pulp firmness about 4 N, independently of the presence or not of mechanical injury.
Palavras-chave: Cucumis melo
Injúrias mecânicas
Armazenamento
Cucumis melo
Mechanical injuries
Storage
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOTECNIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Plantas daninhas, Alelopatia, Herbicidas e Resíduos; Fisiologia de culturas; Manejo pós-colheita de
Programa: Doutorado em Fitotecnia
Citação: ROCHA, Railene Hérica Carlos. Anatomical, physical and physiological changes induced by mechanical stress in Galia melon. 2008. 149 f. Tese (Doutorado em Plantas daninhas, Alelopatia, Herbicidas e Resíduos; Fisiologia de culturas; Manejo pós-colheita de) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1093
Data do documento: 25-Fev-2008
Aparece nas coleções:Fitotecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf3,5 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.