Locus  

Confirmação e caracterização fisiológica de Digitaria insularis resistente ao glyphosate

Show simple item record

dc.contributor Silva, Antonio Alberto da
dc.contributor Freitas, Francisco Cláudio Lopes de
dc.contributor.advisor Sediyama, Tocio
dc.creator Silveira, Hellen Martins da
dc.date.accessioned 2017-09-05T13:40:57Z
dc.date.available 2017-09-05T13:40:57Z
dc.date.issued 2017-07-28
dc.identifier.citation SILVEIRA, Hellen Martins da. Confirmação e caracterização fisiológica de Digitaria insularis resistente ao glyphosate. 2017. 39 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2017. pt-BR
dc.identifier.uri http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/11687
dc.description.abstract Desde a introdução das culturas resistentes ao glyphosate, este herbicida tem sido aplicado repetidas vezes por ano numa mesma área e safra. Esta prática contribui para seleção de biótipos de plantas daninhas resistentes. Espécies como Digitaria insularis, que possuem grande capacidade de disseminação, podem infestar grandes áreas num curto período de tempo. Isto gera maior consumo de herbicidas e eleva os custos de produção das culturas. Assim, esta pesquisa consistiu na identificação e caracterização fisiológica de biótipos de D. insularis resistentes ao glyphosate. A eficácia do glyphosate foi avaliada em três biótipos de D. insularis (MT, BA e GO) com indício de resistência (R) e um biótipo suscetível (S) como controle (MG), por meio de ensaios de dose-reposta, assim como as características fisiológicas (taxa fotossintética, consumo de CO 2 , condutância estomática, taxa transpiratória e eficiência do uso da água) usando um analisador de gases infravermelho (IRGA), visando estabelecer padrões que permitissem discriminar a resistência de D. insularis ao glyphosate. Os biótipos de MG e GO foram caraterizados como suscetíveis ao glyphosate. Os biótipos MT e BA apresentaram elevado nível de resistência ao glyphosate com fatores de resistência que oscilaram entre 3,1 a 26,7, e o biótipo GO apresentou potencial para desenvolvê-la. A ordem de susceptibilidade ao glyphosate dos biótipos foi MG < GO < MT < BA. As maiores diferenças nas alterações fisiológicas em plantas de D. insularis foram observadas nas doses de 360 e 720 g ha -1 do glyphosate. Nas doses de 1440 e 2880 g ha -1 , estas foram afetadas de forma semelhante. Concluiu-se que os biótipos de D. insularis de MG e GO são suscetíveis ao glyphosate; enquanto os de MT e BA são resistentes a este herbicida. Além disso, não foi possível estabelecer padrões fisiológicos que permitiram discriminar a resistência de plantas de D. insularis ao glyphosate usando o IRGA. pt-BR
dc.description.abstract Since the introduction of glyphosate resistant crops, this herbicide has been applied repetitively per year in the same area and cropping season. This practice contributes to the selection of resistant weed biotypes. Species such as Digitaria insularis, which have great dissemination capacity, can infest large areas in a short period of time, leading to higher consumption of herbicides and high crop production costs. This research consisted in the identification and physiological characterization of glyphosate resistant D. insularis biotypes. The glyphosate efficacy was evaluated in three D. insularis biotypes (MT, BA and GO) with suspect of resistance (R) and one susceptible (S) biotype as control (MG), by means of dose-response assays, as well as their physiological characteristics (photosynthetic rate, gas exchange, stomatal conductance, transpiration rate and water use efficiency) using an infrared gas analyzer (IRGA), aiming to establish physiological patterns that allowed to discriminate the glyphosate resistance of D. insularis. The biotypes from MG and GO were characterized as being susceptible to glyphosate, meanwhile the MT and BA biotypes as being resistant to this herbicide. The two latter biotypes showed a high level of resistance to glyphosate with resistance factors ranging from 3.1 to 26.7, and the GO biotype presented potential to develop it. The glyphosate susceptibility ranking of the D. insularis biotypes was MG < GO < MT < BA. The greatest differences on the physiological alterations of D. insularis were observed at 360 and 720 g ha -1 of glyphosate, meanwhile at 1440 and 2880 g ae ha -1 , these were similarly affected. It was concluded that the D. insularis biotypes MG and GO were susceptible to glyphosate, while the MT and BA biotypes as being resistant this herbicide. In addition, it was not possible to establish physiological patterns that allowed discriminating the resistance to glyphosate of D. insularis using IRGA. en
dc.description.sponsorship Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico pt-BR
dc.language.iso por pt-BR
dc.publisher Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.rights Acesso Aberto pt-BR
dc.subject Ervas daninhas pt-BR
dc.subject Digitaria insularis pt-BR
dc.subject Fisiologia vegetal pt-BR
dc.subject Herbicida pt-BR
dc.title Confirmação e caracterização fisiológica de Digitaria insularis resistente ao glyphosate pt-BR
dc.title Confirmation and physiological characterization of glyphosate resistant Digitaria insularis en
dc.type Tese pt-BR
dc.subject.cnpq Fitotecnia pt-BR
dc.creator.lattes http://lattes.cnpq.br/9005283402300680 pt-BR
dc.degree.grantor Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.degree.department Departamento de Fitotecnia pt-BR
dc.degree.program Doutor em Fitotecnia pt-BR
dc.degree.local Viçosa - MG pt-BR
dc.degree.date 2017-07-28
dc.degree.level Doutorado pt-BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

  • Fitotecnia [884]
    Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia

Show simple item record

Search DSpace


Browse

My Account