Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1434
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorFavarato, Lukiya Silva Campos
dc.date.accessioned2015-03-26T12:47:42Z-
dc.date.available2011-04-11
dc.date.available2015-03-26T12:47:42Z-
dc.date.issued2009-10-14
dc.identifier.citationFAVARATO, Lukiya Silva Campos. Continuous infusion anesthesia using etomidate and etomidate associated with remifentanil in cats premedicated with acepromazine. 2009. 88 f. Tese (Doutorado em Biotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. de) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.por
dc.identifier.urihttp://locus.ufv.br/handle/123456789/1434-
dc.description.abstractO etomidato é um derivado imidazólico, classificado como anestésico geral, não barbitúrico, com ação hipnótica de uso intravenoso. O remifentanil é um opióide μ-agonista seletivo, de ultracurta duração, que apresenta alta potência analgésica e farmacocinética singular, pois possui em sua cadeia química, um ramo lateral metiléster que permite metabolização rápida por esterases inespecíficas (carboxiesterases) presentes no sangue e nos tecidos. Foram utilizadas 20 gatas adultas hígidas, peso médio de 3,5±0,49 kg, sem raça definida, admitidas para ovariosalpingohisterectomia eletiva. A medicação pré-anestésica foi realizada com acepromazina na dose de 0,1 mg.kg-1, por via intramuscular, e a indução anestésica foi realizada com etomidato na dose de 3 mg.kg-1, por via intravenosa. Ato contínuo, os animais foram distribuídos aleatoriamente em 2 grupos de 10 animais cada, onde procedeu-se a manutenção da anestesia por 45 minutos, utilizando-se os seguintes protocolos: grupo 1 (IE) infusão contínua de etomidato na velocidade de 0,4 mg.kg-1.min-1 e grupo 2 (IER) infusão continua de etomidato na velocidade de 0,3 mg.kg-1.min-1 e remifentanil na velocidade de 0,4 μg.kg-1.min-1. Foram avaliados os seguintes parâmetros: frequência cardíaca, saturação da oxi-hemoglobina, pressão arterial sistólica, freqüência respiratória, temperatura corporal, hemogasometria arterial, dosagem de íons sódio, potássio, cálcio ionizado, cloreto, glicose, resposta autonômica aos estímulos nociceptivos, eletrocardiograma, reflexos palpebral, corneal e laringo-traqueal, período de recuperação anestésica, registro da ocorrência de efeitos adversos, osmolaridade da solução final, número total de hemácias, hematócrito, hemoglobina, bilirrubina total, direta e indireta, hemoglobina livre no plasma, haptoglobina, teste de fragilidade eritrocitária. Os tempos estabelecidos para mensuração das variáveis foram T0 (antes), anteriormente a administração da MPA; T1 (MPA), 20 minutos após a MPA; T2 (5 min), 5 minutos após a indução anestésica e intubação orotraqueal; T3 (15 min), T4 (30min), T5 (45min) e T6 (3h 45min) aos 15, 30, 45 e 3horas e 45 minutos após T2, respectivamente. As infusões contínuas de etomidato e etomidato associado ao remifentanil em gatos promovem estabilidade da frequência cardíaca e pressão arterial, hipoventilação e acidose respiratória. O etomidato por infusão contínua, não foi capaz de suprimir a resposta autonômica ao estímulo nociceptivo e, portanto inadequado para a utilização em procedimentos cirúrgicos. A associação do remifentanil ao etomidato foi capaz de controlar de forma eficiente a resposta autonômica aos diferentes estímulos nociceptivos produzidos antes e durante o procedimento cirúrgico. As infusões de etomidato e etomidato associado ao remifentanil promoveram hiperglicemia transitória durante a após a manutenção da anestesia. O etomidato, em associação ou não ao remifentanil, por infusão contínua, promove recuperação anestésica prolongada e com intensos efeitos adversos, como mioclonias e vômito. As infusões de etomidato e etomidato associado ao remifentanil, em associação à acepromazina, promovem diminuição importante na contagem de hemácias, hematócrito e hemoglobina. A infusão de etomidato, em associação ou não ao remifentanil, promove aumento da hemoglobina livre, bilirrubinemia e redução da haptoglobina, como resultado da hemólise intravascular. A infusão de etomidato em associação ou não ao remifentanil não promove o quadro clínico de icterícia ou alterações da fragilidade eritrocitária.pt_BR
dc.description.abstractThe imidazole derivative etomidate is classified as a non-barbituric general anesthetic with hypnotic action for intravenous usage. Remifentanil is a selective μ- receptor agonist opioid of ultra-short action and high analgesic potency with an unique pharmacokinetic due to a lateral metil-ester branch that allows a fast metabolism by non-specific esterases (carboxylesterases) present in blood and tissues. Twenty female mongrel cats were used, all healthy, with a mean weight of 3.5±0.49 kg, admitted for an elective overiohysterectomy. Pre-anesthetic medication was made with acepromazine, 0.1mg.Kg-1 intravenously, and etomidate was used for anesthetic induction, also intravenously, on a dose of 3 mg.kg-1. Continuous act, animals were randomly divided in 2 groups of 10 animals each, maintaining anesthesia for 45 minutes using the protocols: for group 1 (IE), continuous infusion of etomidate at a rate of 0.4 mg.kg- 1.min-1; for group 2 (IER), continuous infusion of etomidate and remifentanil at rates of 0.3 mg.kg-1.min-1 and 0.4 μg.kg-1.min-1, respectively. The following parameters where analyzed: heart rate; oxyhemoglobin saturation; systolic arterial pressure; respiratory rate; body temperature; arterial blood gas; sodium, potassium, ionized calcium, chloride and glucose dosages; autonomic responses to nociceptive stimulus; electrocardiogram; palpebral, corneal, laryngeal and tracheal reflexes; time needed for recovery from the anesthesia; adverse effects record; final solution osmolarity; total number of erythrocytes; hematocrit; hemoglobin measure; total, direct and indirect bilirrubin; plasma free hemoglobin; haptoglobin and; erythrocyte fragility. Scheduled times for measurements were T0 (before), before pre-anesthetic administration (MPA); T1 (MPA), 20 minutes after MPA; T2 (5 min), 5 minutes after anesthetic induction and orotracheal intubation; T3 (15 min), T4 (30min), T5 (45min) and T6 (3h 45min) at 15, 30, 45 and 3 hours and 45 minutes after T2, respectively. Continuous infusion of etomidate and its association with remifentanil in cats promoted heart rate and blood pressure stability, hypoventilation and respiratory acidosis. Etomidate in continuous infusion could not suppress autonomic responses to nociceptive stimulus and so, inadequate for surgery procedures. Etomidate associated to remifentanil efficiently controlled autonomic responses to nociceptive stimulus before and after surgery. Both the infusions tested promoted transitory hyperglycemia during anesthesia and after it. Etomidate associated or not with remifentanil by continuous infusion promoted a longer recovery with intense side effects such as myoclonus and emesis. Etomidate and etomidate associated with remifentanil infusions, associated with acepromazine promoted important decrease in erythrocytes number, hematocrit and hemoglobin. Both the infusions tested promoted increases in free hemoglobin and bilirrubin and decrease of haptaglobin as a result of intravascular hemolysis. Etomidate alone and its association with remifentanil in intravascular infusion did not promote any clinical signs of icterus or erythrocyte fragility.eng
dc.description.sponsorshipFundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Viçosapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectInfusão contínuapor
dc.subjectEtomidatopor
dc.subjectHemólisepor
dc.subjectRumifentanilpor
dc.subjectContinuous infusioneng
dc.subjectEtomidateeng
dc.subjectHemolysiseng
dc.subjectRemifentanileng
dc.titleAnestesia por infusão contínua de etomidato e etomidato associado ao remifentanil em gatas premedicadas com acepromazinapor
dc.title.alternativeContinuous infusion anesthesia using etomidate and etomidate associated with remifentanil in cats premedicated with acepromazineeng
dc.typeTesepor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7528417854213607por
dc.contributor.advisor-co1Carlo, Ricardo Junqueira Del
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4788143A9por
dc.contributor.advisor-co2Ribeiro Filho, José Dantas
dc.contributor.advisor-co2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4701118J8por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentBiotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. depor
dc.publisher.programDoutorado em Medicina Veterináriapor
dc.publisher.initialsUFVpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::MEDICINA VETERINARIA::CLINICA E CIRURGIA ANIMAL::ANESTESIOLOGIA ANIMALpor
dc.contributor.advisor1Pompermayer, Luiz Gonzaga
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4769212Z2por
dc.contributor.referee1Antunes, Fernanda
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4769212A8por
dc.contributor.referee2Oliveira, Humberto Pereira
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4788984P5por
dc.contributor.referee3Pinto, Aloísio da Silva
dc.contributor.referee3Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4709052D4por
Aparece nas coleções:Medicina Veterinária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf716,63 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.