Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1546
Tipo: Tese
Título: Fatores que interferem na produção de bovicina HC5 e obtenção de mutantes não produtores de bacteriocina
Título(s) alternativo(s): Factors that affect bovicin HC5 production and isolation of nonbacteriocin producing mutants
Autor(es): Carvalho, Ana Andréa Teixeira de
Primeiro Orientador: Mantovani, Hilário Cuquetto
Primeiro coorientador: Queiroz, Marisa Vieira de
Segundo coorientador: Moraes, Célia Alencar de
Primeiro avaliador: Araujo, Elza Fernandes de
Segundo avaliador: Pereira, Maria Cristina Baracat
Terceiro avaliador: Brito, Maria Aparecida Vasconcelos Paiva e
Abstract: Neste trabalho objetivou-se analisar os fatores que interferem na produção de bovicina HC5 por Streptococcus bovis HC5 e obter mutantes não produtores de bacteriocina. S. bovis HC5 cresceu e produziu bovicina HC5 utilizando várias fontes de carbono e nitrogênio. A maior atividade específica de bovicina HC5 (AU ml-1 mg de massa seca celular-1) foi obtida em meio contendo glicose na concentração de 16 g l-1, quando S. bovis HC5 atingiu a fase estacionária de crescimento. A atividade específica de bovicina HC5 e a produção de biomassa aumentaram aproximadamente 3 vezes quando 0,5 g l-1 de extrato de levedura e 1,0 g l-1 de Trypticase® foram adicionados ao meio de cultura. S. bovis HC5 também foi capaz de produzir bacteriocina em meio contendo soro de leite e em caldo de cana como fonte de carbono. O crescimento de S. bovis HC5 foi observado em meio basal, tanto em aerobiose quanto em anaerobiose, mas a produção de bacteriocina foi sempre maior em condições anóxicas. S. bovis apresentou maior taxa de crescimento e rendimento de biomassa quando cultivado em pH 7,0 e à temperatura de 45°C. Entretanto, a produção de bacteriocina foi maior em pH 6,5 e em temperaturas na faixa de 30°C a 39°C. Quando o pH da cultura foi mantido constante durante o crescimento de S. bovis HC5, a produção de bacteriocina foi inversamente proporcional à produção de lactato, ao consumo de glicose e ao aumento do pH. Experimentos com cultura contínua com taxa de diluição variando de 0,07 h-1 a 1,20 h-1, sem controle de pH, resultaram em fermentação homoláctica e maior produção de bovicina HC5 em taxas de diluição menores. Nesta condição, embora a glicose nunca tenha sido completamente utilizada, observou-se decréscimo no pH da cultura para aproximadamente 5,0. Quando o pH foi mantido em 7,5, fermentação ácido-mista foi observada em taxas de diluição abaixo de 1,20 h-1. A produção de bacteriocina foi maior em taxas de diluição maiores, mas os níveis detectados foram pelo menos 10 vezes menores quando comparado com a condição em que o pH não foi controlado. Nesta condição, glicose residual só foi detectada no fermentador quando a taxa de diluição foi maior que 0,60 h-1. Os resultados obtidos indicam que a produção de bovicina HC5 não está relacionada com o crescimento de S. bovis HC5, e pode variar com o pH extracelular e a taxa de crescimento. S. bovis HC5 foi transferido por 40 vezes em meio basal e a produção de bovicina HC5 mostrou ser um fenótipo estável. Nenhum plasmídeo foi detectado no genoma de S. bovis HC5, indicando que os genes relacionados com a produção de bovicina HC5 podem estar localizados no cromossomo. Trinta mutantes com capacidade reduzida de produzir bovicina HC5 foram obtidos. A presença do vetor utilizado para mutagênese insercional no genoma de alguns mutantes foi confirmada por técnicas moleculares e esses mutantes poderão ser utilizados para a caracterização dos determinantes genéticos envolvidos na síntese de bovicina HC5.
This work was performed to investigate the factors that influence bovicin HC5 production by S. bovis HC5 and to obtain mutants unable to produce bovicin. S. bovis HC5 produced bovicin using a variety of carbon and nitrogen sources. The highest specific activity was obtained in media containing 16 g l-1 of glucose, after 16 h of incubation. The peak in cell-free and cell-associated bovicin HC5 activity was detected when S. bovis HC5 cultures reached stationary phase. The bovicin HC5 specific activity and bacterial cell mass increased approximately 3-fold when 0.5 g l-1 yeast extract and 1.0 g l-1Trypticase® were added to the basal medium. S. bovis HC5 cultures were able to produced bovicin HC5 in media containing cheese whey and sugar cane juice as carbon sources. S. bovis HC5 grew in basal media, at aerobic and anaerobic conditions, but bacteriocin production was higher under anaerobic conditions. S. bovis HC5 grew faster and produced more biomass when cultivated at pH 7.0 and 45ºC, but bovicin HC5 production was higher when the initial pH was 6.5 and the temperatures ranged from 30°C to 39ºC. When the pH was maintained at constant values, bacteriocin production was inversely proportional to lactate production, glucose consumption and the increase in pH. Continuous culture experiments with dilution rates varying from 0.07 to 1.20 h-1 under uncontrolled pH resulted in homolactic fermentation and greater bacteriocin production at lower dilution rates. In this latter case, residual glucose was never completely consumed, but the media pH was approximately 5.0. When the pH was maintained at 7.5, mixed-acid fermentation occurred at dilution rates below 1.20 h-1. Bacteriocin production increased at higher dilution rates but was at least 10 times lower when compared with uncontrolled pH conditions. Residual glucose was only detected in the fermentation vessel at dilution rates above 0.60 h-1. These results indicate that bovicin HC5 production is not directly related to S. bovis HC5 growth, and can vary depending on extracellular pH and growth rate. S. bovis HC5 cells were transferred 40 times in basal media and bovicin HC5 production was a stable phenotype in S. bovis HC5. No plasmids were detected in S. bovis HC5 genome, indicating that the genes encoding for bovicin HC5 biosynthesis are located in the chromosome. Thirty mutants that showed reduced ability to produce bovicin HC5 were isolated in this study. The presence of the plasmid vector used for insertional mutagenesis in the genome of some mutants was confirmed by molecular techniques and these mutants can be used for characterization of the bovicin HC5 genetic determinants.
Palavras-chave: Streptococcus bovis HC5
Bovicina HC5
Produção de bacteriocina
Mutagênese insercional
S. bovis HC5
Bovicin HC5
Bacteriocin production
Insertional mutagenesis
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::MICROBIOLOGIA::BIOLOGIA E FISIOLOGIA DOS MICROORGANISMOS
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Associações micorrízicas; Bactérias láticas e probióticos; Biologia molecular de fungos de interesse
Programa: Doutorado em Microbiologia Agrícola
Citação: CARVALHO, Ana Andréa Teixeira de. Factors that affect bovicin HC5 production and isolation of nonbacteriocin producing mutants. 2009. 128 f. Tese (Doutorado em Associações micorrízicas; Bactérias láticas e probióticos; Biologia molecular de fungos de interesse) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1546
Data do documento: 5-Jun-2009
Aparece nas coleções:Microbiologia Agrícola

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf941,88 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.