Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1592
Tipo: Tese
Título: Produtividade de soja e resposta a técnicas de cultivo em solos de cerrado com diferentes texturas
Título(s) alternativo(s): Soybean productivity and response to different agricultural practices in cerrrado soils with different textures
Autor(es): Santos, Flávia Cristina dos
Primeiro Orientador: Neves, Júlio César Lima
Primeiro coorientador: Novais, Roberto Ferreira de
Primeiro avaliador: Venegas, Victor Hugo Alvarez
Segundo avaliador: Sediyama, Tuneo
Terceiro avaliador: Tomé Júnior, Juarez Barbosa
Abstract: Nos últimos anos, a agricultura foi marcada pelo avanço da produção de soja em solos mais arenosos do cerrado, tidos como impróprios para essa atividade. Esse fato gerou questionamentos quanto à sustentabilidade e viabilidade técnica, econômica e ambiental da produção de soja. Adicionalmente, esperam-se diferenças nas respostas às técnicas aplicadas e à dinâmica de nutrientes, matéria orgânica (MO), entre outros, no solo e plantas. Diante disso, esse trabalho objetivou avaliar a produtividade de soja e a adoção de técnicas de cultivo em solos de cerrado com diferentes texturas; avaliar o relacionamento entre teores e conteúdos de nutrientes no sistema solo-planta com a textura do solo; relacionar propriedades químicas do solo com textura e histórico de uso e comparar as práticas de correção e fertilização do solo utilizadas por produtores e agrônomos no cultivo da soja com o conhecimento teórico, em solos de diferentes texturas. Para isso, foram utilizados três amplos bancos de dados com informações de plantas de soja e solos com diferentes texturas (teor de argila variando de 30 a 840 g kg-1). Por meio de plotagem dos dados em gráficos e ajustes de equações de regressão, diversos relacionamentos foram gerados com textura: produtividade, teor e conteúdo de nutrientes na planta, propriedades químicas do solo, calagem e adubação da soja e, em alguns casos, separando-se os efeitos por classes texturais: arenosa, média, argilosa e muito argilosa. Alguns relacionamentos envolveram o histórico de uso das áreas. Foi aplicado questionário a produtores e agrônomos para verificar a coerência entre as práticas conduzidas no campo e o conhecimento teórico. A produtividade de soja mostrou tendência de aumento com o teor de argila. Separando-se por classes texturais, a mesma tendência foi verificada apenas nas classes arenosa e argilosa. Nas classes média e muito argilosa houve tendência de queda da produtividade com o aumento do teor de argila. Os nutrientes tiveram relacionamentos variados com a textura e produtividade da soja, merecendo destaque os teores foliares e conteúdos de P e S nas plantas, que apresentaram aumentos com os teores de argila até valores de 227 e 426 g kg-1, respectivamente, para posteriores decréscimos. Potássio, Ca e Mg se relacionaram positiva e significativamente com teor de argila e produtividade da soja, mostrando limitação, principalmente de K+ e Ca2+ para a soja cultivada em solos mais arenosos. Quanto aos micronutrientes não houve limitação à produção, à exceção do B. De modo geral, as propriedades químicas do solo (pH, P, K+, Ca2+, Mg2+, H+Al e MO) tenderam a aumentar com o teor de argila e histórico de uso dos solos (anos 1, 3 e 5). Especificamente em relação à MO, não foi verificada diminuição em seus teores iniciais com os anos de uso nos solos arenosos. O relacionamento da CTC e MO do solo com o teor de argila seguiu o modelo potencial, evidenciando maiores aumentos para os teores menores de argila. A calagem necessita de manejo mais adequado em solos mais arenosos, pois verificou-se que, para neutralizar o Al3+ e atender à demanda da planta em Ca2+ e Mg2+, vêm sendo aplicadas doses acima de 6 t ha-1, maiores que as recomendáveis. Isso pode provocar problemas futuros, como alcalinização geral do perfil do solo. As doses recomendadas de P e K diminuem com o teor de argila e se relacionam negativamente com a produtividade. Explicações para essas constatações são que as áreas mais arenosas foram incorporadas recentemente ao cultivo e as argilosas são áreas mais velhas, com fertilidade já construída; assim a recomendação de P e K é dependente, nas condições deste trabalho, da produtividade de soja. O questionário aplicado evidenciou algumas incoerências entre as práticas conduzidas no campo por produtores e agrônomos com o conhecimento teórico, principalmente relacionadas à calagem e adubação com P e K. Por exemplo, aplicações de doses mais elevadas de calcário e P em solos arenosos em comparação aos argilosos. Conclui-se que a produtividade de soja independe da textura do solo; condições climáticas e manejo adequados são os principais fatores determinantes, e os solos arenosos apresentam potencial produtivo equivalente aos argilosos.
In recent years, agriculture has been marked by the advance of soybean production on coarser soils from the cerrado region, considered improper for this activity. This fact gives rise to several questions regarding the sustainability and the technical, economical and environmental viability of soybean production. Additionally, different responses to the applied techniques and in the nutrient and organic matter dynamics are expected in soils and plants. The objectives of this work were to evaluate soybean yield and the agricultural practices adopted for soils with different textural classes; to evaluate the relationship between soils particle size distribution and the nutrient levels and contents in the soil-plant system; to study the relationship between soil chemical characteristics, particle size distribution and use history and compare the liming and fertilization practices currently adopted by soybean farmers and technical consultants with the theoretical recommendations for soils of different textural classes. Three large data bases with information regarding soybean plants and soils with different textures were used (clay content varying of 30 to 840 g kg-1). Graphs and regression equations were used to obtain different relationships with soil texture: crop yield, nutrient level and content in the plants, soil chemical properties, liming and fertilization. In some cases, the effects were separated by textural class: sand, loam, clay and very clayey. Some relationships involved the description of land use history. Farm owners and technical consultants were interviewed in order to compare the agricultural practices currently adopted with the theoretical recommendations. Soybean yields showed an increase trend with increasing clay content. This was true for soils from the sand and clay textural classes whereas for the loam and very clayey soils the yields decreased with increasing clay content. The nutrient levels had varying relationships with soil particle size distribution and soybean yield. The levels and content of P and S in the plants increased with clay content to 426 and 227 and g kg-1, respectively, with posterior decrease. Potassium, Ca and Mg had a significant, positive relationship with clay content and soybean yield, evidencing limitation mainly of K+ and Ca2+ for the soybean cropped on coarser soils. Micronutrients did not limit soybean yields, except for B. In general, soil chemical properties (pH, P, K+, Ca2+, Mg2+, H+Al and organic matter) tend to present higher values with increasing clay content and land use period (years 1, 3 and 5). For sandy soils, no reduction in the initial organic matter content was verified after soybean cultivation. The relationship of soils cation exchange capacity and organic matter level with the clay content followed the potential model, evidencing larger increases for lower clay contents. It was verified that the lime doses which are currently used by farmers to neutralize soil Al3+ and supply Ca2+ and Mg2+ to soybean plants in sandy soils surpass 6 t ha-1, which is higher than the recommended doses. Therefore, liming needs a more adequate management in order to avoid future problems, such as the general alkalinization of the soil profile. The recommended doses of P and K decrease with increasing clay content and are negatively related to productivity. This can be explained by the fact that areas with sandy soils are more recent while the more clayey soils have built a higher nutrient status due to their longer use history. In this work, P and K recommendations depended on soybean productivity. The interviews with land owners revealed some discrepancies between the field practices and the theoretical recommendation, mainly in relation to liming and P and K fertilization. For example, higher doses of lime and P in sandy soils. It is possible to conclude that soybean productivity is independent of soil particle size distribution; climatic conditions and adequate agricultural practices are the determinant factors. Therefore, sandy soils present equivalent productive potential to that observed for clayey soils.
Palavras-chave: Soja
Nutrição
Plantas e solo
Adubos e fertlizantes
Correção de solos
Soybean nutrition
Plants and soils
Fertilizers
Liming
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::CIENCIA DO SOLO
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,
Programa: Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas
Citação: SANTOS, Flávia Cristina dos. Soybean productivity and response to different agricultural practices in cerrrado soils with different textures. 2006. 86 f. Tese (Doutorado em Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1592
Data do documento: 18-Out-2006
Aparece nas coleções:Solos e Nutrição de Plantas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf747,25 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.