Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/166
Tipo: Tese
Título: Globalização financera, inserção externa e risco-Brasil
Título(s) alternativo(s): Financial globalization, external insertion, and country-risk of Brazil
Autor(es): D'almeida, Alexandre Rodrigues
Primeiro Orientador: Silva, José Maria Alves da
Primeiro coorientador: Carvalho, Fátima Marília Andrade de
Segundo coorientador: Lima, João Eustáquio de
Primeiro avaliador: Fernandes, Cândido Luiz de Lima
Segundo avaliador: Corrêa, Vanessa Petrelli
Terceiro avaliador: Silva, Orlando Monteiro da
Abstract: Na década de 80, o capitalismo passou por profundas transformações institucionais, com a desregulamentação dos mercados e a maior liberdade dos movimentos dos capitais, quando se verificou um processo de intensa integração dos mercados financeiros domésticos entre os países, aumentando a instabilidade das finanças mundiais. Nesse período, o Brasil conviveu com um processo inflacionário crônico aliado à crise cambial. A maior liquidez internacional na década seguinte possibilitou a adoção de programas de estabilização de cunho neoliberal, fundamentados em programas de privatização e na utilização de âncora cambial, além da promoção de uma profunda abertura tanto comercial quanto financeira. A conseqüência foi que, a partir de meados da década de 90, o País incorreu em crescentes déficits de transações correntes, que o conduziram a uma situação de maior vulnerabilidade a choques externos. O País acabou atingido tanto pelas crises asiática e russa, na segunda metade da década de 90, quanto pelas turbulências financeiras e políticas, em níveis internacional e doméstico, no interregno entre 2000 e 2002. Recentemente, uma série de acontecimentos contribuiu para uma conjuntura internacional extremamente favorável: o forte crescimento da economia mundial, o intenso desenvolvimento do comércio internacional e a melhoria dos termos de troca dos produtos primários e manufaturados intensivos em trabalho e energia. Esses fatos permitiram ao Brasil obter superávits em transações correntes a partir de 2003, quando se iniciou um movimento de recorrente declínio do seu risco-país. Atualmente, o seu patamar se encontra entre os mais baixos da série histórica. A literatura recente sobre o risco-Brasil se encontra em duas vertentes, ambas concentradas no aspecto macroeconômico: uma, representada pelo modelo de sustentabilidade fiscal, considera que o risco-Brasil é causado pelos juros elevados, e seus partidários que advogam a adoção de uma política cambial passiva e a ampliação do superávit primário; a outra, representada pela ótica da solvabilidade externa, considera os juros elevados causadores do risco-Brasil, e os seus adeptos propõem uma política cambial ativa e redução da taxa de juros. O objetivo primeiro deste trabalho foi testar, por meio de modelos econométricos apropriados, a hipótese de que o risco-Brasil é fortemente influenciado pelos fluxos de capitais voláteis, caracterizando-se forte dependência de fatores exógenos, em vez de ser determinado pelos fundamentos econômicos domésticos. Os resultados sugerem que os fluxos de capitais internacionais primeiramente afetam a taxa de juros doméstica, que, por sua vez, acaba afetando o risco-país. Isto serve como crítica tanto ao modelo da sustentabilidade fiscal quanto à ótica da solvabilidade externa, por não considerarem em suas análises a causalidade do risco-Brasil, ou seja, que sua determinação é fundamentalmente determinada de fora para dentro do País. Dessa forma, para a manutenção do atual baixo risco-Brasil, a análise não deve somente se concentrar nas questões macroeconômicas da política cambial e da causalidade entre taxa de juros e risco-Brasil, mas também levar em conta a histórica política referente à forma subordinada como o Brasil realizou a sua integração econômica junto à economia mundial, orientada pelos interesses dos países centrais.
In the 1980s, capitalism underwent profound institutional transformations brought about by market deregulation and greater capital movement freedom, leading to a process of intense domestic financial market integration among the countries, increasing global finance instability. During this period, Brazil suffered a chronic inflationary process exacerbated by an exchange crisis. A greater international liquidity in the following decade allowed the adoption of neo liberal stabilization programs, based on privatization programs and the use of the exchange rate as a nominal anchor, besides promoting a profound commercial and financial opening, leading to increasing current transaction deficits and, consequently, greater vulnerability to the external shocks in the mid 1990s.The country was hit both by the Asian and Russian crises in the late 1990s and by the domestic and international financial and political disturbances from 2000 to 2002. Recently, a series of events has contributed to an extremely favorable international scenario: strong world economy growth, intense international trade development and improvement in the terms of exchange of primary products and intensive work and energy manufactured products. Such facts allowed Brazil to obtain superavits in current transactions since 2003, when a movement of recurrent decline of its countryrisk initiated. Today, this risk is among the lowest, historically: recent literature on Brazil-risk is based on two views, both concentrated in the macroeconomic aspect: one represented by the fiscal sustainability model, considers Brazil-risk as being caused by high interests and its advocates favor the adoption of a passive exchange policy and primary superavit expansion; the other, represented by the optic of external solvability, considers high interests to be the cause of Brazil-risk and its advocates propose an active exchange policy and interest rate reduction. The main objective of this work was, using appropriate econometric models, to test the hypothesis that Brazil-risk is strongly influenced by the volatile capital flows, characterizing a strong dependence on exogenous factors instead of being determined by an internal economic foundation. The results suggest that international capital flow first affects domestic interest rates, which, in turn, end up by affecting the country s risk. This is a criticism both to the fiscal sustainability model and the external solvability view, for failing to consider the causality of Brazil-risk in their analyses, i.e., that it is fundamentally determined by outside forces. Thus, to maintain the current low Brazil-risk, analysis must not only concentrate in macroeconomic issues of exchange policy and causality between interest rates and Brazil-risk, but it should also take into account the historical policy referring to the subordinate way Brazil achieved its economic integration into the world economy, guided by the interests of the developed countries.
Palavras-chave: Globalização financeira
Inserção externa
Risco-Brasil
Financial globalization
External insertion
Brazil-risk
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA INTERNACIONAL::RELACOES DO COMERCIO; POLITICA COMERCIAL; INTEGRACAO ECONOMICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Economia e Gerenciamento do Agronegócio; Economia das Relações Internacionais; Economia dos Recursos
Programa: Doutorado em Economia Aplicada
Citação: D'ALMEIDA, Alexandre Rodrigues. Financial globalization, external insertion, and country-risk of Brazil. 2006. 189 f. Tese (Doutorado em Economia e Gerenciamento do Agronegócio; Economia das Relações Internacionais; Economia dos Recursos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/166
Data do documento: 28-Dez-2006
Aparece nas coleções:Economia Aplicada

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf691,91 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.