Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1681
Tipo: Tese
Título: Palma forrageira, bagaço de cana-de-açúcar e uréia para novilhas e vacas leiteiras
Título(s) alternativo(s): Forage cactus, sugar cane bagasse and urea for heifers and lactating cows
Autor(es): Pessoa, Ricardo Alexandre Silva
Primeiro Orientador: Leão, Maria Ignez
Primeiro coorientador: Ferreira, Marcelo de Andrade
Segundo coorientador: Valadares Filho, Sebastião de Campos
Primeiro avaliador: Queiroz, Augusto César de
Segundo avaliador: Valadares, Rilene Ferreira Diniz
Abstract: A presente tese foi desenvolvida a partir de quatro trabalhos. No primeiro, foram utilizadas cinco vacas da raça Girolando, multíparas, com média de produção de leite de 12,0 kg/dia, distribuídas aleatoriamente em delineamento quadrado latino 5 x 5, com cinco animais, cinco períodos e cinco tratamentos, objetivando-se avaliar a associação da palma forrageira ao bagaço de cana-de-açúcar e a uréia sobre o desempenho de vacas leiteiras suplementadas ou não. A ração controle (sem suplemento) foi composta de 67,4% de palma forrageira, 27,9% de bagaço de cana-de-açúcar, 2,7% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1) e 2,0% de mistura mineral, em base da matéria seca (MS), sendo as vacas suplementadas com base na produção de leite (1,0 kg de suplemento/6,0 kg de leite). Os suplementos caracterizaram os tratamentos, juntos ao tratamento testemunha (controle), sendo: farelo de trigo, farelo de soja, farelo de algodão ou caroço de algodão. A proporção dos ingredientes nas rações experimentais para os animais suplementados foi, em média, 61,4% de palma forrageira, 25,3% de bagaço de cana-de-açúcar, 2,5% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1), 1,8% de mistura mineral e 9,0% de suplemento, em base da MS. Não observaram-se, entre os animais suplementados, diferenças significativas (P>0,05) para o consumo de matéria seca (CMS) (kg/dia ou %PV) e consumo de matéria orgânica (CMO). Os animais que não receberam suplementação apresentaram consumo de nutrientes digestíveis totais (CNDT) inferior (P<0,05) apenas aos que receberam farelo de soja como suplemento. Em relação aos coeficientes de digestibilidade da MS, matéria orgânica (MO) e proteína bruta (PB), não observou-se efeito da suplementação (P>0,05), quando comparado à dieta controle. A dieta controle proporcionou produção de leite corrigida para 4,0% de gordura (PLCG) de aproximadamente 10,0 kg/dia. A suplementação com farelo de soja, farelo de algodão ou caroço de algodão aumentou (P<0,05) a produção de leite com e sem correção para o teor de gordura. Os animais que não receberam suplemento (controle) apresentaram eficiência de utilização da MS inferior (P<0,05) apenas aos suplementados com caroço de algodão e eficiência de utilização do nitrogênio ingerido semelhante (P>0,05) aos suplementados com farelo de trigo ou caroço de algodão. A suplementação com o caroço de algodão melhorou a eficiência de utilização da MS, e a suplementação com farelo de algodão ou com farelo de soja, embora proporcionem aumento na produção de leite, reduz a eficiência de utilização do nitrogênio. No segundo trabalho, objetivou-se avaliar a associação da palma forrageira ao bagaço de cana-de-açúcar e a uréia sobre o desempenho de vacas leiteiras primíparas de baixo potencial produtivo, suplementadas ou não. Utilizaram- se cinco vacas da raça Girolando, primíparas, com média de produção de leite de 7,0 kg/dia, distribuídas aleatoriamente em delineamento quadrado latino 5 x 5, com cinco animais, cinco períodos e cinco tratamentos. Os tratamentos foram os mesmos usados no primeiro trabalho. A proporção dos ingredientes nas rações experimentais para os animais suplementados foi, em média: 62,7% de palma forrageira, 26,0% de bagaço de cana-de-açúcar, 2,5% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1), 1,9% de mistura mineral e 6,9% de suplemento, em base da MS. Não foram observadas diferenças significativas (P>0,05) para o CMS (kg/dia e %PV) e para o CMO, em média 13,0 kg, 3,0% e 11,8 kg, respectivamente. Os coeficientes de digestibilidade aparente da MS, MO, PB, extrato etéreo (EE), fibra em detergente neutro (FDN), carboidratos não-fibrosos (CNF) e teores de nutrientes digestíveis totais (NDT), não foram influenciados (P>0,05) pelas dietas, sendo em média 60,5; 65,0; 71,3; 84,2; 44,4; 81,3 e 61,5%, respectivamente. As diferentes fontes de suplemento proporcionaram desempenho semelhante (P>0,05) para produção de leite com ou sem correção para o teor de gordura, sendo em média 7,0 e 7,4 kg/dia, respectivamente. A suplementação com caroço de algodão aumentou a eficiência de utilização da MS, e a suplementação com farelo de algodão diminuiu a eficiência de utilização do nitrogênio ingerido. No terceiro trabalho, avaliou- se a associação da palma forrageira ao bagaço de cana-de- açúcar e a uréia sobre o desempenho de novilhas leiteiras suplementadas ou não. Utilizou-se 25 novilhas da raça Girolando, com PV médio 227,5 kg, mantidas em regime de confinamento, distribuídas em delineamento experimental de blocos ao acaso, estabelecidos de acordo com o peso dos animais, com cinco blocos e cinco tratamentos. A ração controle foi composta de 64,0% de palma forrageira, 30,0% de bagaço de cana-de-açúcar, 4,0% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1) e 2,0% de mistura mineral, em base da MS, sendo as novilhas suplementadas com base no peso vivo (0,5% do PV). Os suplementos caracterizaram os tratamentos, juntos ao tratamento testemunha (controle). Os suplementos testados foram os mesmos citados para os experimentos 1 e 2. A proporção dos ingredientes nas rações experimentais para os animais suplementados foi: 57,0% de palma forrageira, 26,0% de bagaço de cana-de-açúcar, 3,5% de mistura uréia:sulfato de amônio (9:1), 1,8% de mistura mineral e 11,7% de suplemento, em base da MS. A suplementação com farelo de algodão ou farelo de soja aumentou (P<0,05) o CMS e, consequentemente, os consumos de MO, PB e CNF, quando comparados ao tratamento sem suplementação (controle). Não observaram- se diferenças significativas (P>0,05) entre os animais suplementados para o CNDT. Não houve influência (P>0,05) dos tratamentos sobre as digestibilidades da MS, MO, PB e CNF, sendo os valores médios de 60,9; 63,1; 77,9 e 82,9%, respectivamente, e sobre o teor de NDT das dietas, em média 58,1%. Não foram observadas diferenças significativas (P>0,05) para o ganho em peso (GP) e conversão alimentar (CA) entre os animais suplementados. A utilização da palma forrageira associada ao bagaço de cana-de-açúcar e a uréia, nas proporções verificadas, permite GP próximo de 430 g/animal/dia. A suplementação com farelo de soja, farelo de algodão ou caroço de algodão melhorou o GP e a CA. No quarto trabalho, avaliou-se o balanço de compostos nitrogenados e a produção de proteína microbiana nos animais utilizados no terceiro experimento. O balanço de nitrogênio não foi influenciado (P>0,05) pelos tratamentos, apresentando valor médio de 49,3 g/dia. A suplementação com o farelo de algodão ou com o farelo de soja aumentou (P<0,05) a excreção de nitrogênio na urina, a concentração de uréia e nitrogênio uréico no plasma e a excreção urinária de uréia e nitrogênio uréico. A associação da palma forrageira ao bagaço de cana-de-açúcar e a uréia, sem o uso de suplementos, permite eficiência de síntese microbiana de 105,0 gPBmic/kg de NDT consumido, podendo garantir razoável desempenho animal. A suplementação com caroço de algodão proporciona maior excreção urinária de alantoína e derivados de purinas, e melhor eficiência de síntese microbiana, sendo, portanto, a mais indicada nestas condições.
This tesis was developed based on four works. In the first it was utilized five milk cows crossbred Holstein-Gir, with average of milk production of 12.0 kg/day, distributed in design 5 x 5 square lattice, with five animals, five periods and five treatments, aiming to evaluate the association of the forage cactus to sugar cane bagasse and urea on the performance of supplemented milk cows or not. The control ration was composed of 67.4% forage cactus, 27.9% sugar cane bagasse, 2.7% mixture urea:ammonium sulphate (9:1) and 2.0% mineral mixture, in dry matter basis, being the supplemented cows on basis of the milk production (1.0 kg of supplement/6.0 kg of milk). The supplements had characterized the treatments, together to the treatment testify (control), being: wheat meal, soybean meal, cottonseed meal or whole cottonseed. The proportion of ingredients in experimental rations for supplemented animals was, in average, 61.4% forage cactus, 25.3% sugar cane bagasse, 2.5% mixture urea:ammonium sulphate (9:1), 1.8% mineral mixture and 9.0% supplement, in dry matter (DM) basis. It was not observed, between the supplemented animals, significant differences (P>0.05) for dry matter intake (DMI) (kg/day or % live weight) and organic matter intake (OMI). The animals that not received supplementation had presented intake of total digestible nutrients (TDNI) decreased (P<0.05) only to that they received soybean meal as supplement. In relation to the coefficients of digestibility of the DM, organic matter (OM) and crude protein (CP), effect of supplementation (P>0.05) when compared to diet without supplement, was not observed. The control diet provided milk fat corrected (FCM) of 10.0 kg/day, approximately. The supplementation with soybean meal, cottonseed meal or whole cottonseed increased (P<0.05) milk production (MP) and FCM. The animals that not received supplement had presented efficiency of DM use smaller (P<0.05) only to supplemented with whole cottonseed and efficiency of nitrogen use equal (P>0.05) to supplemented with wheat meal or whole cottonseed. The supplementation with whole cottonseed improves the efficiency use of dry matter, and the supplementation with cottonseed meal or soybean meal, even so provides increase in the milk production, decreases the efficiency use of nitrogen. In the second work, it was aimed to evaluate the association of forage cactus to sugar cane bagasse and the urea on performance of supplemented milk cows or not. Five milk cows crossbred Holstein-Gir, with average milk production of 7.0 kg/day, distributed in design 5 x 5 square lattice, with five animals, five periods and five treatments. The treatments were the same used in the first work. The proportion of ingredients in experimental rations for supplemented animals was, in average: 62.7% forage cactus, 26.0% sugar cane bagasse, 2.5% mixture urea:ammonium sulphate (9:1), 1.9% mineral mixture and 6.9% supplement, in DM basis. It was not observed significant differences (P>0.05) for DMI (kg/day or %LW) and OMI, on average 13.0 kg, 3.0% and 11.8 kg, respectively. The digestibility coefficients of DM, OM, CP, ether extract (EE), neutral detergent fiber (NDF), non-fiber carbohydrates (NFC) and total digestible nutrients (TDN), had not been influenced (P>0.05) by diets, being on average 60.5; 65.0; 71.3; 84.2; 44.4; 81.3 and 61.5%, respectively. The different sources of supplement they had provided similar performance (P>0.05) for MP and FCM, being on average 7.0 and 7.4 kg/day, respectively. The supplementation with whole cottonseed increased the efficiency use of DM, and the supplementation with cottonseed meal decreased the efficiency use of ingested nitrogen. In the third work, it was aimed to evaluate the association of forage cactus to sugar cane bagasse and the urea on the performance of supplemented milk heifers or not. Twenty five heifers crossbred Holstein-Gir, with 227.5 kg average LW, kept in feedlot, assigned to randomized block design, established in accordance with weight of animals, with five treatments and five blocks. The control rations was composed of 64.0% forage cactus, 30.0% sugar cane bagasse, 4.0% mixture urea:ammonium sulphate (9:1) and 2.0% mineral mixture, in DM basis, being the supplemented heifers on the basis of live weight (0.5% of the LW). The supplements had characterized the treatments, together to treatment testify (control). The supplements tested were the same cited for experiments 1 and 2. The proportion of ingredients in experimental rations for supplemented animals was: 57.0% forage cactus, 26.0% sugar cane bagasse, 3.5% mixture urea:ammonium sulphate (9:1), 1.8% mineral mixture and 11.7% supplement, in DM basis. The supplementation with cottonseed meal or soybean meal increased (P<0.05) the DMI and, consequently, the OMI, CPI and non-fiber carbohydrate intake (NFCI), when compared with the treatment without supplementation (control). One did not observed significant differences (P>0.05) enters the animals supplemented for TDNI. There was not significant effect (P>0.05) of treatments on digestibility of DM, OM, CP and NFC, being the average values of 60.9; 63.1; 77.9 and 82.9%, respectively, and on the average contents of TDN of diets, on average 58.1%. Significant differences (P>0.05) for weight gain and feed:gain ratio between the supplemented animals had not been observed. The use of forage cactus associate to sugar cane bagasse and urea, in the verified ratios, allows profit in weight gain next to 430 g/animal/day. The supplementation with soybean meal, cottonseed meal or whole cottonseed improved the weight and feed:gain ratio. In the fourth work, assessed is the balance of nitrogenous compounds and the production of microbial protein in animals used in the third experiment. The nitrogen balance was not influenced (P>0.05) by the treatments, having presented average value of 49.3 g/day. The supplementation with cottonseed meal or soybean meal increased (P>0.05) the excretion of nitrogen urinary, the concentration of urea and urea nitrogen in the serum and the excretion urinary of urea and urea nitrogen. The association of the forage cactus to sugar cane bagasse and urea, without the use of supplements, allow efficiency of microbial synthesis of 105.0 gCPmic/kg of consumed TDN, being able to guarantee reasonable animal performance. The supplementation with whole cottonseed provides to greater excretion urinary of alantoin and purine derivatives, and better efficiency of microbial synthesis, being, therefore, the most indicated in these conditions.
Palavras-chave: Opuntia ficus
Fibra
Nitrogênio não-protéico
Desempenho
Síntese microbiana
Opuntia ficus
Fiber
Non-proteic nitrogen
Performance
Microbial synthesis
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::NUTRICAO E ALIMENTACAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: PESSOA, Ricardo Alexandre Silva. Forage cactus, sugar cane bagasse and urea for heifers and lactating cows. 2007. 123 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1681
Data do documento: 16-Out-2007
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf367 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.