Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1689
Tipo: Tese
Título: Alteração da membrana espermática de suínos, bovinos e eqüinos na qualidade do sêmen
Título(s) alternativo(s): Membrane alteration of boar, bulls and stallions in the quality of semen
Autor(es): Amorim, Elenice Andrade Moraes e
Primeiro Orientador: Torres, Ciro Alexandre Alves
Primeiro coorientador: Carvalho, Giovanni Ribeiro de
Segundo coorientador: Guimarães, José Domingos
Primeiro avaliador: Costa, Eduardo Paulino da
Segundo avaliador: Murgas, Luis David Solis
Abstract: Este trabalho foi realizado com o objetivo de estudar os efeitos da alteração da membrana plasmática de espermatozóides suínos, bovinos e eqüinos sobre a qualidade espermática. Três estudos, com diferentes espécies, foram desenvolvidos. O primeiro estudo foi dividido em 4 experimentos (E), no E1 objetivou-se avaliar a adição de fontes de óleo e níveis de suplementação de vitamina E na ração sobre a composição de ácidos graxos em espermatozóides de suínos. Foram utilizados 24 suínos machos reprodutores Dalboard 85, com idades entre 12 e 18 meses, distribuídos num delineamento inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 2 X 3, com duas fontes de óleo (soja e salmão) e três níveis de antioxidantes (150, 300 e 450 mg de vitamina E/kg). A ração com óleo de salmão reduziu (P<0,05) o teor de ácidos graxos &#969;6, especificamente do ácido docosapentanóico (C22:5&#969;6; DPA) e aumentou (P<0,05) o teor do ácido docosahexanóico (C22:6&#969;3; DHA). Com exceção destes ácidos graxos que apresentaram diferença significativa, nenhuma alteração foi observada nos demais ácidos graxos analisados (P>0,05). O aumento do teor do ácido DHA (P<0,05) nos espermatozóides dos animais tratados com óleo de salmão foi de 34,67 para 45,5%, ao contrário do ácido DPA, que diminuiu de 23,3 para 11,4%, considerando da 1a para a 10a semana. O teor de vitamina E nos espermatozóides de suínos não foi alterado (P>0,05) em relação a fonte de óleo e os níveis de vitamina E nas rações. No E2, objetivou-se avaliar a adição de fontes de óleo e níveis de suplementação de vitamina E na ração sobre as características seminais de sêmen in natura de suínos reprodutores. O volume, motilidade espermática total, teste hiposmótico (HOST), porcentagem de espermatozóides vivos e morfologia espermática não diferiram (P>0,05) entre os tratamentos. Houve efeito do óleo de salmão (P<0,05) sobre o vigor espermático. O nível de vitamina E adicionado na ração influenciou (P<0,05) a concentração espermática, no entanto, não foi observada diferença entre as fontes de óleo (P>0,05). Os animais tratados com óleo de salmão apresentaram menor (P<0,05) concentração de antioxidantes totais no sêmen que os animais tratados com óleo de soja. Efeito linear (P<0,05) da vitamina E sobre a concentração de antioxidantes totais foi observado. No E3, objetivou-se avaliar a adição de fontes de óleo e níveis de suplementação de vitamina E na ração sobre as características seminais de sêmen suíno resfriado a 17 e 5 oC. A motilidade e o HOST dos espermatozóides dos animais tratados com óleo de salmão a 17 e 5 oC foi superior (P<0,05) que os tratados com óleo de soja, após 24, 48 e 72 horas. O tratamento com óleo de salmão aumentou (P<0,05) o vigor espermático em ambas as temperaturas avaliadas após 24 e 48 horas. A motilidade, vigor e HOST a 17 e 5 oC diferiram (P<0,05) em relação ao período em que foram acondicionados, onde 24>48>72 horas. A morfologia anormal total aumentou (P<0,05) no sêmen dos animais tratados com óleo de soja e resfriados a 17 oC, enquanto que o sêmen a 5 oC não apresentou diferença (P>0,05) entre os tratamentos. A morfologia anormal foi maior (P<0,05) no sêmen a 5 oC que a 17 oC, após 24, 48 e 72 horas. O sêmen a 5 oC apresentou parâmetros de viabilidade (motilidade, morfologia e Host) inferior (P<0,05) ao sêmen a 17 oC. No E4, objetivou-se avaliar a adição de fontes de óleo e níveis de suplementação de vitamina E na ração sobre a criopreservação de sêmen suíno. O congelamento do sêmen reduziu (P<0,05) a qualidade espermática quando compararmos com os resultados do sêmen in natura, independente do tratamento. Após o descongelamento, o sêmen dos animais tratados com óleo de soja na ração reduziu (P<0,05) a motilidade espermática total, vigor espermático, porcentagem de espermatozóides vivos e HOST. A motilidade média do sêmen após a diluição, e durantes as etapas do congelamento foi de 85 e 84 para os animais tratados com óleo de salmão e soja, respectivamente. Entretanto, após o descongelamento, a motilidade dos animais tratados com óleo de salmão e soja reduziu para 30 e 24%, respectivamente (P<0,05). Para a porcentagem de espermatozóides vivos e a morfologia espermática do sêmen dos animais que foram suplementação com óleo de soja apresentaram maiores valores (P<0,05) que os tratados com óleo de salmão na ração. No segundo estudo, objetivou-se comparar o efeito da adição de outros tipos de conjugados de colesterol, onde a incorporação aumente a fluidez da membrana a baixas temperaturas conseqüentemente aumentando a sobrevivência após criopreservação. Neste estudo, ejaculados de quarto touros foram divididos em três experimentos (E). Os ejaculados de cada touro foram diluídos para a concentração de 120 milhões em diluente Tris. No E1 e E2, o sêmen diluído foi subdividido em quarto tratamentos (T): T1: controle; T2: 1,5 mg colesterol/120 milhões células (controle positivo); e T3/T4: 1,5 mg/120 milhões células de ciclodextrina carregada com colestanol ou desmosterol. No E3, o sêmen diluidor foi subdividido em 10 tratamentos: T1: controle; T2: 0,75 mg e T3: 1,5 mg (Heptanato); T4: 0,75 mg e T5: 1,5 mg (Palmitato); T6: 0,75 mg e T7: 1,5 mg (Pelargonato); T8: 0,75 mg e T9: 1,5 mg (esterato), e T10: 1,5 mg CLC/mL (controle positivo). Em todos os experimentos, os espermatozóides ficaram incubados por 15 minutos a 22 °C para permitir a incorporação dos conjugados de colesterol. Após este período, amostras do E1 de cada tratamento foram usadas para determinar a motilidade e tolerância osmótica, e a habilidade do sêmen fresco se ligar a zona pelúcida (ZP), utilizando o sistema de análise computadorizado Hamilton Thorne Motility Analyser (CASA) e, da membrana perivitelina da gema de ovo (CEPM) utilizando microscópio de epifluorescência. Nos E2 e E3, os espermatozóides foram diluídos na proporção de 1:1 (v:v) em Tris com 20% gema de ovo (EY) e resfriado para 5 oC. Após resfriamento, outra diluição 1:1 (v:v) com Tris contendo 10% EY and 16% glicerol para concentração final de 30 milhões de espermatozóides e seguido de um período de equilíbrio de 15 minutos antes de envasar em palhetas de 0,5 mL, congelar em vapor de nitrogênio liquido por 20 minutos e imergir dentro do nitrogênio liquido para armazenar. Amostras de sêmen foram descongeladas para determinar a motilidade (E2 e E3), habilidade dos espermatozóides se ligarem a ZP (E3) e a CEPM (E2), e a viabilidade (E3) utilizando citômetro de fluxo Epics V. Diferenças entre os tratamentos para todos os parâmetros foram determinadas usando ANOVA. Para E1, sêmen fresco tratado com CLC resultou num maior número de ligação a ZP se comparado com todos os outros tratamentos (P<0,05). Nenhuma diferença foi observada entre ZP e CEPM (P>0,05). A motilidade espermática foi maior para amostras de sêmen fresco tratadas com colesterol, colestanol ou desmosterol carregado pela ciclodextrina que as do controle (P<0,05) quando os espermatozóides foram expostos a diferentes soluções osmóticas, e então retornadas para isosmolalidade. Para o E2, após a criopreservação, a motilidade espermática e o número de espermatozóides ligados a CEPM não diferiu para os espermatozóides tratados com CLC e colestanol comparados aos tratados com desmosterol (P>0,05). Todos os tratamentos apresentaram alta motilidade e eficiência de ligação que os espermatozóides do grupo controle (P<0,05). E para o E3, altas porcentagens da motilidade espermática e da viabilidade celular foram mantidas após descongelamento dos espermatozóides tratados com CLC e pelargonate comparados aos outros tratamentos (P<0,05). A motilidade espermática e o número de espermatozóides ligados a CEPM foram superiores para as células tratadas com CLC (P<0,05). No terceiro estudo, objetivou-se comparar o efeito da adição de colesterol e colestanol carregados pela ciclodextrina em espermatozóides de garanhões antes da criopreservação para melhorar a sobrevivência espermática. Os ejaculados de oito garanhões foram diluídos para 120 milhões de espermatozóides em diluente STALP. Os espermatozóides diluídos foram subdivididos em três tratamentos (T): T1: controle; T2: 1,5 mg colesterol/120 milhões células (controle positivo); e T3: 1,5 mg/120 milhões células de ciclodextrina carregada com colestanol. Em todos os experimentos, os espermatozóides ficaram incubados por 15 minutos a 22 °C para permitir a incorporação dos conjugados de colesterol. Após este período, o semen foi diluído 1:5 (v/v) com diluente Lactose- Gema de ovo e resfriado para 5 oC durante 2 horas. Em seguida, o sêmen foi envasado em Palhetas de 0,25 ml, congelada em vapor de nitrogênio líquido por 10 minutos, e então imergidos dentro do nitrogênio líquido até o descongelamento. Diferenças entre os tratamentos foram determinadas usando ANOVA. A motilidade espermática continuou alta após o descongelamento das amostras quando 1,5 mg de CLC foi adicionada para os espermatozóides de garanhões cujos espermatozóides não resistem muito bem ao congelamento, quando comparado aos espermatozóides tratados com colestanol destes mesmo garanhões (P<0,05).
This study was realized with the objective to study the effects of the plasmatic membrane alteration of boar, bull and stallion spermatozoa on the sperm quality. Three studied, with different species, were developed. First study, twenty-four mature Dalboard 85 boars, of proven fertility and in routine semen production for artificial insemination, randomly divided, in factorial arrangement 2 X 3, with two oil sources (soy and salmon) and three levels of antioxidants (150, 300 and 450 vitamin E mg/kg). This study was divided in four experiments (E), in E1 the objective was to evaluate the adding oil sources and dietary supplementation of the vitamin E on the fatty acid composition of boar sperm. The dietary supplementation with salmon oil reduced (P<0.05) the proportion of fatty acid &#969;6, specifically of docosapentaenoic acid (22:5&#969;6; DPA) and it increased (P<0.05) the proportion of docosahexanoic acid (22:6&#969;3; DHA). Except for these fatty acids, no other difference was observed (P>0.05). The increase of the proportion of the DHA (P<0.05) in the sperm of salmon oil treated was from 34.67 to 45.5%, and DPA decreased from 23.3 to 11.4%, from first to 10 week. The proportion of vitamin E in the boar sperm no changed (P>0.05) for all treatments. In E2, the objective was to evaluate the adding oil sources and dietary supplementation of the vitamin E on the fatty acid composition of raw boar sperm. The volume, total motile sperm, HOST, percentage of live cells and morphology not differ (P<0.05) between all treatments. There was effect of the salmon oil (P<0.05) on the sperm vigor. The level vitamin E added in the diet changed (P<0.05) the sperm concentration, however, no difference was observed between the oil sources (P>0.05). Salmon oil treatment showed the smallest (P<0.05) concentration of total antioxidants in the semen. Vitamin E and concentration of total antioxidant presented linear effect (P<0.05). In E3, the objective was to evaluate the adding oil sources and dietary supplementation of the vitamin E on seminal characteristics of boar sperm cooled at 17 and 5 oC. The motility and HOST of the animals sperm treated with salmon oil at 17 and 5oC was superior (P<0.05) that animals treated with soy oil, after 24, 48 and 72 hours. The treatment with salmon oil increased (P<0.05) the sperm vigor in both temperatures evaluated after 24 and 48 hours. The motility, vigor and HOST of sperm at 17 and 5 oC differed (P<0.05) during all period that were preserved, where 24>48>72 hours. The total abnormal morphology increased (P<0.05) in the semen of the animals treated with soy oil and cooled at 17 oC while the semen at 5 oC no difference was presented (P>0.05) among the all treatments. The abnormal morphology was bigger (P<0.05) in the semen at 5 oC that at 17 oC, after 24, 48 and 72 hours. The semen at 5 oC presented viability parameters (motility, morphology and Host) inferior (P<0.05) for the semen at 17 oC. And E4, the objective was to evaluate the adding oil sources and dietary supplementation of the vitamin E on the fatty acid composition of boar sperm. The frozen process of semen reduced (P<0.05) the sperm quality when compared this results with fresh sperm, independent of treatment. After thawing, the semen of the animals treated with soy oil in the diet reduced (P<0.05) the total motile sperm, sperm vigor, percentage of live sperm and HOST. The motility of the semen after dilution and during cryopreservation process was 85 and 84% for all animals treated with salmon and soy oil, respectively. Therefore thawing, the motility of the animals treated with salmon and soy oil was 30 and 24%, respectively (P<0.05). For the percentage of sperm died and morphology, the sperm of the animals treated with soy oil presented higher values (P<0.05) that animals treated with salmon oil in the diet. In second study, the objective was realized to compare the effect of adding other cholesterol conjugates, which should incorporate into and increase membrane fluidity at low temperatures thereby increasing cryosurvival. In this study ejaculates from four bulls were divided in three experiments (E). Ejaculates from each of four bulls were diluted to 120 million cells in a Tris diluent. In E1 and E2, the sperm diluted were subdivided into four treatments: No additive (control); 1.5 mg CLC/120 million sperm (positive control); and 1.5 mg/120 million sperm of cyclodextrin preloaded with cholestanol or desmosterol. In E3, the sperm diluted were subdivided into 10 treatments: T1: no additive (control); T2: 0.75 mg and T3: 1.5 mg (Heptanoate); T4: 0.75 mg and T5: 1.5 mg (Palmitate); T6: 0.75 mg and T7: 1.5 mg (Pelargonate); T8: 0.75 mg and T9: 1.5 mg (stearate), and T10: 1.5 mg CLC/mL (positive control). For all experiments, the sperm treated were incubated for 15 min at 22 °C to allow for incorporation of cholesteryl conjugates. After this period, in E1 samples from each treatment were used to determine the motility and osmotic tolerance and, ability of fresh sperm to bind to the zona pellucida (ZP) using a Hamilton Thorne Motility Analyser (CASA), and chicken egg perivitelline membrane (CEPM) using a epifluorescence microscopy. And in E2 and E3, the sperm were diluted 1:1 (v:v) in Tris with 20% Egg Yolk EY) and cooled to 5 oC. After dilution 1:1 (v:v) with Tris containing 10% EY and 16% glycerol for final concentration 30 million sperm and allowed to equilibrate for 15 minutes before packaging into 0.5 mL French straws, freezing in static liquid nitrogen vapor for 20 minutes and plunging into liquid nitrogen for storage. Samples were thawed to determine the motility (E2 and E3), ability of sperm to bind to the ZP (E3) and the CEPM (E2), and viability (E3) using Epics V Flow Cytometer. Treatment differences for all parameters were determined using analysis of variance. For E1, treating fresh sperm with CLC resulted in more binding to the ZP and compared to all other treatments (P<0.05). No differences were observed between ZP and CEPM binding (P>0.05). The percentages of motile sperm were higher for fresh samples treated with cholesterol, cholestanol or desmosterol loaded cyclodextrin than control cells (P<0.05) when sperm were exposed to anismotic conditions, and then returned to isosmolality. For E2, after cryopreservation the percentages of motile sperm and number of sperm binding to each CEPM were similar for sperm treated with CLC and cholestanol compared to sperm treated with desmosterol (P>0.05). All treatments provided higher motility and binding efficiency than control sperm (P<0.05). And for E3, higher percentages of motile sperm and viable cells were maintained after thawing sperm treated with CLC and cholesteryl-pelargonate compared to all other treatments (P<0.05). The percentage of motile sperm and number sperm binding to CEPM was higher for CLCtreated cells (P<0.05). Therefore, adding cholesterol or cholesteryl- pelargonate or cholestanol to bull sperm membranes improved cell cryosurvival. Third study, the objective was to compare the effect of adding cholesterol and cholestanol loaded cyclodextrins in stallion sperm prior to cryopreservation to optimize sperm cryosurvival. Ejaculates from each of 8 stallions were diluted to 120 million cells in a STALP diluent. The sperm diluted were sub-divided into three treatments: No additive (control); 1.5 mg CLC/120 million sperm (positive control); and 1.5 mg/120 million sperm of cyclodextrin pre- loaded with cholestanol. For all experiments, the sperm treated were incubated for 15 min at 22 °C to allow for incorporation of cholesteryl conjugates. After this period, the semen was diluted 1:5 (v/v) with Lactose-Egg Yolk diluent and cooled to 5 oC over a 2 hours period. Loaded into 0.25 mL polyvinylchloride straws, frozen in liquid nitrogen vapor for 10 min, and then plunged into liquid nitrogen until further use. Treatment differences for all parameters were determined using analysis of variance. Higher percentages of motile sperm were maintained after thawing when 1.5 mg CLC was added to sperm from stallions whose sperm do not survive freezing well, compared to cholestanol and control sperm from those same stallions (P<0.05). Addition of CLC also resulted in more sperm binding to the zona pellucida of bovine oocytes after cryopreservation than cholestanol and control sperm (P<0.05). In conclusion, CLC improved the percentage of post-thaw motility in equine sperm as well as increased the number of sperm that bind to zona pellucida. Addition of CLC to stallion sperm prior to cryopreservation is a simple procedure that increases the cryosurvival of cells.
Palavras-chave: Características seminais
Criopreservação
Espermatozóides
Nutrição
Seminal characteristics
Cryopreservation
Spermatozoa
Nutrition
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::PRODUCAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: AMORIM, Elenice Andrade Moraes e. Membrane alteration of boar, bulls and stallions in the quality of semen. 2008. 194 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1689
Data do documento: 4-Abr-2008
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf684,71 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.