Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1691
Tipo: Tese
Título: Substituição do farelo de algodão por uréia ou da silagem de milho pelo feno de capim-mombaça em dietas de bovinos de corte
Título(s) alternativo(s): Replacement of cottonseed meal for urea or of corn silage for Mombaça hay in beef cattle diets
Autor(es): Pereira, Dalton Henrique
Primeiro Orientador: Pereira, Odilon Gomes
Primeiro coorientador: Ribeiro, Karina Guimarães
Segundo coorientador: Valadares Filho, Sebastião de Campos
Primeiro avaliador: Leão, Maria Ignez
Segundo avaliador: Chizzotti, Fernanda Helena Martins
Abstract: O presente trabalho foi desenvolvido a partir de quatro experimentos, os quais foram conduzidos na Central de Experimentação, Pesquisa e Extensão do Triângulo Mineiro (CEPET) UFV, de julho a novembro de 2004. Os experimentos 1 e 2 foram realizados para avaliar os efeitos de diferentes níveis de proteína bruta (PB) e substituição do farelo de algodão por uréia (U) sobre o consumo e digestibilidades aparente total e parcial dos nutrientes, o desempenho, os parâmetros ruminais, a eficiência microbiana e o balanço de compostos nitrogenados (BN) em bovinos de corte. No Experimento 1, foram utilizados 30 bovinos mestiços Holandês x zebu (HxZ), não castrados, com peso vivo inicial médio (PVI) de 357 ± 27,15 kg, distribuídos em cinco blocos casualizados, para avaliar o consumo, a digestibilidade dos nutrientes e o desempenho. O experimento foi realizado num esquema fatorial 2x3, sendo dois níveis de PB (10,5 e 12,5%) e três níveis de substituição do farelo de algodão por uréia (0, 50 e 100%). As dietas consistiram de 65% de silagem de sorgo e 35% de concentrado, % na matéria seca (MS). Não houve efeito de PB, de uréia e nem da interação níveis de PB x uréia para o consumo de todos os nutrientes, excetuando- se o dos carboidratos não fibrosos (CNF), que foi afetado pelos níveis de PB, registrando-se maior valor na dieta com 10,5% de PB. O nível de 12,5% de PB promoveu maior digestibilidade de MS, matéria orgânica (MO), PB, fibra em detergente neutro (FDN) e dos CNF. Com exceção da digestibilidade da PB, que foi maior com 100% de uréia, a substituição do farelo de algodão por uréia não influenciou a digestibilidade dos demais nutrientes. O ganho médio diário (GMD), o ganho médio diário de carcaça (GMDC), a conversão alimentar (CA) e o rendimento de carcaça (RC %) não diferiram entre os tratamentos, registrando-se valores médios de 1,36 kg/dia, 0,84 kg/dia, 7,54 e 53,49%, respectivamente. No Experimento 2, foram utilizados quatro novilhos mestiços (HxZ), castrados, com PVI de 226 ± 24,56 kg, fistulados no rúmen e abomaso, distribuídos num quadrado latino 4x4, para se avaliar o consumo e a digestibilidade aparente total e parcial dos nutrientes, os parâmetros ruminais, a eficiência microbiana e o BN. O experimento foi realizado num esquema fatorial 2x2, sendo dois níveis de PB (10,5 e 12,5%) e dois níveis de substituição do farelo de algodão por uréia (0 e 100%). Utilizaram-se as dietas descritas no Experimento 1. Com exceção dos consumos de PB, proteína degradável no rúmen (PDR) e nutrientes digestíveis totais (NDT), que foram maiores com animais submetidos a dietas com 12,5% de PB, o consumo dos demais nutrientes não foi influenciado pelos níveis de PB. A substituição total do farelo de algodão por uréia promoveu menores consumos de MS, MO, FDN e dos CNF. O nível de 12,5% de PB promoveu maior digestibilidade aparente total da PB e dos CNF e maior digestibilidade ruminal da PB. Já as digestibilidades aparentes total e parcial dos demais nutrientes não foram influenciadas pelos níveis de PB. Observaram-se maiores digestibilidades aparentes total e ruminal de PB e FDN para as dietas contendo 100% de uréia. O pH e a concentração ruminal de N-NH3, em mg/dL, foram influenciados pelas dietas, tempos de coleta e pela interação dieta x tempos de coleta. A eficiência microbiana não foi influenciada pelas dietas, verificando-se valor médio de 123,05 g PBMic/kg NDT. O nível de 12,5% de PB e a substituição total do farelo de algodão por uréia promoveram maiores concentrações de nitrogênio uréico no soro (NUS) e excreções urinárias de N-total (NUT) e N-uréico (NUU), influenciando negativamente o BN. O nível de 10,5% de PB e a substituição total do farelo de algodão por uréia podem ser utilizados em dietas para bovinos de corte, uma vez que não influenciam o consumo, o desempenho e a eficiência microbiana, além de promoverem maior eficiência de utilização do N ingerido. Os experimentos 3 e 4 foram conduzidos para avaliar o consumo e as digestibilidades aparente total e parcial dos nutrientes, o desempenho, parâmetros ruminais, a eficiência microbiana e o BN em bovinos de corte alimentados com dietas contendo silagem de milho (SM) e feno de capim- mombaça (FM) nas seguintes proporções (%) do volumoso: 100SM:0FM; 65SM:35FM; 35SM:65FM e 0SM:100FM. A relação volumoso:concentrado utilizada foi de 65:35, % na MS. As dietas, isonitrogenadas, foram formuladas para conter aproximadamente 12% de PB, com base na MS. No Experimento 3, foram utilizados 24 novilhos Nelore, castrados, com PVI de 334 ± 41,11 kg, para se avaliar o consumo e a digestibilidade dos nutrientes e o desempenho. O aumento dos níveis de feno no volumoso influenciou quadraticamente os consumos de MS, MO, PB, EE, FDN e NDT, independentemente da forma de expressão, registrando-se valores máximos, de 8,28; 7,83; 1,10; 0,25; 3,74 e 5,50 kg/dia, para dietas com 39,78; 39,15; 43,63; 10,5; 69,67 e 32,19% de feno, respectivamente, sendo o consumo dos CNF influenciado negativamente pelo nível de feno no volumoso. As digestibilidades totais da MS, MO e dos CNF diminuíram, enquanto a digestibilidade total da PB aumentou linearmente com o incremento de feno. As digestibilidades totais do EE e da FDN não foram influenciadas pelas dietas, registrando-se valores médios de 75,93 e 53,16%, respectivamente. O ganho médio diário (GMD) decresceu a partir do nível de 65% de substituição da silagem de milho pelo feno, enquanto a conversão alimentar (CA) aumentou a partir do nível de 35% de substituição. No Experimento 4, foram utilizados quatro novilhos mestiços (HxZ), castrados, com PVI de 226 ± 12,34 kg, fistulados no rúmen e abomaso, distribuídos num quadrado latino 4x4, para se avaliar o consumo, as digestibilidades aparentes total e parcial dos nutrientes, os parâmetros ruminais, a eficiência microbiana e o BN. Utilizaram-se as dietas descritas no experimento 3. Embora o consumo de FDN tenha aumentado linearmente, os consumos de MS, MO, PB, EE, CNF e NDT, independentemente da forma de expressão, decresceram linearmente com o incremento dos níveis de feno no volumoso. As digestibilidades aparentes totais de MS, MO e CNF decresceram linearmente e, as de PB e FDN, aumentaram linearmente com a substituição da silagem de milho por feno. Excetuando-se a digestibilidade aparente ruminal dos CNF, que decresceu e, a digestibilidade intestinal da PB e dos CNF, que aumentaram linearmente, as digestibilidades aparentes parciais dos demais nutrientes não foram influenciadas pelos níveis de feno no volumoso. Para o pH e a concentração ruminal de N-NH3 (mg/dL), foram ajustados modelos de superfície de resposta em função dos níveis de feno e dos tempos de coleta sendo, seus valores, independentemente da dieta ou tempo, adequado para o crescimento dos microrganismos ruminais. Não houve efeito das dietas sobre a eficiência microbiana, verificando-se valor médio de 143,68 g PBMic/kg NDT. A ingestão de N diminuiu linearmente com o aumentos do nível de feno no volumoso. Contudo, o incremento dos níveis de feno promoveu aumento linear da concentração de NUS e das excreções de NUT e NUU, causando decréscimo linear no BN, em g N/dia ou % do N ingerido. A utilização do feno de capim-mombaça de baixa qualidade, em substituição a silagem de milho, compromete o consumo e a digestibilidade dos nutrientes, a síntese de proteína microbiana, além de promover maiores perdas do nitrogênio ingerido. No entanto, o ganho em peso dos animais não é influenciado até o nível de 35% de substituição da silagem de milho pelo feno, sendo recomendado não excedê-lo.
The present work was developed based on four experiments that were conducted at the experimental, research, and extension center (CEPET) of the Federal University of Viçosa, Brazil, during July to November of 2004. Experiments 1 and 2 were conducted aiming to evaluate the effects of different levels of crude protein (CP) and replacement of cottonseed meal for urea (U) on intake and total and partial apparent digestibility of nutrients, performance, ruminal characteristics, microbial efficiency and nitrogen balance (NB) in beef cattle. Experiment 1 was conducted with 30 Holstein x Zebu (HxZ) crossbred animals (357 ± 27.15 kg of BW), non castrated, distributed in five randomize blocks to evaluate intake and digestibility of nutrients and performance. The experiment were realized involving a 2 x 3 factorial arrangement, being two CP levels (10.5 and 12.5%) and three replacement levels of cottonseed meal for urea (0, 50 and 100%).The diets consisted of 65% sorghum silage and 35% concentrate, % in dry matter (DM). There were no effect of CP, urea and CP x urea levels in the daily intakes of all nutrients, excepted it of non-fiber carbohydrates (NFC), that was influenced by the CP levels, registering higher value with 10.5% CP. The 12.5% CP promoted greater digestibility of DM, organic matter (OM), CP, neutral detergent fiber (NDF) and NFC. Except for the CP digestibility, that was greater with 100% urea, the replacement of cottonseed meal for urea did not influence on digestibility of the other nutrients. There were no treatment differences in the average daily gain (ADG), carcass average daily gain (CADG), feed conversion (FC) and carcass yield (CY %), registering average values of 1.36 kg/day, 0.84 kg/day, 7.54 and 53.49%, respectively. In Experiment 2, four crossbred (HxZ) ruminally and abomasally cannulated steers (226 ± 24.56 kg of BW), castrated, were used in a 4 x 4 Latin square design and fed with the same diet described in Experiment 1, to evaluate the intake and total and partial apparent digestibility of nutrients, ruminal characteristics, microbial efficiency and NB. The experiment were realized involving a 2 x 2 factorial arrangement, being two CP levels (10.5 and 12.5%) and two replacement levels of cottonseed meal for urea (0 and 100%). Except for the daily intakes of CP, rumen degradable protein (RDP) and total digestible nutrients (TDN), which were higher with 12.5% CP, the CP levels did not influence on intakes of the other nutrients. The total replacement of cottonseed meal for urea promoted lower daily intakes of DM, OM, NDF and NFC. The total apparent digestibility of CP and NFC and ruminal apparent digestibility of CP were greater with 12.5% CP, while the total and apparent digestibility of the other nutrients were not influenced by the CP levels. Greater total and ruminal digestibility of CP and NDF with 100% urea were observed. Ruminal pH and NH3-N concentration (mg/dL) were affected by diets, by sampling times and by diet x sampling times interaction. The microbial efficiency was not influenced by diets, verifying average value of 123.05 g CPMic/kg TDN. The 12.5% CP and total replacement of cottonseed meal for urea caused higher serum urea N concentration (SUN), daily excretions of total urinary N (TUN) and urinary urea N (UUN), influencing negatively the NB. The 10.5% CP level and total replacement of cottonseed meal for urea can be used in diets for beef cattle, once do not influence the intake, performance and microbial efficiency, besides promoting greater N utilization efficiency. The third and fourth experiments were realized to evaluate the intake and total and partial apparent digestibility of nutrients, performance, ruminal characteristics, microbial efficiency and NB in beef cattle fed diets with corn silage (CS) and Mombaça hay (MH) in the following ratios on roughage (%): 100CS:0MH; 65CS:35MH; 35CS:65MH and 0CS:100MH. The diets consisted of 65% roughage and 35% concentrate, and were formulated to be isonitrogenous (12% CP, DM basis). Experiment 3 was conducted with 24 Nelore steers, castrated, averaging 334 ± 41.11 kg of BW, distributed in six randomized blocks to evaluate the intake and digestibility of nutrients and performance. The increase of hay level on roughage influenced quadractly the daily intakes of DM, OM, CP, ethereal extract (EE), NDF and TDN, independently in the expression form, registering maximum values of 8.28, 7.83, 1.10, 0.25, 3.74 and 5.50 kg/day, with hay level of 39.78, 39.15, 43.63, 10.50, 69.67 and 32.19%, respectively. However, NFC intake decreased linearly with increase of hay level. Total digestibility of DM, OM and NFC decreased, while CP total digestibility increased linearly with increase of hay level. Hay levels did not influence the total digestibility of EE and NDF, verifying average values of 75.93 and 53.16%, respectively. The ADG decreased starting from 65% level of replacement of corn silage for hay, while FC increased starting from 35% level of replacement. In Experiment 4, four crossbred (HxZ) ruminally and abomasally cannulated steers (226 ± 12,34 kg of BW), castrated, were used in a 4 x 4 Latin square design and fed with the same diet described in Experiment 3, to evaluate the intake and total and partial apparent digestibility of nutrients, ruminal characteristics, microbial efficiency and NB. Although NDF intake increased linearly, the daily intakes of DM, OM, CP, EE, NFC and TDN, independently in the expression form, decreased linearly with increase of hay level. Total apparent digestibility of DM, MO and NFC decreased linearly, while the total apparent digestibility of CP and NDF increased linearly with replacement of corn silage for hay. Except for the NFC ruminal apparent digestibility, that decreased and, the intestinal apparent digestibility of CP and NFC, which increased linearly, the partial apparent digestibility of the other nutrients were not influenced by hay levels. Models of response surface were adjusted for ruminal pH and NH3-N concentration (mg/dL), in function of hay levels and sampling times, being the suitable values for the growth of ruminal microorganisms, independently of diet or sampling time. There was no effect of diets in the microbial efficiency, verifying average value of 143.68 g CPMic/kg TDN. The N intake decreased linearly with increase of hay level on roughage. However, the increment of hay levels promoted linear increase in the SUN concentration and daily excretions of TUN and UUN, causing linear decrease on NB, in g N/day or % of ingested N. Poor quality Mombaça hay, replacing the corn silage, worsening the intake and digestibility of nutrients, microbial protein synthesis, besides promoting higher losses of ingested N. However, animal performance did not influenced until the 35% level of replacement of corn silage for hay, being recommended not to exceed it.
Palavras-chave: Níveis de proteína bruta
Silagem de sorgo
Confinamento
Crude protein levels
Sorghum silage
Feedlot
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::PASTAGEM E FORRAGICULTURA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: PEREIRA, Dalton Henrique. Replacement of cottonseed meal for urea or of corn silage for Mombaça hay in beef cattle diets. 2008. 147 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1691
Data do documento: 19-Mar-2008
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,09 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.