Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1708
Tipo: Tese
Título: Desempenho, composição corporal e exigências nutricionais de bovinos Nelore de diferentes classes sexuais
Título(s) alternativo(s): Performance, body composition and nutritional requirements of Nellore bulls, steers and heifers
Autor(es): Paulino, Pedro Veiga Rodrigues
Primeiro Orientador: Valadares Filho, Sebastião de Campos
Primeiro coorientador: Sainz, Roberto Daniel
Primeiro avaliador: Paulino, Mário Fonseca
Segundo avaliador: Valadares, Rilene Ferreira Diniz
Terceiro avaliador: Detmann, Edenio
Abstract: O presente trabalho foi realizado mediante a condução de dois experimentos que visaram estudar o desempenho, consumo e digestibilidades dos nutrientes, eficiência alimentar, características de carcaça, composição corporal e exigências de energia e proteína de bovinos Nelore de diferentes classes sexuais. O primeiro experimento foi conduzido entre os meses de julho e setembro de 2004, utilizando-se 48 animais, sendo 16 machos inteiros, 16 machos castrados e 16 fêmeas, que foram alimentados individualmente por um período de 77 dias em baias individuais. Os animais apresentavam-se com 21 meses de idade e com peso vivo médio de 276,2; 265,8 e 257,3 kg, respectivamente, para os machos inteiros, os machos castrados e as fêmeas, ao início do experimento. A dieta, composta por silagens de capim-elefante e de milho (70:30) e concentrado, na relação 85:15, na base da matéria seca total, foi fornecida diariamente. Os consumos de matéria seca e dos nutrientes foram calculados semanalmente a partir da análise laboratorial dos alimentos fornecidos e das sobras. Um ensaio de digestibilidade foi realizado na 9a semana, quando também foram coletadas amostras de urina para estimação da produção de proteína microbiana, bem como de sua eficiência de síntese. Medidas ultrasonográficas foram realizadas nos animais ao final do experimento, utilizando-se ultrasom modelo Aloka 500-V, dotado de transdutor linear de 17,2 cm e 3,5 MHZ de frequência. O consumo residual foi calculado pela diferença entre o consumo observado e o estimado por uma equação de regressão entre o consumo, o ganho de peso e o peso vivo médio metabólico dos animais. Os machos inteiros foram os mais pesados, apresentando GMD superior e carcaça mais magra, porém com musculosidade mais pronunciada (P<0,05). As fêmeas foram inferiores quanto as características de desempenho, apresentando, porém, maior EGS na carcaça (P<0,05), ficando os machos castrados em posição intermediária. Os consumos de MS e dos demais nutrientes, quando expressos em função do peso, e as digestibilidades, com exceção do EE, não foram (P>0,05) significativamente afetados pela classe sexual. Quando avaliados quanto ao grupo de consumo residual, os animais com alto CR apresentaram o mesmo peso corporal, a mesma taxa de ganho de peso e não tiveram suas características de carcaça afetadas (P>0,05), apesar de terem consumido 11,5% mais MS (P<0,05). Os consumos dos nutrientes foram superiores nos animais com alto CR (P<0,05), porém os coeficientes de digestibilidade não diferiram daqueles dos animais com baixo CR (P>0,05). A produção de proteína microbiana, bem como sua eficiência de síntese não foi afetada nem pela classe sexual, nem pelo grupo de CR (P>0,05), o mesmo ocorrendo para a concentração plasmática de uréia. As excrecões de uréia na urina foram afetadas somente pela classe sexual, em que as fêmeas apresentaram valores superiores aos machos (P<0,05). Classe sexual afeta o desempenho e as características de carcaça de bovinos Nelore, ao passo que o consumo residual não incorre em impactos negativos na qualidade da carcaça. No segundo experimento, utilizaram-se 35 animais, sendo 12 machos inteiros, 11 machos castrados e 12 fêmeas, provenientes de um mesmo grupo contemporâneo. Os animais foram alimentados individualmente durante 112 dias, sendo abatidos ao final do experimento, com um grupo referência abatido ao início. Os animais foram aleatoriamente distribuídos a seis tratamentos em esquema fatorial 3 x 2, sendo três classes sexuais e 2 níveis de oferta de concentrado (oferta de concentrado de 0,6 e 1,2% do PV). Mensuraram-se os consumos, digestibilidades, características da carcaça, composição corporal e exigências de energia e proteína. Os machos inteiros foram mais eficientes, apresentaram maior peso final, de corpo vazio e de carcaça, como resultado da maior taxa de crescimento em relação às fêmeas (P<0,05), ficando os machos castrados em posição intermediária. Os consumos relativos de MS e de todos os demais nutrientes foram superiores nas fêmeas (P<0,05) em relação ao dos machos inteiros, com os castrados apresentando valores intermediários. As digestibilidades, com exceção da digestibilidade do extrato etéreo (DEE), não foram afetadas (P>0,05) pela classe sexual. As digestibilidades da MS e da MO foram superiores (P<0,05) para a dieta em que o nível de oferta de concentrado foi de 1,2% do PV, sendo que para os demais nutrientes não houve efeito do nível de oferta de concentrado (P>0,05). As carcaças dos machos inteiros foram mais pesadas e magras (P<0,05) que as carcaças das fêmeas, com os machos castrados ficando em posição intermediária. As fêmeas apresentaram carcaças com maior teor de gordura, devido ao depósito subcutâneo ter sido mais pronunciado em relação aos machos (P<0,05). Além disso, a participação da gordura visceral e subcutânea nas fêmeas, em relação ao peso de corpo vazio total, foi superior (P<0,05), apesar das taxas de deposição dos diferentes depósitos de gordura não terem sido influenciados (P>0,05) pela classe sexual. O nível de oferta de concentrado praticamente não afetou em nada as características de carcaça, a composição corporal e da carcaça dos animais (P>0,05). Os teores de proteína e extrato etéreo no peso de corpo vazio dos machos inteiros foram, respectivamente, superior e inferior, em comparação com as fêmeas, com os machos castrados obtendo valores intermediários. A composição do ganho de carcaça e de peso de corpo vazio foi diferente entre as classes sexuais, uma vez que as taxas de acréscimo de músculo na carcaça e de proteína no peso de corpo vazio apresentaram comportamento distinto, com os machos inteiros apresentando deposições mais pronunciadas (P<0,05) que as fêmeas e os machos castrados. O ganho de peso de corpo vazio dos machos inteiros foi composto por mais proteína e menos extrato etéreo que os das fêmeas e dos machos castrados (P<0,05). Os rendimentos dos cortes comerciais da carcaça não foram influenciados pelo nível de oferta de concentrado (P>0,05), mas sim pela classe sexual (P<0,05). Fêmeas e machos castrados apresentaram maior rendimento de traseiro especial (P<0,05), uma vez que o dianteiro dos machos inteiros foi mais avantajado. As exigências de energia líquida para mantença não foram diferentes entre as três classes sexuais, apresentando valor de 75,92 Mcal/kg PCVZ0,75, enquanto que as exigências de energia metabolizável foram de 108,81 Mcal/kg PCVZ0,75. As exigências de energia líquida para ganho de peso aumentaram com o aumento do peso vivo dos animais, sendo superiores para os machos castrados e as fêmeas em relação aos machos inteiros. Para animais com peso de 400 kg, as exigências líquidas de energia para ganho de peso de corpo vazio foram de 4,16; 5,34 e 5,02 Mcal, respectivamente, para os machos inteiros, os machos castrados e as fêmeas. As equações obtidas para estimativa da energia retida foram: ER = 0,0515 PCVZ0,75 * GPCVZ0,9384 (machos inteiros); ER = 0,0696 PCVZ0,75 * GPCVZ0,9250 (machos castrados) e ER = 0,0731 PCVZ0,75 * GPCVZ1,0175 (fêmeas). A eficiência de uso da energia metabolizável para mantença obtida foi de 70%, enquanto que as eficiências de uso para ganho de peso variaram de 45 a 49%. As eficiências parciais de uso da energia metabolizável para síntese de proteína e gordura foram de 27,2 e 79,1%, respectivamente. As exigências líquidas de proteína para ganho diminuíram com o aumento do peso (PV) dos animais, sendo maiores para os machos inteiros, intermediárias para os machos castrados e inferiores para as fêmeas, podendo ser estimadas pelas equações: PR = 14,78 + 175,86 GPVJ 2,95 ER (machos inteiros), PR = 25,62 + 139,81 GPVJ 7,43 ER (machos castrados); PR = 18,13 + 177,27 GPVJ 16,57 ER (fêmeas).
This work was comprised of two experiments that were carried out with the objective of assessing the performance, nutrients intake and digestibilities, feed efficiency, carcass traits, body composition and energy and protein requirements of Nellore bulls, steers and heifers. The first trial was carried out through July and September, 2004, using 48 animals (16 bulls, 16 steers and 16 heifers), which were individually fed for 77 days in individual pens. At the beginning of the trial, the animals were 21 months old and weighed 276.20; 265.80 and 257.30 kg, respectively, for the bulls, steers and heifers. The diet, composed of elephant grass silage, corn silage (70:30) and concentrate (roughage to concentrate ratio of 85:15, total DM basis) was offered daily. Dry matter and nutrient intakes were measured weekly, using laboratory analysis of the feed and orts. A digestibility trial was carried out at the 9th week, when spot urine samples were also taken, in order to estimate microbial protein yield and its synthesis efficiency. At the end of the experiment the animals were ultrasonically scanned using Aloka 500-V machine, equipped with a 3.5 MHz, 17.2 cm linear array transducer. Residual feed intake (RFI) was calculated by the difference between the observed dry matter intake (DMI) and the DMI obtained from linear regression of DMI on average daily gain (ADG) and average metabolic body weight (MBW) of the animals. The bulls were the heaviest, presenting superior ADG and leaner and more muscled carcasses (P<0.05). Although poorer in the performance traits, the heifers had larger carcass subcutaneous fat thickness (SF) (P<0.05), while the steers presented intermediate values. DM and nutrients intakes, but ether extract (EE), expressed as a function of the body weight (BW), were not significantly affected by sexual class. The digestibilities neither. When evaluated within the RFI groups, the animals with high RFI had the same body weight, the same growth rate and did not have any of its carcass traits affected (P>0.05), in spite of eating 11.5% more DM (P<0.05). Nutrients intakes were higher for the animals with high RFI (P<0.05), however the digestibilities did not differ from those animals that had lower RFI (P>0.05). Microbial protein yield, as well as its efficiency of synthesis, was not affected neither by sexual class nor by RFI group (P>0.05), what also was observed for the analysis of purine derivatives excreted in the urine and blood urea concentration. Excretion of urea in the urine (mg/kg BW) was only affected by sexual class, being higher for the heifers when compared to the bulls and steers (P<0.05). Sexual class affects performance and carcass traits of Nellore cattle, whereas residual feed intake does not impair carcass quality. In the second experiment, 35 animals, from a same contemporary group, were used (12 bulls 11 steers and 12 heifers). The animals were individually fed during 112 days, being slaughtered at the end of the trial, whereas the reference group was slaughtered at the beginning. The animals were randomly assigned to six treatments in a 3 x 2 factorial design, being 3 sexual classes and 2 levels of concentrate allowance (0.6 and 1.2% of BW). The parameters measured were: intake, digestibility, carcass traits, body composition, and energy and protein requirements. Bulls were more efficient, presenting higher body weight, empty body weight and carcass weight, as a result of their highest growth rate, when compared with the heifers (P<0.05), whereas the steers presented intermediate values. The relative DMI and intakes of all of the other nutrients were higher for the heifers (P<0.05) in comparison to the bulls, while the steers had intermediate values. The digestibilities, but EE digestibility, were not affected (P>0.05) by sexual class. DM and OM digestibilities were higher (P<0.05) for the diet in which the concentrate allowance level was 1.2% of BW, whereas for all the other nutrients there wasn t detected any effect due to concentrate allowance level (P>0.05). Bull carcasses were heavier and leaner (P<0.05) than heifer s, while steers carcasses had intermediate values. Heifers carcasses had higher fat content than the males, due to a more pronounced subcutaneous fat depot (P<0.05). Beyond that, visceral and subcutaneous fat depots contribution, in relation to the empty body weight, was higher in the heifers (P<0.05), although the rates of fat deposition in the different depots had not been influenced by sexual class (P>0.05). Concentrate allowance level did not affected (P>0.05) the carcass traits and the body and carcass composition of the animals. Empty body protein and ether extract contents observed in the bulls were, respectively, higher and lower, when compared to the heifers (P<0.05), while it was observed intermediate values for the steers. The composition of both carcass and empty body gain was different between bulls, steers and heifers, since the rates of muscle accretion in the carcass and protein accretion in the empty body had distinct pattern, being more pronounced in the bulls (P<0.05) than in the heifers and steers. The empty body gain of the bulls was composed of more protein and less ether extract than that of the heifers and steers (P<0.05). The yield of commercial carcass cuts was not influenced by concentrate allowance level (P>0.05), but by sexual class (P<0.05). Heifers and steers had higher hind quarter yield (P<0.05), since the fore quarter of the bulls was more developed. The net energy requirement for maintenance did not differ among the sexual classes, with a mean value of 75.92 Mcal/kg EBW0,75, whereas the metabolizable energy requirement for maintenance was 108.81 Mcal/kg EBW0,75. The net energy requirement for body gain increased as the animal became heavier, being higher for steers and heifers than for bulls. For animals with body weight of 400 kg, the net energy requirements for empty body gain were 4.16; 5.34 and 5.02 Mcal, respectively for bulls, steers and heifers. The equations fitted to estimate the retained energy (RE) were: RE = 0,0515 EBW0,75 * EBWG0,9384 (bulls); RE = 0,0696 EBW0,75 * EBWG0,9250 (steers) and RE = 0,0731 EBW0,75 * EBW1,0175 (heifers). The efficiency of metabolizable energy utilization for maintenance obtained in this trial was 70%, while for body gain the efficiencies ranged from 45 to 49%. The partial efficiencies of energy utilization for protein and fat synthesis were 27.2 and 79.1%, respectively. The net protein requirements for body gain (RP = retained protein) decreased as the body weight increased, being higher for the bulls, intermediate for the steers and lower for the heifers, and can be estimated by the equations: RP = 14,78 + 175,86 ADG 2,95 RE (bulls), RP = 25,62 + 139,81 ADG 7,43 RE (steers); RP = 18,13 + 177,27 ADG 16,57 RE (heifers).
Palavras-chave: Nelore
Bovino
Nutrição
Composição corporal
Sexo
Nelore
Bovine
Nutrition
Body composition
Sex
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::NUTRICAO E ALIMENTACAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: PAULINO, Pedro Veiga Rodrigues. Performance, body composition and nutritional requirements of Nellore bulls, steers and heifers. 2006. 183 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1708
Data do documento: 12-Mai-2006
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf577,27 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.