Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1766
Tipo: Tese
Título: Curvas de lactação e consumo de vacas F1 Holandês x Zebu em pastejo e em confinamento
Título(s) alternativo(s): Intake and lactation curves of F1 Holstein x Zebu dairy cows in pasture and feedlot
Autor(es): Santos, Stefanie Alvarenga
Primeiro Orientador: Valadares Filho, Sebastião de Campos
Primeiro coorientador: Detmann, Edenio
Segundo coorientador: Valadares, Rilene Ferreira Diniz
Primeiro avaliador: Pereira, Odilon Gomes
Segundo avaliador: Ruas, José Reinaldo Mendes
Abstract: O presente trabalho foi constituído de três experimentos, que foram descritos em quatro capítulos. Para o capítulo 1 foi objetivo avaliar o efeito de diferentes volumosos sobre o desempenho de vacas em lactação F1 Holandês x Gir em condições tropicais. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, em Felixlândia-MG. Doze vacas mestiças F1 Holandês x Gir foram distribuídas em um quadrado latino 4x4, balanceado para efeito residual, e cada tratamento experimental foi atribuído a um grupo de três vacas. O experimento consistiu de quatro tratamentos e cinco períodos experimentais de 21 dias, com 14 dias de adaptação e sete dias de coleta de dados. Os tratamentos experimentais foram silagem de sorgo, silagem de milho, cana-de- açúcar in natura e silagem de cana-de-açucar ensilada com óxido de cálcio a 1%. Foram utilizados três indicadores (LIPE ® dióxido de titânio, e FDAi) para estimar o consumo individual. Os consumos de matéria seca (MS) e de matéria orgânica (MO) foram maiores (P < 0,05) para vacas consumindo silagem de milho (P < 0,05) e menores para silagem de sorgo, cana-de-açucar in natura e silagem de cana- de-açucar, consecutivamente. As digestibilidades da MS e da MO das dietas contendo silagem de milho, silagem de sorgo e cana-de-açucar in natura foram semelhantes (P > 0,05) e por sua vez maiores que para a dieta à base de silagem de cana-de-açucar (P < 0,05). A produção de leite de vacas alimentadas com silagem de milho e silagem de sorgo não diferiu (P > 0,05) mas foram maiores que a produção de leite de vacas alimentadas com cana-de-açúcar in natura e silagem de cana-de-açucar, que não diferiram entre si. Houve maior teor de ácidos graxos nãoesterificados (P < 0,05) no plasma (AGNE) de vacas alimentadas com silagem de cana-de-açucar. O balanço de compostos nitrogenados (N) foi maior para vacas alimentadas com silagem de milho e de sorgo, seguido pela cana-de-açucar in natura e silagem de cana-de-açucar (P < 0,05). Concluiu-se que a dieta à base de silagem de cana-de-açucar proporciona baixo consumo, baixa digestibilidade, baixa eficiência de utilização do N e elevada mobilização de reservas corporais em vacas F1 Holandês x Gir. Esta mobilização suporta uma produção de leite similar a de vacas alimentadas com cana-de-açucar in natura. As silagens de milho e de sorgo proporcionam um desempenho satisfatório e maior eficiência de utilização do N, mesmo com a maior relação entre volumoso e concentrado nestes tratamentos. No capítulo 2 o objetivo foi desenvolver curvas de lactação, de consumo e variação de peso de vacas mestiças F1 Holandês x Zebu em sistemas a pasto. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, em Felixlândia-MG, entre os meses de janeiro e maio de 2008. Foram utilizadas 18 vacas F1, sendo seis Holandês x Gir (HGI), seis Holandês x Guzerá (HGU) e outras seis Holandês x Nelore (HNE), que constituíram três tratamentos experimentais. O modelo original de predição de consumo de matéria seca do NRC (2001) não foi adequado para explicar os dados de consumo de matéria seca em condições tropicais de pastejo (P < 0,05), entretanto, a estrutura do modelo, quando reparametrizada, foi adequada (P < 0,05) para predição de consumo de matéria seca de vacas F1 Holandês x Zebu em condições de pastejo com gramíneas tropicais. Após reparametrização do modelo proposto pelo NRC (2001), foi obtida a seguinte equação: CMS (kg/dia) = (0.6089*LCG + 0.0244 *PC0,75) + (1 e(- 0.2919*(SL+5.5772))), sendo: LCG: produção de leite corrigido para gordura; PC: peso corporal; SL: semana de lactação. Houve similaridade dos modelos Jenkins & Ferrell (1984) modificado e Wood (1967) para predizer a produção de leite de vacas mestiças F1 Holandês x Zebu em pastagens, quando comparados ao modelo Jenkins & Ferrel (1984) original. O modelo de Wood (1967) apresentou dispersão uniforme em torno do eixo X, sendo então utilizado para estimação de parâmetros para cada grupo genético, como se segue: HGI =17.2667*t0.0652*e-0.00424t; HGU =18.1470*t0.0332*e-0.00408t; HNE =14.2836*t0.1059*e-0.00552t. Os teores de AGNE apresentaram variação em função dos diferentes grupos genéticos (P < 0,05), sendo apresentadas três equações em função dos dias de lactação, como se segue HGI = 657.42 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2; HGU = 664.73 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2; HNE = 607.70 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2. Dentre os modelos matemáticos avaliados, o modelo de Wood (1967) apresenta melhor ajuste aos dados de produção de leite de vacas mestiças F1 sob pastejo em gramíneas tropicais. Utilizando-se este modelo, as vacas do grupo HGI apresentam maior produção acumulada aos 305 dias. O pico de consumo de matéria seca, estimado pela equação do NRC (2001) reparametrizada, ocorre durante a sexta semana de lactação, quando ocorre estabilização do consumo de matéria seca de pasto dos diferentes grupos genéticos. Mesmo assim as vacas passam por uma fase de balanço energético negativo durante a sétima semana em função das características da pastagem tropical. No capítulo 3 o objetivo foi avaliar o consumo, a digestibilidade e a eficiência de utilização do N para vacas mestiças F1 Holandês x Zebu em sistema de pastejo. O experimento foi conduzido na Fazenda experimental da EPAMIG, em Felixlândia-MG, entre os meses de janeiro e maio de 2008. Foram utilizadas 18 vacas F1, recémparidas, sendo seis HGI, seis HGU e outras seis HNE, que constituíram os três tratamentos experimentais, distribuídas em amostras aleatórias simples sob as mesmas condições de alimentação: pasto mais concentrado com 22% de proteína bruta (PB). Para estimativa do consumo individual a pasto, foram utilizados dois indicadores. O dióxido de titânio foi usado para estimar a excreção de matéria seca fecal e para consumo individual de pasto, foi utilizada a fibra em detergente ácido indigestível (FDAi). Não houve efeito de grupos genéticos sobre os consumos e coeficientes de digestibilidade dos nutrientes (P < 0,05) para nenhum efeito da regressão linear múltipla. Todos os parâmetros das equações de regressão relativos ao consumo de nutrientes, com exceção dos consumos de MS e MO em % do peso corporal (PC), de carboidratos não-fibrosos (CNF) e nutrientes digestíveis totais (NDT) em %PC, foram significativos (P < 0,05) e apresentaram comportamento quadrático, com ponto critico positivo. Os coeficientes de digestibilidade para PB, fibra em detergente neutro corrigida para cinzas e proteína (FDNcp) e o teor de NDT foram afetados pelo período de lactação (P < 0,05), enquanto os coeficientes de digestibilidade da MS, extrato etéreo (EE) e matéria orgânica (MO) não apresentaram efeito do período de lactação (P > 0,05). Não houve efeito do grupo genético (P > 0,05) para os parâmetros de eficiência de utilização do N. A excreção de uréia na urina (EUU) apresentou comportamento quadrático em função dos dias de lactação (P < 0.05) com excreção máxima estimada aos 49 dias. Já o nitrogênio uréico no leite (NUL) e no plasma (NUP) também em comportamento quadrático (P < 0,05) apresentaram pico aos 120 e 119 dias, respectivamente. Sendo assim, conclui-se que a utilização de diferentes grupos genéticos de vacas Holandês x Zebu sob pastagens tropicais não promove alteração sobre os consumos, as digestibilidades dos nutrientes e a eficiência de utilização do N, que variaram em função do período de lactação, apresentando em geral comportamento quadrático para os três grupos genéticos. No capítulo 4 o objetivo foi avaliar curvas de lactação, consumo de nutrientes e variação de peso de vacas mestiças F1 Holandês x Zebu em sistema de confinamento, bem como a eficiência metabólica da utilização dos nutrientes. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental da EPAMIG, em Felixlândia-MG, entre os meses de junho de 2008 e fevereiro de 2009. Foram utilizadas 18 vacas F1 recém-paridas, sendo seis HGI, seis HGU e outras seis HNE, que constituíram três tratamentos experimentais, distribuídas em amostras aleatórias simples, alimentadas com silagem de milho à vontade mais concentrado com 20% de PB. Para estimativa do consumo individual das vacas alimentadas em grupo foram utilizados três indicadores. A LIPE® foi usada para estimar a excreção de matéria seca fecal. Para estimar o consumo individual de concentrado fornecido no cocho coletivo, na forma de mistura completa, foi utilizado o dióxido de titânio. Para estimativa do consumo individual de volumoso foi utilizada a FDAi. Foram utilizados três modelos matemáticos para ajuste das curvas de lactação e de variação de peso, como se segue: Y = at be&#8722;ct (Wood,1967); Y = ate&#8722;ct (Jenkins & Ferrel,1984); Y = a+bte&#8722;ct. (Jenkins and Ferrell, 1984) com um parâmetro de ajustamento. Não houve efeito (P > 0,05) dos grupos genéticos sobre o consumo de matéria seca (MS) e dos demais nutrientes. Os consumos de MS, de MO, de FDNcp, de EE e de NDT apresentaram comportamento quadrático em função dos dias em lactação (P < 0,05),sendo o mesmo comportamento observado para os coeficientes de digestibilidade da MS, MO e do EE, assim como os teores de NDT (P < 0,05). Foram construídas curvas de lactação para os grupos genéticos HGI =19,0764*t0,0166*e-0,00181*t; HGU =15,6232*t0,0936*e-0,00274*t e HNE =15,4655*t0,0401*e-0,00305*t, através do modelo matemático obtido por Wood (1967). Através do modelo Jenkins e Ferrell (1984) foi desenvolvida uma equação para estimar a variação de peso dos animais pertencentes aos três grupos de forma conjunta, sendo: HZE = 511,1 + 1,7925*t*e-0,0105*t. Não houve efeito (P > 0,05) dos grupos genéticos sobre a eficiência de utilização dos compostos nitrogenados, porém houve efeito significativo do período de lactação, exceto sobre os compostos nitrogenados microbianos (NM) que apresentaram resposta quadrática ao longo da lactação (P < 0,05). Assim, conclui-se que a utilização de diferentes grupos genéticos de vacas Holandês x Zebu em confinamento não promove alteração sobre os consumos e as digestibilidades dos nutrientes, variação de peso e eficiência metabólica. As vacas HGU fapresentam produção de leite acumulada aos 305 dias de 4946,81 kg, com pico de lactação de 19,80 kg aos 34 dias, enquanto as vacas HGI apresentam desempenho muito próximo, com pico de lactação de 19,46 kg aos 8 dias e produção acumulada de 4821,78 kg. As vacas HNE apresentam desempenho inferior, com pico de produção de 16,47 kg aos 16 dias e produção acumulada de 3674,98 kg.
This study was constituted by three experiments, which was described in four chapters. In the first study, the objective was to evaluate the effect of different forage sources on the performance of crossbred dairy cows in tropical conditions. The experiment was carried out on the Experimental Farm of the Agricultural Research Company of Minas Gerais, in Felixlândia- MG, Brazil. Twelve crossbred F1 Holstein x Gir cows were allocated to a 4x4 Latin square, balanced for residual effect, and each experimental treatment was assigned to one group of three cows. The experiment consisted of four treatments and five experimental periods of 21 days, with 14 days of adaptation and 7 days of data collection. The treatments were sorghum silage, corn silage, fresh sugarcane and sugarcane silage treated with 1% calcium oxide. The three markers method was used (LIPE ®, titanium dioxide and iADF) to estimate the individual intake and the apparent digestibility of the feed for the cows in each group. The data were subjected to analysis of variance and compared by a Tukey test at 5% probability using the PROC GLM of SAS, version 8.0 for Windows software. The dry matter intake (DMI) and organic matter intake (OMI) were highest (P<0.05) for cows consuming corn silage (P<0.05) and lower for those consuming sorghum silage, fresh sugarcane and sugarcane silage. The DMI of fresh sugarcane was lower than those of corn silage and sorghum silage (P<0.05). There was a decrease in the DMI when cows were fed sugarcane silage (P<0.05). The dry matter digestibility (DMd) and organic matter digestibility (OMd) of corn silage, sorghum silage and fresh sugarcane were statistically equal (P>0.05) and all were higher than that of the sugarcane silage-based diet (P<0.05). The milk yield from cows fed corn silage and sorghum silage were similar (P>0.05) and higher than the milk yields from cows fed sugarcane silage and fresh sugarcane, which were similar to each other. There was a higher content of non-esterified fatty acids (P<0.05) in the plasma of cows fed sugarcane silage. Nitrogen balance was greatest for cows fed corn and sorghum silage, followed by fresh sugarcane and then sugarcane silage (P<0.05). We conclude that the sugarcane silage-based diet provides a low intake, low digestibility, low efficiency of nitrogen utilization and high mobilization of body reserves in F1 Holstein x Gir cows. This mobilization supports a milk production similar to cows fed fresh sugarcane. Corn silage and sorghum silage provide satisfactory cow performance and nitrogen utilization, even with a high forage:concentrate ratio. In the second study, the purpose was to develop lactation, feed intake and weight change curves for F1 crossbred Holstein x zebu (HZ) cows under grazing conditions. The experiment was carried out at the Research Farm at the Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), in Felixlândia-MG-Brazil. Eighteen F1 cows were used, divided into three treatments; six were Holstein x Gir (HGI), six were Holstein x Guzerat (HGU), and another six were Holstein x Nelore (HNE), which had recently calved, distributed into simple, random samples under the feeding conditions of Brachiaria decumbens pasture plus concentrate with 22% of CP. To estimate individual feed intake at pasture, two indicators were used: titanium dioxide to estimate fecal DM excretion, and the indigestible acid detergent fiber (iADF) to estimate individual pasture intake. The original model for the prediction DMI from the NRC (2001) was not adequate to explain the data for DMI under tropical grazing conditions (P = 0.1407), though the model structure, when reparametrized, was adequate (P < 0.001). After reparametrization, the following final equation was obtained: DMI (kg/d) = (0.6089*FCM + 0.0244 *BW0.75) + (1 e(-0.2919*[WL+5.5772])), where FCM is fat corrected milk yield. BW is body weight, and WL is week of lactation. The modified model by Jenkins and Ferrell (1984) and the model by Wood (1967) showed similarities for the accurate prediction of milk production of F1 HZ cows on pasture, when compared to the original model by Jenkins and Ferrell (1984). The model by Wood (1967) showed uniform dispersion around the x-axis, and so it was used to estimate the parameters for each genetic group, as follows: HGI = 17.2667*t0.0652*e-0.00424t; HGU = 18.1470*t0.0332*e-0.00408t; and HN = 14.2836*t0.1059*e-0.00552t. The NEFA contents varied according to different genetic groups (P < 0.001), producing three different equations, as follows: HGI = 657.42 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2; HGU = 664.73 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2; and HNE = 607.70 + 3.6957*t 32.4659*t1/2 0.1352*t3/2. In conclusion, the model by Wood (1967) provides a better fit to the milk production data of F1 HZ cows grazing on tropical grasses, and the HGI cows have greater cumulative production at 305-d. The peak DMI, estimated by the reparametrized NRC (2001) equation, occurs during the sixthweek of lactation, when the DMI by the different genetic groups was stabilized. In the thirth study the objective was to evaluate intake, digestibility and efficiency of N use in F1 Hostein x Zebu dairy cows on grazing system. The experiment was conducted at the experimental farm of EPAMIG in Felixlândia-MG, between January and May 2008. We used 18 F1 cows, six HGI, six HGU and six HNE, which were the three experimental treatments, distributed in simple random samples under the same conditions of supply: pasture plus concentrate containing 22% crude protein (CP). To estimate the individual intake on pasture, we used two markers. Titanium dioxide was used to estimate the excretion of fecal dry matter and we used the acid detergent fiber (iADF) to estimate the individual pasture intake. There was no effect of genetic groups on intake and digestibility of nutrients (P <0.05) for any effect of multiple linear regression. All parameters of the regression equations for consumption of nutrients, except for DM and OM in% of body weight (BW) of non-fiber carbohydrates (NFC) and total digestible nutrients (TDN)% BW, were significant (P <0.05) and presented a quadratic behavior with positive critical point. The digestibility coefficients for CP, neutral detergent fiber corrected for ash and protein (NDF) and TDN content were affected by the lactation period (P <0.05), while the digestibility of DM, ether extract (EE) and organic matter (OM) presented no effect of lactation (P> 0.05). There was no effect of genotype (P> 0.05) for the parameters of efficiency of utilization of N. The excretion of urea nitrogen in urine (UNU) presented a quadratic function of days in milking (P <0.05), estimating the maximum excretion at 49 days. Since the milk urea nitrogen (MUN) and plasma (PUN), also in a quadratic behavior (P <0.05) presented peaks at 120 and 119 days, respectively. Thus, we conclude that the use of different genetic groups of Holstein- Zebu cows under tropical pastures does not promote change on intake, digestibility and nutrient utilization efficiency of N, which varied according to the milking period, presenting an general quadratic behavior for the three genetic groups. In the fourth study, the objective was to evaluate lactation, intake and body weight change curves of F1 Holstein x Zebu dairy cows in feedlot. The experiment was conducted at the Experimental Farm of EPAMIG in Felixlândia- MG, between the months of June 2008 and February 2009. We used 18 crossbred F1, six HGI, six HGU and six HNE, which were three experimental treatments and distributed in simple random samples, fed corn silage ad libitum plus concentrate with 20% CP. To estimate the intake of individual cows fed group were used three markers. The LIPE ® was used to estimate the excretion of fecal dry matter. To estimate the individual intake of concentrate fed, we used the titanium dioxide. To estimate the individual forage intake, we used the iADF. We used three models to fit the curves of lactation and weight change, as follows: Y = at be&#8722;ct (Wood,1967); Y = ate&#8722;ct (Jenkins & Ferrel,1984); Y = a+bte&#8722;ct. (Jenkins and Ferrell, 1984) with a parameter adjustment. There was no effect (P> 0.05) of genetic groups on the dry matter (DM) intake and other nutrients. The DM, organic matter, NDF, EE, and TDN intake presented a quadratic function of days in milking (P <0.05), and the same behavior observed for the digestibility of DM, OM and EE , and TDN levels (P <0.05). Lactation curves were constructed for the genetic groups, as follows: HGI =19,0764*t0,0166*e-0,00181*t; HGU =15,6232*t0,0936*e-0,00274*t e HNE =15,4655*t0,0401*e-0,00305*t,, through the mathematical model obtained by Wood (1967). The model Jenkins and Ferrell (1984) has developed an equation to estimate the weight variation of animals belonged to three groups jointly, as follows: HZE = 511,1 + 1,7925*t*e-0,0105*t . There was no effect (P> 0.05) of genetic groups on the efficiency of utilization of nitrogen compounds, but there was a significant effect of lactation period, except on microbial nitrogen compounds (MN), that was a quadratic model throughout the lactation (P <0.05). Thus, we conclude that the use of different genetic groups of Holstein-Zebu cows in feedlot does not promote change on intake and digestibility of nutrient, weight change and metabolic efficiency. The HGU Cows present a milk produce accumulated in 305 days of 4946.81 kg, with a peak of 19.80 kg of milk at 34 days, while the HGI cows have a similar performance, with peak lactation of 19.46 kg to 8 days and cumulative production of 4821.78 kg. Cows HNE underperform, with peak production of 16.47 kg at 16 days and cumulative production of 3674.98 kg.
Palavras-chave: Consumo
Curva de lactação
Vacas mestiças
Consumption
Lactation curves
Crossbred cows
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::NUTRICAO E ALIMENTACAO ANIMAL::AVALIACAO DE ALIMENTOS PARA ANIMAIS
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: SANTOS, Stefanie Alvarenga. Intake and lactation curves of F1 Holstein x Zebu dairy cows in pasture and feedlot. 2011. 213 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1766
Data do documento: 21-Fev-2011
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf860,45 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.