Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2222
Tipo: Dissertação
Título: Riqueza de espécies de grilos (Orthoptera: Grylloidea) em fragmentos de Mata Atlântica em regeneração
Título(s) alternativo(s): Richness of crickets species (Orthoptera: Grylloidea) in regeneration Atlantic forest fragments
Autor(es): Szinwelski, Neucir
Primeiro Orientador: Andrade, Cristiano Lopes
Primeiro coorientador: Schoereder, José Henrique
Segundo coorientador: Sperber, Carlos Frankl
Primeiro avaliador: Zefa, Edison
Segundo avaliador: Ribas, Carla Rodrigues
Abstract: Com o aumento do tempo de regeneração florestal há um aumento na diversidade de recursos e alterações nas condições do ambiente, deixando o ambiente mais estável. Esses fatores, junto com a estrutura e complexidade do hábitat, processos históricos e geográficos, interações intraespecíficas e interespecíficas, entre outros, são essenciais para a determinação da biodiversidade. O desmatamento é um dos responsáveis pela eliminação de espécies, pois remove a oferta e diversidade de recursos e altera as condições, acentuando a competição entre os organismos. Entretanto, áreas exploradas durante certo tempo são abandonadas e inicia-se, naturalmente, um processo de regeneração. Com essa recuperação há o retorno de espécies vegetais e animais, conforme a capacidade de suporte do ambiente. Assim, áreas de florestas com diferentes idades de regeneração representam um gradiente de sucessão vegetal e animal. Os grilos devido a sua abundância e diversidade entre todos os estratos florestais, podem ser utilizados como organismos-resposta à fragmentação ambiental e a outros distúrbios ambientais. O objetivo desse trabalho foi avaliar a resposta da riqueza de espécies de grilos à regeneração florestal. Foi testado o pressuposto de que a riqueza de espécies de grilos aumenta com o tempo de regeneração florestal. Testamos hipóteses explicativas de que: i) a riqueza de espécies de grilos é influenciada pela idade de regeneração devido a um aumento na disponibilidade de recursos; ii) A riqueza de espécies de grilos é influenciada pela idade de regeneração devido a um aumento na amplitude das condições ambientais; iii) a riqueza de espécies de grilos é influenciada pela idade de regeneração devido à abundância de formigas predadoras. Os grilos foram coletados no município de Foz do Iguaçu – PR, em seis áreas com diferentes idades de regeneração, que foram estimadas como tendo idades variando de zero a 500 anos. Entre todas as áreas, foram amostrados 1408 indivíduos de 19 espécies. A riqueza de espécies de grilos acumulado por fragmento aumentou com a idade de regeneração florestal. A riqueza de espécies de grilos aumentou com a frequência de fungos na serrapilheira, porém a frequência de fungos não aumentou com ao tempo de regeneração. A riqueza de espécies de grilos não alterou-se com a profundidade da serrapilheira nem com a frequência de frutos na serrapilheira, entretanto a frequência de frutos aumentou com o tempo de regeneração florestal. A riqueza de espécies de grilos aumentou com a porcentagem de cobertura de dossel e a cobertura de dossel foi maior quanto maior o tempo de regeneração. A diversidade beta aumentou com o tempo de regeneração. A riqueza de espécies diminuiu com o coeficiente de variação da serrapilheira. Portanto, nossos dados são relevantes para o entendimento dos processos ecológicos envolvidos na resposta da diversidade de grilos a um gradiente de sucessão ecológica. A riqueza de espécies de grilos está condicionada ao tempo de regeneração, a oferta e diversidade de recursos e a amplitude das condições ambientais. A frequência de frutos parece mais um indicador de umidade do que alimento para grilos, visto que esta condição é essencial para o desenvolvimento de fungos e para algumas espécies de grilos. O maior tamponamento efetuado pelo dossel quanto maior a idade de regeneração proporciona maior estabilidade de temperatura, umidade e luminosidade, condições que são necessárias para a sobrevivência de espécies de áreas primárias. Áreas mais antigas têm maior heterogeneidade de recursos. Estes são explorados por espécies com diferentes nichos, conforme evidenciado pelo aumento da diversidade beta. A maior abundância de formigas deveria representar menor riqueza de grilos devido a competição por recursos ou predação. Entretanto, verificou-se o contrário demonstrando que de alguma forma grilos e formigas respondem aos mesmos fatores, ou ainda, a competição é maior em ambientes menos heterogêneos e é anulada em ambientes mais heterogêneos. Porém o fator determinante da qualidade do ambiente parece ser a composição de espécies. Composição diferente entre diferentes idades de fragmentos com aproximadamente as mesmas áreas, deixa claro que o ambiente não suporta determinadas espécies. Neste caso, áreas que sofreram grandes processos de desmatamentos podem não recuperar as espécies de “final de sucessão”, pois estas podem estar extintas localmente.
With an increasing time of forest regeneration has an increase in diversity of resources and changes in environmental conditions, leaving the more stable environment. These factors, along with the structure and complexity of habitat, spatial and historical processes, interactions intraspecific and interspecific, among others, are essential for the determination of biodiversity. Deforestation is responsible for the elimination of species, it removes the supply and diversity of resources and conditions, increasing competition between agencies. However, areas explored are abandoned for some time and start up, of course, a process of regeneration. With this recovery is the return of plant and animal species, as the ability to support the environment. Thus, areas of forests with different ages of regeneration represent a gradient of plant and animal succession. The crickets due to its abundance and diversity among all strata forest, can be used as well-environmental response to fragmentation and other environmental disturbances. The aim of this study was to determine the species richness of crickets to regeneration forest. It tested the assumption that the species richness of crickets increases with time for forest regeneration. Test explanatory hypotheses that: i) the wealth of species of crickets is influenced by the age of regeneration due to an increase in the availability of resources, ii) the species richness of crickets is influenced by the age of regeneration due to an increase in the amplitude of environmental conditions, iii) the species richness of crickets is influenced by the age of regeneration due to the abundance of predatory ants. The crickets were collected at Foz do Iguaçu - PR, in six areas with different ages of regeneration, which were estimated to have ages ranging from zero to 500 years. Among all areas, were sampled in 1408 individuals of 19 species. The species richness of accumulated crickets per fragment increased with age of forest regeneration. The richness of species of crickets increased with the frequency of fungi in the litter, but the frequency of fungi did not increase with the time of regeneration. A species richness of crickets not changed with the depth of the litter or the frequency of fruits in the litter, however the frequency of fruit increased with time for forest regeneration. The richness of species of crickets increased with the percentage of coverage of canopy and canopy cover was higher the greater the period of regeneration. The beta diversity increased with time of regeneration. The richness of species decreased as the coefficient of variation of litter. Therefore, our data are relevant for understanding the ecological processes involved in responding to the diversity of crickets a gradient of ecological succession. The richness of species of crickets is subject to the time of regeneration, the supply and diversity of resources and range of environmental conditions. The frequency of fruit seems more an indicator of moisture than food for crickets, as this condition is essential for the development of fungi and some species of crickets. The highest buffering done by the canopy the larger the age of regeneration provides greater stability to temperature, humidity and light, conditions that are necessary for the survival of species of primary areas. The oldest have greater heterogeneity of resources. These are exploited by species with different niches, as evidenced by the increase in beta diversity. The higher abundance of ants should represent less wealth of cricket due to competition for resources or predation. However, found the opposite in some way show that crickets and ants respond to the same factors, or the competition is greater in less heterogeneous environments and is canceled in more heterogeneous environments. But the determining factor of the environment seems to be composition of species. Composition differs between different ages of fragments with approximately the same areas, makes clear that the environment does not support certain species. In this case, areas that suffered major processes of deforestation may not recover the species of "end succession" because they may be extinct locally.
Palavras-chave: Grilos
Riqueza de espécies
Sucessão ecológica
Fragmentação
Habitat
Crickets
Richness of species
Ecological succession
Fragmentation
Habitat
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Biologia e Manejo animal
Programa: Mestrado em Biologia Animal
Citação: SZINWELSKI, Neucir. Richness of crickets species (Orthoptera: Grylloidea) in regeneration Atlantic forest fragments. 2009. 49 f. Dissertação (Mestrado em Biologia e Manejo animal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2222
Data do documento: 24-Jul-2009
Aparece nas coleções:Biologia Animal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf517,88 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.