Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2275
Tipo: Dissertação
Título: Relação de ácidos graxos n6/n3 em dietas para lambaris-do-rabo-amarelo (Astyanax altiparanae)
Título(s) alternativo(s): Ratio n6/n3 fatty acids in diets for lambaris-do-rabo-amarelo (Astyanax altiparanae)
Autor(es): Pontes, Marcelo Duarte
Primeiro Orientador: Salaro, Ana Lúcia
Primeiro coorientador: Furuya, Wilson Massamitu
Segundo coorientador: Zuanon, Jener Alexandre Sampaio
Primeiro avaliador: Logato, Priscila Vieira Rosa
Abstract: Tradicionalmente as rações para organismos aquáticos são baseadas na utilização de farinha e o óleo de peixe, consumindo grande parte da produção global, levando a escassez de tais produtos. Assim, as indústrias processadoras de rações vêm buscando por fontes alternativas à farinha e o óleo de peixe. O óleo de soja vem sendo muito utilizado na aquicultura devido a grande produção e disponibilidade no mercado. Entretanto, o óleo de soja apresenta um desequilíbrio na sua composição de ácidos graxos, sendo deficiente em ácidos graxos da série n3. Uma alternativa seria a mistura entre o óleo de soja e o óleo de linhaça, por esse ser rico em ácidos graxos da serie n3. O enriquecimento de dietas com ácidos graxos essenciais traz uma série de benefícios ao animal, podendo contribuir com sua higidez, além de produzir um pescado com um perfil de ácidos graxos fundamentais à nutrição humana. Entre as espécies de peixes tropicais, o lambari-do-rabo-amarelo (Astyanax altiparanae) tem despertado interesse por parte da comunidade científica e dos produtores de peixes. Sua criação tem se destacado na aquicultura por apresentar índices zootécnicos promissores. Portanto, com este estudo objetivou-se avaliar o efeito de diferentes proporções entre os óleos de soja e linhaça e compará-los com a dieta contendo óleo de peixe sobre os parametros de desempenho produtivo, composição química e perfil de ácidos graxos da carcaça de fêmeas de lambaris-do-rabo-amarelo. Utilizou-se delineamento inteiramente casualizado, com sete tratamentos e cinco repetições: seis proporções entre os óleos de soja e linhaça (60/0; 48/12; 36/24; 24/36; 12/48 e 0/60 de óleos de soja/linhaça) e um tratamento controle com óleo de peixe. Foram utilizadas 945 fêmeas com 4,87 ± 0,63 g de peso vivo distribuídas em 35 aquários circulares de polietileno contendo 60 litros de água, equipados com filtro biológico, termostato e aquecedores (50 watts), em sistema de recirculação, com vazão de 1 litro/min, dotado de sistema de filtragem física, biológica e esterilização ultravioleta. Os aquários possuíam sistema de aeração e temperatura controlada em 27ºC. Os peixes foram alimentados até a saciedade aparente nos horários de 08:00; 11:00; 14:00; 17:00, por um período de 90 dias. Para comparar o efeito entre a dieta confeccionada a base de óleo de peixe com as dietas contendo diferentes proporções do óleo de linhaça e soja, os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (ANOVA), ao nível de 5% significância, e em caso de diferença significativa, os dados foram submetidos ao teste de Dunnet ao nível de 5% significância. Para avaliar o efeito das diferentes proporções de óleo de linhaça e soja, os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (ANOVA), ao nível de 5% significância, e em caso de diferença significativa foi realizada análise de regressão e/ou Linear Response Plateau (LRP). Os maiores teores de ácidos graxos 14:0, 16:1 foram encontrados na carcaça dos peixes alimentados com dietas contendo óleo de peixe. O ácido graxo 18:3n3 apresentou maior concentração na carcaça dos animais que receberam dietas suplementadas com os maiores níveis de óleo de linhaça (36, 48, 60 g de óleo de linhaça /kg dieta). O mesmo padrão de comportamento foi observado para o somatório de ácidos graxos da serie n3. Para o somatório de ácidos graxos polinsaturados os menores teores foram encontrados na carcaça dos animais alimentados com os níveis de 48 e 60 g/kg dieta de óleo de linhaça, assim como na carcaça dos animais alimentados com dietas contendo somente óleo de peixe. Os maiores valores na relação n6/n3 foram encontrados na carcaça dos peixes que receberam dietas contendo os menores níveis de óleo de linhaça (0 e 12 g de óleo de linhaça /kg dieta). Observou-se efeito dos níveis de inclusão de óleo de linhaça apenas para o rendimento de carcaça e perfil de ácidos graxos. Observou-se efeito quadrático com o valor máximo estimado de 35,85 g de óleo de linhaça/kg dieta para maximizar o rendimento de carcaça. Para o ácido graxo 18:3n3, somatório de n3, relação n6/n3 foram estimados os valores de 43,39, 41,57 e de 38,39 gde óleo de linhaça/kg dieta, respectivamente. Embora, os valores do ácido graxo 18:3n3, somatório de n3, relação n6/n3 sejam superiores ao nível estimado de 35,85 g de óleo de linhaça/kg dieta em substituição ao óleo de soja, indica-se a suplementação deste valor em dietas para essa espécie em função do melhor rendimento de carcaça dos peixes aliado a superior deposição de ácidos graxos da série n3 na carcaça dos animais, quando comparados com os peixes alimentados com óleo de peixe e a possibilidade de diminuição dos custos das rações isentas de óleo de peixe. Assim, pode-se produzir alimentos ricos em ácidos graxos polinsaturados da serie n3 para o consumo humano.
Traditionally, feed for aquatic organisms is based on the use of fish meal and fish oil, consuming much of the global production, and leading to shortages of such products. Thus, the feed processing industries have been seeking alternative sources for fish meal and oil. Soybean oil is extensively used in aquaculture due to major production and market availability. However, soybean oil has an imbalance in its fatty acid composition, being deficient in n3 fatty acids. An alternative would be a mixture of soybean oil and linseed oil, because that is rich in fatty acids of the n3 series. The enrichment of diets with essential fatty acids provides a number of benefits to the animal, which could contribute to their healthiness, and produce a fish with a profile of fatty acids that is essential to human nutrition. Among the species of tropical fish, the lambaris-do-rabo-amarelo (Astyanax altiparanae) has aroused interest from the scientific community and producers of fish. His creation has excelled in aquaculture by presenting promising indexes. Therefore, this study aimed to evaluate the effect of different proportions of soy and linseed oil and compare them with a diet containing fish oil on growth performance parameters, chemical composition and fatty acid profile of the carcass of females of the lambaris-do-rabo-amarelo. We used a completely randomized design with seven treatments and five replicates: six ratios of soybean and linseed oils (60/0, 48/12, 36/24, 24/36, 12/48 and 0/60 soybean/linseed oils), and a control with fish oil. 945 females were used with a body weight of 4.87 ± 0.63 g. These were divided into 35 circular polyethylene tanks, containing 60 liters of water, equipped with a biological filter, thermostat and heater (50 watts) in a recirculation system with a flow rate of 1 liter/min, and a filtration system equipped with physical, biological and ultraviolet sterilization. The aquarium had an aeration system and temperature controlled at 27°C. Fish were fed to apparent satiation at times of 08:00, 11:00, 14:00 and 17:00, over a period of 90 days. To compare the effect between the diet based on fish oil to the diets containing different proportions of linseed oil and soybeans, the data were subjected to analysis of variance (ANOVA) at 5% significance, and, if significantly different, the data were subjected to Dunnett test at 5% significance. To evaluate the effect of different proportions of linseed oil and soybeans, the data were subjected to analysis of variance (ANOVA) at 5% significance, and in cases of significant differences, regression analysis and/or Linear Response Plateau (LRP) was performed. The highest levels of fatty acids 14:0, 16:1 were found in the carcass of fish fed diets containing fish oil. The fatty acid 18:3 n3 showed higher concentration in the carcass of fish fed diets supplemented with the highest levels of linseed oil (36, 48, 60 g linseed oil/kg diet). The same pattern was observed for the sum of n3 fatty acids of the series. For the sum of polyunsaturated fatty acids, the lowest levels were found in carcasses of animals fed with levels of 48 and 60 g/kg diet of flaxseed oil, as well as the carcasses of animals fed diets containing only fish oil. The highest values were found in the ratio n6/n3 carcass of fish fed diets containing lower levels of linseed oil (0 and 12 g of linseed oil/kg diet). The effect of inclusion levels of linseed oil was only observed for carcass yield and fatty acid profile. A quadratic effect was observed with the maximum value of 35.85 g of linseed oil/kg diet to maximize the carcass. For the fatty acid 18:3 n3, sum of n3, n6/n3 ratio values of 43.39, 41.57 and 38.39 g of linseed oil/kg diet, respectively, were estimated. Although the values of the fatty acid 18:3 n3, the sum of n3 ratio n6/n3 outweighed the estimated level of 35.85 g of linseed oil/kg diet in the replacement of soybean oil supplementation, this indicates the value of this in diets for this species due to the better performance of fish carcass combined with the higher deposition series of n3 fatty acids in the carcass of the animals. This effect was seen when compared with the fish that were fed with fish oil, due to the possibility of lower costs for feed free of fish oil. Thus, it is possible to produce foods that are rich in polyunsaturated fatty acids of the n3 series for human consumption.
Palavras-chave: Lambari
Peixes nativos
Ácidos graxos essenciais
Relação n6/n3
Óleo de soja
Óleo de linhaça
Óleo de peixe
Lambari
Native fish
Essential fatty acids
Ratio n6/n3
Soybean Oil
Flaxseed Oil
Fish Oil
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ZOOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Biologia e Manejo animal
Programa: Mestrado em Biologia Animal
Citação: PONTES, Marcelo Duarte. Ratio n6/n3 fatty acids in diets for lambaris-do-rabo-amarelo (Astyanax altiparanae). 2013. 73 f. Dissertação (Mestrado em Biologia e Manejo animal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2275
Data do documento: 12-Mar-2013
Aparece nas coleções:Biologia Animal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,09 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.