Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2337
Tipo: Dissertação
Título: Efeitos da ingestão subcrônica de arsênio sobre os testículos de camundongos adultos
Título(s) alternativo(s): Effects of arsenic subchronic ingestion on the testes of adult mice
Autor(es): Araújo, Jesylaine Oliveira Cunha
Primeiro Orientador: Oliveira, Juraci Alves de
Primeiro coorientador: Rocha, Juliana Silva
Primeiro avaliador: Matta, Sérgio Luis Pinto da
Segundo avaliador: Barros, João Bosco Gonçalves de
Abstract: A toxicidade de um agente químico depende de sua propensão inerente de produzir danos ao sistema biológico com o qual interage. O arsênio (As), um conhecido poluente ambiental, merece destaque como elemento potencialmente tóxico para a função reprodutiva masculina. A exposição ao As pode afetar o testículo, resultando em efeitos adversos na reprodução, e várias evidências indicam que sua ação tóxica está relacionada ao estresse oxidativo. Com o objetivo de avaliar os efeitos do As sobre os testículos de camundongos adultos, os indicadores: biometria corporal, compartimentos tubular e intertubular e atividade enzimática antioxidante da catalase (CAT) e da dismutase do superóxido (SOD) foram analisados após exposição dos indivíduos a diferentes doses de As. Trinta camundongos suíços adultos foram divididos em três grupos: um grupo controle que recebeu água potável, e dois outros que receberam solução de arsênio nas concentrações de 0,05 (As1) e 1,0 (As2) mg/L, oralmente. O tratamento em ambas as concentrações de arsênio não interferiu de forma significativa na maioria dos parâmetros referentes à biometria corporal e à morfometria tubular. Observou-se aumento na massa dos rins dos animais do grupo As2, sugerindo possível toxicidade neste órgão e maior atividade do mesmo no processo de desintoxicação; houve diminuição da proporção volumétrica da túnica própria e epitélio seminífero e aumento da proporção do lúmen dos animais do grupo As2, indicando possíveis efeitos adversos na espermatogênese, contudo, alterações significativas nas medidas do diâmetro tubular e do epitélio seminífero que confirmassem tais efeitos não foram observadas. No compartimento intertubular, ambas as concentrações de As promoveram redução no volume e diâmetro nucleares das células de Leydig e aumento nas proporções de vasos linfáticos. No entanto, apenas a maior concentração (As2) causou diminuição do volume de células de Leydig no intertúbulo e de sua relação nucleoplasmática. Com relação às defesas antioxidantes enzimáticas, aumento da SOD e diminuição da CAT, sugere-se que há produção de H2O2 aumentada concomitantemente a uma diminuição de defesa antioxidante de CAT, ocasionando estresse oxidativo. Os dados apresentados indicam que ingestão subcrônica de As provoca alterações nas defesas enzimáticas do testículo e afeta sua porção endócrina sem, noentanto, promover modificações relevantes na histologia do compartimento tubular que indiquem mudanças na atividade espermatogênica.
The toxicity of a chemical agent depends on its inherent propensity to produce damage to the biological system with which it interacts. Arsenic (As), a well known environmental pollutant, outstands as potentially toxic element to the male reproductive function. The exposure to As can affect the testicle, resulting in adverse effects on reproduction; several evidences indicate that its toxic action is related to oxidative stress. In order to evaluate the effects of As on the testes of adult mice, the indicators: body biometrics, tubular and intertubular compartments and antioxidant enzymatic activity of catalase (CAT) and superoxide dismutase (SOD) were analyzed after exposure of individuals to different doses of As. Thirty Swiss adult mice at reproductive age were divided in three groups: a control group, which received drinking water, and two others, which received arsenic solution in the concentrations of 0.05 (As1) and 1.0 (As2) mg/L orally. The treatment with both arsenic concentrations did not significantly interfere in most parameters related to the body biometrics and tubular morphometry. There was increase in the mass of kidneys of animals who ingested the highest concentration of As, suggesting possible toxicity in this organ and his increased activity in the process of detoxification; decrease in the proportion of the tunica propria volume and seminiferous epithelium, and increase in the proportion of the lumen in the animals from group As2 were also observed, indicating possible adverse effects on the spermatogenesis, however, significant changes in the tubular diameter and seminiferous epithelium measurements that confirmed these effects were not observed. In the intertubular compartment, both concentrations of As promoted a reduction in the volume and nuclear diameter of Leydig cells and increase in the proportions of lymphatic vessels. However, only the highest concentration (As2) caused decrease of volume of Leydig cell in the intertubular tissue and its relationship nucleoplasmatic. With respect to the enzymatic antioxidant defenses, increased SOD and decrease in the CAT were observed, suggesting a H2O2 production increase concomitantly with the reduction of the antioxidant defense of CAT, causing oxidative stress. The data indicate that subchronic ingestion of As can causes alterations inenzymatic defenses of the testis and affect its endocrine portion without, however, promoting relevant modifications in the tubular compartment histology which would indicate changes in the spermatogenic activity.
Palavras-chave: Arsênio
Toxicidade
Contaminante ambiental
Testículo
Célula de Leydig
Estresse oxidativo
Arsenic
Toxicity
Environmental Contaminant
Testis
Cell Leydig
Oxidative Stress
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOLOGIA GERAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos
Programa: Mestrado em Biologia Celular e Estrutural
Citação: ARAÚJO, Jesylaine Oliveira Cunha. Effects of arsenic subchronic ingestion on the testes of adult mice. 2011. 70 f. Dissertação (Mestrado em Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2337
Data do documento: 17-Out-2011
Aparece nas coleções:Biologia Celular e Estrutural

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,18 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.