Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2358
Tipo: Dissertação
Título: Avaliação histológica e imunofluorescente da lesão compressiva na medula espinhal de ratos wistar tratados com células-tronco mesenquimais
Título(s) alternativo(s): Histological and immunofluorescent evaluation of compressive lesion in the spinal cord of Wistar rats treated with mesenchymal stem cells
Autor(es): Araújo, Marta Rocha
Primeiro Orientador: Neves, Clóvis Andrade
Primeiro avaliador: Monteiro, Betânia Souza
Segundo avaliador: Carlo, Ricardo Junqueira Del
Abstract: A lesão traumática da medula espinhal geralmente resulta em déficits neurológicos graves e, na maioria, irreversíveis. As terapias celulares representam uma nova estratégia para o tratamento destas lesões, sobretudo, com a utilização de células-tronco (CT); que experimentalmente vem exibindo resultados satisfatórios em vários modelos animais. O presente trabalho comparou a lesão da medula espinhal em animais tratados e não-tratados com células-tronco mesenquimais (CTM) da medula óssea. As CTM foram obtidas da medula óssea de ratos Wistar, cultivadas, caracterizadas, nanomarcadas com Qtracker 655® e transplantadas na sexta passagem para animais com lesão medular. A lesão espinhal compressiva foi realizada com insuflação de 50μL, de solução salina, do cuff do cateter de Forgat n.º 2 Fr. no espaço epidural T8, durante 5 minutos. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos experimentais com 15animais em cada e submetidos a tratamentos distintos: grupos controles (GC), que sofreram somente a lesão medular e grupos tratados (GT), que sofreram a lesão medular e receberam o transplante de células na concentração de 1,0 x 107células/mL de tampão fosfato salino(PBS), 3 horas após a lesão. Realizou-se a eutanásia dos animais com 24 horas, 7 e 21 dias pós-lesão. Por microscopia de luz, foi mensurado o percentual de área lesionada no fragmento da lesão macroscópica. Também foi investigado, por microscopia de fluorescência, o efeito das CTM sobre a inflamação, reatividade astrocítica e ativação de células-tronco endógenas. Embora as CTM não tenham sido encontradas no local da lesão, na avaliação imunofluorescente foi visto que nos animais tratados com CTM houve atenuação significativa da resposta inflamatória com redução no número de macrófagos/micróglia marcados com anti-CD68 (ED1); diminuição da imunorreatividade dos astrócitos (GFAP+) e maior ativação de célulasix tronco endógenas (nestin+). Nossos resultados indicam que o transplante de CTM tem ação benéfica sobre a recuperação da lesão traumática da medula espinhal. Como as CTM transplantadas nanomarcadas não foram observadas no local da lesão, sugerimos que o efeito terapêutico dessas células pode ocorrer por algum tipo de mecanismo telécrino.
The traumatic spinal cord injury often results in severe neurological deficits, and mostly irreversible. The cell therapy represents a new strategy for the treatment of these lesions, particularly with the use of stem cells (SC), with satisfactory results in several experimental models. This study compared the spinal cord injury in animals treated and not treated with mesenchymal stem cells (MSC) from bone marrow. MSCs were obtained from bone marrow of rats, cultured, characterized, labeled with Qtracker 655® and transplanted in the sixth passage in animals with spinal cord injury.Spinal cord injury (SCI) was performed with 2-Fr Fogarty catheter after T9-T10 laminectomy. The animals were randomly divided into six experimental groups of 5 animals each and submitted to different treatments: control group (CG), with only spinal cord injury and treated groups (GT) that suffered the SCI and received transplants of cells 3 hours after injury. The animals were euthanized 24 hours, 7 and 21 days postinjury. For light microscopy, was measured the percentage of lesion area in the fragment of macroscopic lesion. We also investigated, by fluorescence microscopy, the effect of MSC on inflammation, astrocytic reactivity and activation of endogenous stem cells. There was no statistical difference between GC and MSC as the size of the lesion area. Although MSC were not found at the site of the lesion, in the evaluation immunofluorescent was seen in the animals treated with MSC was significant attenuation of the inflammatory response with a reduction in the number of macrophages labeled with anti-CD68 antibody (ED1), decreased immunoreactivity of astrocytes (GFAP+) and greater activation of endogenous stem cells (nestin+). Our results indicate that cell transplantation has a beneficial effect on recovery from traumatic spinal cord injury. As MSC transplanted nanolabeling were not observed at the lesion site, we suggest that the therapeutic effect of these cells can occur by some telecrine mechanism.
Palavras-chave: Lesão medular
Terapia celular
Célula-tronco mesenquimal
Spinal cord injury
Cell therapy
Mesenchymal stem cell
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOLOGIA GERAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos
Programa: Mestrado em Biologia Celular e Estrutural
Citação: ARAÚJO, Marta Rocha. Histological and immunofluorescent evaluation of compressive lesion in the spinal cord of Wistar rats treated with mesenchymal stem cells. 2013. 47 f. Dissertação (Mestrado em Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2358
Data do documento: 28-Fev-2013
Aparece nas coleções:Biologia Celular e Estrutural

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,22 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.