Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2401
Tipo: Dissertação
Título: Prospecção fitoquímica e avaliação de mutagenicidade in vitro de três espécies vegetais: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil., Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum e Bathysa cuspidata (A.St.-Hil.) Hook
Título(s) alternativo(s): Phytochemistry prospection and mutagenicity evaluate in vitro of tree species vegetable: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil., Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum and Bathysa cuspidata (A.St.-Hil.) Hook
Autor(es): Nunes, Líria Granato
Primeiro Orientador: Leite, João Paulo Viana
Primeiro coorientador: Lamêgo, Márcia Rogéria de Almeida
Segundo coorientador: Fietto, Luciano Gomes
Primeiro avaliador: Barros, Ana Maria Dantas
Segundo avaliador: Ribon, Andréa de Oliveira Barros
Abstract: O Brasil tem a flora mais diversa do mundo quanto a plantas terrestres, com cerca de 45.000 espécies de plantas superiores, que equivale a quase 22% de todas as espécies vegetais conhecidas do planeta. Nesse grande patrimônio, vale ressaltar a importância da diversidade química dos metabólitos secundários biossintetizados pelas plantas, a qual tem despertado grande interesse da indústria farmacêutica visando a descoberta de novos fármacos. Nesse cenário, a fitoterapia tem ressurgido como opção medicamentosa bem aceita e acessível em diferentes países, entre esses o Brasil. No entanto, grande parte das plantas medicinais da flora nativa brasileira consumida na medicina popular apresenta poucas informações sobre suas propriedades química, farmacológica e toxicológica. No emprego de plantas medicinais, faz-se importante a prevenção de possíveis riscos mutagênicos relacionados a compostos presentes nos vegetais, para minimizar a sua exposição ao homem. Nesse contexto, insere-se o presente trabalho, que visou o estudo de cascas e folhas de três espécies nativas do Brasil, conhecidas popularmente como quina e usadas na medicina tradicional, a saber: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil., família Loganiaceae; Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum e Bathysa cuspidata (A.St.-Hil.) Hook., ambas da família Rubiaceae. Esse estudo realizou a prospecção fitoquímica por Cromatografia em Camada Delgada (CCD) de sílica gel e por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE), como também, a análise quantitativa de grupos de metabólitos secundários potencialmente ativos, de forma a comparar a composição química entre as espécies, e também auxiliar na identificação das respectivas drogas vegetais. Outro aspecto avaliado foi a ação mutagênica dos extratos utilizando Teste de Ames ensaio de mutação gênica reversa em Salmonella typhimurium. Por se tratarem de espécies vegetais pertencentes a gêneros botânicos reconhecidamente portadores de alcalóides ativos, a presença dos produtos naturais quinina e estricnina, obtidos de amostras comerciais, foi investigada nos extratos, sendo também avaliados quanto ao potencial mutagênico. Os resultados obtidos pela prospecção fitoquímica mostraram certa semelhança entre os grupos de metabólitos secundários encontrados nas espécies avaliadas. Entre as cascas e folhas das três espécies vegetais foram detectadas diferenças na composição química. Pela quantificação de polifenóis totais, proantocianidinas e flavonóides pode-se verificar variação no conteúdo químico dos mesmos, nas diferentes espécies. A espécie B. cuspidata e C. hexandra não apresentaram potencial de mutagenicidade para as folhas e cascas frente às cepas TA 100 e TA 98. Já para a espécie S. pseudoquina, as cascas do caule não mostraram ação mutagênica, enquanto os extratos das folhas apresentaram potencial mutagênico para as linhagens TA100 e TA98 nas doses utilizadas. Não foi evidenciada, por CCD, a presença dos alcalóides quinina e estricnina nos extratos. Padrões destes alcalóides não apresentaram potencial mutagênico, mas citotoxicidade em doses elevadas. Contudo, como no uso popular dessas três espécies, as cascas constituem a parte mais empregada, a ausência de mutagenicidade demonstrada pelo teste de Ames para esse farmacógeno é um subsídio para o estabelecimento da segurança dessas drogas vegetais. O uso de folhas de S. pseudoquina requer cautela, devendo ser proscrito e estudos mais aprofundados serão necessários para avaliar esse potencial mutagênico.
Brazil has the most diversified flora in the world concerning terrestrial plants, with about 45,000 species of superior plants, which correspond to almost 22% of all known vegetable species of the planet. In that great patrimony is worth emphasizing the importance of the chemical diversity of the biosynthetic secondary metabolites of these plants, which have recently arisen great interest of the pharmaceutical industry hoping to discover life-saving property drugs as well as new raw materials for the industry in general. In that scenery, the phytotherapy has revived as a therapeutic option well accepted and accessible in different countries, including Brazil. However, the vast majority of Brazilian medicinal plants heritage along with its usage, chemical, toxicological, pharmacological properties lack of appropriate assessment. It is important to fully investigate them all in order to prevent any possible mutagenic and/or other risks related to it. In that context, the present work aims at the study of barks and leaves of three native species of the popularly known as quina which is used in traditional medicine: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil., Loganiaceae family; Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum and Bathysa cuspidata (A.St.-Hil.) Hook., both of the Rubiaceae family. That study carried out phytochemistry prospection through Thin Layer Chromatography (TLC) of gel silica and through High- performance Liquid Chromatography (HPLC), as well as the quantitative analysis of groups of potentially active secondary metabolites, so as to compare the chemical composition among the species, and also aid in the identification of the respective vegetable drugs. Another appraised aspect was the mutagenic action of the extracts using Ames Test assay of reverse genic mutation in Salmonella typhimurium. Once the investigated vegetable species belong to botanical genus that are bearers of active alkaloids, the presence of the natural occurring products quinine and strychnine, obtained from commercial samples, was investigated in the extracts, being appraised also as to the mutagenic potential. The results obtained by the phytochemistry prospection showed certain similarity among the groups of secondary metabolites found in the appraised species. Among barks and leaves of the three vegetable species differences were detected in the chemical composition. By the quantification of total polyphenolics, proanthocyanidins and flavonoids variation can be verified in the chemical content of them in the different species. The species B. cuspidata and C. hexandra did not present mutagenic potential in leaves and barks when confronted with TA 100 and TA 98 strains. For the species S. pseudoquina, barks of the stem did not show mutagenic action while the extracts of leaves presented mutagenic potential for TA100 and TA98 strains in the used doses. There was no evidence of the presence of the alkaloids quinine and strychnine in the extracts through TLC. Standards of these alkaloids did not present mutagenic potential but cytotoxicity in high doses. Due to the fact that the popular use of these three species the bark constitutes the most employed part, the mutagenicity absence demonstrated by the Ames test for that pharmacogene is a subsidy for the establishment of the safety of these vegetable drugs. The use of leaves of S. pseudoquina requests caution and should be banned since further studies will be necessary to evaluate that mutagenic potential.
Palavras-chave: Metabolismo secundário
Plantas medicinais
Mutagenicidade
Fitoquímica
Secondary metabolites
Medicinal plants
Mutagenicity
Phytochemistry
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FARMACOLOGIA::ETNOFARMACOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Bioquímica e Biologia molecular de plantas; Bioquímica e Biologia molecular animal
Programa: Mestrado em Bioquímica Agrícola
Citação: NUNES, Líria Granato. Phytochemistry prospection and mutagenicity evaluate in vitro of tree species vegetable: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil., Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum and Bathysa cuspidata (A.St.-Hil.) Hook. 2008. 114 f. Dissertação (Mestrado em Bioquímica e Biologia molecular de plantas; Bioquímica e Biologia molecular animal) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2401
Data do documento: 17-Out-2008
Aparece nas coleções:Bioquímica Agrícola

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf677,76 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.