Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/248
Tipo: Tese
Título: Morfologia, imuno-histoquímica e aspectos ultraestruturais das células imunorreativas à insulina no intestino delgado do gambá Didelphis aurita (Wied-Neuwied, 1826) adulto
Título(s) alternativo(s): Morphology, immunohistochemistry and ultrastructural aspects of insuline immunoreactive cells in small intestine of the opossum Didelphis aurita (WIED-NEUWIED, 1826) adult
Autor(es): Basile, Daniel Raul Santurio
Primeiro Orientador: Fonseca, Cláudio César
Primeiro coorientador: Neves, Clóvis Andrade
Segundo coorientador: Oliveira, Tânia Toledo de
Primeiro avaliador: Mourão Júnior, Carlos Alberto
Segundo avaliador: Silva, Ita de Oliveira e
Terceiro avaliador: Sartori, Sirlene Souza Rodrigues
Quarto avaliador: Matta, Sérgio Luis Pinto da
Abstract: Esta pesquisa teve como objetivo geral descrever os aspectos morfológicos, histoquímicos e imuno-histoquímicos do intestino delgado do gambá Didelphis aurita (Wied-Neuwied, 1826) adulto, bem como as características ultraestruturais dos grânulos secretores de células imunorreativas à insulina nesse animal. A biogênese dos grânulos insulínicos e a sua classificação, bem como a atividade fisiológica em regiões produtoras de insulina, são áreas de investigação contínua no controle do diabetes e outras patologias. O material para estudo consistiu de sete exemplares de gambá Didelphis aurita, machos, com peso médio de 1,03 ± 0,14 kg. O número de células imunorreativas à insulina (IRI) por mm2 no intestino delgado dos gambás D. aurita foi diferente em função do segmento analisado. De acordo com a comparação múltipla de médias ordenadas, o número de células IRI por mm2 no duodeno e no jejuno foi maior do que no íleo (p<0,05). O intestino delgado do gambá adulto D. aurita apresentou diferenças na distribuição das células IRI, sendo elas difusas ao longo do epitélio intestinal e com maior concentração nas criptas e redução nas vilosidades. As células IRI caracterizaram-se pela presença de grânulos secretores, pela morfologia piramidal alongada e pela localização entre diferentes células. Adicionalmente, foi possível afirmar que apresentaram morfologia similar à das células beta do pâncreas, porém com diâmetro e volume granular maiores. Nos gambás Didelphis aurita, foram observados valores entre 2,7 e 3,5 &#956;IU/mL de insulina plasmática, valores esses inferiores aos verificados em outros mamíferos e humanos. Os resultados em relação à insulinemia, nesta espécie, sugerem a manutenção da homeostasia da glicose mediante a atividade secretora insulínica extrapancreática. Nos estudos morfológicos e histoquímicos das células argirófilas e argentafins no intestino delgado, foi demonstrado que as células argirófilas eram mais numerosas em relação às argentafins e que ambas se caracterizavam por terem conformação piramidal e núcleo ovoide, serem do tipo fechado ou aberto, apresentarem aspecto granular e serem mais frequentes nas glândulas intestinais. Foi quantificado maior número de células argirófilas por mm2 do que de argentafins, e o íleo foi o segmento com menor número total de células endócrinas quantificadas. A altura e espessura das vilosidades intestinais, bem como a densidade da área de absorção do epitélio intestinal dos gambás D. aurita adultos, não variaram entre os segmentos. A espessura da camada muscular circular do jejuno foi maior do que a do íleo, e as demais comparações não apresentaram diferenças morfológicas significativas.
This research had as its objective to describe the morphologic, histochemical and immunohistochemical aspects of the small intestine of the opossum Didelphis aurita (Wied-Neuwied, 1826) adult, as well as the ultrastructural characterisitics of the secretory granules of insuline immunoreactive cells in this animal. The biogenesis of insulin granules and its classification, as well as physiological activity in insulin producer regions, are areas of continuous investigation in the control of diabetes and other pathologies. The material of study consisted of seven exemplars of opossum Didelphis aurita, males, with average weight of 1,03±0,14 kg. The number of insulin immunoreactive cells (IRI) per mm² in the small intestine of opossum D. aurita was different due to the analyzed segment. According to the multiple comparison of ordered averages, the number of IRI cells per mm² in the duodenum and jejunum was larger than in the ileum (p<0,05). The small intestine of the adult opossum D. aurita presented differences in the distribution of IRI cells, being them difuses along the intestinal epithelium and with higher concentration in the crypts and reduction in the villus. The IRI cells are characterized by the presence of secretor granules, by stretchered pyramidal morphology and by the localization among different cells. Additionally, it was possible to affirm that they presented morphology similar to beta cells of pancreas, nevertheless with larger granular volume and diameter. In the opossum Didelphis aurita, were observed values between 2,7 and 2,5 5 &#956;IU/mL of plasmatic insuline, values which were inferior to the ones verified in other mammals and humans. The results related to insulinemia, in this specie, suggest the maintenance of homeostasis of glucose in face to extrapancreatic insulin secretor activity. In the morphologic and histochemical studies of the argirophile and argentafins in the small intestine, it was demonstrated that argirophile cells were more numerous related to argentafins and that both were characterized by having pyramidal conformation ovoid nucleus, being the type closed or open, presenting granular aspect and being more frequent in intestinal glands. It was quantified a greater number of argirophile cells per mm² than argentafins, and the ileum was the segment with the shortest number of quantified endocrinous cells. The height and thickness of intestinal villus, as well as the density of absorption area of the intestinal epithelium of adult opossums D. aurita did not vary among the segments. The thickness of the muscular layer of the jejunum was thicker than the ileum, and the other comparisons did not present significant morphological differences.
Palavras-chave: Células imunorreativas
Insulina
Intestino delgado
Gambá
Immunoreactive cells
Insulin
Small intestine
Opossum
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOLOGIA GERAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos
Programa: Doutorado em Biologia Celular e Estrutural
Citação: BASILE, Daniel Raul Santurio. Morphology, immunohistochemistry and ultrastructural aspects of insuline immunoreactive cells in small intestine of the opossum Didelphis aurita (WIED-NEUWIED, 1826) adult. 2011. 99 f. Tese (Doutorado em Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/248
Data do documento: 15-Ago-2011
Aparece nas coleções:Biologia Celular e Estrutural

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf898,6 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.