Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2505
Tipo: Dissertação
Título: Morfogênese in vitro a partir de segmentos de hipocótilos e de raízes de urucum (Bixa orellana L.)
Título(s) alternativo(s): Morphogenesis in vitro from hypocotyl and root explants of annatto (Bixa orellana L.)
Autor(es): Matos, Elyabe Monteiro de
Primeiro Orientador: Otoni, Wagner Campos
Primeiro coorientador: Silva, Luzimar Campos da
Segundo coorientador: Costa, Márcio Gilberto Cardoso
Primeiro avaliador: Xavier, Aloisio
Segundo avaliador: Iarema, Lourdes
Terceiro avaliador: Kasuya, Maria Catarina Megumi
Abstract: A espécie Bixa orellana (Bixaceae) é conhecida como popularmente como urucum, sendo uma lenhosa nativa da América Tropical e amplamente distribuída em todas as regiões do Brasil. As sementes de urucum são ricas em carotenóides bixina e norbixina, muito utilizados nas indústrias alimentícia, cosmética e farmacêutica, despertando imenso interesse econômico. O desenvolvimento de protocolos de morfogênese in vitro de urucum é importante por gerar novas alternativas para obtenção de plantas transformadas geneticamente com genes de interesse agronômico e aqueles associados à biossíntese de pigmentos carotenóides, permitindo o melhor entendimento e a manipulação das rotas de sua produção. Os objetivos desse trabalho foram avaliar a influência de pulsos de zeatina, testar diferentes meios de cultivo na organogênese de urucum, além de testar diferentes concentrações de Pluronic® F-68 e de analisar as combinações de manose:sacarose na morfogênese de urucum. Foram testados diferentes tempos de exposição de segmentos de hipocótilo. Observou-se em média, 8,8 brotos por explantes e freqüência de organogênese de 80 % quando os explantes permaneceram no meio de indução (meio MS suplementado com zeatina 4,56 µM) por 6 dias e depois transferidos para meio MS sem o regulador de crescimento. Contudo, freqüências de brotações adventícias em torno de 60 % foram obtidas para os explantes que permanecer 2 ou 3 dias no meio de indução. Foram testadas formulações de meios de cultivo na indução de organogênese em urucum. Os meios MS e JADS propiciaram as maiores freqüências de organogênese para o genótipo M2 (98 e 90 %, respectivamente), enquanto o uso do meio WPM levou a índices de regeneração mais baixos (6 %). Quanto ao meio DKW observaram-se freqüências intermediárias de 70 a 80 %. Para Piave Vermelha observou-se que meio JADS proporciona as freqüências mais elevadas, em comparação aos demais meios (68 %). Notaram-se respostas diferenciadas entre os genótipos. O surfactante não-iônico Pluronic® F-68 foi testado em diferentes combinações com a zeatina 4,56 µM, tanto em explantes de hipocótilos quanto em segmentos de raízes. Não foram observadas grandes variações em relação às concentrações de Pluronic® F-68 utilizadas para M2 , porém as freqüências mais baixas foram observadas na concentração 0,001 % (82 %). Já para Piave Vermelha as baixas concentrações do surfactante (0,001 e 0,1 %) mostraram as maiores freqüências de brotações em segmentos de hipocótilo (28 e 12 %, respectivamente). As concentrações 0,001 e 0,5 % de Pluronic® F-68 para explantes radiculares no genótipo M2 promoveram os maiores números de brotações adventícias (43 e 40, respectivamente); o genótipo Piave Vermelha não respondeu aos tratamentos. A possibilidade da utilização da fonte de carbono manose como agente de seleção em experimentos de transformação genética de urucum como gene pmi (fosfomanose isomerase) foi testada com segmentos de hipocótilo e de raízes. O urucum, aparentemente, não foi capaz de metabolizar a manose presente em diferentes combinações com sacarose no meio de indução JADS suplementado com zeatina 4,56 µM. Dessa forma não foram observadas brotações adventícias quando a manose era a única fonte de carbono do meio, e a presença de sacarose, mesmo na concentração mais baixa (21,9 mM), foi capaz de promover a morfogênese. Os explantes radiculares de Piave Vermelha não responderam aos tratamentos, enquanto os de M2 emitiram o maior número médio de brotações (7,2) quando 75 % da manose foram substituídos por sacarose. Portanto, analisando-se o comportamento geral dos dois genótipos conclui-se que a variação interespecífica, a constituição mineral, a adição de substâncias orgânicas/ inorgânicas, reguladores de crescimento e agentes gelificantes, assim como também os tipos de explantes analisados são fatores que devem ser considerados quando se estuda a morfogênese in vitro de urucum, tendo em vista a busca por melhores resultados e conhecimento melhor fundamentado do comportamento demonstrado pela espécie em cultura de tecidos.
Bixa orellana (Bixaceae) popularly known as annatto is a wood species native from Tropical America, and widely distributed in all Brazilian territory. The seeds are a wealthy source of the carotenoids bixin and norbixin, largely used in food, cosmetic, and pharmaceutical industries, and presenting high economic interest. The development of in vitro regeneration protocols is important as a mean to generate new alternatives for obtainment of genetically modified plants with genes of agronomic interest and those associated to the biosynthesis of carotenoids, allowing a better understanding and manipulation their biosynthetic pathways. The goals of this work had been to evaluate the influence of zeatin pulses, to test different medium of culture in organogenesis of annatto, beyond testing different concentrations of Pluronic® F-68 and to analyze the combinations of mannose: sucrose in morphogenesis of annatto. In the present work, different exposure periods to growth regulators using hypocotyl segments were assayed. In average, 8.8 shoots were obtained per explant and high organogenesis frequency (80 %), when explants were cultured on induction medium (MS supplemented with 4.56 µM zeatin) during 6 days, and transferred to MS medium devoid of growth regulators. However, adventitious regeneration frequencies around 60 % were achieved when explants remained for 2 or 3 days on induction medium. Regarding media formulation used, MS and JADS propitiated the highest organogenic frequencies for genotype M2 (98 and 90 %, respectively), whereas WPM led to the lowest regeneration frequencies (6 %). DKW medium enabled intermediate regeneration frequencies ranging from 70 to 80 %. For Piave Vermelha it was observed that JADS medium provided the highest frequencies, as compared to other media (68 %). It was noticed genotype-dependent regeneration responses. The non-ionic surfactant Pluronic® F-68 was tested in different combinations with zeatin 4.56 µM, for both hypocotyl and root segment explants. No significant variations were observed for Pluronic® F-68 used for M2 , but the lowest frequencies were obtained at 0.001 % (82 %). However, for Piave Vermelha the lower surfactant concentrations (0.001 and 0.1 %) led to greater shooting frequencies in hypocotyl segments (28 and 12 %, respectively). For M2 root explants, Pluronic® F-68 at 0.001 e 0.5 %, promoted the highest adventitious shoot numbers (43 e 40 %, respectively); root explants of Piave Vermelha did not display any response to the same surfactant treatments. The use of an alternative carbon source (mannose) as a selective agent in annatto genetic transformation by means of pmi (phosphomannose isomerase) gene was evaluated for both hypocotyl and root explants. Annatto explants were not able to metabolize the mannose present alone or in combination with sucrose, on zeatin- supplemented (4.56 µM) JADS medium. This way, no regenerative response was achieved when mannose was the sole carbon source; sucrose, even at the lowest concentration (21.9 mM) promoted shoot morphogenesis. Root explants from Piave Vermelha did not show any response to the different carbon source treatments, however M2 root explants showed the higher number of shoots (7.2) when 75 % of the mannose were replaced by sucrose. Therefore, analyzing the overall behavior of both genotypes it can be concluded that interespecific variation, the mineral composition of the medium, the supplementation with organic/inorganic substances, growth regulators, gelling agents, and the type of explants must be taken into account when targeting the in vitro morphogenesis of annatto, aiming at the optimization of in vitro responses of this species.
Palavras-chave: Morfogênese in vitro
Bixa orellana
Hipocótilos
Raízes
Morphogenesis in vitro
Bixa orellana
Hypocotyl
Roots
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Mestrado em Botânica
Citação: MATOS, Elyabe Monteiro de. Morphogenesis in vitro from hypocotyl and root explants of annatto (Bixa orellana L.). 2009. 5 f. Dissertação (Mestrado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2505
Data do documento: 13-Fev-2009
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
01 - capa_abstract.pdf74,16 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.