Locus  

Índice Inflamatório da Dieta e prevalência de excesso de peso: análise transversal na Coorte de Universidades Mineiras (CUME)

Show simple item record

dc.contributor Bressan, Josefina
dc.contributor Pimenta, Adriano Marçal
dc.contributor.advisor Hermsdorff, Helen Hermana Miranda
dc.creator Oliveira, Thatianne Moreira Silva
dc.date.accessioned 2019-12-03T11:51:59Z
dc.date.available 2019-12-03T11:51:59Z
dc.date.issued 2017-07-14
dc.identifier.citation OLIVEIRA, Thatianne Moreira Silva. Índice Inflamatório da Dieta e prevalência de excesso de peso: análise transversal na Coorte de Universidades Mineiras (CUME). 2017. 50 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Nutrição) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2017. pt-BR
dc.identifier.uri https://locus.ufv.br//handle/123456789/27474
dc.description.abstract A pandemia de obesidade constitui um importante problema de saúde pública, enquanto que componentes da dieta podem mediar atuando como potenciais moduladores da inflamação e da obesidade. Nesse contexto, o Índice Inflamatório da Dieta (IID) é uma nova ferramenta validada, para quantificar o potencial inflamatório de uma dieta. Sendo assim, esse estudo transversal teve como objetivo estimar o IID e avaliar sua relação com a ocorrência de excesso de peso, nos participantes da linha de base da Coorte das Universidades MinEiras (CUME). Participaram desse estudo 3.151 indivíduos (954 homens e 2.197 mulheres, 20 a 86 anos de idade), todos residentes no Brasil no último ano. Os participantes são ex-alunos da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que responderam questões relacionadas às características sociodemográficas, estilo de vida, atividade física, história de doença individual e dados antropométricos e clínicos. Ademais, os participantes preencheram um Questionário de Frequência de Consumo Alimentar com 144 itens alimentares e a relataram seus hábitos e práticas alimentares. Por sua vez, o escore de IID de cada participante do estudo foi calculado usando um algoritmo de pontuação baseado em uma revisão de 1.943 artigos que ligam 45 parâmetros alimentares e seis biomarcadores inflamatórios (IL-1β, IL-4, IL-6, IL-10, TNF-α e PCR). Para a criação do IID no presente estudo, foram utilizados 35 parâmetros: energia, carboidrato, proteína, gordura total, colesterol, gordura saturada, gordura trans, gordura monoinsaturada e poliinsaturada, ômega 3, ômega 6, fibra, álcool, niacina, tiamina, riboflavina, vitamina B12, vitamina B6, ácido fólico, vitamina A, vitamina C, vitamina D, vitamina E, ferro, selênio, magnésio, zinco, cafeína, β-caroteno, flavonol-3- ol, flavonas, flavonóis, flavonoides, antocianidinas e isoflavonas. Após a obtenção dos valores de IID de cada indivíduo, a amostra foi categorizada em quartis do IID, sendo o 1o o mais anti e o 4o o mais pró-inflamatório, a fim de se avaliar a associação do índice com o consumo nutrientes, grupos de alimentos, IMC e prevalência de excesso de peso. O peso e a altura auto relatados foram utilizados para calcular o IMC (kg/m2), utilizado para classificação dos participantes em excesso de peso (≥ 25 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para adultos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde e excesso de peso (≥ 28 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para idosos, de acordo com a Organização Pan- Americana de Saúde. Como resultados, a amostra apresentou uma prevalência de excesso de peso de 39,2% (42,6% homens e 57,4% mulheres), dos quais 28,2% apresentou sobrepeso e 11,0% apresentou obesidade. O último quartil do IID esteve positivamente associado à maior ocorrência de excesso de peso e de obesidade, independente dos fatores de confusão, sendo eles, sexo, idade, tabagismo e atividade física. Quando a amostra foi categorizada por sexo, os resultados foram similares. Contudo, ao contrário dos homens, a proporção de mulheres diminuiu à medida que o IID se tornou mais pró-inflamatório. Os indivíduos incluídos no último quartil eram em maior proporção do sexo masculino, fumantes e ex-fumantes, não praticantes de atividade física, consumidores de bebida alcoólica, com sobrepeso e obesidade comparado àqueles incluídos no primeiro quartil. Com relação ao consumo alimentar de acordo com IID, a ingestão de energia, lipídeo total, gordura saturada, colesterol, carnes vermelhas, gordas e processadas, gorduras e óleos com exceção do azeite, sucos industrializados, refrigerantes, açúcares foi significativamente maior no último quartil e a proteína, gordura mono e poli-insaturada (incluindo, ômega 3 e 6), vitaminas A, C e E, β-caroteno, flavonoides, lácteos, carnes brancas, magras, peixes/mariscos e ovos, cereais integrais, leguminosas, azeite, frutas, hortaliças com exceção da batata, suco de fruta natural e oleaginosas foi maior no primeiro quartil. Em adição, os indivíduos incluídos no quartil mais anti-inflamatório, em maior proporção, não tinham as práticas alimentares de adição de açúcar na bebida e de sal na comida comparados àqueles incluídos no último quartil. Em conclusão, o IID mais pró-inflamatório esteve associado à maior ocorrência de excesso de peso em homens e mulheres participantes da linha de base do estudo CUME, bem como um estilo de vida menos saudável, incluindo sedentarismo, tabagismo e uma alimentação mais obesogênica. pt-BR
dc.description.abstract A pandemia de obesidade constitui um importante problema de saúde pública, enquanto que componentes da dieta podem mediar atuando como potenciais moduladores da inflamação e da obesidade. Nesse contexto, o Índice Inflamatório da Dieta (IID) é uma nova ferramenta validada, para quantificar o potencial inflamatório de uma dieta. Sendo assim, esse estudo transversal teve como objetivo estimar o IID e avaliar sua relação com a ocorrência de excesso de peso, nos participantes da linha de base da Coorte das Universidades MinEiras (CUME). Participaram desse estudo 3.151 indivíduos (954 homens e 2.197 mulheres, 20 a 86 anos de idade), todos residentes no Brasil no último ano. Os participantes são ex-alunos da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que responderam questões relacionadas às características sociodemográficas, estilo de vida, atividade física, história de doença individual e dados antropométricos e clínicos. Ademais, os participantes preencheram um Questionário de Frequência de Consumo Alimentar com 144 itens alimentares e a relataram seus hábitos e práticas alimentares. Por sua vez, o escore de IID de cada participante do estudo foi calculado usando um algoritmo de pontuação baseado em uma revisão de 1.943 artigos que ligam 45 parâmetros alimentares e seis biomarcadores inflamatórios (IL-1β, IL-4, IL-6, IL-10, TNF-α e PCR). Para a criação do IID no presente estudo, foram utilizados 35 parâmetros: energia, carboidrato, proteína, gordura total, colesterol, gordura saturada, gordura trans, gordura monoinsaturada e poliinsaturada, ômega 3, ômega 6, fibra, álcool, niacina, tiamina, riboflavina, vitamina B12, vitamina B6, ácido fólico, vitamina A, vitamina C, vitamina D, vitamina E, ferro, selênio, magnésio, zinco, cafeína, β-caroteno, flavonol-3- ol, flavonas, flavonóis, flavonoides, antocianidinas e isoflavonas. Após a obtenção dos valores de IID de cada indivíduo, a amostra foi categorizada em quartis do IID, sendo o 1o o mais anti e o 4o o mais pró-inflamatório, a fim de se avaliar a associação do índice com o consumo nutrientes, grupos de alimentos, IMC e prevalência de excesso de peso. O peso e a altura auto relatados foram utilizados para calcular o IMC (kg/m2), utilizado para classificação dos participantes em excesso de peso (≥ 25 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para adultos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde e excesso de peso (≥ 28 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para idosos, de acordo com a Organização Pan- Americana de Saúde. Como resultados, a amostra apresentou uma prevalência de excesso de peso de 39,2% (42,6% homens e 57,4% mulheres), dos quais 28,2% apresentou sobrepeso e 11,0% apresentou obesidade. O último quartil do IID esteve positivamente associado à maior ocorrência de excesso de peso e de obesidade, independente dos fatores de confusão, sendo eles, sexo, idade, tabagismo e atividade física. Quando a amostra foi categorizada por sexo, os resultados foram similares. Contudo, ao contrário dos homens, a proporção de mulheres diminuiu à medida que o IID se tornou mais pró-inflamatório. Os indivíduos incluídos no último quartil eram em maior proporção do sexo masculino, fumantes e ex-fumantes, não praticantes de atividade física, consumidores de bebida alcoólica, com sobrepeso e obesidade comparado àqueles incluídos no primeiro quartil. Com relação ao consumo alimentar de acordo com IID, a ingestão de energia, lipídeo total, gordura saturada, colesterol, carnes vermelhas, gordas e processadas, gorduras e óleos com exceção do azeite, sucos industrializados, refrigerantes, açúcares foi significativamente maior no último quartil e a proteína, gordura mono e poli-insaturada (incluindo, ômega 3 e 6), vitaminas A, C e E, β-caroteno, flavonoides, lácteos, carnes brancas, magras, peixes/mariscos e ovos, cereais integrais, leguminosas, azeite, frutas, hortaliças com exceção da batata, suco de fruta natural e oleaginosas foi maior no primeiro quartil. Em adição, os indivíduos incluídos no quartil mais anti-inflamatório, em maior proporção, não tinham as práticas A pandemia de obesidade constitui um importante problema de saúde pública, enquanto que componentes da dieta podem mediar atuando como potenciais moduladores da inflamação e da obesidade. Nesse contexto, o Índice Inflamatório da Dieta (IID) é uma nova ferramenta validada, para quantificar o potencial inflamatório de uma dieta. Sendo assim, esse estudo transversal teve como objetivo estimar o IID e avaliar sua relação com a ocorrência de excesso de peso, nos participantes da linha de base da Coorte das Universidades MinEiras (CUME). Participaram desse estudo 3.151 indivíduos (954 homens e 2.197 mulheres, 20 a 86 anos de idade), todos residentes no Brasil no último ano. Os participantes são ex-alunos da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que responderam questões relacionadas às características sociodemográficas, estilo de vida, atividade física, história de doença individual e dados antropométricos e clínicos. Ademais, os participantes preencheram um Questionário de Frequência de Consumo Alimentar com 144 itens alimentares e a relataram seus hábitos e práticas alimentares. Por sua vez, o escore de IID de cada participante do estudo foi calculado usando um algoritmo de pontuação baseado em uma revisão de 1.943 artigos que ligam 45 parâmetros alimentares e seis biomarcadores inflamatórios (IL-1β, IL-4, IL-6, IL-10, TNF-α e PCR). Para a criação do IID no presente estudo, foram utilizados 35 parâmetros: energia, carboidrato, proteína, gordura total, colesterol, gordura saturada, gordura trans, gordura monoinsaturada e poliinsaturada, ômega 3, ômega 6, fibra, álcool, niacina, tiamina, riboflavina, vitamina B12, vitamina B6, ácido fólico, vitamina A, vitamina C, vitamina D, vitamina E, ferro, selênio, magnésio, zinco, cafeína, β-caroteno, flavonol-3- ol, flavonas, flavonóis, flavonoides, antocianidinas e isoflavonas. Após a obtenção dos valores de IID de cada indivíduo, a amostra foi categorizada em quartis do IID, sendo o 1o o mais anti e o 4o o mais pró-inflamatório, a fim de se avaliar a associação do índice com o consumo nutrientes, grupos de alimentos, IMC e prevalência de excesso de peso. O peso e a altura auto relatados foram utilizados para calcular o IMC (kg/m2), utilizado para classificação dos participantes em excesso de peso (≥ 25 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para adultos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde e excesso de peso (≥ 28 kg/m2) e obesidade (≥ 30 kg/m2), para idosos, de acordo com a Organização Pan- Americana de Saúde. Como resultados, a amostra apresentou uma prevalência de excesso de peso de 39,2% (42,6% homens e 57,4% mulheres), dos quais 28,2% apresentou sobrepeso e 11,0% apresentou obesidade. O último quartil do IID esteve positivamente associado à maior ocorrência de excesso de peso e de obesidade, independente dos fatores de confusão, sendo eles, sexo, idade, tabagismo e atividade física. Quando a amostra foi categorizada por sexo, os resultados foram similares. Contudo, ao contrário dos homens, a proporção de mulheres diminuiu à medida que o IID se tornou mais pró-inflamatório. Os indivíduos incluídos no último quartil eram em maior proporção do sexo masculino, fumantes e ex-fumantes, não praticantes de atividade física, consumidores de bebida alcoólica, com sobrepeso e obesidade comparado àqueles incluídos no primeiro quartil. Com relação ao consumo alimentar de acordo com IID, a ingestão de energia, lipídeo total, gordura saturada, colesterol, carnes vermelhas, gordas e processadas, gorduras e óleos com exceção do azeite, sucos industrializados, refrigerantes, açúcares foi significativamente maior no último quartil e a proteína, gordura mono e poli-insaturada (incluindo, ômega 3 e 6), vitaminas A, C e E, β-caroteno, flavonoides, lácteos, carnes brancas, magras, peixes/mariscos e ovos, cereais integrais, leguminosas, azeite, frutas, hortaliças com exceção da batata, suco de fruta natural e oleaginosas foi maior no primeiro quartil. Em adição, os indivíduos incluídos no quartil mais anti-inflamatório, em maior proporção, não tinham as práticas alimentares de adição de açúcar na bebida e de sal na comida comparados àqueles incluídos no último quartil. Em conclusão, o IID mais pró-inflamatório esteve associado à maior ocorrência de excesso de peso em homens e mulheres participantes da linha de base do estudo CUME, bem como um estilo de vida menos saudável, incluindo sedentarismo, tabagismo e uma alimentação mais obesogênica.alimentares de adição de açúcar na bebida e de sal na comida comparados àqueles incluídos no último quartil. Em conclusão, o IID mais pró-inflamatório esteve associado à maior ocorrência de excesso de peso em homens e mulheres participantes da linha de base do estudo CUME, bem como um estilo de vida menos saudável, incluindo sedentarismo, tabagismo e uma alimentação mais obesogênica. en
dc.language.iso por pt-BR
dc.publisher Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.rights Acesso Aberto pt-BR
dc.subject Obesidade pt-BR
dc.subject Corpo humano - Pesos e medidas pt-BR
dc.subject Inflamação pt-BR
dc.subject Habitos alimentares pt-BR
dc.title Índice Inflamatório da Dieta e prevalência de excesso de peso: análise transversal na Coorte de Universidades Mineiras (CUME) pt-BR
dc.title Dietary Inflammatory Index and prevalence of overweight: cross-sectional analysis in the Cohort of Universities Minas Gerais (CUME) en
dc.type Dissertação pt-BR
dc.subject.cnpq Nutrição pt-BR
dc.creator.lattes http://lattes.cnpq.br/1756790823471468 pt-BR
dc.degree.grantor Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.degree.department Departamento de Nutrição e Saúde pt-BR
dc.degree.program Mestre em Ciência da Nutrição pt-BR
dc.degree.local Viçosa - MG pt-BR
dc.degree.date 2017-07-14
dc.degree.level Mestrado pt-BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

  • Ciência da Nutrição [307]
    Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Nutrição

Show simple item record

Search DSpace


Browse

My Account