Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/27669
Tipo: TCC
Título: Neurociência: reflexões teóricas sobre afetividade e cognição na matemática escolar
Autor(es): Rocha Júnior, Romário Costa da
Abstract: Esta monografia – Neurociência: reflexões teóricas sobre afetividade e cognição na matemática escolar – tem como objetivo propor uma reflexão acerca do processo de ensino e de aprendizagem de matemática e apontar para novas perspectivas para a matemática escolar. Muitas vezes, esta disciplina é tratada como algo inalcançável para a maioria das pessoas, considerando-se que somente um grupo seleto de mentes brilhantes é capaz de compreendê-la e utilizá-la. Experiências escolares de exclusão, a falta de um ensino que vise a colaboração entre os alunos e a pouca valorização das múltiplas inteligências dos estudantes ocasionam considerável desinteresse e repúdio à matemática. Segundo Leontiev (1978), as relações sócio- históricas na formação do ser humano e no processo de aprendizagem desempenham um papel fundamental. Sublinha, também, que o homem é um ser de natureza social e tudo o que tem de humano nele surge a partir da sua vida em sociedade. Desta forma, quando pensamos na aprendizagem, a maneira que percebemos a matemática é influenciada diretamente pelo meio em que estamos inseridos, seja no ambiente social, familiar ou escolar. Essas concepções compartilhadas culturalmente geram, em muitos estudantes, um bloqueio cognitivo/emocional. Estudos recentes da neurociência indicam a ligação entre a afetividade e a cognição, e como estas duas instâncias do pensamento humano devem trabalhar em conjunto para uma melhor eficiência na aprendizagem. Segundo Damásio (2011), não há como dissociar a razão e a emoção na atividade mental; estas duas instâncias estão interligadas formando várias sinapses cerebrais. Pensando no processo de aprendizagem, Damásio ratifica a importância de trabalhar a cognição e a afetividade de forma conjunta, recorrente e intensa, para a formação social, pessoal e escolar dos alunos. Assim, promover a imaginação, a reflexão, o raciocínio e a interação dos estudantes durante o processo de aprendizagem é fundamental (BICUDO, 2005). Os crescentes casos de ansiedade à matemática (AM) nas escolas apontam para a necessidade de se rever a forma de ensinar esta disciplina. Boaler (2018) ressalta a importância de se praticar atividades lúdicas, visuais e interativas nas salas de aula em todos os níveis de ensino, valorizando as diversas formas de conhecimento e proporcionando a troca de saberes entre os alunos. Com este trabalho, destaco a importância da atenção às condições sócio-históricas em que os alunos estão inseridos, e a questão fundamental da relação entre afetividade e cognição na aprendizagem matemática.
URI: https://locus.ufv.br//handle/123456789/27669
Data do documento: 30-Nov-2020
Aparece nas coleções:TCCs de Graduação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo561,44 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.