Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/2796
Tipo: Dissertação
Título: Microbiota intestinal e associação com ácidos graxos de cadeia curta e consumo de fibras em pacientes celíacos sob dieta livre de glúten
Título(s) alternativo(s): Intestinal microbiota and its association with short chain fatty acids and fiber intake in celiac patients under glúten free diet
Autor(es): Moraes, Luís Fernando de Sousa
Primeiro Orientador: Peluzio, Maria do Carmo Gouveia
Primeiro coorientador: Hermsdorff, Helen Hermana Miranda
Segundo coorientador: Greszkowiak, Lukasz Marcin
Primeiro avaliador: Menezes, Cristiane Alves da Silva
Abstract: A doença celíaca (DC) é uma condição inflamatória sistêmica, que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos. O desenvolvimento da DC é um processo complexo que envolve a interação entre fatores genéticos, ambientais e imunológicos, resultando em autoimunidade após exposição aos fatores dietéticos desencadeantes (prolaminas), componentes do glúten , o qual está presente em alimentos como trigo, centeio, cevada e, ainda, aveia. A DC é caracterizada por um processo inflamatório que envolve a mucosa do intestino delgado, evidenciado pela alteração histológica com hiperplasia das criptas entéricas, atrofia das vilosidades, infiltração linfocitária no epitélio intestinal e na lâmina própria. Além do glúten, outro fator ambiental, como a alteração na microbiota intestinal, tem sido sugerido estar associado ao aparecimento dessa doença na infância e, também, na fase adulta. Nesse contexto, o objetivo do estudo foi analisar a composição da microbiota intestinal de pacientes adultos com DC e compará-la com um grupo comparativo saudável. Foram incluídos no estudo vinte pacientes celíacos (36,3±13,7 anos; 22,5±3,2 kg/m2), com diagnóstico confirmado por biópsia intestinal e em tratamento com dieta livre de glúten (DLG), e trinta e nove não portadores de DC (36,0±13,0 anos; 23,8±3,7 kg/m2), pareados por sexo e idade com os pacientes celíacos na proporção de 2:1. A população de pacientes celíacos foi composta predominantemente por mulheres (65%), sendo o tempo de diagnóstico e de seguimento da DLG de 1,2±0,6 anos. Todos os resultados do teste sorológico do anticorpo IgA anti- transglutaminase foram negativos, demonstrando aderência à DLG. Os grupos não apresentaram diferenças significantes em relação às variáveis sóciodemográficas e antropométricas (p>0,05). Em relação à microbiota, Enterobacterium foi o maior grupo detectado com 10,5 % em celíacos e com 10,1 % nos controles. Em indivíduos celíacos e controles, Bifidobacterium representou 7,9 % e 8,6%, respectivamente. O percentual de Bacteroides- Prevotella foi de 6,3 % no grupo celíaco e 5,1 % no controle. Clostridiumxiii histolyticum abrangeu 5,6 % e 4,7 % do total de bactérias em celíacos e controle, respectivamente. Lactobacillus-Enterococcus foi o menor grupo representado com 4,3 % no grupo celíaco e 3,4 % no controle. Os grupos de bactérias não se diferiram entre celíacos e controle. Uma menor quantidade de ácido butírico (p=0,038) e de ácidos graxos de cadeia curta total (p=0,042) foi observada nas fezes dos indivíduos celíacos. O pH foi menor nos indivíduos que não apresentavam a doença (p=0,046). O consumo de fibras foi menor no grupo celíaco, mas sem significância estatística. Foi encontrada correlação negativa entre a ingestão de fibras e os níveis do grupo Enterobacterium no grupo celíaco (r=-0.64, p=0.046). Diante dos resultados obtidos, nota-se que novos estudos são necessários com o intuito de pesquisar alterações na microbiota intestinal, em nível de espécies bacterianas, e relacioná-las com as diferenças encontradas na composição dos ácidos graxos de cadeia curta.
Celiac disease (CD) is a systemic inflammatory condition that occurs in genetically predisposed individuals. The development of DC is a complex process, which involves the interaction between genetic, environmental and immunological factors, resulting in autoimmune reactions after exposure to non- tolerable dietary factors (prolamins), components of "gluten", which is present in foods such as wheat, rye, barley, and also oats. CD is characterized by an inflammatory process involving the intestinal mucosa with crypt hyperplasia, villous atrophy, lymphocyte infiltration in the intestinal epithelium and lamina propria. Besides gluten, other environmental factors, such as changes in intestinal microbiota, have been suggested to be associated with CD in childhood and in adulthood. In this context, the aim of the study was to analyze the composition of the intestinal microbiota of CD adult patients and to compare it with healthy controls. The study included twenty celiac patients (36.3 ± 13.7 years old and 22.5 ± 3.2 kg/m2), as confirmed by intestinal biopsy and on GFD, and thirty-nine non-celiac patients (36.0 ± 13.0 years old, 23.8 ± 3.7 kg/m2), matched by age and gender with celiac patients in a 2:1 ratio. The population of celiac patients was predominantly female (65%). Celiac patients were on gluten free diet (GFD) for 1.2 ± 0.6 years. All celiac subjects were negative for the serological IgA anti-transglutaminase antibody, which demonstrates adherence to GFD. The comparison between the groups showed no differences in relation to sociodemographic and anthropometric variables. Regarding to microbiota, Enterobacterium was the largest group with 10.5 % detected in celiac and 10.1 % in controls. In celiac individuals and controls, Bifidobacterium represented 7.9 % and 8.6 %, respectively. The percentage of Bacteroides-Prevotella was 6.3 % in the celiac group and 5.1 % in control. Clostridium histolyticum comprised 5.6 % and 4.7 % of the total bacteria in celiac patients and control, respectively. Lactobacillus-Enterococcus was the lowest represented group with 4.3 % in the celiac group and 3.4 % in control. All groups of bacteria did not differ betweenxv celiac and control. A lower amount of butyric acid (p=0.038) and total short chain fatty acids (p=0.042) was observed in the feces of celiac subjects. The pH was lower in individuals without the disease (p=0.046). Fiber intake was lower in celiac, but with no statistical significance. Negative correlation was found between fiber intake and Enterobacterium group levels in celiac patients (r=- 0.64, p=0.046). Further studies are needed in order to investigate unbalances in the intestinal microbiota, at bacterial species levels, and relate them to the differences in the composition of short chain fatty acids.
Palavras-chave: Intestinos - Microbiologia
Ácidos graxos
Doença celíaca
Intestines - Microbiology
Fatty acids
Celiac disease
CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::NUTRICAO
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Valor nutricional de alimentos e de dietas; Nutrição nas enfermidades agudas e crônicas não transmis
Programa: Mestrado em Ciência da Nutrição
Citação: MORAES, Luís Fernando de Sousa. Intestinal microbiota and its association with short chain fatty acids and fiber intake in celiac patients under glúten free diet. 2015. 110 f. Dissertação (Mestrado em Valor nutricional de alimentos e de dietas; Nutrição nas enfermidades agudas e crônicas não transmis) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2015.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/2796
Data do documento: 6-Ago-2015
Aparece nas coleções:Ciência da Nutrição

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,61 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.