Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/280
Tipo: Tese
Título: Atividade hepatoprotetora do extrato da casca de Bathysa cuspidata (A. St. Hil.) Hook. f. contra estresse oxidativo induzido pelo tetracloreto de carbono em ratos Wistar
Título(s) alternativo(s): Hepatoprotective activity of bark extract Bathysa cuspidata (A. St-Hil) Hook.f. against oxidative stress induced by carbon tetrachloride in Wistar rats
Autor(es): Gonçalves, Reggiani Vilela
Primeiro Orientador: Matta, Sérgio Luis Pinto da
Primeiro coorientador: Maldonado, Izabel Regina dos Santos Costa
Segundo coorientador: Leite, João Paulo Viana
Primeiro avaliador: Peters, Vera Maria
Segundo avaliador: Peluzio, Maria do Carmo Gouveia
Abstract: A Bathysa cuspidata pertencente à família Rubiaceae nativa da Mata Atlântica, é usada na medicina popular brasileira para tratamento de doenças do estômago, fígado e como cicatrizante. O objetivo do presente estudo foi investigar o efeito do extrato da casca de Bathysa cuspidata (A. St. Hil.) Hook. f. sobre lesões hepáticas induzidas em ratos Wistar pelo tetracloreto de carbono (CCl4). A lesão hepática foi induzida por meio da administração intraperitoneal de CCl4, a cada 48 horas, durante 12 dias. O tratamento dos animais com extrato de B. cuspidata (EBC) foi realizado por meio de gavagem. Setenta e sete ratos foram aleatoriamente divididos em 10 grupos, com 7 animais cada, para a realização do estudo curativo e preventivo, sendo constituídos da seguinte forma: Grupos Curativo: Grupo 1: CCl4+12 (eutanasiado 12 dias após o término de administração do CCl4); Grupo 2: CCl4 (eutanasiado 24hs após a administração da última dose de CCl4); Grupo 3: CCl4+ Dimetilsulfóxido (DMSO durante 12 dias, após a aplicação do CCl4); Grupo 4: EBC (EBC 400mg/kg durante 12 dias); Grupo 5: CCl4+EBC 200mg/kg e Grupo 6: CCl4+ EBC 400mg/kg, ambos durante 12 dias. Grupos Preventivo: Grupo 1 (G1): CCl4 sem EBC; Grupo 2 (G2): DMSO+CCl4 (dimetil sulfóxido, 700&#956;l); Grupo 3(G3): EBC (somente EBC 200mg/kg durante 18 dias); Grupo 4(G4): EBC 200mg/kg + CCl4; Grupo 5(G5): EBC 400mg/kg+CCl4. Todos os animais começaram a receber o extrato seis dias antes do início da aplicação do CCl 4. Curativo: O grupo 2 apresentou redução significativa no peso final e no índice hepatossomático em relação aos demais grupos e, em relação à alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST), este grupo apresentou os maiores valores no soro. EBC promoveu redução na quantidade de hidroperóxidos, malondialdeído e gotículas lipídicas no fígado quando comparado aos outros grupos. As atividades de superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) aumentaram nos grupos 5 e 6 quando comparado aos outros grupos (p<0,05). Preventivo: A concentração da enzima aspartato aminotransferase (AST) diminuiu (p<0,05) no soro dos animais que receberam o extrato e a atividade das enzimas antioxidantes superóxido dismutase (SOD) e catalase (CAT) foi significativamente maior (p<0,05). Extensas áreas de necrose e gotículas lipídicas foram observadas no fígado de animais dos grupos G1 e G2. Já nos animais que receberam o extrato foi observada diminuição significativa nas áreas de gotículas lipídicas e de necrose celular (p<0,05) no tecido hepático. Os resultados confirmam o efeito hepatoprotetor da casca de B. cuspidata. Os resultados de ambos os trabalhos demonstram que o extrato da casca de B. cuspidata estimula o sistema de defesa antioxidante e reduz lesões morfológicas e funcionais no fígado de ratos Wistar expostos ao CCl4.
Bathysa cuspidata belongs to the Rubiaceae family and is used in popular medicine for the treatment of stomach and liver disorders and as a healing agent. The objective this study was investigate the effect of stem bark ethanolic extract of Bathysa cuspidata (A. St. Hil.) Hook. f. on liver lesions induced by carbon tetrachloride (CCI 4) in Wistar rats. Liver lesions were induced by intraperitonial administration of CCI4 every 48 hours for 12 days. The animals were treated with B. cuspidata extract (BCE) administered by gavage. Seventy rats were randomized into 10 treatment groups with 7 animals in each group, to achieve the curative and Preventive study, being made up as follows: Curative groups: Group 1: CC!4 + 12 days; Group 2: CCI4; Group 3: CCI4 + dimethyl sulfoxide; Group 4: BCE 400 mg/kg; Group 5: CCI4 + BCE 200 mg/kg; Group 6: CCI4 + BCE 400 mg/kg. Preventive groups: Group 1 (G1): CCl4 without BCE; Group 2 (G2): DMSO + CCl4 (dimethyl sulfoxide 700 &#956;l); Group 3 (G3): BCE (BCE 400 mg/kg alone for 18 days); Group 4 (G4): BCE 200 mg/kg + CCl4; Group 5 (G5): BCE 400 mg/kg + CCl4. In all the animals, treatment with the extract was initiated six days prior to the first application of CCl4. Curative: Final weight and hepatosomatic index were significantly reduced in Group 2 compared to the other groups. Animals in Group 2 also had the highest serum ALT and AST levels. BCE administration resulted in a significant reduction in the quantity of hydroperoxides and malondialdehyde compared to the other groups. The number of lipid droplets in the liver was also lower in the BCE groups. A significant increase was found in superoxide dismutase activity and catalase enzymes in groups 5 and 6 compared to the other groups. Preventive: A significant reduction (p<0.05) in serum aspartate transaminase (AST) levels and a significant increase (p<0.05) in the antioxidant enzymes super oxide dismutase (SOD) and catalase (CAT) were found in the livers of the animals that received the extract. Extensive areas of necrosis and lipid droplets were found in the livers of the animals in G1 and G2. Conversely, a significant reduction (p<0.05) was found in the areas of lipid droplets and cell necrosis in the liver tissue of the animals that received the extract. The results of both studies demonstrate that the bark extract of B. cuspidata stimulates antioxidant defense system and reduces the morphological and functional lesions in the liver of rats exposed to CCl4.
Palavras-chave: Toxicologia
Estresse oxidativo
Bathaysa cuspidata
Toxicology
Oxidative stress
Bathaysa cuspidata
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BIOLOGIA GERAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos
Programa: Doutorado em Biologia Celular e Estrutural
Citação: GONÇALVES, Reggiani Vilela. Hepatoprotective activity of bark extract Bathysa cuspidata (A. St-Hil) Hook.f. against oxidative stress induced by carbon tetrachloride in Wistar rats. 2010. 86 f. Tese (Doutorado em Análises quantitativas e moleculares do Genoma; Biologia das células e dos tecidos) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/280
Data do documento: 14-Out-2010
Aparece nas coleções:Biologia Celular e Estrutural

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,25 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.