Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/345
Tipo: Tese
Título: Gradiente pedológico-vegetacional de Cerrado em Paraopeba, MG
Título(s) alternativo(s): Pedological-vegetation gradient of Cerrado in Paraopeba, MG
Autor(es): Neri, Andreza Viana
Primeiro Orientador: Meira Neto, João Augusto Alves
Primeiro coorientador: Schaefer, Carlos Ernesto Gonçalves Reynaud
Segundo coorientador: Souza, Agostinho Lopes de
Primeiro avaliador: Carmo, Flávia Maria da Silva
Segundo avaliador: Gato, Otília da Conceição Alves Correia Vale de
Abstract: O mosaico fisionômico e estrutural do Cerrado é determinado em grande parte por manchas de solos com fertilidade variável, bem como pela irregularidade da ação do fogo. Esses fatores exercem influência conjunta sobre a estrutura e sobre a composição florística da vegetação. O presente trabalho teve como objetivo identificar os solos da Floresta Nacional de Paraopeba, MG e estudar variações na comunidade e nas populações da vegetação lenhosa em função das características químicas e físicas do solo. Para a descrição dos solos foram feitas tradagens e foram abertos cinco perfis em áreas representativas. Para análise química e granulométrica de rotina foram coletadas amostras de dez em dez cm, até a profundidade de 30cm, e a partir daí de 20 em 20cm até 150cm, totalizando nove amostras por perfil. A cor, as características morfológicas detalhadas e os teores de fósforo total, foram determinados apenas nas amostras de 0- 20cm e de 40-60cm de profundidade. Para estudos quantitativos, a composição florística e a análise de estrutura foram determinadas a partir de uma amostra fitossociológica da vegetação lenhosa, utilizando o método de parcelas. Para amostragem foram alocadas cinco parcelas de 20 x 100m, totalizando 1 ha, onde apenas os indivíduos com circunferência à altura do solo (CAS) ≥ 10 cm foram incluídos. A análise de variação florística foi verificada por meio da similaridade florística entre as cinco parcelas e a variação estrutural através da análise de dissimilaridade utilizando os parâmetros: densidade e dominância absolutas. Foram identificadas quatro classes de solos: Latossolo Vermelho (LV), Latossolo Vermelho Amarelo (LVA), Latossolo Amarelo (LA) e Cambissolo (CXb). A riqueza total na FLONA foi de 132 espécies distribuídas em 47 famílias. Das espécies amostradas 111 foram identificadas em nível de espécie, 12 em gênero, quatro em família e cinco permaneceram indeterminadas. As famílias que apresentaram maiores riquezas foram Fabaceae (18 espécies), Myrtaceae (9), Vochysiaceae (8), Bignoniaceae (7), Malpighiaceae (6), Rubiaceae (6), Anacardiaceae, Annonaceae, Erythroxylaceae e Melastomataceae (4). As cinco áreas estudadas mostraram ser distintas tanto floristicamente quanto estruturalmente. Ao longo da FLONA de Paraopeba existe uma variação estrutural mesmo entre as áreas de mesma fitofisionomia, como é o caso do cerrado stricto sensu sobre CXb e o cerrado s.s. sobre LA. A variação na vegetação de Cerrado da FLONA de Paraopeba se relaciona com as mudanças pedológicas encontradas. A riqueza florística correlacionou-se positivamente a fertilidade e negativamente aos teores de alumínio. A similaridade florística entre as áreas estudadas não se relaciona aos gradientes pedológicos sendo antes influenciada pela proximidade entre as amostras. A variação estrutural está menos relacionada à fertilidade do que ao alumínio. Algumas espécies mostraram preferência por determinados ambientes, como por exemplo, Miconia albicans, apresentando grandes densidades onde os teores de alumínio eram maiores. Dilodendron bipinnatum esteve presente apenas onde o teor de alumínio foi baixo, mas com altos teores de Ca2+. Alibertia edulis e Myrcia tomentosa ocorreram de maneira associada a menores teores de alumínio e maiores áreas basais, sendo assim interpretado como menor tolerância ao alumínio e maior tolerância ao sombreamento. Xylopia aromatica ocorreu de maneira associada a maiores teores de alumínio e maiores áreas basais, sendo considerada mais tolerante a alumínio e ao sombreamento. Com este estudo é possível concluir que os fatores pedológicos, especialmente o alumínio, exercem forte influência na fisionomia, na composição florística e na estrutura do Cerrado na FLONA de Paraopeba.
The Cerrado physiognomic and structural mosaic is determined greatly by the soil fertility gradient, as well as by the irregularity of fire occurrence. The factors have an influence on the structure and floristic composition of the vegetation. Therefore, this work aims to classify the Paraopeba National Forest soils in Minas Gerais and to study the community and vegetation population variation according to the soils physical and chemical characteristics. Samples were collected with an auger and morphological observations were made for soil description in five different profile locations. For the routine chemical and granulometric analysis soil samples were collected every ten cm until the depth of 30cm, and from then on every 20cm until 150cm, with a total of nine samples per profile. The color, detailed morphological characteristics and P content were determined only for the 0-20cm and 0-40cm depth samples. Floristic composition and structure analysis were determined from a phytosociological sample of the woody vegetation, using the plot method. For sampling, five 20 x 100m plots were set out, totalizing 1 ha, where only the individuals with a soil height circumference (CAS) ≥ 10 cm were included. The floristic variation analysis was verified by floristic similarity in between the five plots and the structural variation through the analysis of the dissimilarity in which absolute density and dominance were used. Four soil classes were sampled, Red Latosoil, Red-yellow Latosoil, Yellow Latosoil and Cambisoil. The total FLONA richness was of 132 species distributed in 47 families. Of the species sampled, 111 were identified to species level, 12 to genus level, four to family level and five remained undetermined. The families that presented greatest richness were Fabaceae (18 species), Myrtaceae (9), Vochysiaceae (8), Bignoniaceae (7), Malpighiaceae (6), Rubiaceae (6), Anacardiaceae, Annonaceae, Erythroxylaceae e Melastomataceae (4). The five studied areas proved to be floristically and structurally distinct. A structural variation exists along the Paraopeba FLONA, even within the areas with equal phytophysiognomies as in the Cerrado s.s. over CXb and the Cerrado s.s. over LA. The variation of the Cerrado vegetation in the Paraopeba FLONA relates to the pedological variations encountered. Richness is positively correlated to fertility and negatively correlated to the aluminum content. The floristic similarity doesn t relate to the gradients, being influenced before that by the proximity of samples. The structural variation is less related to fertility than to aluminum. Some species showed a preference to certain environments as for example, Miconia albicans, that presented large densities where the aluminum content was high. Dilodendron bipinnatum was present only where the aluminum content was low, but with high Ca2+ content. Alibertia edulis and Myrcia tomentosa occurred together associated to lower aluminum content and larger basal areas, which is being interpreted as less tolerance to aluminum and more tolerance to shading. Xylopia aromatica occurred associated to larger aluminum content and larger basal areas, which is being interpreted as larger tolerance to aluminum and shading. The pedological factors, especially aluminum, have a strong influence on physiognomy, floristic composition and the structure of the Cerrado in the Paraopeba FLONA.
Palavras-chave: Cerrado
Relação solo/planta
Estrutura
Florística
Cerrado
Soil/plant relationship
Structure
Floristic
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Doutorado em Botânica
Citação: NERI, Andreza Viana. Pedological-vegetation gradient of Cerrado in Paraopeba, MG. 2007. 141 f. Tese (Doutorado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/345
Data do documento: 23-Mar-2007
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,52 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.