Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/3484
Tipo: Dissertação
Título: Frequência cardíaca máxima em atletas de natação
Título(s) alternativo(s): Maximum heart rate in swimming athletes
Autor(es): Silva, Rafael Gonçalves
Primeiro Orientador: Marins, João Carlos Bouzas
Primeiro coorientador: Amorim, Paulo Roberto dos Santos
Segundo coorientador: Lima, Jorge Roberto Perrout
Primeiro avaliador: Pussieldi, Guilherme de Azambuja
Segundo avaliador: Albuquerque, Maicon Rodrigues
Abstract: Esta dissertação é composta de três capítulos. O primeiro capítulo teve como objetivo verificar se o fator sexo é determinante na frequência cardíaca máxima (FCM) obtida em testes máximos específicos para natação. Fizeram parte do estudo 47 atletas de natação (com média de idade de 17,89 ± 3,02 anos, massa corporal de 65,74 ± 10,05 quilos, estatura de 1,71 ± 0,08 metros e percentual de gordura de 14,42 ± 7,27%), bem treinados, divididos em 33 homens e 14 mulheres e separados em três subgrupos: atletas universitários (G1), atletas de elite da categoria juvenil (G2) e atletas de elite da categoria junior (G3). Todos os avaliados foram submetidos a um teste máximo, específico para nadadores para a obtenção da FCM. Utilizou-se o teste de Shapiro-Wilk para a verificação da normalidade dos dados. A partir disto, foi aplicado o teste F da análise de variância, a fim de comparar os resultados de FCM obtidos. Em todos os casos o nível de significância adotado foi de p < 0,05. Como resultado, foi verificado que entre os nadadores do G1 foram obtidos valores de FCM de 190,8 ± 7,4 bpm para os homens e 187 ± 9,6 para mulheres. Para os nadadores do G2, foram obtidos valores de 192,08 ± 8,7 bpm para os homens e 188 ± 15,1 bpm para mulheres, enquanto que para G3 correspondeu a 183,5 ± 4,2 bpm para os homens e 189,6 ± 11,8 bpm para mulheres. Quando considerada a totalidade dos avaliados, os valores de FCM corresponderam a 189 ± 4,5 bpm para os homens e de 188,5 ± 11,06 bpm para as mulheres. Em todos os grupos avaliados não houve diferença significativa da FCM em função do sexo, podendo concluir que em atletas de mesmo nível técnico e idade, este fator não influi na resposta da FCM quando aplicados teste máximos de natação. O segundo capítulo desta dissertação teve como objetivo validar um teste máximo para a obtenção da FCM específica para atletas de natação. Para isso, o grupo amostral deste estudo foi composto por 15 atletas de nível universitário (11 homens e 4 mulheres), com idade de 21,27 ± 2,49 anos, massa corporal de 71,52 ± 11,01 kg, estatura de 1,74 ± 0,08 metros e percentual de gordura de 18,14 ± 6,06, que nadaram as distâncias de 100 e 200 metros em velocidade máxima buscando atingir a FCM. Parâmetros como PSE, concentração de lactato, velocidade de nado e frequência de braçadas foram utilizados como critérios para comprovar a validade dos testes. Houve também a realização de retestes para a comprovação da fidedignidade e objetividade dos mesmos. Para estes últimos foi realizada a correlação de Spearman com nível de significância de 1%. Como resultado desta metodologia, as FCM obtidas no teste e reteste na distância de 100 metros foram de 187,67 ± 7,23 bpm e 188,33 ± 8,33 bpm; enquanto que na distância de 200 metros foram de 187,67 ± 7,54 bpm e 189,53 ± 8,07 bpm, respectivamente. Os testes foram validados tendo em vista a PSE (19,28 ± 0,49) e concentração de lactato (11,09 ± 2,12 mmol.l-1) obtidos ao final, além de que, todos tiveram a velocidade de nado nos testes e retestes superiores a 85% do seu melhor tempo; e também, um aumento da frequência de braçadas nos últimos 25 metros de teste. Da mesma forma, os testes, nas duas distâncias propostas, apresentaram elevada fidedignidade e validade, apresentando valor de &#961; de 0,91 para o teste/resteste de 100 metros e 0,95 para o de 200 metros. Sendo assim, como conclusão deste trabalho, foi comprovado que tanto o teste de 100 quanto o teste de 200 metros, realizados em máxima intensidade em natação são capazes de gerar, com precisão, a FCM de atletas de nível universitário. O terceiro capítulo objetivou verificar a relação dos parâmetros: idade, massa corporal, estatura, percentual de gordura, IMC e BSA) com a FCM obtida em exercício máximo de natação, além de propor uma equação de predição da FCM para nadadores e comparar os resultados obtidos com equações pré-estabelecidas como FCM = 220-idade, FCM = 208,75 (0,73 x idade) gerada a partir de exercício de corrida e FCM = 205 (0,687 x idade), oriunda de prática em cicloergômetro. Utilizou-se os mesmos voluntários do primeiro estudo para compor a amostra deste trabalho. Assim como anteriormente, todos os avaliados foram submetidos a um teste máximo, específico para nadadores para a obtenção da FCM. Para a verificação da correlação entre a FCM e os fatores: idade, velocidade de nado e variáveis antropométricas, foi utilizada a correlação de Pearson. Para gerar as equações de regressão a partir das correlações, foi utilizada a regressão múltipla stepwise. Com o objetivo de comparar os resultados de FCM obtidos em teste e os estimados pelas equações foram realizados testes de Mann-Whitney Rank Sum Test. Em todos os casos foi adotado um nível de significância de p < 0,05. Quando feita a correlação das variáveis que poderiam interferir na FCM atingida pelos nadadores, somente a variável idade, especificamente dentro do grupo de atletas universitários, se mostrou relacionada à FCM dos atletas avaliados. No entanto, a equação gerada para especificamente para este grupo apresentou baixos valores probabilísticos, atendendo a apenas 20,45% destes atletas. Quando comparados com os valores de FCM obtidos em teste de natação, todas as equações de predição testadas se mostraram estatisticamente diferentes. Sendo assim, concluiu-se com este trabalho que, na ausência de correlação entre as variáveis, não foi possível gerar uma equação de qualidade para estimar a FCM para nadadores. Além disso, equações preditoras da FCM já existentes não são recomendadas para prever estes valores para nadadores.
This dissertation consists of three chapters. The first chapter was to verify if the gender is a determining factor in maximum heart rate (MHR) obtained in maximum specific tests for swimming. The participants of study were 47 swimmers (mean age of 17.89 ± 3.02 years, weight 65.74 ± 10.05 kg, height 1.71 ± 0.08 m and body fat percentage of 14 , 42 ± 7.27%), well trained, being 33 men and 14 women divided into three subgroups: college athletes (18-25 years old, G1), elite athletes from the juvenil category (14-16 years old, G2) and elite athletes from the junior category (17- 19 years old, G3). All evaluated were underwent a maximal test, specific for swimmers to obtain the MHR. Shapiro-Wilk test was used to verify the normality of the data. From this, the F-test analysis of variance was applied to compare the results of obtained MHR. In all cases the level of significance was set at p <0.05. As a result, it was found that among the swimmers of the G1 values were obtained from MHR 190.8 ± 7.4 bpm for men and 187 ± 9.6 for women. For athletes of G2, values of 192.08 ± 8.7 bpm for men and 188 ± 15.1 bpm for women, while for G3 corresponded to 183.5 ± 4.2 bpm for men and 189.6 ± 11.8 bpm for women. When considering all assessed values MHR corresponded to 189 ± 4.5 bpm for men and 188.5 ± 11.06 bpm for women. In all study groups did not differ significantly according to gender MHR, could conclude that in athletes at the same age or technical level, this factor does not affect the response of the MHR when applied MHR maximum swimming test. The second chapter of this thesis aimed to validate a maximum test to obtain the MHR specific for swimmers. For this, the sample group of this study was composed of 15 college athletes (11 men and 4 women), aged 21.27 ± 2.49 years, weight 71.52 ± 11.01 kg, height of 1 , 74 ± 0.08 m and body fat percentage of 18.14 ± 6.06, which swam distances of 100 and 200 meters at full speed trying to achieve MHR. Parameters such as RPE, lactate concentration, swimming speed and stroke frequency were used as criteria to prove the validity of the tests. There was also the realization of retests for proving the reliability and objectivity of them. For the latter was performed Spearman correlation with a significance level of 1%. As a result of this methodology, the MHR obtained in the test and retest for distance of 100 meters were 187.67 ± 7.23 and 188.33 ± 8.33 bpm, while for distance of 200 meters were 187.67 ± 7.54 bpm and 189.53 ± 8.07 bpm, respectively. The tests were validated in view of the RPE (19.28 ± 0.49) and lactate concentration (11.09 ± 2.12 mmol.l-1) obtained at the end, and that all had the swimming speed in testing and retesting than 85% of its fastest time, and also an increased frequency of strokes over the last 25 meters test. Likewise, the tests at the two distances proposals have high reliability and validity, with &#961; value of 0.91 for the test / retest of 100 meters and 0.95 for 200 meters. So, as a conclusion of this study, it was found that both the 100 and 200 meters tests, performed at maximum intensity in swimming are able to generate, accurately, the MHR of college level athletes. The third chapter aimed to investigate the relationship of each parameter (age, weight, height, body fat percentage, BMI and BSA) with HRM obtained at swimming maximal exercise, and propose a prediction equation of MHR for swimmers and compare results equations obtained with pre-established as MHR = 220-age, MHR = 208.75 - (0.73 x age) generated from running exercise and MHR = 205 - (0.687 x age), deriving from practice on a cycle ergometer. Was used the same group of the first study as the sample for this research. As before, all evaluated were underwent a maximal test, specific for swimmers to obtain the MHR. To verify the correlation between the MHR and the factors: age, swimming velocity and anthropometric variables, was used Pearson correlation. To generate the regression equations from the correlations, was used stepwise multiple regression. With the aim of comparing the results obtained in testing of MHR and the estimated equations were performed by Mann-Whitney rank sum test. In all cases was adopted a significance level of p <0.05. When done the correlation of the variables that could interfere with the MHR achieved by swimmers, only the variable age, specifically within the group of college athletes, showed to be related to MHR athletes assessed. However, the equation generated specifically for this group showed low values probability, given only 20.45% of athletes. When compared with values obtained in MHR swimming test, all prediction equations tested showed statistically different. Thus, it was concluded that, in the absence of correlation between variables was not possible to generate an equation to estimate the quality of MHR for swimmers. Furthermore, the predictive equations existing MHR are not recommended for swimmers to predict these values.
Palavras-chave: Frequência cardíaca
Avaliação física
Natação
Heart rate
Physical evaluation
Swimming
CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Aspectos sócio-culturais do movimento humano; Aspectos biodinâmicos do movimento humano
Programa: Mestrado em Educação Física
Citação: SILVA, Rafael Gonçalves. Maximum heart rate in swimming athletes. 2013. 93 f. Dissertação (Mestrado em Aspectos sócio-culturais do movimento humano; Aspectos biodinâmicos do movimento humano) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/3484
Data do documento: 5-Abr-2013
Aparece nas coleções:Educação Física

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,62 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.