Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/3527
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorAlencar, Ernandes Rodrigues de
dc.date.accessioned2015-03-26T13:23:19Z-
dc.date.available2006-12-20
dc.date.available2015-03-26T13:23:19Z-
dc.date.issued2006-07-28
dc.identifier.citationALENCAR, Ernandes Rodrigues de. Effects of storage conditions on the quality of soybean grains (Glycine max (L.) Merrill) and crude oil. 2006. 117 f. Dissertação (Mestrado em Construções rurais e ambiência; Energia na agricultura; Mecanização agrícola; Processamento de produ) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.por
dc.identifier.urihttp://locus.ufv.br/handle/123456789/3527-
dc.description.abstractA estimativa para a safra de grãos 2005/06 no Brasil é de cerca de 120 milhões de toneladas. Desse total, o Brasil deve produzir 53 milhões de toneladas de grãos de soja, ou seja, 44% da produção nacional. Entretanto, a produção agrícola brasileira precisa ir ao encontro das exigências internacionais para alcançar o mercado externo, e para isso a manutenção da qualidade dos grãos é essencial. Os grãos de soja apresentam cerca de 20% de teor lipídico e são susceptíveis ao processo de deterioração qualitativa, quando armazenados de forma inadequada, podendo acarretar sérios problemas, como danos à qualidade do óleo bruto, refinado, branqueado e desodorizado. Objetivou-se com este trabalho avaliar as principais alterações qualitativas dos grãos de soja durante o armazenamento e a influência dessas alterações na qualidade do óleo bruto extraído. Utilizaram-se grãos de soja colhidos com teor de água em torno de 18% b.u., que foram secos em secador de camada fixa com ar natural, até teores de água de 11,2, 12,8 e 14,8% b.u. Após a secagem, os grãos foram acondicionados em recipientes de plástico de aproximadamente 3,0 L e armazenados em câmaras do tipo B.O.D., nas temperaturas de 20, 30 e 40 ºC. Para garantir o mesmo teor de água dos grãos de soja durante o armazenamento em diferentes temperaturas, manteve-se a umidade relativa de equilíbrio (URe) previamente calculada para cada combinação de temperatura e teor de água, dentro de cada B.O.D. Utilizou-se um sistema computacional denominado 1-wireTM para aquisição e armazenamento de dados de umidade relativa. A cada 45 dias até 180 dias de armazenamento, foram realizadas análises qualitativas dos grãos e do óleo bruto extraído. Os parâmetros qualitativos dos grãos de soja armazenados com diferentes teores de água e combinações de temperatura e umidade relativa analisados foram: teor de água, classificação, massa específica aparente, condutividade elétrica, germinação, cor e teor de lipídios. A qualidade de óleo bruto extraído dos grãos de soja foi avaliada pelas análises índice de iodo, ácidos graxos livres, índice de peróxido e índice fotométrico de cor. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, em parcelas subdivididas, com três repetições. Os tratamentos, combinações de temperatura (20, 30 e 40 ºC) e teor de água (11,2, 12,8 e 14,8% b.u.) foram alocados na parcela, enquanto que a subparcela correspondeu ao período de armazenamento (0, 45, 90, 135, 180 dias), fazendo com que a estrutura de tratamentos correspondesse ao fatorial 3×3×5. As análises dos dados e a interpretação dos resultados obtidos relacionados aos grãos permitiram as seguintes conclusões: para fins de certificação, o armazenamento de soja não é recomendado nas seguintes combinações de teor de água e temperatura: 11,2% b.u. a 40 ºC; 12,8% b.u. a 30 e 40 ºC; e 14,8% b.u. a 20, 30 e 40 ºC; para comercialização de soja dentro dos limites da referência básica, é possível armazenar durante 180 dias grãos com teor de água de até 14,8% b.u. nas temperaturas de 20 e 30 ºC; na temperatura de 40 ºC, somente os grãos com teor de água de 11,2% b.u. poderão ser armazenados por 180 dias; grãos com teor de água de 12,8 e 14,8% b.u. a 40 ºC poderão ser armazenados por 90 e 45 dias, respectivamente. Conclui-se, a partir dos dados obtidos dos parâmetros qualitativos do óleo obtido dos grãos de soja armazenados nas diferentes condições que: o armazenamento de grãos de soja com teor de água de até 14,8% b.u. a 20 ºC não afeta qualitativamente o óleo bruto extraído desses grãos; o óleo bruto obtido de grãos de soja armazenados com teor de água de até 12,8% b.u. a 30 ºC permanece com qualidade satisfatória até 180 dias; não é possível obter óleo bruto, dentro dos padrões de qualidade exigidos para comercialização, de grãos de soja armazenados com teor de água superior a 11,0% b.u., na temperatura de 40 ºC; as características qualitativas dos grãos de soja afetam a qualidade do óleo bruto extraído desses grãos. Como medidas preventivas de manuseio pós-colheita que permitam reduzir os riscos de perdas qualitativas dos grãos e subprodutos de soja, propõe-se: armazenar, a 20 ºC, soja com teor de água de até 15,0% b.u. sem risco de deterioração por até 180 dias; em regiões com temperaturas em torno de 30 ºC, armazenar soja com teor de água de até 13,0% b.u.; não armazenar soja com teor de água superior a 11,0% b.u. em regiões em que a temperatura da massa de grãos possa alcançar 40 ºC, sob o risco de ser acelerado o processo de deterioração dos grãos e subprodutos.pt_BR
dc.description.abstractBrazil's 2005/06-grain production is forecast at approximately 123 million tons. Of this total, Brazil should produce 57 million tons of soybean grains, i.e., 46% of the national production. Brazilian agricultural production, however, needs to meet the international demands in order to gain foreign markets, maintaining good quality of grains is therefore essential. Soybean grains have a lipid content of approximately 20% and are susceptible to quality deterioration when inadequately stored, which can lead to serious problems such as damages to the quality of crude, refined, bleached and deodorized oil. The objective of this work was to evaluate the main qualitative changes in soybean grains during storage and the influence of these changes on the quality of the extracted crude oil. Grains, with approximately 18% moisture content at harvest, dried in a fixed bed dryer with natural air to moisture contents of 11.2, 12.8 and 14.8% w.b. were used in the experiment. After drying, the grains were stored in plastic containers of approximately 3.0 L and taken to BOD incubators, at 20, 30 and 40 ºC. To guarantee the same grain moisture content during storage at different temperatures, the Equilibrium Relative Humidity (RHe), previously calculated for each temperature combination and moisture content inside each BOD. Acquisition and storing of relative humidity data was performed by a 1-wireTM system. Qualitative analyses of grains and crude oil were carried out every 45 days, within a period of 180 days of storage. The qualitative parameters of soybean grains stored with different moisture contents and combinations of different temperature and relative humidity were moisture content, classification, apparent specific mass, electrical conductivity, germination, lipid content and color. The quality of extracted crude oil was evaluated through the analyses of iodice value, free fatty acid, peroxide value and photometric color index. The experiment was arranged in completely randomized split-plots, with three repetitions. The treatments, temperature combinations (20, 30 and 40 ºC) and moisture content (11.2, 12.8 and 14.8% w.b.) were allocated in the main plot, whereas the subplot consisted of the storage periods (0, 45, 90, 135, 180 days), with the treatments arranged into a 3×3×5 factorial design. Data analyses and interpretation of results led to the following conclusions: for certification purposes, soybean storage is not recommended in the following combinations of moisture content and temperature: 11.2% w.b. at 40 ºC; 12.8% w.b. at 30 and 40 ºC; and 14.8% w.b. at 20, 30 and 40 ºC; for soybean commercialization within the limits of base reference, it is possible to store grains with moisture content up to 14.8% w.b. at 20 and 30 ºC for 180 days; at 40 ºC, only grains with moisture content of 11.2% w.b. can be stored for 180 days; grains with moisture content of 12.8 and 14.8% w.b. at 40 ºC can be stored for 90 and 45 days, respectively. The results of qualitative parameters of oil from grains stored in the different conditions led to the conclusion that storage of grains with moisture content up to 14.8% w.b. at 20 ºC does not affect the quality of crude oil; crude oil extracted from grains stored with moisture content up to 12.8% w.b. at 30 ºC keeps satisfactory quality up to 180 days; it is not possible to obtain crude oil that complies with the quality standards demanded for commercialization from grains stored with moisture content above 11% w.b. at 40 ºC; qualitative traits of soybean grains affect the quality of the extracted crude oil. Proposed preventive measures of post-harvest handling to reduce risks of quality loss in soybean grains and byproducts are: store soybean grains with moisture content up to 15% w.b. at 20 ºC without risk of deterioration up to 180 days; in regions with temperatures around 30 ºC, store soybean with moisture content up to 13% w.b.; do not store soybean with moisture content above 11% w.b. in regions where the grain mass temperature can reach 40 ºC with the risk of accelerating deterioration of grains and byproducts.eng
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal de Viçosapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectSojapor
dc.subjectÓleo de sojapor
dc.subjectQualidadepor
dc.subjectArmazenamentopor
dc.subjectSoybeaneng
dc.subjectSoybean oileng
dc.subjectQualityeng
dc.subjectStorageeng
dc.titleEfeitos das condições de armazenagem sobre a qualidade da soja (Glycine max (L.) Merrill) e do óleo brutopor
dc.title.alternativeEffects of storage conditions on the quality of soybean grains (Glycine max (L.) Merrill) and crude oileng
dc.typeDissertaçãopor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/0646231743976574por
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentConstruções rurais e ambiência; Energia na agricultura; Mecanização agrícola; Processamento de produpor
dc.publisher.programMestrado em Engenharia Agrícolapor
dc.publisher.initialsUFVpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ENGENHARIA AGRICOLA::ENGENHARIA DE PROCESSAMENTO DE PRODUTOS AGRICOLASpor
dc.contributor.advisor1Faroni, Lêda Rita D'antonino
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4783317H2por
dc.contributor.referee1Silva, Luís César da
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4793547H0por
dc.contributor.referee2Martins, Márcio Arêdes
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4798288T8por
dc.contributor.referee3Donzeles, Sergio Mauricio Lopes
dc.contributor.referee3Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4787758D8por
dc.contributor.referee4Lacerda Filho, Adílio Flauzino de
dc.contributor.referee4Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4788667H5por
Aparece nas coleções:Engenharia Agrícola

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,5 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.