Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/374
Tipo: Tese
Título: Estratégias reprodutivas de plantas de sub-bosque de Floresta Atlântica em diferentes estádios sucessionais
Título(s) alternativo(s): Reproductive strategies of understory plant species of Atlantic Forest in different successional stages
Autor(es): Fonseca, Rúbia Santos
Primeiro Orientador: Vieira, Milene Faria
Abstract: As características reprodutivas das comunidades vegetais são influenciadas pelo seu histórico de perturbação. A Mata do Paraíso, um fragmento de 195 ha de Floresta Atlântica em Viçosa, Minas Gerais, sudeste brasileiro, apresenta ambientes que foram submetidos a diferentes históricos de usos e correspondem aos seguintes estádios sucessionais: pasto abandonado (Pasto) e florestas em estádio inicial (FEI), médio (FEM) e avançado (FEA) de regeneração. Para compreender a distribuição das estratégias reprodutivas nessa comunidade é necessária a análise das espécies em relação aos seus estádios sucessionais. Foram objetivos: 1) verificar a distribuição da frequência (% de espécies) e da abundância (% de indivíduos) dos sistemas sexuais nos hábitos de crescimento e nos estádios sucessionais em sub-bosque; 2) verificar se a eficiência da polinização é afetada pela idade da flor em Corymborkis flava (Sw.) Kuntze, orquídea terrestre de sub-bosque de FEA; 3) confirmar a autogamia em Cyclopogon variegatus Barb. Rodr., orquídea terrestre de sub-bosque de FEM, descrever o seu mecanismo de autopolinização e interpretar as consequências ecológicas dessa estratégia reprodutiva. Para o primeiro objetivo, 24 parcelas foram distribuídas nos diferentes estádios sucessionais e obtidas as espécies, seus hábitos, sistemas sexuais e abundância de indivíduos. Para o segundo objetivo, flores de C. flava foram submetidas a observações morfológicas (aspectos do perianto e da área estigmática), teste químico (teste para atividade enzimática com peróxido de hidrogênio) e polinizações manuais. Para o terceiro objetivo, flores de C. variegatus, em diferentes estádios, foram analisadas com auxílio da microscopia de fluorescência e de luz (cortes anatômicos); foram conduzidos testes de polinização, de viabilidade das sementes, realizadas observações de polinizadores e de remoção de polinários. Foram encontrados cinco sistemas sexuais: hermafroditismo (em 80,5% das espécies), dioicia (12,4%), monoicia (5,3%), andromonoicia (0,88%) e ginomonoicia (0,88%). O hábito e os estádios sucessionais interferiram na distribuição dos sistemas sexuais. Houve associação das ervas ao hermafroditismo, das trepadeiras à monoicia e das arvoretas à dioicia. A andromonoicia e a ginomonoicia foram restritas às ervas. Em relação aos estádios, a andromonoicia foi restrita ao Pasto, a ginomonoicia à FEI, enquanto a monoicia não foi observada na FEA e a dioicia predominou nesse estádio. Tais diferenças parecem determinadas pela gama de hábitos que compõem o sub-bosque de cada estádio sucessional. A frequência ou a abundância dos sistemas sexuais nos hábitos permitiu a mesma conclusão: a distribuição dos hábitos está relacionada à distribuição dos sistemas sexuais. No entanto, para os estádios sucessionais a frequência e a abundância propiciaram conclusões distintas. As abundancias dos sistemas sexuais diferiram entre os estádios, enquanto as frequências foram semelhantes. As observações morfológicas e o teste químico nas flores de C. flava foram igualmente efetivos na definição do período de receptividade estigmática e de polinização. Porém, a maior frutificação no primeiro e segundo dias de antese mostrou que o melhor método para definir a receptividade estigmática, incluindo a sua magnitude, é a polinização manual. Dessa forma, para orquídeas com flores longevas, são recomendadas polinizações cruzadas in vivo para avaliar o grau máximo de receptividade estigmática e o real potencial reprodutivo das flores. C. variegatus apresentou a morfologia funcional da coluna distinta da de outras espécies de Spiranthoideae. Essas divergências incluem a área estigmática no interior da cavidade do clinândrio, característica única, e a perda da hercogamia, tornando a autogamia obrigatória. Esse mecanismo de autopolinização é novo para as orquídeas e pode favorecer o estabelecimento da população estudada, onde não há polinizadores. Esses resultados demonstram que o sub-bosque apresenta diversidade de estratégias reprodutivas, que garantem a sobrevivência das suas espécies em ambientes com diferentes níveis de perturbação.
The reproductive traits of a plant community are influenced by its disturbance history. Mata do Paraíso is an Atlantic Forest fragment with 195 ha in the municipality of Viçosa, Minas Gerais State, Southeastern Brazil. It comprises different environments that have undergone varied uses corresponding to the following successional stages: abandoned pasture (Pasture) and forests at early (FEI), intermediate (FEM) and advanced (FEA) stages of regeneration. To understand the distribution of reproductive strategies in this plant community, it is necessary to analyze the species in relation to their successional stages. The objectives of this study were: 1) to examine the distribution of frequency (% of species) and abundance (% of individuals) of the sexual system in the different growing habits and in the understory plant species at the four successional stages, 2) to verify whether the flower age of Corymborkis flava, a terrestrial orchid that grows in areas of advanced regeneration (FEA), affects pollination efficiency; 3) to confirm the autogamy in Cyclopogon variegatus Barb. Rodr., a terrestrial orchid that grows in areas of intermediate regeneration (FEM), as well as to describe the self-pollination mechanism and interpret the ecological consequences of this reproductive strategy. For the first objective, 24 plots were distributed in different successional stages for identification of plant species, their growing habits, the sexual systems and the abundance of individuals per plant species. For the second objective, flowers of C. flava were undergone to morphological evaluations (aspects of the perianth and stigmatic area), chemical test (test for enzymatic activity with hydrogen peroxide) and hand-pollination tests. For the third objective, flowers of C. variegatus were analyzed using light microscopy (anatomical sections) and fluorescence; besides, we made tests of pollination and the viability of seed, observations of pollinators and pollinaria removal. We find five sexual systems: hermaphroditism (in 80.5% of the species), dioecy (12.4%), monoecy (5.3%), andromonoecy (0.88%) and gynomonoecy (0.88%). The growing habits and the successional stages interfered in the distribution of sexual systems. We observed association of herbs with hermaphroditism, of vines with monoecy and treelets with dioecy. Andromonoecy and gynomonoecy were restricted to herbs. Regarding to stages, andromonoecy was restricted to Pasture, gynomonoecy to FEI; no monoecy was observed in FEA and dioecy prevailed at this stage. Such differences seem determined by the range of habits in each successional stage. The frequency or abundance of sexual systems related with growing habits allowed the same conclusion: habits distribution is related to distribution of sexual systems. However, to successional stages the frequency or abundance resulted in different conclusions. The abundances of sexual systems differed between stages, while the frequencies were similar. Morphological observations and chemical test, in C. flava flowers, were equally effective in defining the period of stigmatic receptivity as well as pollination. However, the greater fruit settting on the first and second day of anthesis showed that the best method to define the stigma receptivity, including its magnitude, was hand-pollination. We conclude that, for orchid species with long-lasting flowers, cross-pollination in vivo is recommended to evaluate the maximum degree of stigmatic receptivity and the real reproductive potential of the flowers. The functional morphology of the C. variegatus column is distinct of the column of the other Spiranthoideae species. These differences include the stigmatic area in the clinandrium cavity, unique feature, and the loss of herkogamy, promoting obligatory autogamy. This self-pollination mechanism is new to orchids and seems to have favored the establishment of the population in the study area, where pollinators are absent. All these results demonstrated that the understory plant species of Atlantic forest present a variety of reproductive strategies, which ensure their survival in environments with different levels of disturbance.
Palavras-chave: Orquídea - Reprodução
Polinização
Mata Atlântica
Orchid - Reproduction
Pollination
Atlantic Forest
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Doutorado em Botânica
Citação: FONSECA, Rúbia Santos. Reproductive strategies of understory plant species of Atlantic Forest in different successional stages. 2013. 58 f. Tese (Doutorado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/374
Data do documento: 17-Jun-2013
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,76 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.