Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/3916
Tipo: Dissertação
Título: Parasitóide de pupas Trichospilus diatraeae (Hymenoptera: Eulophidae): desenvolvimento e reprodução em lepidópteros-praga do dendezeiro
Título(s) alternativo(s): Parasitoid pupae Trichospilus diatraeae (Hymenoptera: Eulophidae): Development and reproduction in defoliating caterpillars of oil palm
Autor(es): Ribeiro, Rafael Coelho
Primeiro Orientador: Zanuncio, José Cola
Primeiro coorientador: Leite, Germano Leão Demolin
Segundo coorientador: Serrão, José Eduardo
Primeiro avaliador: Pinto, Rosenilson
Segundo avaliador: Araújo, Márcio da Silva
Abstract: O dendezeiro ou palma africana (Elaeis guineensis, Jacq.) é uma planta de origem africana e considerada a principal atividade agroindustrial em regiões tropicais úmidas, semelhantes às da Amazônia. A expansão da dendeicultura, em especial na região Norte do Brasil, tem apresentado mais problemas fitossanitários, incluindo as lagartas desfolhadoras Brassolis sophorae L., Opsiphanes invirae Hübner (Lepidoptera: Nymphalidae) e a broqueadora-da-estirpe Eupalamides cyparissias cyparissias (Fabricius) (Lepidoptera: Castniidae), mais daninhas e freqüentes no Estado do Pará. Esse estudo teve por objetivo avaliar o potencial de Trichospilus diatraeae Cherian & Margabandhu (Hymenoptera: Eulophidae) em pupas de O. invirae, B. sophorae e E. cyparissias cyparissias em laboratório. Esta pesquisa foi realizada no laboratório de Fitossanidade do Complexo Agropalma no município de Tailândia, sudeste do Estado do Pará em sala climatizada à temperatura de 25 ± 2 ºC, umidade relativa de 70 ± 10 % e fotofase de 12 horas. O potencial de parasitismo e produção de descendentes de T. diatraeae em pupas de três espécies de lepidópteros daninhos ao cultivo do dendezeiro, mostrou que esse parasitóide parasita e produz progênie, em pupas das desfolhadoras B. sophorae e O. invirae. O segundo estudo avaliou os aspectos reprodutivos de T. diatraeae nas espécies desfolhadoras do dendê (B. sophorae e O. invirae) mostrando que a taxa de parasitismo e emergência da progênie de T. diatraeae foi semelhante em pupas de ambas as espécies. O ciclo de vida de T. diatraeae foi menor em pupas de O. invirae (21,50 ± 0,42 dias) que nas de B. sophorae (27,60 ± 1,80 dias), mas a quantidade de progênie (669,00 ± 89,62) e imaturos mortos 217,13 ± 58,18 foi maior em B. sophorae que em O. invirae (447,83 ± 51,52 e 13,50 ± 5,23), respectivamente. A razão sexual, longevidade de fêmeas e machos de T. diatraeae emergidos foram semelhantes em ambas as espécies dos lepidópteros-praga. No terceiro estudo, a influência da idade de fêmeas de T. diatraeae com 12 a 24, 24 a 48, 48 a 72 e 72 a 96 horas de vida foi avaliada, no desempenho reprodutivo desse parasitóide em pupas de B. sophorae. A idade de fêmeas não afetou a taxa de parasitismo de T. diatraeae em pupas de B. sophorae, porém a emergência da progênie foi maior em pupas parasitadas por fêmeas com 48 a 72 e 72 a 96 horas (70 e 60%) em relação aquelas parasitadas por fêmeas com 12 a 24 e 24 a 48 horas de idade (20 e 20%), respectivamente. A idade de T. diatraeae afetou, também, a fecundidade, o número de imaturos mortos e a razão sexual da progênie em pupas de B. sophorae. No entanto, a idade de fêmeas não afetou o ciclo de vida da progênie de T. diatraeae que variou de 20,0 ± 1,0 dias a 23,0 ± 0,0 dias, respectivamente. As diferentes densidades não afetaram o parasitismo de fêmeas de T. diatraeae, mas a taxa de emergência e a progênie foram maiores nas densidades de 30:1 e 20:1 fêmeas/hospedeiro e a quantidade de imaturos mortos foram menores nas densidades (1:1, 10:1, 20:1 e 30:1 fêmeas/hospedeiro). O período de ovo a adulto da progênie de T. diatraeae foi semelhante nas diferentes densidades de fêmeas desse parasitóide. A razão sexual da progênie emergida foi menor na densidade de 10:1 fêmeas/hospedeiro. Fêmeas e machos de T. diatraeae, emergidos de pupas de B. sophorae parasitadas foram maiores (comprimento do corpo) nas densidades de 20:1 e 30:1 e as cápsulas cefálicas de fêmeas foram maiores nas densidades de 30:1, 20:1 e 40:1 fêmeas/hospedeiro, com valores semelhantes em machos. Portanto, Trichospilus diatraeae parasita e produz progênie em pupas de B. sophorae e O. invirae, mas aquelas pupas de B. sophorae são mais adequadas por produzir maior número de descendentes desse parasitóide. O melhor período reprodutivo de fêmeas de T. diatraeae parasitando pupas de B. sophorae foi entre 48 a 96 horas de vida na com densidade de 20 ou 30 fêmeas/hospedeiro que proporciona maiores taxas de parasitismo, emergência e maior tamanho de indivíduos desse parasitóide. O parasitóide T. diatraeae apresenta potencial para controlar lepidópteros desfolhadores do dendê.
The African palm or oil palm (Elaeis guineensis Jacq.) is a plant of African origin and considered the major industrialized activity in humid areas, similar in Amazon area. The expansion of oil palm, especially in northern region of Brazil, has presented more phytosanitary problems, including the caterpillars defoliating Brassolis sophorae L. Opsiphanes invirae Hübner (Lepidoptera: Nymphalidae) and borers-of-strain Eupalamides cyparissias cyparissias (Fabricius) (Lepidoptera: Castniidae), weeds and more frequent in the State of Pará. This study aimed to evaluate the potential Trichospilus diatraeae Cherian & Margabandhu (Hymenoptera: Eulophidae) in pupae of O. invirae, B. sophorae and E. cyparissias cyparissias under laboratory conditions. This research was conducted in the laboratory of Plant Complex Agropalma in Thailand city, southeast of Pará State in a room temperature of 25 ± 2 ºC, relative humidity of 70 ± 10% and photophase of 12 hours. The potential of parasitism and progeny production of T. diatraeae in pupae of three species of lepidopteran pests on the cultivation of oil palm, showed that this parasitoid was parasite and progeny produced in pupae of defoliating B. sophorae and O. invirae. The second study was evaluated the reproductive features of T. diatraeae in defoliating species of oil palm (B. sophorae and O. invirae). Results showing that the rate of parasitism and progeny emergence of T. diatraeae pupae was similar in both species. The life cycle of T. diatraeae was lower in pupae of O. invirae (21.50 ± 0.42 days) than in B. sophorae (27.60 ± 1.80 days), but the amount of progeny (669.00 ± 89.62) and dead immature (217.13 ± 58.18) were higher in B. sophorae than in O. invirae (447.83 ± 51.52 and 13.50 ± 5.23), respectively. The sex ratio, longevity of females and males of T. diatraeae were similar in both species were tested. In the third study, the influence of T. diatraeae female age with 12-24, 24- 48, 48-72 and 72 to 96 hours of life was assessed in the reproductive performance of parasitoids in pupae of B. sophorae. Female ages did not affect on parasitism rate of T. diatraeae in B. sophorae pupae, but the emergence of progeny was higher in pupae parasitized by females with 48 to 72 and 72 to 96 hours (70 and 60%) than those parasitized by females between 12 and 24 and 24 to 48 hours old with 20 and 20 %, respectively. The age of T. diatraeae affected on fecundity, the number of dead immature and sex ratio of offspring in pupae of B. sophorae. However, the age of females did not affect on the life cycle of the progeny of T. diatraeae with range from 20.0 ± 1.0 days and 23.0 ± 0.0 days, respectively. Different densities did not affect on parasitism of female T. diatraeae, but the rate of emergence and progeny were higher at 30:1 and 20:1 female/host immature parasitoid and the numbers of deaths were lower in density (1:1, 10:1, 20:1 and 30:1 females/host). The period from egg to adult offspring of T. diatraeae was similar at the different densities of females of this parasitoid. The sex ratio of offspring emerged was the lower density with 10:1 female/host. Females and males of T. diatraeae emerged from the pupae parasitized of B. sophorae were larger (body length) at densities of 20:1 and 30:1 and the head capsules of females were higher at 30:1, 20:1 and 40:1 female/host, with similar values in males. Trichospilus diatraeae was parasite and produced progeny in pupae of B. sophorae and O. invirae, but pupae of B. sophorae were more suitable for producing larger number of offspring of this parasitoid. The best period of reproductive females of T. diatraeae parasitoid in pupae of B. sophorae was between 48 to 96 hours of life at a density of 20 or 30 females/host that provides the highest rates of parasitism, emergence and larger individuals of this parasitoid. The parasitoid T. diatraeae has been good potential to control lepidopteran defoliator pests of oil palm.
Palavras-chave: Controle biológico aplicado
Elaeis guineensis
Lepidoptera
Pragas do dendezeiro
Control biological applied
Elaeis guineensis
Lepidoptera
Pests of oil palm
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOSSANIDADE::ENTOMOLOGIA AGRICOLA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Ciência entomológica; Tecnologia entomológica
Programa: Mestrado em Entomologia
Citação: RIBEIRO, Rafael Coelho. Parasitoid pupae Trichospilus diatraeae (Hymenoptera: Eulophidae): Development and reproduction in defoliating caterpillars of oil palm. 2010. 88 f. Dissertação (Mestrado em Ciência entomológica; Tecnologia entomológica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2010.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/3916
Data do documento: 22-Jul-2010
Aparece nas coleções:Entomologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf439,27 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.