Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/4650
Tipo: Dissertação
Título: Condicionamento osmótico de sementes de cenoura (Daucus carota L.)
Título(s) alternativo(s): Osmotic priming of carrot (Daucus carota L.) seeds
Autor(es): Pereira, Márcio Dias
Primeiro Orientador: Dias, Denise Cunha Fernandes dos Santos
Primeiro coorientador: Dias, Luiz Antonio dos Santos
Segundo coorientador: Araújo, Eduardo Fontes
Primeiro avaliador: Lopes, José Carlos
Segundo avaliador: Reis, Múcio Silva
Abstract: O presente trabalho teve como objetivos: i) monitorar a hidratação de sementes de cenoura em água e em soluções osmóticas, de modo a definir condições adequadas para o condicionamento osmótico dessas sementes; ii) avaliar o efeito do condicionamento osmótico na germinação, vigor e desempenho das sementes sob condições de estresse. Para tanto, foram conduzidos dois experimentos no Laboratório de Pesquisa de Sementes do Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), utilizando-se dois lotes de sementes de cenoura, cultivar Brasília. No ensaio 1, monitorou-se a hidratação das sementes de cenoura em água destilada e em soluções osmóticas de PEG 6000 a -1,0 e -1,2 MPa, em incubadora BOD a 20ºC, utilizando-se dois métodos de embebição para o condicionamento: embebição em papel toalha umedecido e em soluções aeradas, realizada em frascos contendo as respectivas soluções, acoplados a uma bomba de ar. Para a obtenção das curvas de embebição, determinou-se o teor de água das sementes após 2, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 48, 72, 96 horas de embebição em água e após 2, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 48, 72, 96, 120, 144, 168, 192, 216, 264, 312 horas de embebição nas soluções de PEG 6000. Os dados foram submetidos à análise de variância e de regressão. No segundo ensaio, as sementes de cada lote foram condicionadas em soluções de PEG 6000 a -1,0 e -1,2 MPa por 4 e 8 dias, a 20ºC, utilizando-se dois métodos de embebição: em papel toalha umedecido com as respectivas soluções e imersão em soluções osmóticas aeradas. Utilizaram-se sementes não condicionadas como testemunha. Após o condicionamento, realizou-se a secagem das sementes em ambiente de laboratório até atingirem o grau de umidade inicial. Em seguida, avaliou-se o desempenho das sementes pelos seguintes testes: germinação, primeira contagem de germinação, porcentagem e velocidade de emergência das plântulas em campo, comprimento de plântula, comprimento de radícula, germinação em temperatura sub-ótima e supra-ótima e germinação sob estresse hídrico. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições, e analisado em esquema fatorial (2 lotes x 2 métodos de condicionamento x 5 tratamentos de condicionamento). As sementes embebidas em soluções de PEG 6000 a -1,0 e -1,2 MPa não emitiram raiz primária mesmo após 312 h de embebição, quando o teor de água era de 54% e o uso de soluções aeradas permitiu a hidratação mais rápida das sementes quando comparada à hidratação em papel toalha. Também verificou-se que o condicionamento osmótico aumentou a porcentagem e velocidade de germinação e emergência das plântulas em campo. Aumentos na porcentagem e velocidade de germinação foram obtidos com o condicionamento das sementes em solução de PEG 6000 a -1,0 MPa por 4 dias, enquanto maior crescimento de plântula foi observado a -1,2 MPa por 8 dias em solução aerada. Já o condicionamento osmótico em PEG 6000 a -1,0 e -1,2 MPa, por 4 dias, melhorou o desempenho das sementes sob condições de estresse hídrico e térmico, tanto em temperatura sub como supra-ótima.
This work had as objectives: i) to monitor carrot seeds hydration in water and osmotic solutions, in way to define appropriate conditions for priming of those seeds; ii) to evaluate the effects of priming on germination, vigour and performance of carrot seeds under water and temperature stress conditions. Two steps were conducted at Seed Research Laboratory in the University Federal of Viçosa using two seed lots of carrot, Brasília cultivar. In the first step, the seeds were imbibed in osmotic solutions of PEG 6000 at -1.0 and -1.2 MPa and in distilled water, in an incubator BOD at 20º C, using two different hydration methods: imbibition in paper towel moistened and in aerated solutions, provided by an air pump accomplished in the erlenmeyers containing the respective solutions. The imbibition curves for each seed lot were drawn after to determine the seed moisture content at 2, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 48, 72, 96 hours hydration in water and after 2, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 48, 72, 96, 120, 144, 168, 192, 216, 264, 312 hours hydration in the PEG 6000 solutions. The data were submitted to the variance and regression analysis. In the second step, seeds of each lot were primed in PEG 6000 -1.0 and -1.2 MPa solutions for 4 and 8 days, at 20o C, using the both hydration methods described above (paper towel moistened and aerated osmotic solutions). Non-primed seeds were used as control. After priming, the seeds were dried at room temperature until reach initial seed moistened content. The seeds were submitted to the following tests: germination, first count, percentage and speed of seedling emergence in the field, seedling and primary root length, germination under sub-optimal and supra-optimal temperatures, germination under water stress and controlled deterioration. Trials were conducted in randomized completely design, with four replications, and analyzed as factorial experiment (2 lots x 2 priming methods x 5 priming treatments). The results allowed to conclude that seed hydration in the distilled water was faster than in PEG 6000 solutions, beginning the protrusion of the primary root at 48 hours imbibition, when they reached 54% of moisture content. Seeds imbibed in PEG 6000 -1.0 and -1.2 MPa solutions did not emit the primary root until 312 hours of imbibition, when the seed moisture content was 50%. The aeration of solutions allowed the fastest seed hydration when compared to the hydration in paper towel moistened. Seed priming was effective in increasing the percentage and speed of germination and seedling emergence in field. Increases in the percentage and germination speed were obtained by priming in PEG 6000 -1.0 MPa for 4 days, while larger seedling growth was observed in the PEG 6000 -1.2 MPa solution, for 8 days, with aeration. Seed performance under water and temperature stress conditions was improved by priming in PEG 6000 at -1.0 and -1.2 MPa, for four days.
Palavras-chave: Cenoura
Sementes
Condicionamento osmótico
Carrot
Seeds
Osmotic priming
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOTECNIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Plantas daninhas, Alelopatia, Herbicidas e Resíduos; Fisiologia de culturas; Manejo pós-colheita de
Programa: Mestrado em Fitotecnia
Citação: PEREIRA, Márcio Dias. Osmotic priming of carrot (Daucus carota L.) seeds. 2007. 83 f. Dissertação (Mestrado em Plantas daninhas, Alelopatia, Herbicidas e Resíduos; Fisiologia de culturas; Manejo pós-colheita de) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/4650
Data do documento: 12-Mar-2007
Aparece nas coleções:Fitotecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf822,11 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.