Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/4872
Tipo: Dissertação
Título: O Teatro do Oprimido e a resistência de Caliban: A Tempestade, de Shakespeare, e a de Augusto Boal
Título(s) alternativo(s): The Theater of the Oppressed and Caliban s Resistance: Shakespeare s and Augusto Boal s The Tempest
Autor(es): Gomes, Mariana de Lazzari
Primeiro Orientador: Dudalski, Sirlei Santos
Primeiro avaliador: Rocha, Luiz Carlos Moreira da
Segundo avaliador: Milton, John
Abstract: O século XX marca uma época em que escritores pós-coloniais despertam interesse por A Tempestade (1610), de Shakespeare, como capital cultural para destacar as desigualdades do encontro colonial e enfrentar os seus efeitos contemporâneos. Ao se apropriarem dessa peça, tais escritores se ocupam de uma prática politizada e atenta a questões relativas ao exercício do poder. Especialmente a personagem Caliban tem sido adotada como um ícone cultural, sendo considerada um emblema das populações nativas colonizadas. Um destes escritores é Augusto Boal, célebre dramaturgo brasileiro e criador do método do Teatro do Oprimido, que propõe uma nova maneira de fazer teatro, segundo a qual o espectador se transforma em sujeito da ação dramática ( spect-ator ). Em vista disso, uma peça de teatro, então, deve despertar o indivíduo para discutir temas relacionados a todo tipo de opressão e ensaiar ações que possam, efetivamente, modificar a vida em sociedade. Aos moldes da Estética do Oprimido, Boal se apropria d A Tempestade, de Shakespeare, e a reescreve, no exílio, em 1979, época de ditadura militar brasileira e momento bastante fecundo para retomar Caliban enquanto representante das opressões advindas deste encontro colonial. Em virtude disso, a presente dissertação se propôs a fazer um estudo comparativo, à luz da teoria pós-colonial, da figura do oprimido em A Tempestade, de Shakespeare, e na apropriação de mesmo título, realizada por Boal. Reconhecendo que a apropriação denota uma relação intertextual mais questionadora, em virtude da prática crítica que visa adotar, tomamos o texto de Boal como uma resistência às leituras convencionais do texto de Shakespeare, além de retomar um espaço textual privilegiado para abordar o problema da opressão.
The 20th Century is marked as a time when The Tempest (1610) by Shakespeare drew the attention of postcolonial writers as a cultural capital that highlights the inequalities of the colonial period and confronts its contemporary effects. By embracing this play, these writers engage in a politicized practice involving power-related issues. The character Caliban, in especial, has been adopted as a cultural icon of the colonized native populations. One of these writers is Augusto Boal, a famous Brazilian playwright and founder of the method The Theater of the Oppressed, a new way of acting whereby the spectator becomes a participant in the dramatic action ( spect-actor ). It establishes that a play must inspire the discussion of themes related to all types of oppression, fostering critical thinking and rehearsal for social change. Following the principles of The Aesthetics of the Oppressed, Boal makes an appropriation of Shakespeare s The Tempest, while in exile in 1979, during the military dictatorship period in Brazil, a fertile ground to retrieve Caliban as a symbol of oppression. Thus, this work aims to propose, in the light of the post-colonial theory, a comparative study on the oppressed as depicted in The Tempest of Shakespeare, and in its appropriation by Boal, with the same title. Recognizing that this appropriation denotes a more questioning inter-textual relation, in view of the critical approach it aims to adopt, we consider it a resistance against the conventional analyses of the Shakespearean text, as well as a privileged alternative to discuss the problems of oppression.
Palavras-chave: Apropriação
Pós-colonialismo
Oprimido
Appropriation
Post-colonialism
Oppressed
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::LITERATURA COMPARADA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Estudos Linguisticos e Estudos Literários
Programa: Mestrado em Letras
Citação: GOMES, Mariana de Lazzari. The Theater of the Oppressed and Caliban s Resistance: Shakespeare s and Augusto Boal s The Tempest. 2013. 114 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguisticos e Estudos Literários) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/4872
Data do documento: 12-Abr-2013
Aparece nas coleções:Letras

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,01 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.