Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/5005
Tipo: Dissertação
Título: O efeito das proteínas morfogenéticas ósseas (BMPs) associadas a osso esponjoso autógeno na reparação de falhas experimentais na calota craniana de coelho (Oryctolagus cuniculus)
Título(s) alternativo(s): The effect of the Bone morphogenetic protein (BMPs) associated with cancelous autogenous bone graft in the reparation of calvarial experimental rabbits defects (Oryctolagus cuniculus)
Autor(es): Monteiro, Betânia Souza
Primeiro Orientador: Carlo, Ricardo Junqueira Del
Primeiro avaliador: Pompermayer, Luiz Gonzaga
Segundo avaliador: Viloria, Marlene Isabel Vargas
Terceiro avaliador: Vilela, Marcelo José
Quarto avaliador: Borges, Andrea Pacheco Batista
Abstract: As proteínas morfogenéticas ósseas (BMPs) são promotores de crescimento capazes de induzir a formação de osso e cartilagem, promovendo a quimiotaxia e diferenciação de células mesenquimais para o local onde foram implantadas, mas para uma efetiva osteocondução necessitam de uma substância carreadora. Quando implantadas em tecidos animais, as BMPs se ligam a receptores específicos existentes na superfície das células osteoinduzidas, ativam as proteínas citoplasmáticas SMAD (mothers against decapentaplegic proteins) e, no núcleo da célula receptora, passam a regular a transcrição de genes relacionados com calcificação e formação óssea. No presente estudo, foram avaliados os aspectos clínico-cirúrgicos, macroscópicos, radiográficos e microscópicos da reparação óssea, após implantação de BMPs em diferentes concentrações, carreadas por enxerto ósseo esponjoso, em falhas criadas no crânio de 20 coelhas adultas-jovens, separadas aleatoriamente em cinco grupos experimentais, que corresponderam a cinco períodos de observação (7, 15, 21, 35 e 60 dias). Após a exposição dos ossos do crânio, foram realizadas seis falhas ósseas na região fronto-parietal de cada animal. A falha I não foi preenchida, a II foi completamente preenchida com aproximadamente 3,0 mg de autoenxerto ósseo esponjoso e as falhas III, IV, V e VI foram preenchida com o autoenxerto associado a 0,5; 1,0; 2,0 e 5,0 mg de BMPs, respectivamente. Não foram observadas complicações clínicas após a cirurgia. Nas avaliações macroscópicas, postmortem, verificou-se que independentemente do período de tratamento das falhas, o preenchimento ósseo iniciava-se a partir das bordas para o centro e do fundo para a superfície das falhas. O preenchimento ósseo das falhas I foi o menor encontrado quando comparado com as demais falhas, em todos os períodos de observação. Constatou-se também que até os valores de 2,0 mg, quanto maior a concentração de BMPs utilizada, maior foi a cobertura óssea. A avaliação radiográfica não permitiu a classificação do grau de preenchimento ósseo e por meio de análises estatísticas, foi comprovado que há diferenças significativas entre os tratamentos. Microscopicamente verificou-se nas primeiras avaliações, aos sete dias, que o preenchimento ósseo iniciava-se a partir das bordas e do fundo da lesão, com mobilização e diferenciação de células provenientes do periósteo e das meninges, respectivamente e, nas avaliações subseqüentes, a atividade osteoblástica provinha também de ilhas de ossificação , semelhantes a centros de ossificação, localizadas no centro da falha. A formação trabecular aumentou proporcionalmente com a concentração utilizada de BMPs e a aposição e organização óssea aumentaram proporcionalmente com o tempo de observação. Em quase todas as falhas foi verificada a presença de tecido cartilaginoso. A melhor relação de quantidade de autoenxerto ósseo esponjoso e BMPs foi de 3,0 mg e 2,0 mg, respectivamente e a associação desta proteína com esse enxerto contribuiu para a formação de novo tecido ósseo, promovendo maior mobilização, diferenciação e organização celular e, abreviou o tempo de formação óssea, sugerindo processo de ossificação endocondral. Os trabalhos apresentados como parte integrante desta tese estão seguindo as normas de publicação do Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Minas Gerais, indexada ao ISI, AGRIS, BIOSIS, CAB, CAS, MEDLARS, Referatvnyi Zhumal, Bibliografia Brasileira de Medicina Veterinária e Zootecnia e LILACS. ISSN 01020935.
The bone morphogenetic proteins (BMPs) are growth promoters capable of inducing the formation of bone and cartilage, promoting quimiotaxy and differentiation of mesenchymal cells in the place where they were implanted, but for an effective osteoconduction they need a carrier substance. When implanted in animal tissues, the BMPs link to specific receptors located in the surface of the osteoinduced cells, they activate the SMAD cytoplasmatic proteins (mothers against decapentaplegic proteins) and, in the nucleus of the receiver cell, they begin to regulate the transcription of genes related with calcification and bone formation. In the present study, aspects of clinical-surgical, macroscopic and radioscopic of the bone repair were evaluated after the implantation of the BMPs in different concentrations, carried by autogenous bone graft, in defects created on skulls of 20 adult-young female rabbits, randomizedly separated on five experimental groups that correspond to five periods of observations (7, 15, 21, 35 and 60 days). After the exposure of bones skull, six bone defects were performed on the fronto-parietal region of each animal. The defect I wasn´t filled, the II was completed filled with approximately 3,0 mg of autogenous bone graft and the defects III, IV, V and VI were filled with autogenous bone graft associed with 0,5; 1,0; 2,0 and 5,0 mg of BMPs respectively. There wasn´t clinical complications after the surgery. In the macroscopic evaluations, post-mortem, it was observed that independently of the treatment period of the defects, the bony filling began starting from the borders to the center and from the bottom to the surface of the flaws. The bony filling of defect I was the smallest found when compared with the others defects, in all the observation periods. It was also verified that until 2,0 mg the bigger the concentration of BMPs used, better was bone cover. The radiographic assessment did not permit the classification of the grade of bone filling and through the statistic analyses, it was comproved that there are significant differences between the treatments. It was verified microscopically in the first evaluations, at the seventh day, that the bone growth started from the borders and from the bottom of the lesion, with mobilization and differentiation of cells deriving from the periosteum and of the meninges, respectively, and in the subsequent evaluations, the osteoblastic activity also derived from "ossification islands" to ossification centers, located in the center of the flaw. The trabecular formation increased proportionally with the concentration of BMPs used, and the apposition and bone organization increased proportionally with the time of observation. The presence of cartilaginous tissue was verified in almost all the flaws. The best relation of quantities of autogenous bone graft and BMPS were 3,0 mg and 2,0 mg, respectively, and the association of this protein with this graft contributed to the formation of new bone tissue, promoting larger mobilization, differentiation and cellular organization. It also abbreviated the time of bone formation, suggesting an endochondral ossification process.
Palavras-chave: Cirurgia veterinária
Proteínas morfogenéticas
Enxerto autógeno
Veterinary surgery
Morphogenetic proteins
Autogenous bone graft
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::MEDICINA VETERINARIA::CLINICA E CIRURGIA ANIMAL::TECNICA CIRURGICA ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Biotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. de
Programa: Mestrado em Medicina Veterinária
Citação: MONTEIRO, Betânia Souza. The effect of the Bone morphogenetic protein (BMPs) associated with cancelous autogenous bone graft in the reparation of calvarial experimental rabbits defects (Oryctolagus cuniculus). 2005. 51 f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. de) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2005.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/5005
Data do documento: 26-Ago-2005
Aparece nas coleções:Medicina Veterinária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf724,37 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.