Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/5190
Tipo: Dissertação
Título: Biometria e mudanças morfológicas uterinas e ovarianas em fêmeas bovinas
Título(s) alternativo(s): Uterine biometry and morphological uterine and ovarian changes in bovine females
Autor(es): Leon, Victor Enrique Gomez
Primeiro Orientador: Benjamin, Laércio dos Anjos
Primeiro coorientador: Guimarães, José Domingos
Primeiro avaliador: Costa, Eduardo Paulino da
Segundo avaliador: Santos, Giancarlo Magalhães dos
Terceiro avaliador: Torres, Ciro Alexandre Alves
Abstract: Critérios de avaliação diretamente relacionados à capacidade sexual da fêmea devem ser utilizados na prática de rotina da pecuária, permitindo avaliar o desenvolvimento e a função dos órgãos que controlam a reprodução. Dentre os órgãos genitais, o útero tem funções essenciais na reprodução sexual dos animais, controlando a função luteal, além de interferir no transporte e capacitação dos espermatozoides, como também na implantação e desenvolvimento inicial do embrião; alojamento, nutrição e proteção do feto até o final da gestação. Dessa forma, na primeira etapa deste estudo foram analisadas imagens ultrassonográficas de cortes transversais do útero. Na primeira região uterina (da bifurcação interna dos cornos uterinos até o início da curvatura maior), na segunda região (a partir da curvatura maior até pouco antes do ápice do corno) e na terceira região (ápice da extremidade livre do corno) no útero de cinco fêmeas bovinas sexualmente maduras da raça Holandesa, criadas em manejo de Losing- House. As medidas foram obtidas no animal in vivo e no órgão genital post mortem, com a finalidade verificar a acurácia das interpretações e medidas da biometria uterina (espessura endometrial e diâmetro dos cornos uterinos). Todos os dados quantitativos foram analisados por ANOVA e as médias comparadas pelos testes de Tukey ou Duncan ou então pela análise não paramétrica com as médias comparadas pelo teste de Kruskall Wallis ou Wilcoxon. Considerou-se a probabilidade de 5 % de erro em todas as análises. Não houve diferença entre os valores da biometria uterina para os mensurações no animal in vivo e no órgão genital post mortem (P>0,05). Os valores médios para as mensurações no animal in vivo, na região um, para diâmetro do corno uterino esquerdo (21,0±2,6 mm), espessura endometrial do corno esquerdo (10,39±4,9 mm), diâmetro do corno uterino direito (22,9±2,8 mm), e espessura endometrial do corno direito (10,8±5,2 mm), se mostraram semelhantes aos valores obtidos nas outras duas regiões. A obtenção e correta interpretação de imagens transversais da primeira região do útero (início da bifurcação uterina até a curvatura maior) por meio da ultrassonografia transretal bovina, mostra-se uma metodologia com alta acurácia e eficiente para avaliar a biometria uterina (espessura e diâmetro dos cornos uterinos). Posteriormente, com ajuda da ultrassonografia foram estudados os desenvolvimentos ponderal e sexual de 38 fêmeas da raça Holandesa, criadas em Tie-Stall, nas fases de pré-puberdade, puberdade e maturidade sexual (nove a 20 meses de idade). As fêmeas foram avaliadas a cada quinze dias por um período de dois meses, sendo mensurados peso e altura, e as mudanças que aconteceram na biometria uterina por meio da ultrassonografia via transretal. Os animais foram divididos por classes com intervalos de 3 meses de idade, com a finalidade de abranger os eventos reprodutivos durante a fase de crescimento. As alturas dos animais da classe 3 e 4 foram semelhantes entre si (P>0,05) e maiores dos animais das classes 1 e 2 (P<0,05), apresentando alta correlação com o peso corporal (r= 0,8). O útero das novilhas apresentou diâmetros maiores do corno esquerdo nos animais das classes 3 e 4 (P<0,05). A espessura endometrial do corno direito foi maior em animais da classe 4 (P<0,05). Concluiu-se que o desenvolvimento ponderal e o sexual ocorrem de forma assincrônica nos animais mais jovens (9 -11 meses), sendo o ponderal mais acelerado; a puberdade de fêmeas da raça Holandesa nas condições tropicais se manifestam entre as faixas etárias de 12 a 15 meses de idade causando consequentemente retraso na maturidade sexual; uma vez atingida a puberdade o desenvolvimento ponderal e sexual é sincrônico e o aumento da espessura endometrial e diâmetro dos cornos uterinos se maximizam. Na ultima etapa experimental foram estudadas as alterações da biometria uterina nas fases do ciclo estral de 172 novilhas induzidas à puberdade e 90 vacas adultas solteiras da raça Nelore, criadas em regime extensivo, submetidas a diferentes protocolos de sincronização, aspirando o ovócito do folículo dominante no dia e horário correspondente à IATF. Posteriormente, os animais foram inseminados a cio detectado e submetidos ao manejo de monta natural. Os protocolos de inseminação artificial mostraram valores satisfatórios para indução de puberdade e gestação nos estros subsequentes em novilhas pré-púberes (68 %), e eficientes em vacas adultas solteiras da raça Nelore (98 %). Os protocolos de sincronização conseguiram induzir as mudanças uterinas relatadas na literatura, concluindo que no ciclo estral bovino, durante a fase folicular e sob o efeito do estrógeno, são obtidas imagens ultrassonográficas hipo-ecogênicas da camada endometrial com aumento da espessura da mesma com imagens anecogênicas do lume uterino em algumas ocasiões. Na fase luteal e sob a influência da progesterona, são obtidas imagens ultrassonográficas da camada endometrial hiper-ecogênicas e diminuição na espessura da mesma. O diâmetro dos cornos uterinos de novilhas nulíparas e vacas solteiras da raça Nelore, criadas em regime extensivo, mostraram-se próximos aos valores de referência (&#61619;20 mm) preconizados para fêmeas maturas sexualmente, aptas à reprodução.
Assessment criteria directly related to sexual ability of the female, should be used in routine practice of Brazilian cattle, allowing the evaluation of development and function of organs that controls reproduction. Within all reproductive organs, the uterus has essential roles in sexual reproductive animals, controlling luteal function, as well as interfering in the transport, capacitation of sperm, and initial embryo implantation and development, housing, nurturing and protecting the fetus until calving. Thus, at the first stage of the study, were analyzed ultrasound images of cross sections at first uterine region (uterine internal bifurcation, and horns, until the beginning of the greater curvature), at second uterine region (from the greater curvature until just before the tip of the horn) and at third region (the free end of the horn) of five sexually mature Holstein female cattle uterus, created and managed in Losing-House. In vivo and post mortem, animal reproductive organs, were measure with the purpose of verify the accuracy of the interpretation and measures of uterine biometry (diameter and endometrial thickness of the uterine horns), standardizing the methodology. Quantitative data were analyzed by ANOVA and the means compared by Tukey test or Duncan test or by the nonparametric analysis with Kruskal Wallis test or Wilcoxon test. It was considered the probability of 5 % error in all analyzes. There was no difference between the values of the uterine biometry for measurements in animals in vivo and in reproductive organs post mortem (P>0.05). Mean values for measurements in vivo animals, at first region, for left uterine horn diameter (21.0±2.6 mm), left horn endometrial thickness (10.4±4.9 mm), right uterine horn diameter (22.9±2.8mm), and right horn endometrial thickness (10.8±5.2 mm) were similar to values obtained in the other two regions (P>0,05). The values obtained demonstrate the technique's efficiency and high accuracy measuring uterine biometry from ultrasound images. The technique shown to be easily to perform. Thereafter, changes in the uterine biometry of 38 Holstein heifers, created in Tie-Stall, in the pre-puberty, puberty and sexual maturity were studied and evaluated by transrectal ultrasonography technique, every two weeks for a period of two months. The animals were divided into classes at every 3 months old, in order to encompass the reproductive events during the growth of the animals. At first class the Holstein heifers showed asynchronic growth, being found positive correlations in weight and height, and negative between weight and evaluated sexual characteristics. The heifers reached puberty between 12 and 15 months of age, fact that maximized the development of the uterine horns, endometrial thickness, and reproductive function at subsequent class. In the last experimental stage, uterine biometry changes at the estrous cycle of heifers 172 pubertal-induced and 90 single adult Nellore cows, raised in extensive managements, were studied under different protocols of Fixed- Time Artificial Insemination and the day of FTAI was aspirated the oocyte from the dominant follicle of every female. Afterwards the animals were submitted to natural mating. The artificial insemination protocols showed satisfactory values for induction of puberty and pregnancy in pre-pubertal heifers (68 %), and efficient for single adult Nellore cows (98 %). FTAI protocols can induce uterine changes reported in the literature, within the phases of the estrous cycle (under progesterone concentrations the endometrium has a glandular epithelium thickened, branched, folded and increased secretion of the glands (Producing ultrasound endometrial images thinner and increased echogenicity). However, it has not been proven protocols effect in pregnant rates, follicular growth rate and oocyte quality.
Palavras-chave: Reprodução bovina
Ultrassonografia reprodutiva
Biometria uterina
Espessura endometrial
Cattle breeding
Reproductive ultrasound
Uterine biometrics
Endometrial thickness
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::MEDICINA VETERINARIA::REPRODUCAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Biotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. de
Programa: Mestrado em Medicina Veterinária
Citação: LEON, Victor Enrique Gomez. Uterine biometry and morphological uterine and ovarian changes in bovine females. 2014. 111 f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia, diagnóstico e controle de doenças; Epidemiologia e controle de qualidade de prod. de) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2014.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/5190
Data do documento: 24-Jul-2014
Aparece nas coleções:Medicina Veterinária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,19 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.