Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/5400
Tipo: Dissertação
Título: Conhecimentos na análise de ambientes: a pedologia e o saber local em comunidade quilombola do norte de Minas Gerais
Título(s) alternativo(s): Knowledge in the environment analysis: the pedology and local knowledge in the quilombola community on northern Minas Gerais
Autor(es): Matos, Laudiceio Viana
Primeiro Orientador: Lani, João Luiz
Primeiro coorientador: Cardoso, Irene Maria
Segundo coorientador: Ker, João Carlos
Primeiro avaliador: Ferreira Neto, José Ambrosio
Segundo avaliador: Anjos, Lucia Helena Cunha dos
Abstract: Como resposta ao processo de degradação ambiental, ocasionado em grande parte pelas práticas e ações de paradigmas reducionistas, é crescente a incorporação e apropriação de epistemologias voltadas à sustentabilidade, valorização das relações homem-ambiente e a percepção da necessidade da manutenção da complexidade dos sistemas produtivos. O saber construído pelas populações tradicionais sobre o ambiente em que vivem, tem sido geralmente desconsiderado em programas de pesquisa e desenvolvimento, embora muitos estudos reconheçam e comprovam sua importância para o cotejamento responsável e condizente às especificidades dos agroecossistemas locais. A dificuldade da comunidade da ciência do solo em considerar o conhecimento local, de agricultores de base familiar, dos povos indígenas, remanescentes de quilombos, entre outros, remete a necessidade de incorporação de outros enfoques e abordagens nos estudos dos agroecossistemas. A combinação de ciências naturais e sociais e a consolidação de campos de cruzamento de saberes, como a agroecologia, etnoecologia e a etnopedologia, passam a contemplar o processo de pensar os ambientes de forma integrada e com a participação da população local. Neste sentido, este trabalho teve o objetivo de resgatar, identificar e valorizar o saber tradicional sobre o solo e o ambiente e inter-relacioná-lo com o conhecimento do meio científico. Para isso, fez-se a estratificação dos ambientes do território quilombola de Brejo dos Crioulos com base em critérios locais e pelo método pedológico convencional, considerando o solo e sua interface com outros componentes ambientais. Associou-se a caracterização dos agroecossistemas, com a interpretação e reconhecimento da lógica dos sistemas tradicionais de uso e manejo dos recursos naturais, articulando o saber local com as informações geradas pelo conhecimento do meio científico. Os quilombolas identificaram quatro macroambientes que foram compatíveis com as distinções de geoambientes estratificados com base na geomorfologia e geologia, pedologia e a influência do ciclo das águas no território, a saber: (i) brejo (aluviões Holocênicos); (i) vazante (rampas de colúvio-aluviais - terço inferior de encostas); (iii) cultura vermelha (rampas de colúvio - terço médio e superior de encostas); (iv) carrasco (coberturas argilosas e arenosas - teto da paisagem). Além dessas, existe o complexo furado, que é formado em áreas de dolinas que não são abastecidas pelo rio Arapuim. Nos furados, os solos são eutróficos, resultantes do processo de rebaixamento localizado do terreno, constituem-se em áreas receptoras de água e sedimentos, cercadas pelo amplo domínio do carrasco. No período chuvoso, tem-se o acúmulo e estagnação de água, propiciando a gleização, formando assim, o ambiente reconhecido localmente como brejo do furado. A topossequência típica formada por esses ambientes é caracterizada pela ocorrência de Neossolos Flúvicos e Gleissolos Háplicos, no brejo; Cambissolos Háplicos nas vazantes; Latossolos Vermelhos Eutróficos na cultura vermelha e Latossolos Vermelhos Distróficos no carrasco. Com a intensificação do processo de intemperismo, as micas que ocorrem no brejo (área com elevada soma de bases e não afetada por sais) passam a argilominerais 2:1 (esmectitas) até a predominância da caulinita nas áreas de Latossolos Vermelhos Eutróficos (cultura vermelha). Esse processo de remoção de bases culmina com a distrofia característica dos solos do carrasco, no topo da paisagem. Constatou-se que os quilombolas reconhecem o melhor momento (tempo), o ambiente (a terra, a umidade, o microclima), a espécie e variedade, combinam atividades e elencam o conjunto de práticas que permitem o sustento de suas famílias. Aproveitam a boa fertilidade natural e a maior capacidade que os solos do brejo e vazante têm para conservar a umidade, em meio à aridez regional. Na cultura vermelha instalam as moradias e quintais, estabelecem as pequenas criações, ampliam as roças e integram os sistemas produtivos, ligando o carrasco com suas possibilidades de extrativismo e solta do gado com os aluviões, onde estão a maior parte das lavouras e a água. Os quilombolas dominam um sistema próprio de estratificação dos ambientes, com base em uma lógica que pode ser explicada, interpretada e articulada ao conhecimento gerado no meio científico. Para isso, construiu-se chaves de identificação dos ambientes com base nos critérios dos quilombolas, elaborou-se modelos de distribuição dos solos na paisagem e fez-se o levantamento semidetalhado dos solos do território de Brejo dos Crioulos. As informações obtidas com base no saber local, o aprofundamento da caracterização dos ambientes e o mapeamento de solos contribuíram para a melhor compreensão das estratégias agroalimentares dos quilombolas. Estes consistem em resultados, que ao serem interrelacionados, podem subsidiar processos de planejamento e usos sustentáveis das terras do território quilombola.
There n increasing incorporation and appropriation of the epistemologies towards the sustainability, valorization of the man-environment relationships and the perception of the need for maintaining the complexity of the productive systems in response to the environmental degradation process, aggravated by practices of the reductionist paradigms. Local knowledge of traditional populations on the environment where they live has usually been not considered in the research and development programs, although many studies recognize and confirm its importance for developing research programs suitable to the specificities of the local agroecosystems. The difficulty of the soil science community in considering the local knowledge of the family-based farmers, of the indigenous peoples, of the quilombolas (local traditional black communities) and others, lead to the need for incorporating other aspects and approaches in the agrosystem studies. The combination of natural and social sciences and the consolidation of the crossing fields knowledge such as the agroecology, etnoecology and etnopedology may contemplate a broader environmental comprehension under an integrated view, with participation of the local population. In this sense, this study was carried out to identify, and to value the traditional knowledge concerning both soil and environment, as well as interrelate it to the knowledge in the scientific context. So, the environments of the quilombola territory in the Brejo dos Crioulos were stratified on the basis of local people s criteria and by the conventional pedological method, taking into account the soil and its interface with other environmental components. The characterization of the agroecosystems was associated to the interpretation and recognition of the logic of the traditional systems for use and management of the natural resources, as articulating the local knowledge with the information generated by the knowledge in the scientific context. The quilombolas identified four macroenvironments that were compatible with distinctions of the geoenvironments from which the stratification was based: on the geomorphology and geology, pedology and the influence of the water cycle in the territory, as follows: (i) brejo (wetland - Holocenic alluvia); (ii) vazante , moister place connected with a water course above wetland (colluvium- alluvial ramps - inferior third of hillsides); (iii) cultura vermelha (red land associated with colluvium ramps - medium and superior third of hillsides); (iv) carrasco (environment associated to clayish and sandy covers and thorny vegetation - landscape top). In addition, there is the furado complex occurring in dolinas (depression formed in calcareous areas karst) that are not supplied by the Arapuim river. In the furados , there are eutrophic soils resulting from the erosion process in the terrain, and they constitute areas receiving water and sediments, that are surrounded by an ample carrasco domain. During the rainy period, there occurs the accumulation and stagnation of water, therefore favouring the gleying and forming the environment locally recognized as brejo de furado . The typical toposequence formed by those enviroments is characterized by the following occurrence: Fluvic Inceptsols and Haplic Gleysols in the brejo ; Haplic Cambisols in the vazante ; Eutric Red Latosols in the cultura vermelha and Dystric Red Latosols in the carrasco . As the weathering process intensifies, the micas occurring in the brejo (area with good natural fertility and unaffected by salts) are turned into 2:1 clays until predominating the kaolinite in the Eutric Red Latosols ( cultura vermelha ). This bases removal process culminates with the characteristic dystrophy of the carrasco soils at the landscape top. It was verified that quilombolas recognize the best time, the environment (earth, moisture, microclimate), the species and variety, as well as combine activities and present the conjunct of practices that allow for the sustenance of their families. They take advantage of the natural fertility and the higher capacity that the soils in the brejo and vazante have to conserve the moisture in the regional aridity. In the cultura vermelha , they install their homes and backyards, establish the raising of small animals, amplify the cropping and integrate the productive systems, as linking the carrasco and their extractivism possibilities and cattle release with the alluvia, where most agriculture and water are found. The quilombolas dominate an own environmental stratification system, by basing on a logic that can be explained, interpreted and articulated to the knowledge generated in the scientific context. So, keys for the identification of the environments were constructed, based on the quilombolas criteria, as well as some models of the soil distribution in the landscape were elaborated and a semidetailed survey of the soils in the Brejo dos Crioulos territory was performed. The information obtained was based on the local knowledge, the deepening of the environmental characterization and the soil mapping rather contributed for better understanding of the quilombolas´ agricultural strategies. When interrelated, those results can subsidize the planning processes and the sustainable use of the lands in the quilombola territory.
Palavras-chave: Etnopedologia
Conhecimento local
Pedologia
Comunidade tradicional
Etnopedology
Local knowledge
Pedology
Traditional community
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::CIENCIA DO SOLO
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,
Programa: Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas
Citação: MATOS, Laudiceio Viana. Knowledge in the environment analysis: the pedology and local knowledge in the quilombola community on northern Minas Gerais. 2008. 182 f. Dissertação (Mestrado em Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/5400
Data do documento: 25-Fev-2008
Aparece nas coleções:Solos e Nutrição de Plantas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf4,17 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.