Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/5499
Tipo: Dissertação
Título: Recomendação de fertilizantes para violeta africana de acordo com o requerimento e suprimento nutricional
Título(s) alternativo(s): Recommendation of fertilizers for african violet in accordance with the application and supply nutrition
Autor(es): Matta, Patrícia Morais da
Primeiro Orientador: Venegas, Victor Hugo Alvarez
Primeiro coorientador: Mattiello, Edson Marcio
Segundo coorientador: Neves, Júlio César Lima
Primeiro avaliador: Barbosa, José Geraldo
Segundo avaliador: Fernandes, Raphael Bragança Alves
Abstract: A adubação é o maior gargalo para a produção de violetas, visto que não há recomendações específicas para as mesmas. Assim, foi desenvolvido um método para recomendação de adubação baseado na demanda e requerimento da planta e suprimento do substrato. No método do suprimento nutricional os princípios gerais das leis de adubação são satisfeitos. Os objetivos deste trabalho foram: determinar a demanda e a taxa de recuperação de macro e micronutrientes pela violeta africana; estimar as taxas de recuperação de macro e micronutrientes pelos extratores de formas disponíveis e determinar a dose que supra os requerimentos de violeta africana durante todo o ciclo. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, na UFV. O arranjo experimental utilizado foi um fatorial (2×6×4)+1, duas variedades de violeta, Kalisa e Fiesta, cultivadas com seis doses (0, 20, 40, 60, 120 e 200 mg/dm3/aplicação) de adubo fluido, sendo cada aplicação de 100 mL a cada 7 d por unidade experimental (composta por um prato com 3 vasos de 0,4 dm³ de substrato e uma planta cada), e 4 épocas de colheita (35, 70, 105 e 140 d após o início da aplicação das doses de adubo), totalizando 48 tratamentos, mais o tempo zero correspondente a amostragem feita nas mudas no dia em que chegaram ao departamento. Em cada colheita foi coletada também uma amostra do substrato de cada unidade experimental, para análise química. A parte vegetal (folha, meristema e inflorescência) foi seca em estufa de circulação forçada a 70 °C, pesada, moída e calcinada (0,1 g) em mufla a 475 °C. Posteriormente foi adicionado 10 mL de HCl 0,1 mol/L e o extrato foi filtrado, acrescentando 10 mL de água deionizada (volume final 20 mL). Em seguida os teores de S, Ca, Mg, B, Mo, Zn, Fe, Mn e Cu, foram analisados por espectrofotômetria de emissão ótica em plasma induzido (ICP-OES), de P por colorimetria, de K por fotômetria de chama e de N pelo método Kjeldahl (Jackson, 1979; Bremner, 1979). A partir do teor do nutriente i (tNui) e da produção de matéria seca de cada órgão vegetal (mMSO) da planta, foi obtido o conteúdo do nutriente por órgão vegetal (cNuov = tNui×mMSO) e, pelo somatório, o conteúdo total do nutriente na planta (cNuit = cNu Inflorescência + cNu Folha + cNu Meristema). O requerimento do nutriente pela planta é obtido pela divisão da demanda nutricional pela taxa de recuperação do nutriente pela planta. A taxa de recuperação pelo extrator foi calculada de duas formas, com o objetivo de estimar a quantidade real de nutrientes presentes no substrato, já que os extratores não são capazes de extrair 100 % dos nutrientes disponibilizados, para isso foi dividido as quantidades encontradas no substrato por cada uma das taxas de recuperação do extrator calculadas. Já a taxa de recuperação pela planta foi calculada por sete equações diferentes, onde o numerador era sempre [100 (d̂ Nuij d̂ Nui0) ]; em que dNuij= Demanda do nutriente i pelas plantas fertilizadas com a dose j, em mg/pl e dNui0= Demanda nutriente i absorvido pelas plantas na dose 0, em mg/pl; e os denominadores foram: qNuiDj = Quantidade do nutriente i disponibilizado pela aplicação da dose j, em mg/vaso ; q̂ NuiDjS = Quantidade do nutriente i disponibilizado pela aplicação da dose j, e pela quantidade do nutriente i disponibilizado pelo substrato, em mg/vaso. q̂ NuiSij = Quantidade do nutriente i disponibilizado pelo substrato na dose j, em mg/vaso. q̂ NuiSc = Quantidades do nutriente i disponibilizado pelo substrato, corrigidas pela taxa de recuperação pelo extrator do nutriente i na dose j, em mg/vaso . q̂ NuiDjSc,= Quantidade do nutriente i disponibilizado pela aplicação da dose j, em mg/vaso e pela quantidade disponibilizada pelo substrato, por vaso, corrigidas pela taxa de recuperação pelo extrator do nutriente i na dose j, em mg/vaso. q̂ NuiSm, = Quantidade do nutriente i disponibilizado pelo substrato corrigido pela taxa de recuperação média pelo extrator do nutriente i na dose j, em mg/vaso . q̂ NuiDjSm = Quantidade do nutriente i disponibilizado pela aplicação da dose j, em mg/vaso, e pela quantidade do nutriente i disponibilizado pelo substrato corrigido pela taxa de recuperação média pelo extrator do nutriente i na dose j. A equação que representa melhor as taxas de recuperação pela planta é aquela cujo denominador é: q̂ NuiDjSm , devido aos valores intemediários de taxas de recuperação que apresenta, o que gera um requerimento que supre as necessidades da planta e é economicamente viável. As maiores taxas de recuperação pelo extrator foram para K; A variedade Fiesta apresentou maior conteúdo de macro e micronutrientes, em relação a variedade Kaliza exceto para Fe; As duas variedades não apresentaram diferenças significativas em relação ao acúmulo de massa de matéria seca; As maiores taxas de recuperação pela planta foram para K, N e Mo; A dose 120 mg/dm³/aplicação proporcionou maior acúmulo de matéria seca, com altas taxas de recuperação, sendo a dose recomendada para ambas variedades.
Fertilization is the most limited factor to violets production, since there are no specific recommendations for the same. Thus, a method was developed for fertilizer recommendation based on demand and nutritional requirement of the crop, the method of nutrient supply, in which the general principles of the laws of fertilization are satisfied. The objectives of this study were to determine the demand and the rate of recovery of macro and micronutrients by the African violet; estimating recovery rates of macro and micronutrients by extractors forms available and determine the dose that meets the requirements of African violet throughout the cycle . The experiment was conducted in a greenhouse at UFV. The experimental design used was a factorial (2 × 6 × 4) +1, two varieties of violet, Kalisa and Fiesta, cultivated with six doses (0, 20, 40, 60, 120 and 200 mg/dm3/aplicação) fertilizer fluid, each application of 100ml every 7 d for the experimental unit (consisting of a plate 3 pots of 0.4 dm ³ of each substrate and a plant), and four harvest times (35, 70, 105, and 140 d after the start of application of fertilizer levels), totaling 48 treatments, more time zero corresponding to the sampled saplings on the day they arrived in the department. In each sample was also collected a sample of the substrate of each experimental unit for chemical analysis. The plant part (leaf, and inflorescence meristem) was dried in forced-circulation oven at 70 ° C, weighed, ground and calcined (0.1 g) in an oven at 475 ° C. Thereafter was added 10 ml of HCl 0.1 mol / L and was filtered extract, adding 10 mL deionized water (final volume 20 mL), and followed by analysis of S, Ca, Mg, B, Mo, Zn, Fe, Mn and Cu in inductively coupled plasma optical emission spectrophotometer (ICP-OES), of which P was determined by colorimetry, the flame photometer for K and N by the Kjeldahl method (Jackson, 1979; Bremner, 1979). From the content of the nutrient i (tNui) and the dry matter yield of each plant organ (MMSO) plant was obtained by the nutrient content of plant organ (cNuov = tNui × MMSO) and, by summation, the total content the nutrient in the plant (cNuit = CNu Leaf + CNu Inflorescence + CNu Meristem). The nutrient requirement of the plant is obtained by dividing the demand for nutritional recovery rate of nutrient by the plant. The recovery rate was calculated by the extractor in two ways, with the goal of estimating the actual amount of nutrients present in the substrate, since the extractors are not able to extract 100% of the nutrients available to it was divided quantities found in the substrate for each extractor recovery rates calculated. The rate of recovery was calculated by the plant differential equations 7, where the numerator was always [100 (d̂ Nuij - d̂ Nui0)]; where dNuij = Demand nutrient by plants fertilized with j dose in mg / pl; and dNui0 = Demand nutrient absorbed by plants in the 0 dose in mg / pl, and the denominators were q̂NuiDji = Amount of nutrient provided by dosing j, per pot, in mg / pot; q̂NuiDjSi = Amount of nutrient available from dosing j, per pot, in mg / jar and the amount of nutrient i provided by the substrate in mg / jar. q̂NuiSij = Amount of nutrient substrate provided by the j dose in mg / jar. q̂NuiSc = Quantities provided by the nutrient substrate per pot adjusted by the rate of recovery by extraction of the nutrient i j dose in mg / jar. q̂NuiDjSc, = Amount of nutrient provided by applying j dose in mg / pot and the amount provided by the substrate per pot adjusted by the rate of recovery by extraction of the nutrient i j dose in mg / jar. q̂NuiSm = Amount of nutrient provided by the substrate corrected for the average recovery rate of nutrient extractor i j dose in mg / pot. q̂NuiDjSm = Amount of nutrient provided by applying j dose in mg / pot, and the amount of the nutrient substrate provided by i corrected by the average recovery rate of nutrient by the extractor i j dose in mg / jar. The equation that represents better recovery rates by the plant is one whose denominator is: q̂NuiDjSm due to the values of recovery rates Intermediates presenting, which creates an application that meets the needs of the plant and is economically viable. The highest recovery rates were for the extractor K; Variety Fiesta showed higher content of macro and micronutrients in relation to variety Kaliza except for Fe; Both varieties showed no significant differences in relation to the accumulation of dry matter; Higher recovery rates for the plant were to K, N and Mo; dose 120 mg / dm ³ / application provided greater dry matter accumulation, with high recovery rates, and the recommended dose for both varieties.
Palavras-chave: Taxa de recuperação pela planta
Taxa de recuperação pelo extrator
Requerimento
Recovery rate by the plant
Recovery rate by extraction
Application
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::CIENCIA DO SOLO
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,
Programa: Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas
Citação: MATTA, Patrícia Morais da. Recommendation of fertilizers for african violet in accordance with the application and supply nutrition. 2012. 73 f. Dissertação (Mestrado em Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química,) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/5499
Data do documento: 7-Nov-2012
Aparece nas coleções:Solos e Nutrição de Plantas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf839,14 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.