Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/6325
Tipo: Tese
Título: Pobreza, desigualdade e mobilidade de renda no meio rural brasileiro
Poverty, inequality and income mobility in rural Brazil
Autor(es): Bastos, Patrícia de Melo Abrita
Abstract: Nesta tese, buscou-se entender o processo de geração da renda e sua distribuição no meio rural brasileiro ao longo do tempo, 2001 a 2012. A escolha desse corte justifica-se devido às profundas mudanças que têm alterado a dinâmica da renda no meio rural, como o avanço das ocupações não agrícolas, aumento do número de beneficiários de transferências de renda e pelo aumento dos aposentados pelo regime especial de aposentadoria rural. Utilizando dados da PNAD, buscou-se investigar os fatores socioeconômicos e aqueles relativos à produtividade, à infraestrutura e ao tipo de ocupação, a fim de lançar luz sobre as causas associadas ao estado de pobreza e desigualdade de renda no meio rural. Todas essas questões serão analisadas considerando o fator tempo. A introdução da dimensão temporal torna-se importante devido à relação com a possibilidade de resolução desse problema. Quando o período de estado de privações é curto, as famílias podem amenizar essa situação, buscando empréstimos, reduzindo gastos e vendendo alguns objetos de valor etc. Entretanto, quando a pobreza persiste por um período maior, a situação fica insustentável, e as consequências são muitas, sendo duas das piores: a desnutrição e a fome. Para a análise da desigualdade, também é necessária a incorporação do fator tempo. A oportunidade de ascensão social pode ser definida como a evolução da desigualdade ao longo do tempo. A mobilidade de rendimento refere-se ao crescimento da renda do indivíduo que lhe confere mudança de posição na distribuição de renda, tendo a mobilidade desta implicações diretas na avaliação da desigualdade. Em suma, foi possível constatar que as três principais mudanças pelas quais o meio rural está passando estão contribuindo para a redução da pobreza e desigualdade de renda no meio rural. Quanto à dinâmica da pobreza, constatou-se que a maior parte da dependência da pobreza advém de uma dependência genuína de estado. Assim, as famílias afetadas pela persistência da pobreza precisarão do auxílio de políticas do governo, como as transferências de renda, para superarem esse estado. Foi possível observar que a mobilidade de rendimento no meio rural é baixa, agravando ainda mais o quadro de desigualdade no meio rural. Nesse contexto, observa-se, no meio rural, uma sociedade com classes sociais bem definidas e sem alterações ao longo do tempo.
In this thesis, we aimed to understand the process of income generation and its distribution in the Brazilian rural areas over time, from 2001 to 2012. The choice of these period is justified considering the deep changes that have altered the income dynamics in rural areas, such as the progress of non-agricultural occupations, increase in tNesta tese, buscou-se entender o processo de geração da renda e sua distribuição no meio rural brasileiro ao longo do tempo, 2001 a 2012. A escolha desse corte justifica-se devido às profundas mudanças que têm alterado a dinâmica da renda no meio rural, como o avanço das ocupações não agrícolas, aumento do número de beneficiários de transferências de renda e pelo aumento dos aposentados pelo regime especial de aposentadoria rural. Utilizando dados da PNAD, buscou-se investigar os fatores socioeconômicos e aqueles relativos à produtividade, à infraestrutura e ao tipo de ocupação, a fim de lançar luz sobre as causas associadas ao estado de pobreza e desigualdade de renda no meio rural. Todas essas questões serão analisadas considerando o fator tempo. A introdução da dimensão temporal torna-se importante devido à relação com a possibilidade de resolução desse problema. Quando o período de estado de privações é curto, as famílias podem amenizar essa situação, buscando empréstimos, reduzindo gastos e vendendo alguns objetos de valor etc. Entretanto, quando a pobreza persiste por um período maior, a situação fica insustentável, e as consequências são muitas, sendo duas das piores: a desnutrição e a fome. Para a análise da desigualdade, também é necessária a incorporação do fator tempo. A oportunidade de ascensão social pode ser definida como a evolução da desigualdade ao longo do tempo. A mobilidade de rendimento refere-se ao crescimento da renda do indivíduo que lhe confere mudança de posição na distribuição de renda, tendo a mobilidade desta implicações diretas na avaliação da desigualdade. Em suma, foi possível constatar que as três principais mudanças pelas quais o meio rural está passando estão contribuindo para a redução da pobreza e desigualdade de renda no meio rural. Quanto à dinâmica da pobreza, constatou-se que a maior parte da dependência da pobreza advém de uma dependência genuína de estado. Assim, as famílias afetadas pela persistência da pobreza precisarão do auxílio de políticas do governo, como as transferências de renda, para superarem esse estado. Foi possível observar que a mobilidade de rendimento no meio rural é baixa, agravando ainda mais o quadro de desigualdade no meio rural. Nesse contexto, observa-se, no meio rural, uma sociedade com classes sociais bem definidas e sem alterações ao longo do tempo.he number of beneficiaries of income transfers and increase in the number of retired people by the special regime of rural retirement. Using data from the National Household Sample Survey – PNAD, we aimed to investigate the socioeconomic factors and those related to productivity, infrastructure and the type of occupation in order to understand the causes associated to poverty and income inequality in rural areas. All these issues will be analyzed considering the time factor. The introduction of the time dimension becomes important since it is related to the possibility of solving this problem. When the deprivation state period is short, families can ease this situation seeking loans, reducing expenses, selling some valuables, and so forth. However, when poverty persists for a longer period of time, the situation becomes unsustainable, and the consequences are many, two of the worst are: malnutrition and hunger. For the analysis of inequality, it is also necessary to incorporate the time factor. The opportunity of upward social mobility can be defined as the evolution of inequality over time. The income mobility refers to the income growth of the individual that causes change in the position in income distribution, and the mobility of it has direct implications in the evaluation of inequality. In short, it was possible to state that the three major changes that the rural environment is experiencing are contributing to the reduction of poverty and income inequality in the rural areas. As for the poverty dynamics, we can conclude that most of the poverty dependence comes from a genuine dependence of state. Thus, families affected by persistent poverty will need the help of government policies, such as income transfers, to overcome this state. It was observed that the income mobility in rural areas is low, aggravating even more the inequality situation in rural areas. In this context, it is observed in rural areas a society with social classes that are well-defined and unchanged over time.
Palavras-chave: Pobreza Rural
Renda - Distribuição
CNPq: Economia do Bem-Estar Social
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/6325
Data do documento: 4-Dez-2014
Aparece nas coleções:Economia Aplicada

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdfTexto completo467,36 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.