Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/6328
Tipo: Dissertação
Título: O comportamento do spread bancário em um contexto macroeconômico
The behavior of banking spreads in a macroeconomic context
Autor(es): Cruz, Alexandre Carvalho da
Abstract: O spread bancário é medido como a diferença entre as taxas de aplicação e de captação dos bancos. Altos spreads estão relacionados a altos custos bancários e a menor oferta de crédito. Ao se relacionar o desenvolvimento do setor financeiro, o qual é responsável pela intermediação entre ofertantes e demandantes de crédito, com o crescimento do setor produtivo, enfatiza-se a importância do crédito para o crescimento econômico. De forma a manter um setor financeiro saudável é necessário que se mantenha um nível de spread que permita a intermediação financeira, mas não a torne proibitiva, impedindo a difusão do crédito. A literatura dos determinantes do spread bancário indica que a estrutura de concorrência dos bancos, entre outros, é um fator que influencia o spread bancário. De forma a captar os efeitos de mercados de depósitos e de crédito bancários com uma estrutura concorrencial monopolisticamente competitiva, modifica-se o modelo de Gerali et al. (2010) para incorporar a preferência pelo lazer das famílias e dos empreendedores. A partir do modelo proposto, são avaliados os efeitos de choques sobre as variáveis macroeconômicas consumo e trabalho das famílias e empreendedores, salário das famílias, índice de preços, produto, investimento, capital, taxa de utilização, crédito, depósitos, taxa básica, taxa de empréstimos, taxa de depósitos, e spread bancário. A estratégia de calibração utilizada permite situar os países quanto ao nível de concorrência bancária condizente com o spread bancário médio apresentado. O nível de concorrência dos países é medido em termos da elasticidade de substituição por depósitos e empréstimos, a qual mede o grau de substitutibilidade desses contratos bancários. Dentre a amostra de países utilizada, o Brasil é o país com o maior spread médio e, portanto, apresenta tanto um mercado de depósitos quanto um mercado de empréstimos com uma estrutura concorrencial próxima a um monopólio. Para o mercado de depósitos de Austrália, Canadá, China, Japão, Coreia do Sul, Espanha e Reino Unido, o nível de spread médio é condizente com uma estrutura de mercado perfeitamente competitiva. Os valores calibrados das elasticidades de substituição de depósitos e empréstimos para o Brasil, − . e . , respectivamente, não possibilitam o cálculo computacional pois, para valores próximos de | |, o problema torna-se indeterminado. De forma a contornar esse problema, são apresentados dois cenários. O primeiro consiste em avaliar a resposta aos choques no caso em que a elasticidade de substituição é a maior possível e o segundo ixconsiste em avaliar a resposta aos choques no caso em que a elasticidade de substituição é a menor possível. Em geral, a resposta do spread bancário aos choques é maior quando a estrutura de mercado dos bancos é mais próxima da concorrência perfeita, com um ajuste mais rápido ao estado estacionário. Já quando a estrutura de mercado dos bancos é mais próxima de um monopólio, as variáveis apresentam um ajuste mais prolongado ao estado estacionário.
The banking spread is measured as the difference between the investment and the funding rates of the banks. High banking spreads are related to high bank charges and to the lower supply of credit. In relating the development of the financial sector, which is responsible for the intermediation between suppliers and demanders of credit, with the growth of the productive sector, is emphasized the importance of credit for economic growth. In order to maintain a healthy financial sector is necessary to maintain a spread level that allows financial intermediation but not turns it prohibitive, preventing the spread of credit. The literature of the determinants of the banking spread indicates that the competitive structure of the banks, among others, is a factor that influences the banking spread. In order to capture the effects of deposit and credit markets in a monopolistically competitive structure, we modify Gerali et al. (2010) model to incorporate a parameter of preference for leisure of families and entrepreneurs. Departing from the proposed model, we evaluate the effects of shocks on the following macroeconomic variables: consumption and work of households and entrepreneurs, household wages, price index, output, investment, capital utilization rate, credit, deposits, base interest rate, loans rate, deposit rate and bank spread. The calibration strategy used allow us to situate the level of banking competition across countries according to the average banking spread presented. The level of competition of countries is measured in terms of the elasticity of substitution for deposits and loans, which measures the degree of substitutability of these bank contracts. Among the sample used countries, Brazil present the highest average spread and thus presents both a deposit market and a loans market with a competitive structure next to a monopoly. For the deposit market of Australia, Canada, China, Japan, South Korea, Spain and the UK, the average spread level is consistent with a perfectly competitive market structure. The calibrated values of the elasticities of substitution for Brazilian deposits and loans markets, − . and . respectively, do not allow the computational calculation because for values close to | |, the problem becomes indeterminate. In order to work around this issue, we present two scenarios. The first is to evaluate the response to shocks in the case where the elasticity of substitution is the highest possible and the second consists of assessing the response to shocks in the case where the elasticity of substitution is the smallest possible. In general, the response of the bank spread to shocks is higher xiwhen the market structure of banks is closer to perfect competition, with a faster adjustment to the steady state. On the other hand, when the market structure of banks is closer to a monopoly, the variables have a longer adjustment to the steady state.
Palavras-chave: Banco
Taxas de juros
Lucro
Spread bancário
Cálculo computacional
CNPq: Economia Aplicada
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/6328
Data do documento: 25-Fev-2015
Aparece nas coleções:Economia Aplicada

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdfTexto completo1,01 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir
apendice_B.pdfApêndice B1,35 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.