Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/7185
Tipo: Tese
Título: Organominerais na alimentação de frango de corte
Organic trace mineral in poultry diets
Autor(es): Vieira, Rodolfo Alves
Abstract: Dois experimentos foram realizados no setor de avicultura da Universidade Federal de Viçosa no sentido de avaliar a suplementação de microminerais quelatados e selênio levedura em reduzidos níveis em dietas para frangos de corte e comparar seus efeitos entre os diferentes níveis suplementados com a suplementação de microminerais inorgânicos a níveis industriais. No primeiro experimento foram avaliados a suplementação dos microminerais nos períodos de 1 a 21dias e de 1 a 49 dias, sendo utilizado um total de 2000 frangos de corte machos da linhagem comercial Cobb 500, distribuídos em um delineamento experimental em blocos casualizados com 8 tratamentos, 10 repetições e 25animais por unidade experimental. Os tratamentos constituíram de uma dieta sem suplementação de microminerais, uma dieta com suplementação de microminerais inorgânicos a nível industrial (100%) e seis dietas com microminerais quelatados (Zn, Mn, Fe, Cu) e Se levedura suplementados em percentuais médios de 11, 22, 33, 44, 55 e 66% da concentração dos microminerais suplementados na forma inorgânica a níveis industriais. O nível de 11% de suplementação na forma quelatada e de Se levedura garantiram o mesmo desempenho dos animais suplementados com minerais inorgânicos em níveis industriais (100%), entretanto, ao analisar a deposição tecidual, o nível de 33% da suplementação na forma de minerais quelatados e Se levedura foi o mais recomendado para garantir a manutenção do desempenho e a concentração de microminerais nos tecidos, apresentando a vantagem de reduzir a perda de microminerais na cama. No segundo experimento foram avaliados a suplementação de microminerias nos períodos de 21 a 35 dias e 21 a 42 dias de vida. Para isso foram utilizados 1760 frangos de corte machos da linhagem cobb 500, distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado com 8 tratamentos, 10 repetições e 22 animais por unidade experimental. Durante o período de 1 a 21 dias de vida, os animais foram suplementados com minerais quelatados e selênio levedura com o nível de 33% , determinado no experimento anterior, com excessão dos animais destinados ao tratamento com suplementação de minerais inorgânicos de 1 a 42 dias. Os 8 tratamentos foram: uma dieta suplementada com micromineirais inorgânicos a nível industrial de 1 a 42dias, uma dieta suplementado com microminerais inorgânicos a nível industrial porem apenas dos 21 a 42 dias, uma dieta sem suplementação de microminerais a partir dos 21 dias e 5 dietas com organominerais (Zn, Mn, Fe, Cu e Se), que suplementaram os animais em percentuais médios de 11, 22, 33, 45 e 56% da suplementação a nível industrial, porem na forma de organominerais. Assim como o primeiro experimento, o nível de 11% do nível industrial de microminerais na forma de organominerais garantiu o mesmo desempenho e qualidade de carne dos animais, entretanto, o nível de 22% foi o que proporcionou resultados de deposição tecidual igual a superior ao tratamentos suplementados com microminerais inorgânicos, sendo o mais recomendado. O nível de 33% do nível industrial de suplementação de microminerais na forma de organominerais no período de 1 a 21 dias e de 22% do nível industrial na forma de organominerais são suficientes para manter o desempenho, a deposição de minerais, Cu, Fe, Zn e Se nos tecidos e a qualidade de carne, com a vantagem de diminuir a excreção no ambiente.
Two trial were performed at poultry farm sector of Viçosa Federal University to assess the chelated trace mineral, and selenium yeast supplementation at low levels in diets for broilers, and compare their effects between the different supplementation levels of inorganic trace minerals supplemented industrial levels. Two experiments were performed at the Federal University of Viçosa poultry sector to assess the chelated trace mineral supplementation and selenium yeast at low levels in diets for broilers, and compare its effects between different levels of supplementation with the inorganic trace mineral supplemented as industrial levels. At the first experiment were evaluated trace minerals supplementation at 1 to 21 days and 1-49 days, and used a total of 2,000 male broilers of commercial line Cobb 500, distributed in a randomized complete block design with 8 treatments, 10 repetitions, and 25animais each. The treatments consisted of a diet without trace mineral supplementation, a diet supplemented with inorganic trace minerals as industrial level (100%), and six diets with chelated trace minerals (Zn, Mn, Fe, Cu) and Se yeast supplemented in average percentage of 11, 22, 33, 44, 55 and 66% of trace minerals concentration, supplemented in inorganic form as industrial levels. The level of 11% supplementation in chelated form and Se yeast get the same performance of animals supplemented with inorganic minerals as industrial levels (100%). However, after tissue deposition analyze, the 33% level of supplementation in the form of chelated minerals and Se yeast was the most suitable for ensuring the maintenance performance and the concentration of trace minerals in tissues, with the advantage of decrease trace mineral lost as excretions in the litter. The second experiment evaluated the microminerias supplementation at periods of 21-35 days, and 21-42 days. 1760 male broilers (cobb 500) were distributed in a completely randomized design with 8 treatments, 10 replicates of 22 animals each. During the period from 1 to 21 days, the animals were supplemented with chelated minerals and selenium yeast in the level of 33%, determined in the previous experiment, with the exception of animals for treatment with supplementation of inorganic mineral 1 to 42 days. The 8 treatments were: a diet supplemented with inorganic micromineirais as industrial level from 1 to 42dias, a diet supplemented with inorganic trace minerals as industrial level from 21 to 42 days, a diet with no trace mineral supplementation from 21 to 42 days, and 5 diets with organic minerals (Zn, Mn, Fe, Cu and Se) supplemented as average percentage of 11, 22, 33, 45 and 56% of industrial level supplementation, but in the organic mineral form. Like the first experiment, the level of 11% of industrial level, but in organic mineral form secured same performance, and quality of meat of animals. However, the level of 22% provided tissue deposition results equal to the upper when compared with inorganic trace minerals supplementation, therefore it was the most recommended. The level of 33% of industrial supplementation, but in organic form from 1 to 21 days, and the level of 22% of industrial supplementation, but in organic form are sufficient to maintain the performance, the mineral deposition in tissues, the meat quality, with the advantage of reducing the mineral excretion into the environment.
Palavras-chave: Frango - Alimentação e rações
Minerais na nutrição animal
Desempenho
CNPq: Avaliação de Alimentos para Animais
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: VIEIRA, Rodolfo Alves. Organominerais na alimentação de frangos de corte. 2015. 52 f. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2015.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/7185
Data do documento: 18-Fev-2015
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo347,05 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.