Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/8553
Tipo: Dissertação
Título: História evolutiva de Melanopareia torquata (Aves: Melanopareiidae) em ambientes abertos e secos da América do Sul: diversificação vocal, morfológica e genética
Evolutionary history of Melanopareia torquata (Aves: Melanopareiidae) in open and dry South American habitats: vocal, morphological and genetic diversification
Autor(es): Palhares, Cíntia Oliveira Meneses
Abstract: Melanopareia torquata, encontrada no leste do Paraguai e em todos os estados brasileiros por onde o Cerrado se estende, apresenta duas subespécies, M. t. torquata e M. t. rufescens. Esta espécie, juntamente com M. bitorquata, a única outra espécie do gênero encontrada no Brasil e que foi recentemente elevada ao status de espécie independente, constituem um modelo de interesse ao estudo e compreensão dos padrões de diversificação das savanas Neotropicais. Embora M. bitorquata tenha morfologia e limites de distribuição bem definidos, as subespécies de M. torquata apresentam grande variação morfológica, comprometendo a delimitação clara de sua distribuição e a sua diagnose. Este estudo pretende, a partir de caracteres morfológicos, vocais e moleculares, reavaliar o status taxonômico e limites intra e interespecíficos dessas espécies, além de investigar os padrões geográficos e temporais de diversificação do grupo, avaliando os possíveis processos climáticos, geológicos e biogeográficos associados à sua diversificação. As análises morfológicas não foram eficientes para a delimitação de grupos intraespecíficos em M. torquata, devido à já relatada variação clinal e individual das variáveis avaliadas. De forma semelhante, os caracteres bioacústicos são bastante similares entre todos os grupos, não tendo sido eficazes na delimitação dos taxa estudados. A abordagem molecular, por outro lado, apresentou agrupamentos muito divergentes e com grande diversidade genética e estruturação geográfica para todos os clados avaliados e para grupos internos em cada clado. As datações indicaram que o complexo M. torquata se originou no início do Plioceno, quando houve a divergência de M. t. rufescens e outro clado contendo M. t. torquata como irmã de M. bitorquata. Embora os dados disponíveis e os métodos utilizados não permitiram chegar a uma delimitação segura da distribuição geográfica de M. t. torquata e de M. t. rufescens, nem indicar caracteres que possam ser utilizados na diagnose entre elas, as análises moleculares indicaram a existência de três clados igualmente divergentes, com evidência de especiação sem diferenciação morfológica e vocal claras. Esse estudo mostra as complexidades e dificuldades inerentes à tentativa de delimitar grupos taxonômicos, especialmente na América do Sul, que apresenta cenários biogeográfico e evolutivo sabidamente complexos.
Melanopareia torquata occurs in eastern Paraguay and in all Brazilian states where the Cerrado extends, harboring two subspecies, M. t. torquata and M. t. rufescens. This species, together with M. bitorquata, the only other species in the genus found in Brazil and that has recently been elevated to species status, is a model of interest to the study and understanding of the diversification of Neotropical savannas. Although M. bitorquata shows well established morphological characters and range limits, the subspecies of M. torquata exhibit large morphological variation, hampering a clear delimitation of their range and diagnosis. This study aims to reevaluate, using morphological, vocal and molecular tools, the taxonomic status and intra- and interspecific limits of these species, and also to investigate the spatial and temporal patterns of diversification of the group, evaluating the possible climate, geological and biogeographical processes associated with its diversification. Morphological analyses were not useful for the delimitation of intraspecific groups within M. torquata due to the already reported clinal variation and large individual variation in the species. Similarly, bioacoustic parameters measured are quite similar between groups, being of little usage to the understanding of distribution and taxonomic limits of the species. The molecular approach, on the other hand, revealed very distinct clusters and great genetic diversity and geographic structure for all three clades evaluated, and also for internal groups in each clade. The complex M. torquata originated in early Pliocene, with a divergence between M. t. rufescens and the clade containing M. t. torquata as sister to M. bitorquata. We conclude that, although it was not possible to clearly delimit the geographical distribution of the subspecies of M. torquata, or point which characters are useful to diagnose them, the molecular analyses indicated the existence of three equally divergent clades with evidence of speciation without a clear morphological and vocal differentiation. This study shows the complexities and difficulties inherent to every attempt to delimit taxonomic groups, especially in South America, which is well known for their complex biogeographic and evolutionary scenarios.
Palavras-chave: Melanopareia torquata
Aves - Taxonomia
Aves - Morfologia
Canto dos pássaros - Análise
CNPq: Ciências Biológicas
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: PALHARES, Cíntia Oliveira Meneses. História evolutiva de Melanopareia torquata (Aves: Melanopareiidae) em ambientes abertos e secos da América do Sul: diversificação vocal, morfológica e genética. 2016. 73 f. Dissertação (Mestrado em Manejo e Conservação de Ecossistemas Naturais e Agrários) - Universidade Federal de Viçosa, Florestal. 2016.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/8553
Data do documento: 22-Mar-2016
Aparece nas coleções:Manejo e Conservação de Ecossistemas Naturais e Agrários - CAF

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo2,76 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.