Locus  

Otimização de técnicas de determinação da digestibilidade in vitro para a substituição da digestibilidade in vivo no cálculo do escore químico corrigido pela digestibilidade protéica – PDCAAS

Show simple item record

dc.contributor Rosa, José César
dc.contributor.advisor Oliveira, Maria Goreti de Almeida
dc.creator Pires, Christiano Vieira
dc.date.accessioned 2016-10-06T12:43:52Z
dc.date.available 2016-10-06T12:43:52Z
dc.date.issued 2005-06-15
dc.identifier.citation PIRES, Christiano Vieira. Otimização de técnicas de determinação da digestibilidade in vitro para a substituição da digestibilidade in vivo no cálculo do escore químico corrigido pela digestibilidade protéica – PDCAAS. 2005. 70 f. Tese (Doutorado em Bioquímica Agrícola) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2005. pt-BR
dc.identifier.uri http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/8791
dc.description.abstract O presente trabalho teve como objetivos determinar a digestibilidade in vivo, ajustar equações para a determinação da digestibilidade in vitro por meio de diferentes métodos e verificar qual método desenvolvido para a digestibilidade in vitro apresenta maior correlação com a digestibilidade in vivo, além de determinar o Coeficiente de Eficácia Protéica (PER), a Razão Protéica Líquida (NPR), o teor de aminoácidos, o escore químico de aminoácidos (EQ) e o escore químico de aminoácidos corrigido pela digestibilidade protéica (PDCAAS). Foram utilizadas as seguintes fontes de proteína: carne de rã sem osso, carne de rã com osso, carne de rã mecanicamente separada (CMS), carne bovina, ovo em pó, caseína, trigo, milho, soja convencional, soja isenta de inibidor de tripsina Kunitz e de lipoxigenases (soja KTI - LOX - ), proteína texturizada de soja (PTS) e feijão. Os valores de digestibilidade in vivo variaram entre 71,76% (soja convencioanal) e 93,37% (rã sem osso), em que as proteínas de origem animal apresentaram maiores valores que as de origem vegetal. Carne de rã sem osso foi a proteína com maior digestibilidade protéica de todas as proteínas estudadas. Das proteínas de origem animal, o ovo em pó foi aquela que apresentou menor digestibilidade protéica. Nenhuma das proteínas de origem animal apresentou aminoácidos essenciais limitantes quando comparadas com o padrão da FAO/WHO. Feijão, soja convencional, soja KTI - LOX - e PTS tiveram o aminoácido sulfurado (metionina) como limitante, enquanto para trigo e milho o aminoácido mais limitante foi a lisina. Soja KTI - LOX - e PTS exibiram valores de PDCAAS superiores aos da soja convencional, indicando uma possível elevação na qualidade protéica da soja melhorada geneticamente e da soja processada. Para o cálculo da digestibilidade in vitro foram testados dois métodos, um que usa valores de pH obtidos em 10 e 20 min após a adição da solução de enzimas e outro chamado de método do pH estático, o qual mede o volume de NaOH adicionado necessário para manter em 8,0 o valor de pH da solução de proteínas após a adição da solução enzimática. No método da queda de pH, as melhores equações foram obtidas quando se trabalhou com os valores de pH obtidos após 10 min da solução de enzimas. Dessas equações, as que tiveram maiores valores de R 2 foram confeccionadas sem a presença de caseína. Já no método do pH estático as equações que permitiram melhor correlação entre volumes de NaOH com digestibilidade foram aquelas nas quais se usavam todas as fontes de proteína e aquela em que não estava presente a caseína. O uso de técnicas in vitro para a determinação da digestibilidade protéica trará uma série de benefícios, pois requer menos tempo, ser mais barato e necessitar de menos mão-de-obra e espaço físico. Essa técnica permite que as análises sejam realizadas em um laboratório simples, necessitando apenas de um banho-maria, um pH-metro e um “freezer” para armazenamento das amostras e das enzimas, além de gastar pequena fração da fonte de proteína, ao contrário do que acontece em ensaios in vivo, em que é preciso muito material para o preparo das dietas. Por meio dessa técnica, evita-se também trabalhar com ratos, os quais, ao serem usados nos ensaios in vivo, devem ser sacrificados no final do experimento. pt-BR
dc.description.abstract The objective this work was to evaluate the quality nutritional, aminoacid chemist score (EQ) and aminoacid chemist score corrected by the protein digestibility (PDCAAS) of the following protein sources: frog meat boneless, frog meat with bone, frog meat of mechanically separated (CMS), bovine meat, egg, casein, wheat, corn, conventional soybean, soybean with absence the Kunitz Trypsin and Lipoxygenases (soybean KTI-LOX-), soybean texturized protein (PTS) and bean. The animal origin proteins introduced digestibility larger values which of vegetal origin. Frog meat boneless went to the protein with larger protean digestibility of all the studied proteins. Of the animal origin proteins, the egg was that introduced smaller protein digestibility. The chemical score was determined assuming as standard the FAO/WHO values for children from 2 to 5 years old. The animal origin proteins did not show any limiting essential aminoacid. Bean, conventional soybean, soybean KTI-LOX- and PTS they had as its limiting sulfurated aminoacid (methionine). While for wheat and corn the most limiting aminoacid went to the lysine. Soybean KTI-LOX- and PTS introduced PDCAAS values superiors which of the conventional soybean, showing a possible elevation in the protein quality of the soybean improved genetically and of the prosecuted soybean. For the calculation of the digestibility in vitro were tried two methods, one that uses pH values obtained in 10 and 20 minutes after the addition of the enzymes solution and the another, called method of pH static which measures NaOH necessary added volume to keep in 8,0 pH value of the proteins solution after the addition of the enzymatic solution. In the method of pH fall the best equations were obtained when it worked with pH values obtained after 10 minutes of the enzymes solution. The equations that had larger values of R 2 , they were made without the presence of casein. Already in the method of pH static the equations that allowed better correlation between NaOH volume with digestibility were those in which used all the protein sources and that in which it was not present for casein. en
dc.description.sponsorship Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais pt-BR
dc.language.iso por pt-BR
dc.publisher Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.rights Acesso Aberto pt-BR
dc.subject Alimentos pt-BR
dc.subject Enzimas pt-BR
dc.subject Proteínas pt-BR
dc.subject Qualidade pt-BR
dc.title Otimização de técnicas de determinação da digestibilidade in vitro para a substituição da digestibilidade in vivo no cálculo do escore químico corrigido pela digestibilidade protéica – PDCAAS pt-BR
dc.title Aminoacid chemist score and digestibility in vivo and in vitro of different protein sources en
dc.type Tese pt-BR
dc.subject.cnpq Ciências Agrárias pt-BR
dc.creator.lattes http://lattes.cnpq.br/2222104515904250 pt-BR
dc.degree.grantor Universidade Federal de Viçosa pt-BR
dc.degree.department Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular pt-BR
dc.degree.program Doutor em Bioquímica Agrícola pt-BR
dc.degree.local Viçosa - MG pt-BR
dc.degree.date 2005-06-15
dc.degree.level Doutorado pt-BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

  • Bioquímica Agrícola [208]
    Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Agrícola

Show simple item record

Search DSpace


Browse

My Account