Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/902
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorSchmidt, Fernando Augusto
dc.date.accessioned2015-03-26T12:35:57Z-
dc.date.available2012-11-26
dc.date.available2015-03-26T12:35:57Z-
dc.date.issued2012-02-24
dc.identifier.citationSCHMIDT, Fernando Augusto. Diversidade de formigas tropicais: fatores determinantes, escalas espaciais e congruência de comunidades. 2012. 116 f. Tese (Doutorado em Ciência entomológica; Tecnologia entomológica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.por
dc.identifier.urihttp://locus.ufv.br/handle/123456789/902-
dc.description.abstractEcólogos têm descrito as comunidades de espécies em diferentes escalas espaciais, que podem variar de local a regional. Assim, diferentes mecanismos tem sido propostos para explicar os padrões de diversidade em cada escala espacial. Além disso, de acordo com o determinismo local, comunidades de diferentes regiões, porém em habitats similares devem apresentar padrões de diversidade congruentes. Nesta tese, nós desenvolvemos perguntas referentes à estrutura de comunidades de formigas em diferentes escalas espaciais. No primeiro capítulo nós verificamos: (i) quais são os principais fatores determinantes da estrutura de comunidades de formigas, e (ii) em que escala espacial esses fatores atuam. Nós desenvolvemos as análises com comunidades de formigas de floresta e savana associadas a diferentes microhabitats (arborícola, epigeíco e hipogéico). Nós realizamos seleção de modelos, para verificar a influência de recursos e condições agindo como fatores da escala em estudo ou da escala imediatamente superior na diversidade de formigas. Em geral, fatores locais e fatores de meso-escala desempenharam uma influência relativa similar na diversidade de espécies de formigas em escala local. Na meso-escala os parâmetros avaliados parecem ter pouca influência sobre a comunidade de espécies de formigas. Entretanto, verificamos que os fatores que influenciam as comunidades de formigas tanto na escala local quanto na meso-escla diferem entre os tipos de habitat e microhabitat. No segundo capítulo, nós testamos a hipótese que comunidades de formigas de habitats similares, independente de seus valores absolutos de diversidade idionsicráticos, compartilham padrões semelhantes da contribuição relativa da diversidade alfa em escala local e da diversidade beta ao longo de diferentes escalas para a diversidade gama. Além disso, nós verificamos se as comunidades de formigas apresentam padrões similares de saturação/insaturação de espécies em escala local. Nós amostramos formigas epigéicas em habitats de floresta tropical e savana no Brasil e Indonésia. Em cada país, para cada tipo de habitat, nós selecionamos três paisagens, onde as formigas foram coletadas em quatro áreas ao longo de dez armadilhas do tipo pitfall em cada área. Independente das diferenças nos valores absolutos de diversidade, em todos os biomas, a diversidade alfa em escala local e a diversidade beta entre as paisagens foram maiores que o esperado pelo acaso e a diversidade beta entre armadilhas (escala local) e entre as áreas foram menores que o esperado pelo acaso. Além disso, nós encontramos um padrão de insaturação de espécies em escala local. Nós associamos estes congruência de padrões à elevada capacidade de dispersão das formigas em escalas espaciais pequenas e intermediárias. Isto possibilita uma elevada diversidade de espécies nas comunidades locais e um constante fluxo de espécies entre elas. Entretanto, o padrão de diversidade beta semelhante na escala de paisagem sugere que em ambos os países, processos históricos podem ter restringido o fluxo de espécies entre paisagens de forma semelhante. Portanto, nós entendemos que perspectivas como as descritas nesta tese têm um grande potencial para oferecer explicações satisfatórias sobre a estrutura de comunidades de formigas. Nós sugerimos que assimilação de mecanismos alternativos ao determinismo local é essencial para a elaboração de futuras hipóteses em relação aos padrões de diversidade em comunidades de formigas tropicais.por
dc.description.sponsorshipFundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageengeng
dc.publisherUniversidade Federal de Viçosapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectBiodiversityeng
dc.subjectCommunity ecologyeng
dc.subjectTheoretical ecologyeng
dc.subjectBiodiversidadepor
dc.subjectEcologia de comunidadespor
dc.subjectEcologia teóricapor
dc.titleTropical ant diversity: determinant factors, spatial scales and community congruenceeng
dc.title.alternativeDiversidade de formigas tropicais: fatores determinantes, escalas espaciais e congruência de comunidadespor
dc.typeTesepor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9795422766318092por
dc.contributor.advisor-co1Ribas, Carla Rodrigues
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4760718E3por
dc.contributor.advisor-co2Guerra Sobrinho, Tathiana
dc.contributor.advisor-co2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4707970U5por
dc.description.resumoCommunity ecologists have described the species assemblages at different spatial scales, which range from local to regional. Different mechanisms have been proposed to explain the diversity patterns in each spatial scale. Moreover, according to local determinism predictions, communities from similar habitats in different regions should present congruent diversity patterns. In this thesis, we addressed questions regarding the structure of ant communities at multiple scales. In the first chapter, we verified: (i) what are the main driving factors to the structure of ant communities, and (ii) in which spatial scales these factors act. We carried out the analyses with ant communities from different habitat types (forest and savanna) and from different microhabitats (arboreal, epigaic and hypogaeic ants) within the same habitat type. We performed model selection to verify the influence of resources and concitions acting as factors at the studied scale or at the immediately larger scale to ant diversity. In general, local factors and meso-factors played a similar relative influence on the ant diversity at local scale. At mesoscale, the parameters evaluated seem to loss their influence on the ant communities. However, we verified that the determinant factors of ant communities at local scale and mesoscale are different according the habitat types and microhabitats. In the second chapter, we hypothesized that ant communities at similar habitats, independent on their idiosyncratic absolute diversity values present similar patterns of relative contribution of alpha diversity at local scale and beta diversity acrros multi-scale to gamma diversity. Moreover, we verify if the ant communities present similar patterns of species saturation/insaturation at local scale. We sampled epigaeic ants in rainforest and savanna habitats in Brazil and Indonesia. In each habitat type of each country, we selected three landscapes in which the ants were sampled in four sites along ten pitfall traps in each site. Regardless the differences on the absolute values of species diversity and variation, in all biomes, α-diversity at local scale and β-diversity among landscapes (β3) were higher than expected by null models and β-diversity among pitfalls and among sites (β1 and β2 respectively) were lower. Moreover, we found a species insaturation pattern at local scale. We associated these convergent patterns among the ant communities of all biomes to a high ant dispersal ability, which overcomes the local constraints, conferring a higher α-diversity at local scale and lower β-diversities among pitfall and among sites (β1 and β2 respectively). However, at large scales, historical restrictions could impose similar constraints on the ant dispersion among the ant communities at landscape scale resulting in the higher observed β-diversity. Therefore, we understand that perspectives, such as described in this thesis, have a great potential to offer satisfactory explanations about the ant community structure. We suggest that assimilation of alternative mechanisms, besides local determinism, are essential to the elaboration of future hypothesis regarding to the diversity patterns of tropical ant communities.eng
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentCiência entomológica; Tecnologia entomológicapor
dc.publisher.programDoutorado em Entomologiapor
dc.publisher.initialsUFVpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIApor
dc.contributor.advisor1Schoereder, José Henrique
dc.contributor.advisor1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4783461Y6por
dc.contributor.referee1Neves, Frederico de Siqueira
dc.contributor.referee1Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4765998U9por
dc.contributor.referee2Louzada, Júlio Neil Cassa
dc.contributor.referee2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4791972E6por
dc.contributor.referee3Campos, Ricardo Ildefonso de
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/4480079684936769por
Aparece nas coleções:Entomologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf2,11 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.