Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/9069
Tipo: Tese
Título: Crescimento setorial no Brasil, 1960 a 2001: simulação de políticas macroeconômicas alternativas
Sectorial growth in Brazil, 1960 to 2001: simulation of alternative macroeconomic policies
Autor(es): Cypriano, Luiz Alberto Cypriano
Abstract: Este estudo abordou o desempenho do crescimento econômico brasileiro nas últimas quatro décadas. Apesar de períodos com ciclos de crescimento e de crises até o final da década de 70, a economia apresentou taxas elevadas de crescimento do produto, enquanto as décadas seguintes foram marcadas pelos graves desequilíbrios internos, em virtude da inflação, e externos, em razão da dívida, os quais ocasionaram baixa taxa de crescimento do produto e da renda per capita. O baixo crescimento econômico, em conseqüência de choques externos ou mesmo da adoção de políticas econômicas erradas, pode causar ineficiência na alocação dos recursos produtivos, desemprego, queda na produtividade e na competitividade, em um processo de degradação econômica com efeitos na economia e na sociedade. Determinar os efeitos das políticas econômicas na composição setorial do produto e seus impactos no crescimento econômico brasileiro, no período de 1960 a 2001, foi o objetivo principal desde estudo. Para sua consecução, foi elaborado um modelo econométrico e estimados os parâmetros que determinam as principais relações entre as variáveis macroeconômicas no Brasil. O modelo é composto de quatro blocos de equações, definidos da seguinte forma: taxa de câmbio real, preços setoriais e abertura comercial; produção setorial; dispêndio da economia; e alocação dos recursos produtivos. Parte-se da concepção de que o ambiente macroeconômico, que envolve as relações entre as diversas variáveis, determina os preços, os investimentos e a produção. A partir do modelo, foram feitas simulações que envolveram choques nas variáveis de política monetária, fiscal e de abertura econômica, possibilitando mensurar o impacto de políticas alternativas no crescimento econômico, principalmente nas décadas de 80 e 90, consideradas “décadas perdidas”. Choques nessas variáveis, simulando a antecipação do ajuste na economia brasileira aos choques do petróleo e da taxa de juros no mercado internacional, no período de 1974 a 1983, com gradual componente contracionista, resultou em crescimento no produto menor do que o observado. Houve impacto no setor agrícola, causando queda no produto, nos salários, na taxa de retorno ao investimento e no produto médio do trabalho. Os preços reais nesse setor, que aumentaram efetivamente no período, com a simulação estabilizaram-se. O setor não-agrícola também foi impactado negativamente, entretanto, com menos intensidade do que o agrícola, cujo produto continuou a crescer, à taxa menor do que a observada, apesar de queda nos demais indicadores. A estabilização dos preços reais no setor agrícola e a queda desses no setor não-agrícola permitiram inferir que menores pressões sobre os preços nominais ocorreriam com a simulação e, portanto, a inflação seria controlada. As variáveis de comércio internacional foram afetadas pela queda nas exportações e nas importações, que é explicada pelo menor crescimento da economia e pela política de menor abertura comercial simulada. Esse resultado indica que o problema relativo à crise na dívida externa, no início dos anos 80, poderia não existir, se as políticas alternativas simuladas tivessem sido adotadas. O consumo e o investimento privado também tiveram taxas de crescimento reduzidas pela simulação, em virtude da política fiscal contracionista que afeta a demanda agregada. Choques com políticas econômicas expansionistas foram simulados no período de 1984 a 1994, ou seja, após o ajuste simulado, e os resultados mostraram que os indicadores básicos de crescimento do produto cresceram a taxas maiores do que as observadas. O setor agrícola novamente respondeu mais efetivamente às políticas simuladas, em virtude de sua maior abertura ao comércio internacional, do que o não-agrícola, que se caracteriza pela baixa exposição de seus produtos ao mercado internacional. Portanto, as políticas macroeconômicas afetam, com intensidades distintas, os setores da economia, o que deve ser levado em consideração na formulação das políticas econômicas. Por terem sido mal conduzidas, essas políticas resultaram em grandes desequilíbrios macroeconômicos que se estenderam durante as duas últimas décadas e que, se tivessem sido aplicadas para manter os indicadores básicos equilibrados, poderiam ter resultado em crescimento contínuo e sustentado.
This study deals with the performance of the Brazilian economic growth in the last four decades. Despite periods of growth and crisis cycles until the late 1970s, the economy presented high product growth rates. The following decades are characterized by severe internal imbalances due to inflation and by external imbalances due to the debt, causing low product growth rate and per capita income. The low economic growth resulting from external shocks, or even the adoption of wrong economic policies, may have caused inefficient productive resources allocation, unemployment, decreased productivity and competitivity, under a process of economic degradation affecting the economy and society. The main objective of this study is to determine the effects of the economic policies on product sector composition and their impacts on the country’s economic growth from 1960 to 2001. Thus, an econometric model was developed and the parameters determining the major relations among the macroeconomic variables in Brazil were estimated. The model is composed of four equation blocks, defined as follows: real exchange rates, sectorial prices and market opening; sectorial production; economy expenditure; and productive resources allocation. The study is based on the premise that the macroeconomic environment, involving the relations among the various variables, determines the prices, investments and production. Based on the model, simulations are made involving shocks applied to the variables monetary policy, fiscal policy, and market opening policy, allowing to measure the impact of alternative policies on economic growth, mainly during the 1980s and 1990s, the so-called ‘lost decades’. Shocks applied on these variables, by simulating the anticipation of the adjustment by the Brazilian economy to the shocks caused by the oil crises and international market interest rates from 1974 to 1983, with a gradual contraction component, led to a product growth lower than the observed. There was an impact on the agricultural sector, causing products, income, investment return rate and average labor product to fall. The real prices in this sector, which had an effective growth during this period, became stable after the simulation. The non- agricultural sector was also affected negatively, although less intensely, than the agricultural sector, whose product continued to grow at a lower rate than the observed, despite the drop in the other indicators. The stabilization of real prices verified in the agricultural sector and their drop in the non-agricultural sector allowed inferring that smaller pressures on the nominal prices would occur under simulation and, therefore, inflation would be controlled. The international market variables were affected by the reduction in export and import activities, explained by the lower economic growth and the simulated limited market opening policy. This result shows that the problems related to the external debt crisis in the early 1980s might not have occurred if the simulated alternative policies had been adopted. Private consumption and investment also had their growth rates reduced by the simulation, due to the restrictive fiscal policy affecting aggregated demand. Shocks applying expansionist economic policies were simulated from 1984 to 1994, i.e., after the simulated adjustment, and the results showed that the basic indicators of product growth increased at rates higher than those observed. The agricultural sector again responded more effectively to the simulated policies, due to greater exports, than the non- agricultural sector, characterized by low export activities. Thus, the macroeconomic policies do affect the economic sectors at distinct intensities, a fact that must be considered when formulating economic policies. Due to poor implementation, these policies led to enormous macroeconomic imbalances that lingered during the last two decades. Had these policies been applied to keep the basic indicators under balance, they could have resulted in a continuous and sustained growth.
Palavras-chave: Economia Aplicada
Crescimento econômico brasileiro
CNPq: Ciências Sociais Aplicadas
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: CYPRIANO, Luiz Alberto. Crescimento setorial no Brasil, 1960 a 2001: simulação de políticas macroeconômicas alternativas. 2004. 179 f. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2004.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/9069
Data do documento: 28-Jun-2004
Aparece nas coleções:Economia Aplicada

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo526,21 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.