Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1694
Tipo: Tese
Título: Características comportamentais de emas em cativeiro submetidas a diferentes fotoperíodos e relações macho:fêmea
Título(s) alternativo(s): Behavior characteristics of Rhea americana in captivity submitted to different photoperiods and relations male:female
Autor(es): Rocha, Delcio César Cordeiro
Primeiro Orientador: Machado, Thea Mirian Medeiros
Primeiro coorientador: Tinôco, Ilda de Fátima Ferreira
Segundo coorientador: Cecon, Paulo Roberto
Primeiro avaliador: Cardozo, Rejane Machado
Segundo avaliador: Barreto, Sérgio Luiz de Toledo
Abstract: Pesquisas têm revelado que o fator bem estar animal é determinante na viabilidade técnica e econômica dos sistemas de produção animal. Desta forma o entendimento do comportamento animal poderá ser uma ferramenta útil para detecção de problemas que interfiram no conforto do animal e que acarretam prejuízos ao produtor. Os animais se comportam segundo determinados padrões. Esses padrões são definidos como um segmento organizado de atitudes que possui uma função especial. Pode ser um ato único ou uma série de atividades e representam uma resposta do animal a algum estímulo ambiental. Uma alteração no ambiente geralmente produz mais de uma resposta comportamental, mas o animal aprende a usar aquela mais eficiente. Como os desafios ambientais impostos ao animal ocorrem em ciclos regulares, estes exibem seus padrões de comportamento ciclicamente. Por exemplo, os bovinos em sistema de pastagem respondem ao ciclo natural claro-escuro, pastando, ruminando e descansando sempre nos mesmos horários. O experimento foi conduzido no Setor de Produção avícola, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), localizado na Fazenda Boa Vista de Cachoeira de Santa Cruz, município de Viçosa, Estado de Minas Gerais. Os dados comportamentais foram avaliados estatisticamente por método descritivo, através de comparação por freqüência das características avaliadas, para os tratamentos avaliados. Foram utilizadas 21 emas, sendo 15 fêmeas e 06 machos, com idade média de dois anos e meio, (após primeira postura). Os animais foram alojados em galpão, dispostos em três baias com diferentes fotoperíodos, sendo pesados antes e depois de cada período experimental. Adotou-se a utilização de coleiras coloridas para facilitar a identificação das emas. Os fotoperíodos foram baseados nos paralelos 21o (Viçosa, MG), 25o (Ponta Grossa, PR) e 52o (extremo sul da Argentina). Sendo, respectivamente 10:30h/dia de iluminação natural na baia 1 (6:45-17:15h) como testemunha; 13:30h de luz/dia na baia 2 (5:15 18:45 h) e 16:30h/dia na baia 3 (3:45-20:15h). As lâmpadas utilizadas nos dois tratamentos de 13:30 e 16:30h/luz/dia foram do tipo fluorescente com seis lâmpadas de 20W em baias de 200m2 cada (Essa área do galpão foi sub-divida em baias com área de 15 metros de comprimento por 5 de largura totalizando 75 m2 por baia). As luzes foram acessas em abril de 2006, com aumento gradual durante seis dias. A coleta dos dados de postura e choco foi realizada do inicio ao final do ciclo. O Experimento de fotoperíodo foi dividido em quatro fases, com coletas distintas de informações: a) Na primeira fase, os animais foram sub-divididos em dois lotes/fotoperíodo, sendo um dos lotes constituído de um macho e duas fêmeas e, o outro, de um macho e três fêmeas. Ou seja, a Baia 1A (1M:3F) (10:30h/luz/dia), Baia 1B (1M:2F) (10:30h/luz/dia); Baia 2A (1M:3F) (13:30h/luz/dia), Baia 2B (1M:2F) (13:30h/luz/dia) e Baia 3A (1M:3F) (16:30hs/luz/dia), Baia 3B (1M:2F) (16:30hs/luz/dia). Os dados foram coletados entre 10 a 27 de outubro de 2006. E efetuado a análise entre fotoperíodos diferentes na mesma relação macho:fêmea ou seja entre as baias A (1A, 2A e 3A) e baias B (1B, 2B e 3B) nos períodos da manhã e tarde. A análise estatística para o método scan foi descritiva, sendo feito o comparativo dos dados comportamentais em categorias (posição, ingestão, social, reprodutiva e outros) entre as baias com relação tratamentos luminosos diferentes na mesma relação macho:fêmea ou seja entre as baias A (1A, 2A e 3A) e baias B (1B, 2B e 3B) nos períodos da manhã e tarde. Verificou-se que a percepção da luz por via craniana interfere na reprodução e no comportamento das emas e que o fotoperíodo e as diferentes relações de macho:fêmeas alteram o comportamento das emas e a sua produção de ovos, libido e nos comportamentos sociais. b) 2ª Fase (Pintura das cabeças dos animais nas baias B ) Na segunda fase nas baias B (1M:2F) de cada fotoperíodo, todos os animais tiveram a cabeça coberta com tinta nanquim, buscando-se deixá-los insensíveis à luz. As observações foram conduzidas de 03 a 20 novembro de 2006. O percentual de interações macho:fêmea foi verificado conforme o tempo do fotoperíodo, ou seja, pode-se dizer que quanto maior o fotoperíodo maior o percentual de interatividade entre macho:fêmea no turno da manhã. Desta forma, conclui-se que a percepção da luz por via craniana interferiu na reprodução e nos comportamento sociais e ingestivos das emas, os diferentes fotoperíodos e as diferentes relações de macho:fêmeas alteram o comportamento das emas e a sua produção de ovos, libido. Uma vez que tanto os machos como as fêmeas com as cabeças pintadas com nanquim apresentaram refratariedade ao estímulo luminoso quanto à libido (cópula, display e postura) uma vez que os animais que foram submetidos à técnica tornaram-se refratários ao fotoperíodo ao final de algumas semanas mudando completamente seu repertório reprodutivo logo após a sua aplicação. c) 3º Fase (Trocas de machos das baias A com os das baias B) Na terceira fase foi realizada a troca dos machos das Baias B (cabeça coberta com tinta nanquim) pelos machos das Baias A (cabeças normais) e vice versa em cada fotoperíodo, ou seja, o macho da baia 1A (1M:3F) (10:30hs/luz/dia) foi trocado de baia com o macho 1B (1M:2F) (10:30hs/luz/dia) e, respectivamente para os demais fotoperíodos. As observações foram conduzidas no final de 27 de novembro a 14 dezembro de 2006. Assim sendo pode-se concluir que a percepção da luz por via craniana interferiu na reprodução e no comportamento das emas e os machos com cabeça pintada executaram menor quantidade de cortejo e de cópulas que os sem pintura mesmo em diferentes fotoperíodos. As fêmeas com as cabeças pintadas com nanquim se também se tornaram refratárias ao estímulo luminoso inclusive cessado à postura, ou seja, quando foram submetidos à técnica de nanquim mudaram seu repertório reprodutivo logo após a sua aplicação. d) 4ª Fase (inversão de tratamentos) Na quarta fase, os machos voltaram para suas respectivas baias iniciais, ou seja, fez-se a troca dos machos novamente (igual 2ª fase) das Baias B (cabeça coberta com tinta nanquim) pelos machos das Baias A (cabeças normais) e vice versa em cada tratamento. Porém, os animais das baias 1A (1M:3F) (10:30hs/luz/dia e 1B (1M:2F) (10:30hs/luz/dia) que nunca estiveram expostos ao fotoperíodo foram trocados com os animais das baias 3A (1M:3F) (16:30hs/luz/dia e 3B (1M:2F) (16:30hs/luz/dia) com maior tempo de fotoperíodo, e os animais das baias 2A (1M:3F) (13:30hs/luz/dia e 2B (1M:2F) (13:30hs/luz/dia) permaneceram no mesmo fotoperíodo. As observações foram conduzidas de 10 a 27 de janeiro de 2007. As análises estatísticas, tanto para o método focal quanto para o scan foram realizados de forma descritiva, semelhantemente ao já mencionado na 2ª e 3ª Fase. Nesta fase não houve presença de choco durante o período observado. Constatou-se que o percentual de interações macho:fêmea foi verificado conforme o tempo do fotoperíodo, ou seja, pode-se dizer que quanto maior o fotoperíodo maior o percentual de interatividade entre macho:fêmea no turno da manhã. Desta forma, conclui-se que a percepção da luz por via craniana interferiu na reprodução e nos comportamento sociais e ingestivos das emas, os diferentes fotoperíodos e as diferentes relações de macho:fêmeas alteram o comportamento das emas e a sua produção de ovos, libido e nos comportamentos sociais.
Researches has revealed that animal welfare is determinant on economic and technical viability of animal production systems. In this way the understanding of animal behavior will be a useful tool for detection of problems that interferes in the animal confort and promove damages to the producer. The animals behave according determined standards. Those standards are defined as an organized segment of attitudes that have a special function. It can be an unique act or a serie of activities that represent an answer of the animal to some environmental stimulus. A change in the environment usually produces more than one comportamental answer, but the animal learns to use that one more efficient. As the imposed environmental challenges occur in regular cycles, the animals exhibit their standard of behavior in cycles too. By example, bovines in pasture system answer to the natural cycle clear-dark, grazing, pondering and resting at the same schedules. The experiment was conducted in the Poultry Sector of the Federal University of Viçosa (UFV), located in the Farm Boa Vista de Cachoeira de Santa Cruz, town of Viçosa, Minas Gerais State. The behavior data were analysed statisticaly by descriptive method, through comparison by frequency of evaluated characteristics, for the evaluated treatments. 21 Rhea americana were used, being 15 females and 06 males, with average of two and a half years old (after first oviposition). The animals were lodged in shed, arrenged in three stalls with differents photoperiod, being weighed before and after each experimental period. It was adopted the use of colorful collars to facilitate the identification of the animals. The photoperiods were based on the parallels 21º (Viçosa, MG), 25º (Ponta Grossa, PR) and 52º (extreme South of Argentina). Being respectively 10.5h of light/day in the stall 1 (6:45am to 5:15pm), 13.5h of light/day in the stall 2 (5:15am to 6:45pm) and 16.5h of light/day in the stall 3 (3:45am to 8:15pm). The lightbulbs used in the stalls 2 and 3 were of the fluorescent kind, being used 6 bulbs of 20W in stalls of 200m2 each (that area of the shed was sub-divided in stalls with area of 15 meters of length for 5 of width totalling up 75 m2 by stall). The lights were turned on in April of 2006, with gradual increase during six days. The data collection of oviposition and brooding was made in the beginning and the end of each cycle. The photoperiod experiment was devided in four phases, with distinct collect of information: a) In the first phase the animals were subdivided in two groups/photoperiod, being one group constituted of a male and two females and the other one of a male and three females. That means stall 1A (1M:3F)(10.5h light/day), stall 1B (1M:2F)(10.5h light/day); stall 2A (1M:3F) (13.5h light/day), stall 2B (1M:2F)(13.5h light/day); stall 3A (1M:3F)(16.5h light/day), stall 3B (1M:2M)(16.5h light/day). The data were collected between October 10th and 27th of 2006 and performed analysis between differents photoperiod but with the same ralation M:F, that means between stalls A (1A, 2A and 3A) and stalls B (1B, 2B and 3B) in the morning and afternoon. The statistical analysis for the scan method was descriptive, making comparisons of the comportamental data in categories (position, consumption, social, reproductive and others) between the stalls with differents photoperiod but with the same relation M:F, that means comparisons between stalls A (1A, 2A, 3A) and stalls B (1B, 2B and 3B) in the morning and afternoon. It was verified that the perception of the light trouhg the cranial way interfers in the reproduction and in the behavior of the Rhea americana and that the photoperiod and the different relations male:female change the behavior of the animals and their egg production, libido and social behaviors. b) 2nd Phase (Animals in stalls B with the head painted) In the second phase all tha animals in the stalls B (1M:2F) of each photoperiod had they head painted with black ink, with the objective of inhibit the light. The observations were conducted between November 3rd and 20th of 2006. The percentage of the interactions male:female was verified according the duration of the photoperiod, that means that how much bigger the photoperiod is, bigger will be the interactions at the morning. In this way can be concluded that the perception of the light trough the cranial way interfered in the reproduction and in the social and ingestive behavior of Rhea americana; the different photoperiods and relations M:F changed the behavior of the animals, their egg production and libido. All animals with the head painted showed photo-refractoriness and changed their reproductive behavior (mating, display and oviposition) after some weeks. c) 3rd Phase (Trade the males of the stalls A with the ones in the stalls B) In the third phase was made the trade of the males of stalls A (heads with no ink) with the males of stalls B (heads painted) in each photoperiod. For example, the male from stall 1A (1M:3F)(10.5h light/day) was traded with the male from stall 1B (1M:2F)(10.5h light/day). The obsevations were made from November 27th to December 14th of 2006. Can be concluded that the perception of the light though the head interfered in the reproduction and behavior of the animals. Males with the head painted had less matings than the ones with head not painted even in different photoperiods. The females with head painted also showed photorefractoriness and changed they reproductive behavior, including ceasing the oviposition. d) 4th Phase (inversion of treatments) In the fourth phase the males traded in phase 3 were put back to their inicial stalls. However, the animals from stalls 1A and 1B that were never displayed to the photoperiod, were traded with the animals from stalls 3A and 3B, that had a longer photoperiod (16.5h light/day). The observations were made from January 10th to 27th of 2007. The statistical analysis for both methods (focal and scan) were realized in the descriptive form, like made in the phases 2 and 3. In this phase had no presence of brooding during the period observed. The percentage of interactions male:female was verified according the duration of the photoperiod, that means that how much bigger the photoperiod is, bigger will be the percentage of interactions male:female in the morning time. In this way can be concluded that the perception of the light trough cranial way interfered in the reproduction and in the social and ingestive behaviors of the Rhea americana; and the different photoperiods and relations male:female changed the behavior of the Rhea americana and their egg production, libido and social behavior.
Palavras-chave: Ema (ave)
Comportamento
Aspectos ambientais
Registro de desempenho
Rhea americana
Rhea americana
Behavior
Environmental aspects
Performance register
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::PRODUCAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: ROCHA, Delcio César Cordeiro. Behavior characteristics of Rhea americana in captivity submitted to different photoperiods and relations male:female. 2008. 418 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1694
Data do documento: 14-Mar-2008
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf1,44 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.