Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1830
Tipo: Tese
Título: Proteína bruta em dietas para suínos machos castrados e fêmeas da raça Piau, nas fases inicial, de crescimento e de terminação
Título(s) alternativo(s): Crude protein in diets for Piau barrows and gilts in the starting, growing and finishing phases
Autor(es): Sousa Junior, Antonio Alcyone Oliveira de
Primeiro Orientador: Lopes, Paulo Sávio
Primeiro coorientador: Ferreira, Aloízio Soares
Primeiro avaliador: Carneiro, Antônio Policarpo Souza
Segundo avaliador: Dutra Junior, Wilson Moreira
Terceiro avaliador: Matos, Daniele Silva de
Abstract: Com o objetivo de estudar níveis de proteína bruta para suínos machos castrados e fêmeas da raça Piau, de forma independente, nas fases inicial, de crescimento e de terminação, foram realizados para cada fase dois experimentos: um com machos castrados e outro com fêmeas, meios-irmãos. Em cada um dos experimentos foram utilizados 24 suínos. Os pesos médios iniciais e as idades foram respectivamente de 15,0±2,6 kg e 75±7,8 dias, de 35,0±4,4 kg e 127±13,2 dias e de 65,0±7,1 kg e 172±17,8 dias, para as fases inicial, de crescimento e de terminação. Os animais foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado com quatro níveis de proteína bruta, representando os tratamentos, seis repetições e um animal por unidade experimental. Os quatro níveis de proteína bruta usados na fase inicial foram: 10,2%, 12,6%, 15,0% e 17,40%; na fase de crescimento: 9,6%, 12,0%, 14,4% e 16,8%; e na fase de terminação: 9,0%, 10,6%, 12,2% e 13,8%. Ao final da fase de terminação, os animais foram abatidos com 95±2 kg e avaliados o fígado, a gordura visceral, o peso da carcaça quente, das vísceras, o peso da carcaça fria, dos músculos+ossos, da gordura subcutânea (toucinho), dos principais cortes da carcaça, a gordura perirrenal e rins. Também foram estimados os rendimentos de carcaça quente, das vísceras e da carcaça e medidos a área de olho de lombo, o comprimento da carcaça, o comprimento do pernil e a espessura de toucinho. Na fase inicial, no lote de machos castrados, o nível de proteína bruta influenciou apenas a conversão alimentar, que reduziu de forma quadrática até o ponto mínimo de 13,3% de proteína bruta. Para as fêmeas, não se observou efeito do nível de proteína bruta sobre as variáveis estudadas. Na fase de crescimento, nos machos castrados, não se verificou influência do nível de proteína bruta da ração sobre as variáveis. Nas fêmeas, o consumo diário de ração diminuiu de forma quadrática até o nível de 12,9% de proteína bruta na ração. Essa diminuição do consumo reduziu a ingestão de energia e aminoácidos, e isso teve efeito direto sobre o ganho de peso diário dos animais, que reduziu de forma quadrática até o nível de 13,3%, indicando o menor nível de proteína para essa categoria. Na fase de terminação, os níveis de proteína bruta da ração não influenciaram as variáveis de desempenho, para os machos castrados. Quanto às fêmeas, na fase de terminação, foram observadas diferenças estatísticas nas variáveis ganho de peso diário, que aumentou de forma quadrática até o nível de 10,4% de proteína bruta, e espessura de toucinho, que também aumentou de forma quadrática até o nível de 11,4% de proteína bruta na ração; no entanto, o ganho em espessura de toucinho, o consumo de ração diário e a conversão alimentar não alteraram com a variação dos níveis de proteína bruta. Para as variáveis de abate, observou-se nos machos castrados que a gordura visceral sofreu efeito linear, reduzindo até o nível de 12,1% de proteína bruta da ração. As demais características não foram afetadas com a variação dos níveis de proteína bruta da ração. Não se verificou, nas fêmeas, que a variação do nível de proteína bruta da ração influenciou as respostas dos parâmetros estudados. Em se tratando das características de carcaça, nos machos castrados, a variação dos níveis de proteína bruta da ração não proporcionou variação das respostas dos parâmetros estudados. Nas fêmeas, foram detectadas diferenças estatísticas apenas nos cortes copa e pernil. A copa variou de forma quadrática, aumentando até o nível de 11,4% de proteína bruta, enquanto no pernil foi constatada variação linear, reduzindo o peso com o aumento do nível de proteína bruta da ração. As demais variáveis, estudadas na carcaça, não foram influenciadas pela variação dos níveis de proteína bruta na ração. Os níveis de proteína bruta em dietas para suínos machos castrados da raça Piau, na fase inicial, são de 13,3% e, para fêmeas, 10,2%; na fase de crescimento, o nível de proteína bruta em dietas é de 9,6% para machos castrados e fêmeas; e, na fase de terminação, o nível de proteína bruta em dietas é de 9,0% para machos castrados e fêmeas.
The objective of the research was to analyze the crude protein levels in diets for both barrows and gilts of the Brazilian breed Piau, separately, during three phases: starting, growing, and finishing. For each phase of the research, two experiments were conducted, one with a group of barrows and the other with a group of gilts. On each experiment conducted, 24 swine were used. The average initial weight and age were: 15.0±2.6 kg, and 75±7.8 days old; 35.0±4.4 kg and 127±13.2 days old; and 65.0±7.1 kg and 172±17.8 days old, for the starting phase, growing phase and finishing phase, respectively. The animals were allotted to a randomized design with four levels of crude protein and six replicates. The four levels of crude protein feed used were: 10.2%, 12.6%, 15.0% and 17.40%, for the starting phase; 9.6%, 12.0%, 14.4% and 16.8%, for the growing phase; and 9.0%, 10.6%, 12.2% and 13.8%, for the finishing phase. At the end of the finishing phase, the animals were slaughtered at 95±2 kg and we evaluated the liver, visceral fat, hot carcass weight, viscera weight, cold carcass weight, muscle and bone weight, subcutaneous fat (backfat) weight, main carcass cuts weight, perirenal fat and kidneys. We also estimated the hot carcass, offal and carcass yields and measured the loin eye area, carcass length, ham length and backfat thickness. In the starting phase, for the barrows, the crude protein level only influenced the feed conversion, which was quadratically reduced to the minimum of 13.3% crude protein. For gilts, there was no effect of protein levels on the variables studied. In the growing phase, for barrows, there was no influence of the level of dietary crude protein on the variables studied. In gilts, the daily feed intake decreased quadratically to the level of 12.9% crude protein in the ration. This decrease in consumption reduced the intake of energy and amino acids, and this had a direct effect on the daily weight gain of the animals, which was quadratically reduced to the level of 13.3%, indicating a lower protein level for this category. In the finishing phase, the levels of dietary crude protein did not affect the performance variables for barrows. As for gilts, in the finishing phase, statistical differences were observed in the variables daily weight gain, which increased quadratically to the level of 10.4% crude protein, and backfat thickness, which also increased quadratically to the level 11.4% crude protein in the ration; however, the increase in backfat thickness, daily feed intake and feed conversion did not change with varying levels of crude protein. Regarding the variables for slaughter, we observed that, in barrows, the visceral fat had a linear effect, with a reduction to the level of 12.1% crude protein in the ration. The other characteristics were not affected by varying levels of dietary crude protein. We did not find that the varying levels of dietary crude protein influenced the responses to the parameters studied in gilts. Regarding carcass characteristics in barrows, the varying levels of dietary crude protein caused no variation of the responses to the parameters studied. In gilts, statistical differences were found only on the shoulder and ham cuts. On the shoulder, the level of crude protein increased exponentially to 11.4%, while the ham showed linear variation and weight loss with the increased level of dietary crude protein. The other variables studied in the carcass were not affected by varying levels of dietary crude protein. In the starting phase, the dietary crude protein levels are 13.3% for Piau barrows and 10.2% for gilts of the same breed; in the growing phase, the level of crude protein in diets is 9.6% for barrows and gilts; and, in the finishing phase, the level of dietary crude protein is 9.0% for barrows and gilts.
Palavras-chave: Avaliação de alimentos
Nutrição animal
Resíduo de cervejaria
Silagem
Food evaluation
Animal nutrition
Brewery waste
Silage
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::GENETICA E MELHORAMENTO DOS ANIMAIS DOMESTICOS
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: SOUSA JUNIOR, Antonio Alcyone Oliveira de. Crude protein in diets for Piau barrows and gilts in the starting, growing and finishing phases. 2013. 74 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1830
Data do documento: 22-Fev-2013
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf791,32 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.