Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/1832
Tipo: Tese
Título: Uso de salinomicina, virginiamicina, levedura viva e uréia de liberação lenta para vacas leiteiras
Título(s) alternativo(s): Use of salinomycin, virginiamycin, live yeast and slow release urea for dairy cows
Autor(es): Oliveira, Isis Scatolin de
Primeiro Orientador: Queiroz, Augusto César de
Primeiro coorientador: Marcondes, Marcos Inácio
Segundo coorientador: Sousa, Daniel de Paula
Primeiro avaliador: Zervoudakis, Joanis Tilemahos
Segundo avaliador: Cabral, Luciano da Silva
Abstract: Realizou-se dois experimentos com adição de aditivos para vacas leiteiras. No experimento 1, o objetivo foi avaliar a inclusão de salinomicina e virginiamicina e de sua combinação em dietas para vacas leiteiras em lactação mantidas em pastagens de Panicum maximum, cv. Tanzânia e suplementadas com silagem de milho e concentrado sobre as respostas produtivas e fisiológicas. Utilizaram-se 12 vacas leiteiras em lactação (Holandês-Zebu) multíparas, com potencial de produção de leite de 15 kg/dia, com aproximadamente 90 dias de lactação distribuídas em três quadrados latino (QL) 4x4, de acordo com a produção leiteira. Sendo um QL com vacas canuladas no rúmen para avaliação dos parâmetros ruminais. Constituiu-se de quatro períodos experimentais, com duração de 21 dias cada. O consumo foi estimado pela equação para calcular o consumo de matéria seca pelo NRC. Os animais foram mantidos em pastagens de Panicum maximum, cv.Tanzânia e suplementados no cocho com 50% da estimação do consumo de matéria seca, com silagem de milho e concentrado, sendo para animais com até 10 kg de leite animal.dia-1 forneceu-se 2,0 kg de concentrado animal.dia-1 e, 1,0 kg de concentrado para cada 2,5 kg de leite animal.dia-1 acima de 10 kg de leite. Os tratamentos foram os seguintes: (RC) ração controle- sem adição de aditivos; (RS) ração salinomicina; (RV) ração virginiamicina e (RSV) ração salinomicina e virginiamicina de forma combinada. A adição de salinomicina e virginiamicina fornecidos de forma isolada reduziram (P<0,05) o consumo de matéria seca total e de nutrientes (PB, FDNcp, CNF e NDT) quando comparado a dieta controle ou com a combinação de ambos aditivos. A redução no consumo de pasto com adição de salinomicina e virginiamicina de forma isolada foi a responsável pela redução no consumo total, pois o consumo no cocho não foi alterado. A digestilidade de matéria seca e proteína bruta não foram influenciadas pelos aditivos. A adição de salinomicina e/ou virginiamicina não influenciaram (P>0,05) a produção e nem a composição do leite. Uma melhor eficiência alimentar das dietas com adição de salinomicina e virginiamicina de forma isolada foi observada. O balanço energético e de nitrogênio foram positivos, confirmando a variação de peso positiva dos animais, principalmente nas dietas com salinomicina e virginiamicina. O nitrogênio ureico no leite, sangue e o nitrogênio amoniacal ruminal não foram alterados (P>0,05) pela adição de salinomicina e virginiamicina. O comportamento ingestivo das vacas leiteiras não foi alterado entre experimentais, mesmo ocorrendo redução do consumo com adição de salinomicina e virginiamicina de forma isolada. A adição de salinomicina e virginiamicina, de forma isolada melhorou a eficiência alimentar das dieta, reduzindo o consumo de matéria seca, sem alteração na produção de leite e mantendo o balanço energético e de nitrogênio positivo. No segundo experimento, objetivou-se avaliar a inclusão ou não de Saccharomyces cerevisiae em dietas a base de silagem de cana-de-açúcar e com substituição parcial ou total do farelo de soja pela uréia de liberação lenta sobre as respostas produtivas, fisiológicas e ruminais de vacas leiteiras lactantes de alto e médio potencial produtivo e vacas leiteiras não lactantes. Constituído por cinco períodos experimentais, com duração de 17 dias cada. Utilizaram-se 15 vacas leiteiras Holandês/Gir, distribuídas em três quadrados latino 5 X 5, de acordo com a categoria animal. A silagem de cana-de-açúcar foi o volumoso utilizado nas dietas na proporção de 50% com base na matéria seca. Os tratamentos aplicados aos animais foram: controle: a base de farelo de soja; sem levedura- 50%ULL: substituição de 50% do farelo de soja pela uréia de lenta liberação; sem levedura- 100%ULL: substituição de 100% do farelo de soja pela uréia de lenta liberação; com levedura- 50%ULL: substituição de 50% do farelo de soja pela uréia de lenta liberação; com levedura- 100%ULL: substituição de 100% do farelo de soja pela uréia de lenta liberação. O consumo de matéria seca e de nutrientes foi maior (P<0,05) nas vacas lactantes que receberam a dieta controle em comparação as demais e nas que receberam a dieta com substituição parcial em relação as que receberam substituição total do farelo de soja pela ULL. Em vacas não lactantes, o consumo não foi alterado pelas dietas experimentais. Os coeficientes de digestibilidade de matéria seca foram menor em vacas lactantes que receberam a dieta controle em relação as demais, e nas 50% ULL em relação as 100%ULL. Já em vacas não lactantes as dietas com 50% ULL apresentaram maior digestibilidade. Vacas recebendo a dieta controle apresentaram maior produção de leite que as demais. Uma maior produção de leite em dietas com substituição parcial foi observada em relação as que receberam dietas com 100% de substituição. A gordura não foi alterada pela substituição do farelo de soja e nem pela levedura. Vacas que receberam a dieta com 50%ULL apresentaram maior % de proteína do leite (Ptn) do que as que receberam 100%ULL. A dieta controle apresentou uma tendência de um balanço energético (BE) maior do que as demais em vacas lactantes, e foi a única que apresentou BE positivo. Em vacas não lactantes, dietas com 100%ULL apresentaram o pior BE, porém todas as dietas apresentaram BE, variação de peso corporal e variação de escore corporal positivos, sendo que a VPC foi maior nas vacas que receberam a dieta controle. Já em vacas lactantes, a VPC foi negativa em todas as dietas, e VEEC foi positiva somente na dieta controle, mostrando que as vacas perderam peso. Em vacas lactantes, o nitrogênio ureico (NU) no leite e urina não foram alterados. Vacas de alto potencial produtivo em dietas controle apresentaram menor NU no sangue, em vacas de médio potencial, não houve diferenças entre as dietas experimentais. em vacas não lactantes o NUU e o NUS foram semelhantes entre as dietas experimentais. Em vacas lactantes, dietas com silagem de cana-de-açucar com alto níveis de NNP não atenderam os requisitos nutricionais, pois reduziram o consumo, levando a um balanço energético e de nitrogênio negativo, proporcionando perda de peso e redução na produção de leite, sendo que a substituição total do farelo de soja, reduziu ainda mais o consumo e a produção. Em vacas não lactantes, silagem de cana-de-açucar com alto níveis de NNP proporcionaram bom consumo, e ganho de peso, no entanto a substituição total do farelo de soja por ULL reduziu o balanço energético, sendo que a dieta controle apresentou maior eficência alimentar e ganho de peso.
Two experiments with addition of additives for dairy cows was carried. In experiment 1, we evaluated the inclusion of virginiamycin and salinomycin and their combination in diets for lactating dairy cows kept on pasture of Panicum maximum cv. Tanzania and supplemented with corn silage and concentrate on productive and physiological responses. We used 12 lactating dairy cows (Holstein-Zebu) multiparous, with potential for milk production 15kg/dia, with approximately 90 days of lactation distributed in three Latin squares (QL) 4x4, according to milk production. Being QL 1 with cows cannulated in the rumen to evaluate ruminal parameters. Consisted of four experimental periods, lasting 21 days each. Consumption was estimated by the equation to calculate the dry matter intake by the NRC. The animals were kept in pastures of Panicum maximum, cv.Tanzânia and supplemented with 50% in the trough of the estimation of dry matter intake, corn silage and concentrate, and for animals up to 10 kg of milk supplied animal.day-1 to 2.0 kg of concentrated animal.day-1 and 1.0 kg of concentrate for each 2.5 kg of milk animal.day-1 above 10 kg. The treatments were: (RC) control: diet no additives; (RS) diet salinomycin; (RV) diet virginiamycin and (RSV) diet virginiamycin and salinomycin combined. The addition of virginiamycin and salinomycin supplied isolated, reduced (P<0.05) the total dry matter intake and nutrient (CP, NDF, NFC and NDT) compared with the control diet or the combination of both additives. The reduction in the ingestion of pasture with the addition of virginiamycin and salinomycin in isolation was responsible for the reduction in total ingestion, as ingestion has not changed in the trough. The digestibility of dry matter and crude protein were not affected by additives. The addition of salinomycin and / or virginiamycin not affected (P>0.05) nor the production and milk composition. Better feed efficiency of diets with added virginiamycin and salinomycin in isolation was observed. The nitrogen and energy balance were positive, confirming the positive weight variation of animals, especially in diets with salinomycin and virginiamycin. The urea nitrogen in milk, blood and ruminal ammonia nitrogen were not affected (P> 0.05) by addition of virginiamycin and salinomycin. The ingestive behavior of dairy cows has not changed between experimental, even with a reduction in consumption with the addition of virginiamycin and salinomycin in isolation. The addition of virginiamycin and salinomycin, in isolation improved feed efficiency of the diet, reducing the dry matter intake, no change in milk production and energy balance and nitrogen balance maintaining positive. The second experiment aimed to evaluate the inclusion or not of Saccharomyces cerevisiae in diets based on silage cane sugar and with partial or total replacement of soybean meal by slow release urea on productive responses, physiological and ruminal of lactating dairy cows of high and medium potential productive and non-lactating dairy cows. Consisting of five experimental periods, lasting 17 days each. We used 15 dairy cows Holstein / Gir, distributed in three 5X5 Latin square, according to animal category. The silage cane sugar was used roughage diets at the rate of 50% based on the dry matter. Treatments were applied to animals: control: a base of soybean meal; 50%- ULL-: 50% replacement of soybean meal by urea slow release; 100% ULL-: Replacement of 100% soybean meal by urea slow release; yeast -50% ULL: 50% replacement of soybean meal by urea slow release, and yeast-100% ULL: 100% replacement of soybean meal by urea slow release. The ingestion of dry matter and nutrients was higher (P <0.05) in lactating cows receiving the control diet compared to the other and fed diets with partial replacement compared those who received total replacement of soybean meal by ULL. In non-lactating cows, consumption was not altered by the experimental diets. The digestibility of dry matter were lower in lactating cows receiving the control diet over the other, and in 50% ULL over the 100%. ULL. Have not lactating cows diets with 50% ULL had higher digestibility. Cows fed the control diet had higher milk yield than the others. Increased milk production in diets with partial replacement was observed for those fed diets with 100% replacement. The fat was not altered by the replacement of soybean meal and not by yeast. Cows received the diet containing 50% ULL showed greater% of milk protein than those receiving 100% ULL. The control diet showed a tendency to a better energy balance (EB) than the others in lactating cows, and was only presented positive EB. In non-lactating cows, diets with 100% ULL had the worst EB, but all diets showed EB, body weight gain and changes in body score positives, and the body weight gain was higher in cows fed the control diet. Already in lactating cows, the body weight gain was negative in all diets, and changes in body score was positive only in the control diet, showing that cows lost weight. In lactating cows, urea nitrogen (UN) in milk and urine were not altered. Cows with high yield potential in control diet had lower blood UN in medium potential cows, there were no differences among the experimental diets. In non-lactating cows, the UUN and BUN were similar among diets. In lactating cows, silage diets with cane sugar with high levels of NPN did not meet the nutritional requirements because reduced consumption, leading to an negative energy balance and nitrogen balance, providing weight loss and reduction in milk production, being that the total replacement of soybean meal, further reduced the consumption and production. In non-lactating cows, silage cane sugar with high levels of NPN provided good consumption, and weight gain, however the total replacement of soybean meal by ULL reduced the energy balance, and the control diet showed increase in efficiency food and weight gain.
Palavras-chave: Carboidrato
Proteína
Suplementação
Carbohydrate
Protein
Supplementation
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ZOOTECNIA::NUTRICAO E ALIMENTACAO ANIMAL
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Programa: Doutorado em Zootecnia
Citação: OLIVEIRA, Isis Scatolin de. Use of salinomycin, virginiamycin, live yeast and slow release urea for dairy cows. 2012. 86 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/1832
Data do documento: 31-Jul-2012
Aparece nas coleções:Zootecnia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf637,63 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.