Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/3229
Tipo: Dissertação
Título: Hipóteses filogenéticas baseadas em caracteres moleculares e estudos do tamanho do genoma em Dyckia Schult. & Schult.f. e Encholirium Mart. ex Schult. & Schult.f. (Bromeliaceae)
Título(s) alternativo(s): Phylogenetic hypotheses based on molecular characters and studies of genome size in Dyckia Schult. & Schult.f. and Encholirium Mart. ex Schult. & Schult.f. (Bromeliaceae)
Autor(es): Moura, Mariana Neves
Primeiro Orientador: Yotoko, Karla Suemy Clemente
Primeiro coorientador: Forzza, Rafaela Campostrini
Primeiro avaliador: Viccini, Lyderson Facio
Segundo avaliador: Cardoso, Danon Clemes
Abstract: O gênero Dyckia Schult. & Schult. f. contém espécies exclusivas na América do Sul, cujos centros de diversidade encontram-se no sul do Brasil e nas áreas de Cerrado. Das 132 spp. reconhecidas, 129 ocorrem no Brasil e 112 são endêmicas do país. Já Encholirium Mart. ex Schult. & Schult. f. apresenta distribuição mais restrita, que se extende do sul do Mato Grosso do Sul ao norte do Piauí, com uma alta diversidade nos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço de Minas Gerais. Hoje são aceitas 27 espécies de Encholirium, das quais 13 são endêmicas à porção mineira da cadeia do Espinhaço. Esses dois gêneros ocupam majoritariamente ambientes de clima estacional na diagonal seca, formada pela junção da Caatinga, Cerrado e Chaco. As espécies de ambos os gêneros são rupícolas, adaptadas ao estresse hídrico e possuem morfologia externa característica, com folhas suculentas e fortemente aculeadas. A delimitação dos gêneros Dyckia e Encholirium tem sido alvo de controvérsias ao longo do histórico taxonômico, o que se deve à similaridade morfológica entre eles, apesar de existirem caracteres que os distinguem (principalmente a posição do escapo floral). O principal objetivo desse trabalho foi testar o monofiletismo de Encholirium através de inferências filogenéticas baseadas em dois genes do cloroplasto. Vinte e duas espécies de Encholirium e sete de Dyckia foram coletadas nas cercanias de 11 municípios ao longo da Diagonal Seca ou adquiridas da coleção do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. As inferências filogenéticas geradas não sustentam o monofiletismo de Encholirium. O segundo objetivo do trabalho foi obter os tamanhos dos genomas das espécies em estudo para tentar encontrar evidências de separação entre os dois gêneros e verificar se existe correlação entre o tamanho do genoma e medidas de estruturas morfológicas. Não foram encontradas diferenças significativas do tamanho dos genomas das espécies classificadas nos gêneros Dyckia e Encholirium (p = 0,9) e não foram detectadas relações entre medidas de caracteres morfológicos e tamanhos de genoma. Os resultados desse trabalho, somados a outros já publicados, sugerem a necessidade de revisão taxonômica dos gêneros para verificar se trata-se ou não de um único táxon.
Dyckia Schult. & Schult. f. has 132 described species and is an exclusive South America genus, whose species occur in diversity centers of southern Brazil and in areas of Brazilian Savanna (Cerrado). 129 species occur in Brazil and 112 are endemic to this country. Encholirium Mart. ex Schult. & Schult. f. has 27 species and presents a more restricted distribution, which extends from Southern Mato Grosso do Sul to North Piaui, with a high diversity in Brazilian rocky fields (Campos Rupestres) of the Espinhaço Range (Minas Gerais). Thirteen species of Encholirium are endemic to this Range. These two genera occupy mainly seasonal environments along the dry diagonal, formed by the junction of Caatinga, Cerrado and Chaco. Species of both genera are rupicolous adapted to water stress and have characteristic external morphology, with succulent and strongly aculeate leaves. The delimitation of Dickia and Encholirium has been controversial over their taxonomic history due to morphological similarities, although there are characteristics that distinguish them (mainly the position of the floral scape). The main objective of this study was to test the monophyly of Encholirium through phylogenetic inferences based on two chloroplast genes. Twenty-two species of Encholirium and seven of Dyckia were collected near of 11 municipalities along the dry diagonal or acquired from the collection of the Botanical Garden of Rio de Janeiro. The phylogenetic inferences generated did not support the monophyly of Encholirium. The second aim was to measure the genome sizes of the studied species in order to detect evidence of separation between the two genera and check whether there is a correlation between genome size and measures of morphological structures. No significant differences in the genome sizes of Dyckia or Encholirium (p = 0.9) were found and no relationship between measures of morphology and genome sizes were detected. The results of this study, together with others already published, suggest that a new taxonomic review of the genera is needed to verify whether Dyckia and Encholirium should be classified into a unique taxon.
Palavras-chave: Plantas - Anatomina
Bromeliaceae
Filogenia
Genética
Ecologia
Plants - Anatomina
Bromeliaceae
phylogeny
genetics
ecology
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Ecologia
Programa: Mestrado em Ecologia
Citação: MOURA, Mariana Neves. Phylogenetic hypotheses based on molecular characters and studies of genome size in Dyckia Schult. & Schult.f. and Encholirium Mart. ex Schult. & Schult.f. (Bromeliaceae). 2014. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2014.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/3229
Data do documento: 25-Fev-2014
Aparece nas coleções:Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf957,91 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.