Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/360
Tipo: Tese
Título: Vegetação e solos de Muçununga em Caravelas, Bahia
Título(s) alternativo(s): The Muçununga s vegetation of southern Bahia: ecological aspects and their relation to other ecosystems
Autor(es): Saporetti Junior, Amilcar Walter
Primeiro Orientador: Meira Neto, João Augusto Alves
Primeiro coorientador: Schaefer, Carlos Ernesto Gonçalves Reynaud
Segundo coorientador: Souza, Agostinho Lopes de
Primeiro avaliador: Schoereder, José Henrique
Segundo avaliador: Araujo, Dorothy Sue Dunn de
Abstract: A Muçununga é uma Classe de Formação vegetal inserida como um encrave de vegetação savânica, de menor porte e biomassa, em meio a Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas do sul da Bahia e norte do Espírito Santo. Com formações que variam de graminóides até florestais, seus ambientes são fortemente influenciados pelas condições edáficas. A Muçununga é uma vegetação pouco estudada e não é oficialmente reconhecida como um ecossistema associado à Mata Atlântica, portanto é vulnerável legalmente. As hipóteses deste trabalho são: 1) a Muçununga é um ecossistema associado à Mata Atlântica pelo conjunto de evidências florísticas e estruturais; 2) as variações fisionômicas são causadas por variações do solo; 3) é possível delimitar grupos funcionais de espécies vegetais adaptados às condições de estresse da Muçununga; 4) a diversidade vegetal é menor nos locais em que o estresse causado pelo solo é maior. O estudo foi realizado em uma vegetação de Muçununga, no município de Caravelas, 17°41 13 S e 39°28 24 W. Foram escolhidos seis formações diferentes onde alocou-se uma parcela de 20 m x 20 m por ambiente. Em cada parcela, a fisionomia foi descrita e efetuou-se o levantamento florístico-estrutural da vegetação, além de coletas de amostras superficiais e de perfis de solo. Foram realizadas análises de correspondência canônica (CCA) e de regressão para correlacionar populações vegetais e variáveis do solo. Foram amostradas 169 espécies, 132 gêneros e 64 famílias. As famílias mais ricas foram Myrtaceae, Melastomataceae e Asteraceae. Panicum trinii e Lagenocarpus rigidus foram as espécies com maior VI. A Muçununga mostrou-se mais similar às Restingas do ES e RJ, e menos similar às Restingas do Nordeste do Brasil. Os solos da Muçununga, Espodossolos, possuem acidez elevada, e observa-se uma nítida mudança de ambientes relacionados à profundidade do lençol freático, teores de areia grossa, areia fina e matéria orgânica. O tipo de solo determina as fisionomias e os padrões de riqueza e diversidade são menos diversos nas comunidades sob maior estresse. Também, é possível determinar grupos funcionais de espécies mais adaptadas às condições de estresse dos solos da Muçununga. Diante das evidências, a Muçununga revela-se um ecossistema associado à Mata Atlântica.
The Muçununga is a vegetation type surrounded by Atlantic rain forest of Southern Bahia and Northen Espírito Santo, Brazil. Its physionomic formas range from graminoid fields to dense woodlands. This study was carried out at Caravelas country (41°13 17 and 39°28 24 ). The Muçununga vegetation is still unknown by Brazilian environmental legislation. Therefore, it has been vulnerable since it has not been recognized as a related ecosystem to Atlantic rain forest. The working hypotesis of this study have been: 1) Muçununga is a related ecosystem to Atlantic rain Forest; 2) the phytophisionomic range of Muçununga is due to soil variation; 3) plant functional types could be identified according to the stress they are adapted; 4) the plant diversity is lower on sites of higher stressing soils. There were chosen six vegetation forms of Muçununga for allocation of 20 x 20m plots for vegetation and soil studies. There were sampled all life forms of plants, and were sampled soils by means of superficial collection profiles. Analysis of plant populations related to soil properties were made by means of Canonical Correspondence Analysis (CCA) and regression. There were sampled 169 species and 132 genera from 64 botanic families. The richest families were Myrtaceae, Melastomataceae and Asteraceae. Panicum trinii and Lagenocarpus rigidus were the most important (VI) species. The Muçununga was more similar to Restingas of Rio de Janeiro and Espírito Santo states, and less similar to those vegetation unvelated to Atlantic rain forest. The soils of Muçununga were classified as spodosoil, acidic, sandy and with wide range variation of water table depths, fine sand to grass sand ratio, and organic matter. The more stressing is the soil type, the simpler is physiognomic form and the lower are richness and diversity. Furthermore, plant functional types were identified, correlated to the stress of Muçununga s soils. Hence, the Muçununga vegetation is na ecosystem related to the Brazilian Atlantic rain Forest under extreme stressing conditions of soil that are cause of to a unique vegetation under the Atlantic domain.
Palavras-chave: Filogeografia
Ecossistema arenícola
Mata Atlântica
Phytogeography
Ecosystem arenicola
Mata Atlântica
CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::BOTANICA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática
Programa: Doutorado em Botânica
Citação: SAPORETTI JUNIOR, Amilcar Walter. The Muçununga s vegetation of southern Bahia: ecological aspects and their relation to other ecosystems. 2009. 139 f. Tese (Doutorado em Botânica estrutural; Ecologia e Sistemática) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/360
Data do documento: 24-Jun-2009
Aparece nas coleções:Botânica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf5,47 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.