Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/4399
Tipo: Dissertação
Título: Podridões pós-colheita de morango: etiologia e efeito de produtos alternativos
Título(s) alternativo(s): Postharvest rot in strawberry: etiology and effect of alternatives products
Autor(es): Lopes, Ueder Pedro
Primeiro Orientador: Zambolim, Laércio
Primeiro coorientador: Pereira, Olinto Liparini
Segundo coorientador: Costa, Hélcio
Primeiro avaliador: Finger, Fernando Luiz
Abstract: As podridões em pós-colheita são um dos principais problemas, em todas as regiões onde se cultiva o morango no país. São escassas as informações, a respeito dos agentes causais, bem como as estratégias de manejo das podridões do campo à póscolheita. Diante desses fatos este trabalho teve os seguintes objetivos: i- identificar os patógenos, envolvidos em podridões, na fase de pós-colheita de morango, e ii - estudar o efeito de estratégias alternativas de controle, baseando-se na aplicação de quitosana, cálcio e silício, no controle de podridões em pós-colheita. Amostras de 200 frutos foram coletados mensalmente, em câmaras com temperatura de 2 oC, no período de março de 2009 a fevereiro de 2010, para identificar os patógenos envolvidos em podridões em pós-colheita. Os experimentos visando avaliar o efeito de cloreto de cálcio, silicato de potássio e da quitosana, no controle de podridões em pós-colheita foram constituídos de 18 tratamentos combinando-se os produtos entre si em pré-colheita e com tratamentos em pós-colheita com quitosana. Com os dados de incidência, calculou-se a Área Abaixo da Curva de Progresso de Podridão Total (AACPPT), para Rhizopus stolonifer (AACPPR) e para Botrytis cinerea (AACPPB). Foram identificados 14 diferentes fungos causando podridões em pós-colheita de morango com danos de: B. cinerea (36,3%), R. stolonifer (34,9%), G. candidum (31,1%), Pilidium concavum (17,4%), Colletotrichum spp. (13,7%), Pestalotia longisetula (2,3%), A. niger (1,7%), Phoma sp. (2%) e Mucor sp., Sclerotinia sclerotiorum, Cylindrocladium candelabrum, Penicillium sp., Cladosporium sp. e Aspergillus sp. (2,8%). Os fungos G. candidum, P. concavum, C.candelabrum, Penicillium sp., A. niger, Aspergillus sp., Phoma sp., Mucor sp. e Cladosporium sp. foram identificados pela primeira vez, como patógenos em póscolheita na cultura do morango, no Brasil. A incidência dos fungos foi variável ao longo do ano, sendo os mais freqüentes causando podridões em frutos de morango B. cinerea, R. stolonifer e G. candidum, P. concavum e Colletotricum spp.. Os danos causados por R. stolonifer e G. candidum foram maiores em épocas de precipitação acima de 74 mm e temperatura média de 20,1 oC; épocas de precipitação abaixo de 34 mm e temperatura média de 16,8 oC, os danos de B. cinerea e P. concavum foram menores. Não houve efeito das aplicações de cálcio, silicato de potássio e quitosana no campo, sobre a produção de plantas de morangueiro. Também não houve efeito da aplicação destes produtos no campo sobre a incidência de podridões em pós-colheita. Quando frutos foram armazenados a temperatura de 2 oC e submetidos a aplicação de quitosana, em pós-colheita houve redução da AACPPT em 91% na cultivar Oso grande e 52% na cultivar Camarosa e de 91% e 55% da AACPPB nas cultivares Oso grande e Camarosa respectivamente. Quando os frutos foram armazenados a 25 oC observou-se redução da AACPPT de 17%, e da AACPPR de 44% na cultivar Oso Grande semelhante ao observado na cultivar Camarosa com redução de 17,3% na AACPPT e 53% na AACPPR. Não se observou redução na AACPPB em frutos das duas cultivares armazenadas a 25 oC.
The rot in post-harvest is a major problem in all regions where they cultivate strawberries in the country. Only limited information, regarding the causal agents and management strategies from rot of the field after harvest. Given these facts this study had two objectives: i-identify the pathogens involved in rot, in the post-harvest strawberries and II - study the effect of alternative strategies of control based on application of chitosan, calcium and silicon in the control of postharvest rot. Samples of the 200 fruit were collected monthly in chambers with temperature of 2 ° C over the period march 2009 to february 2010 to identify the pathogens involved in postharvest rots. The experiments to evaluate the effect of calcium chloride, potassium silicate and chitosan to control postharvest decay consisted of 18 treatments combining the products together in pre-harvest and postharvest treatments with chitosan. With the incidence data, was calculated the Area Under the Progress Curve Rot Total (AUPCRT) for Rhizopus stolonifer (AUPCRR) and Botrytis cinerea (AUPCRB). Was identified 14 different fungi causing postharvest rot of strawberry with damage: B. cinerea (36,3%), R. stolonifer (34,9%), G. candidum (31,1%), Pilidium concavum (17,4%), Colletotrichum spp. (13,7%), Pestalotia longisetula (2,3%), A. niger (1,7%), Phoma sp. (2%) e Mucor sp., Sclerotinia sclerotiorum, Cylindrocladium candelabrum, Penicillium sp., Cladosporium sp. e Aspergillus sp. (2,8%). The fungi G. candidum, P. concavum, C.candelabrum, Penicillium sp., A. niger, Aspergillus sp., Phoma sp., Mucor sp. e Cladosporium sp. were first identified as postharvest pathogens on strawberry in Brazil. The incidence of fungi was variable throughout the year, the most frequent cause rot in strawberry fruits B. cinerea, R. stolonifer and G. candidum, P. concavum and Colletotrichum spp . The damage caused by R. stolonifer and G. candidum were higher during periods of precipitation above 74 mm and an average temperature of 20.1 oC, periods of rainfall below 34 mm and an average temperature of 16.8 oC, the damage of B. cinerea and P. concavum were lower. No effect of applications of calcium, potassium silicate and chitosan in the field, on the production of strawberry plants. There was also no effect of these products in the field on the incidence of post-harvest rots. When stored at a temperature of 2 ° C and subjected to chitosan treatment in postharvest AUPCRT reduced by 91% in the cultivar 'Oso Grande' and 52% in cultivar Camarosa and 91% and 55% of AUPCRB cultivars 'Oso Grande' and Camarosa respectively. When stored at 25 ° C was observed reduction in AUPCRT of 17%, and in AUPCRR of the 44% in the cultivar 'Oso Grande' similar to that observed in Camarosa with reduction of 17.3% and 53% of AUPCRT and AUPCRR. No decrease was observed in AACPPB fruits of both cultivars stored at 25 ° C.
Palavras-chave: Fungos fitopatogênicos
Silício
Cálcio
Quitosana
Morango
Phytopathogenic fungi
Silicon
Calcium
Chitosan
Strawberry
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::AGRONOMIA::FITOSSANIDADE::FITOPATOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Etiologia; Epidemiologia; Controle
Programa: Mestrado em Fitopatologia
Citação: LOPES, Ueder Pedro. Postharvest rot in strawberry: etiology and effect of alternatives products. 2011. 68 f. Dissertação (Mestrado em Etiologia; Epidemiologia; Controle) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/4399
Data do documento: 22-Fev-2011
Aparece nas coleções:Fitopatologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf857,04 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.