Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/23065
Tipo: Tese
Título: Ítalo-brasileiros: herança e relações de gênero na capital nacional do agroturismo
Italian-brazilians: inheritance and gender relations in the national capital of agrotourism
Autor(es): Oliveira, Márcia Botelho de
Abstract: Analisando o processo de transmissão de herança, percebe-se que tradicionalmente, entre agricultores familiares, a herança corresponde à terra e, em geral, é passada para um único filho homem que será o sucessor e assegurará a continuidade da exploração agrícola e a manutenção do grupo familiar. Com isso, as mulheres, normalmente, são excluídas do processo de partilha da herança. Sendo assim, o objetivo geral desta pesquisa constitui-se em analisar, por meio de uma perspectiva de relações de gênero, as representações de mulheres e homens ítalo-descendentes, envolvidos em atividades de agroturismo, sobre o processo de transferência de herança em suas respectivas famílias. O estudo foi realizado no município de Venda Nova do Imigrante que está situado na região serrana do Espírito Santo. Os participantes foram mulheres e homens ítalo- descendentes envolvidos em atividades de agroturismo. Optou-se por conjugar a observação participante e a entrevista como métodos de geração de dados. Assim, inicialmente foi realizada uma observação participante das atividades desenvolvidas na propriedade com o objetivo de conhecer um pouco da rotina dos participantes da pesquisa. Posteriormente, foram realizadas as entrevistas, sendo uma direcionada à pessoa que recebia os turistas e outra dirigida ao proprietário legal da terra. Para a análise dos dados gerados foi realizada uma análise descritiva e, em seguida, análise discursiva, que consistiu na realização de Análise de Discurso Crítica (ADC). Foram 19 propriedades participantes e 32 entrevistas realizadas, sendo 11 com pessoas responsáveis pela recepção do turista, 13 proprietários legais da terra e 8 pessoas que se enquadravam nas duas situações. Observou-se que a terra, muito além de possuir valor material, era valorizada como um bem associado à memória e ao sobrenome da família. O trabalho de recepcionar o turista era destinado às mulheres, enquanto os proprietários legais da terra, em sua maioria, eram homens. O perfil dos 32 entrevistados era de pessoas com idade entre 45 e 59 anos, casadas e com 2 ou 3 filhos. A produção predominante dos entrevistados se refere ao agroturismo, seguida das atividades agrícolas. O trabalho dentro da propriedade era dividido de acordo com o gênero, pois as mulheres eram responsáveis pelo agroturismo, e os homens, pelas atividades agrícolas. Todos os homens entrevistados receberam herança dos respectivos pais assim como a maioria das mulheres. Todavia, todos os homens receberam a herança em forma de terras, já as mulheres receberam diversas variações de herança, entre elas uma máquina de costura e um enxoval. Assim, notou-se que os homens tinham prioridade na partilha da herança instrumental. Notou-se que a partilha e transmissão de herança é um processo permeado por contradições entre a situação ideal e a real, pois a herança deixa de ser uma prática jurídica e passa a ser construída por uma prática econômica baseada na tradição do direito adquirido por meio do trabalho na terra. Pautando-se na tradição sustentada pela moral patriarcal, mulheres e homens justificam e atenuam as desigualdades geradas pela partilha de herança desigualitária. Os conflitos são marcados pela tentativa das mulheres de transgredir a tradição e a imposição dos homens às práticas de partilha desigualitária. O agroturismo representa um fator de empoderamento feminino no sentido de proporcionar independência financeira, pois as mulheres geriam o empreendimento e controlavam os gastos e lucros gerados por esta atividade. Ademais, o agroturismo proporcionou reconhecimento social, respeito entre os familiares e a ampliação dos contatos sociais e amizades. Entretanto, o agroturismo não é um fator de inclusão das mulheres na partilha da herança. Esta inclusão depende de outros fatores relacionados ao valor simbólico da terra e ao direito adquirido. Neste estudo, percebeu-se que a família não atua como instância de redistribuição de renda e proteção de seus membros. Por meio de transferências de herança realizadas de forma desigual, sendo as mulheres preteridas em relação aos homens, as famílias não só deixavam de proteger todos seus membros e minimizar as condições precárias destes, como também reforçavam e aumentavam as desigualdades sociais entre eles. No município de Venda Nova do Imigrante as desigualdades promovidas pela distribuição de herança com base em tradições patriarcais determinaram a condição socioeconômica de várias gerações.
Inheritance transmission among family farmers usually considers the transmission of land, which is often passed to only one male child, who will be the successor and the one to ensure the continuity of the agriculture exploration and the maintenance of the family group. In such case, women are usually excluded from the process of inheritance sharing. The overall objective of this research was to analyze, through a perspective of gender relations, the representations of Italian-Brazilians, both women and men, involved with agrotourism on the process of inheritance transmission in their families. The study was carried out in Venda Nova do Imigrante, located in the mountain region of Espírito Santo. The participants were Brazilian women and men of Italian descent involved with agrotourism. The participant observation method was conjugated with interviews for data collection. A participant observation of the activities developed in the property was carried out with the objective of learning about the routine of the research participants, followed by the interviews. One type of interview was directed to the person who hosted the tourists, and another was directed to the legal landowner. For data analysis, a descriptive analysis was carried out, followed by a discursive analysis, which consisted of a Critical Speech Analysis (CSA). There were 19 participant properties and 32 interviews were carried out, with 11 people responsible for hosting the tourists, 13 legal landowners and 8 people that fit both situations. It was observed that the land was considered an asset associated to the family's memory and name, much more than just for its material value. The activity of hosting the tourists was destined to the women, whereas the legal landowners were mostly men. The 32 interviewees were people between 45 and 59 years old, married, with 2 or 3 children. The predominant production of the interviewees is agrotourism, followed by agriculture. The labor within the property was divided according to the gender: women were responsible for agrotourism and men were responsible for agriculture. All interviewed men received inheritance from their parents, as well as most of the women. However, all men inherited land, whereas women received different variations of inheritance, such as a sewing machine and household items. Also, men had priority in the sharing of instrumental items. The sharing and transmission of inheritance is a process surrounded by contradictions between the ideal and the real situation, since it is not simply considered a legal matter, but it is constructed by an economic practice based on the tradition of the vested right, given by the labor in the land. Considering the tradition supported by the patriarchal morality, women and men justify and attenuate the inequalities generated by the unequal sharing of inheritance. The conflicts are marked by the attempt of women to transgress the tradition and imposition of men to the practices of unequal sharing. The agrotourism represents a factor of female empowerment and a way to provide financial independence, since women are managing the activity and controlling its expenses and profits. In addition, the agrotourism provided social recognition, respect among family members and increase in social contact and friendship. However, agrotourism is not a factor of inclusion of women in the process of inheritance sharing. This inclusion depends on other factors related to the symbolic value of the land and also the vested right. This study showed that the family does not act as an instance of income distribution and protection of its members. By unequally transferring inheritance, with women depreciated with respect to men, families not only do not protect all of its members and minimize their precarious conditions, but also reinforce and increase the inequalities among them. In Venda Nova do Imigrante, the inequalities promoted by the distribution of inheritance based on patriarchal traditions determined the socioeconomic condition of several generations.
Palavras-chave: Mulheres - Condições sociais
Famílias rurais - Transferência
Discriminação de sexo contra as mulheres
Herança e sucessão
Agricultura familiar
CNPq: Economia Domestica
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Citação: OLIVEIRA, Márcia Botelho de. Ítalo-brasileiros: herança e relações de gênero na capital nacional do agroturismo. 2018. 232 f. Tese (Doutorado em Economia Doméstica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2018.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://www.locus.ufv.br/handle/123456789/23065
Data do documento: 13-Jul-2018
Aparece nas coleções:Economia Doméstica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdftexto completo2,91 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.