Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://locus.ufv.br//handle/123456789/725
Tipo: Tese
Título: Processo de ozonização como tecnologia pós-colheita na conservação de goiabas Pedro Sato
Título(s) alternativo(s): Ozonization process as post-harvesting technology for Pedro Sato guavas conservation
Autor(es): Simões, Rodrigo de Oliveira
Primeiro Orientador: Faroni, Lêda Rita D'antonino
Primeiro coorientador: Vanetti, Maria Cristina Dantas
Segundo coorientador: Salomão, Luiz Carlos Chamhum
Primeiro avaliador: Lino Neto, José
Segundo avaliador: Berbert, Pedro Amorim
Abstract: As podridões em frutas e hortaliças, resultantes da atividade de patógenos, causam grandes perdas na fase pós-colheita. A aplicação de fungicidas químicos tem se mostrado o método mais eficiente na redução de infecções fúngicas em produtos hortícolas. No entanto, o crescente interesse do consumidor e das autoridades públicas de saúde sobre a presença de resíduos de pesticidas em produtos agrícolas, bem como o acúmulo dessas substâncias no ambiente, tem estimulado a pesquisa de métodos alternativos para o controle de doenças no pós-colheita. Uma alternativa aos métodos tradicionais empregados no controle de doenças fitopatogênicas de frutas é o emprego do processo de ozonização pós-colheita. O ozônio (O3) é um agente oxidante, que pode ser aplicado na forma gasosa ou dissolvido em água, minimizando a ocorrência de agentes fitopatogênicos e de microrganismos deterioradores de produtos hortícolas. Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do ozônio gasoso, empregado no processo de ozonização pós-colheita, na conservação de frutos de goiaba "Pedro Sato". Num primeiro experimento, objetivou-se determinar a concentração, o tempo de saturação e os períodos de exposição empregados no processo de ozonização. Os frutos foram submetidos ao processo de ozonização, injetando-se o gás nas concentrações de 0, 65, 95, 185, 275, 370 e 460 μg L-1 e vazão de 2 L min-1 em uma câmara de fumigação desenvolvida e confeccionada totalmente em material acrílico. Foram determinados a concentração e o tempo de saturação quantificando-se a concentração residual do ozônio pelo método iodométrico após a passagem do gás pelos frutos, até que ela se mantivesse constante. Avaliou-se também o efeito do ozônio no controle de doenças bem como na sensibilidade dos frutos às diferentes concentrações de ozônio utilizadas. Cerca de 20% do gás injetado interagiu com os frutos, podendo ser o responsável pela redução na incidência e na severidade da antracnose causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioides. Concentrações de ozônio abaixo de 185 μg L-1 não foram suficientes para impedir o desenvolvimento da antracnose nos frutos. As goiabas Pedro Sato‟ responderam ao estresse oxidativo induzido pelo ozônio em concentrações acima de 185 μg L-1, causando anomalias visíveis, com formação de pontuações intervenais esverdeadas e bolhas vermelho-amarronzadas no epicarpo do fruto. Num segundo experimento, objetivou-se avaliar a conservação de goiabas Pedro Sato‟ submetidas ao processo de ozonização como tecnologia pós-colheita, injetando-se o gás nas concentrações de 0, 95, 185, 275 μg L-1 e vazão de 2 L min-1 na câmara de fumigação durante 60 min. A avaliação foi feita pela análise de qualidade fisiológica e físico-química dos frutos, durante o armazenamento em condições ambientes. O conteúdo de vitamina C foi reduzido, já o teor de sólidos solúveis totais e de acidez titulável total se elevou em função do aumento na concentração do gás ozônio. Verificou-se também eficácia gradativa das concentrações do gás ozônio, especialmente para a concentração de 185 μg L-1, que resultou na redução de mais de 50% na incidência da doença, aqui identificada como antracnose. Por fim, no terceiro experimento, objetivou-se avaliar a conservação de goiabas "Pedro Sato" submetidas ao processo de ozonização como tecnologia pós-colheita, injetando-se o gás na concentração de 185 μg L-1 e vazão de 2 L min-1 na câmara de fumigação durante os períodos de exposição de 0, 40, 60 e 80 min. A avaliação também foi feita pela análise de qualidade fisiológica e físico-química dos frutos, durante o armazenamento em condições refrigeradas, seguida de condições ambientes. Detectou-se um aumento no padrão respiratório, mensurado pela produção de CO2 e no teor de sólidos solúveis totais, além de expressivo efeito deletério no teor de ácido ascórbico, ambos em função do incremento no período de exposição ao gás ozônio, independentemente da mudança nas condições climáticas do ambiente de armazenamento. O gás ozônio na concentração de 185 μg L-1 durante 60 min de fumigação, resultou em menor índice de incidência e agressividade da doença, aqui identificada como antracnose. Pode-se concluir, pelos resultados obtidos, que o ozônio gasoso, empregado na concentração de 185 μg L-1, durante 60 min, é um eficiente agente fungicida, atuando no controle da antracnose em goiabas Pedro Sato‟. O processo de ozonização como tecnologia pós-colheita, de forma geral, não afeta a qualidade dos frutos, para os parâmetros avaliados, à exceção do conteúdo de vitamina C, que é reduzido diretamente em função do incremento, seja na concentração ou no período de exposição ao gás ozônio. De posse das informações já registradas, ressalta-se que novos dados devem ser coletados, que permitirão, além de elucidar os mecanismos envolvidos na sensibilidade do fruto da goiabeira ao gás ozônio, a expansão do processo de ozonização na pós-colheita de produtos hortícolas.
Rottenness fruits and vegetables, resulting from pathogen activities, cause great loss in the phase after harvest. Application of chemical fungicide has been the most efficient method for reducing fungal infection in horticultural products. However, the increasing interest of the consumer and public authorities on the presence of pesticide residues in agricultural products, as well as the accumulation of these substances in the environment has stimulated the research of alternative methods for controlling after harvest illnesses. An alternative to the traditional methods used for controlling phytopathogenic illnesses of fruits has been the after harvest ozonization process. The ozone (O3) is a great oxide agent, which may be applied in gas form or solved in water, which minimizes the occurrence of phytopathogenic agents and horticultural deteriorating microorganisms. This work aimed to evaluate the effect of ozone gas, used in after harvest ozonization process, in the conservation of Pedro Sato‟ guava fruits. At a first experiment aimed to determine the concentration, the saturation time and the periods of exposition, used in the process of ozonization. Fruits were submitted to the process of after harvest ozonization process, injecting gas at the concentrations of 0, 65, 95, 185, 275, 370 and 460 μg L-1, and the output of 2 L min-1, in a fumigation chamber developed and made totally in acrylic. The concentration and the saturation time were determined by quantification of the residual ozone, using the iodometric method, after passing the gas by the fruits, until it remained constant. The effect of the ozone was also evaluated for controlling the illnesses, as well as in fruit sensitivity to the different concentrations of ozone used. Around 20% of ozone gas injected interacted with the fruits and may be able for the reduction of the incidence and severity of anthracnose caused by the fungus Colletotrichum gloeosporioides. Concentrations of ozone below 185 μg L-1 were not sufficient for restraining the development of anthracnose in the fruits. Pedro Sato‟ guavas responded to oxidative stress induced by the ozone in concentrations above 185 μg L-1, causing visible anomalies, such as the formation of intervened greenish punctuations and red-brownish bubbles in the fruit apocarps. In a second experiment it was aimed to evaluate the conservation of Pedro Sato‟ guavas submitted to the process of ozonization as after-harvest technology, injecting gas in concentrations of 0, 95, 185, 275 μg L-1, and output of 2 L min-1, in fumigation chamber for 60 min. The evaluation was made through the physiological and physicochemical analysis of the fruit, during the storage in environmental conditions. The content of vitamin C was reduced; however the amount of total soluble solids and the total titrable acidity has been increased in function of the increment in the ozone gas concentration. It was also verified, the gradual efficiency of ozone gas concentration, especially for concentration of 185 μg L-1, which resulted in a reduction of more than 50% in the illness incidence, herein identified as anthracnose. And in the third experiment, it was aimed to evaluate the Pedro Sato‟ guavas conservation submitted to the ozonization process as after harvest technology, injecting gas at concentrations of 185 μg L-1, and output of 2 L min-1, in the fumigating chamber during periods of exposition of 0, 40, 60 and 80 min. The evaluation was also made trough the fruits physiological quality analysis, during storage in refrigerated conditions, followed by environmental conditions. It was detected an increase in respiratory pattern, measured by the production of CO2 and the amount of total soluble solids, besides a highlighting deleterious effect on the amount of ascorbic acid, both happening in function of the increase of the period of exposition to the ozone gas, independently of climatic changes in the storage environment. The ozone gas at concentrations of 185 μg L-1 applied during 60 min fumigation resulted in lower incidence rate and illness aggressiveness, herein identified as anthracnose. It is possible to conclude, through obtained results, that the ozone concentration at 185 μg L-1, during 60 min, is an efficient fungicide agent, acting in the control of anthracnose in "Pedro Sato" guavas. The process of ozonization as after harvest technology, usually does not affect fruit quality, for parameters evaluated, except by the content of vitamin C, which is reduced directly in function of the increase in the concentration or in periods of exposition to ozone gas. Besides that, having those recorded information, it is highlighted that new data may be collected, hence they might allow the elucidation the mechanisms involved in guava fruit sensitivity to the ozone gas from the expansion of the ozonation process in post-harvest vegetables.
Palavras-chave: Goiaba
Colletotrichum gloeosporioides
Ozonização
Guava
Colletotrichum gloeosporioides
Ozonization
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS::ENGENHARIA AGRICOLA
Idioma: por
País: BR
Editor: Universidade Federal de Viçosa
Sigla da Instituição: UFV
Departamento: Construções rurais e ambiência; Energia na agricultura; Mecanização agrícola; Processamento de produ
Programa: Doutorado em Engenharia Agrícola
Citação: SIMÕES, Rodrigo de Oliveira. Ozonization process as post-harvesting technology for Pedro Sato guavas conservation. 2012. 147 f. Tese (Doutorado em Construções rurais e ambiência; Energia na agricultura; Mecanização agrícola; Processamento de produ) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://locus.ufv.br/handle/123456789/725
Data do documento: 24-Ago-2012
Aparece nas coleções:Engenharia Agrícola

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
texto completo.pdf3,78 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.